Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Cine Clássicos: Especial Mês das Bruxas: Frankenstein de Mary Shelley

Kenneth Branagh cria a versão mais fiel do conto de Mary Shelley


sinopse:
Em 1794, um explorador no Ártico ao tentar abrir caminho através do gelo encontra Victor Frankenstein (Kenneth Branagh). Logo depois os cães decidem atacar uma criatura (Robert De Niro), que os mata rapidamente. Assim, Victor decide contar-lhe, como tudo começou, quando ele foi estudar medicina em Ingolstadt, deixando para trás sua noiva e levando consigo uma única obsessão: vencer a morte. Na faculdade, ao discordar de um renomado mestre, acaba chamando a atenção de outro, que revela seus experimentos em reanimar tecidos mortos. No entanto, este pesquisador assassinado e o culpado pelo crime enforcado, então Victor decide colocar o genial cérebro do mestre no vigoroso corpo do assassino, mas as conseqüências de tal ato seriam inimagináveis.

A produção mais fiel ao conto de Mary Shelley até hoje, contudo menos conhecida se comparada a produção da Universal de 1931. Kenneth Branagh mostra otimo desempenho tanto na atuação como na direção onde usa e abusa de cortes bruscos e com um ritimo frenetico com a câmera. Robert De Niro surpreende como a criatura abandonada que busca vingança. Destaco também o desempenho magistral de Helena Bonhan Carter no climax do  filme.       


curiosidades
O fluido amniótico em que a Criatura nasce na verdade era uma espécie de geléia borbulhante. Durante as filmagens, Robert De Niro entrou e saiu tanto do tanque com este líquido que a geléia criou um grande rasgo no terno utilizado pela Criatura

Nenhum comentário: