Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Cine Dicas: Estreias do Final de Semana (31/10/19)

A Cidade Dos Piratas
Confira a minha crítica já publicada clicando aqui. 

A Família Addams 

Sinopse: Os Addams são uma família rica e excêntrica, que adora o macabro e que, ao mesmo tempo, não se dá conta, ou simplesmente não se importa, que outras pessoas os achem bizarros ou assustadores. 

A Odisséia Dos Tontos 
Confira a minha crítica já publicada clicando aqui. 

Amor Em Jogo 

Sinopse: Ami Shushan, jogador de futebol israelense, é forçado pelo chefe da máfia local a se passar por homossexual como punição por flertar com sua namorada.

Intruso 

Sinopse: Tudo parecia tranquilo para uma família do subúrbio, até que seus integrantes são obrigados a receber um visitante misterioso que estabelece regras bizarras, como proibir que as pessoas saiam de casa.
Maria do Caritó

Sinopse: Cansada da vida solitária que leva, Maria sonha em encontrar um verdadeiro amor. Prometida pelo pai para ser entregue virgem a São Djalminha, um santo de quem ninguém nunca ouviu falar, só mesmo um milagre poderia ajudar. 

O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio 
Confira a minha crítica já publicada clicando aqui. 

Papicha 

Sinopse:  Em 1997, a Argélia se encontra controlada por grupos que desejam transformar o país num arcaico Estado Islâmico. Nedjma, estudante universitária apaixonada pela moda, quer lutar contra a opressão que o governo exerce sobre mulheres.    

Rogéria: Senhor Astolfo Barroso Pinto 

Sinopse: O documentário conta a vida e a trajetória artística de Rogéria, abordando uma dualidade entre o artista e a personagem. 

Segredos Oficiais

Sinopse: Depois de passar anos trabalhando como tradutora de mandarim, Katharine Gun se tornou famosa ao expor segredos confidenciais da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos e da britânica Government Communications Headquarters.


Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Cine Dica: Em Cartaz: 'A Odisseia Dos Tontos' - 8 Hermanos e Um Segredo

Sinopse:  é uma história situada em um pequeno povoado da província de Buenos Aires (Argentina), ao final de 2001. Um grupo de amigos e vizinhos perde o dinheiro que havia conseguido reunir para recuperar uma antiga cooperativa agrícola.

América latina é farta de altos e baixos com relação ao cenário político, mas dos quais servem para inspirar os cineastas na realização de suas obras ao longo do tempo. Walter Salles, por exemplo, havia lançado em 1996 "Terra Estrangeira" e do qual sintetizava o estado de espirito do brasileiro daqueles tempos e sem nenhuma boa expectativa. Já recentemente, mais precisamente no país vizinho, chega o filme "A Odisseia Dos Tontos" que fala do jogo de gato e rato de um grupo de amigos da argentina e que tentam driblar os problemas vindos da crise política.
Dirigido por Sebastián Borensztein, que havia dirigido "Um Conto Chines" (2011), o filme conta a história de uma cidade distante na província de Buenos Aires. Durante a crise econômica, um grupo de moradores decide reunir a quantia de dinheiro necessária para comprar alguns sitios abandonados em uma propriedade agroindustrial. Mas, mesmo antes de poderem executar o projeto, um golpe faz com que eles atinjam o fundo do poço e reajam diante da injustiça.
Embora o primeiro ato comece lentamente, o filme avança na medida que as adversidades começam a surgir em cena. Transitando entre o humor e o drama, o filme ganha vida graças aos personagens extremamente humanos e cuja as adversidades vistas na tela acabam sendo até mesmo familiares para os nossos olhos. Não deixa de ser curioso, por exemplo, a crise política da argentina no início do século vinte e um vista na tela e cuja a situação não é muito diferente do que foi da nossa durante a década de noventa.
Mas é a partir do momento em que os personagens centrais se unem para fazer justiça que o filme realmente engrena. Sai de cena os momentos dramáticos e dando lugar para situações de humor simplório, porém, muito gostoso de ser assistido. Na medida em que a trama avança, o filme se transforma em um verdadeiro "11 Homens e Um Segredo" (2001), mas tendo para si a sua identidade própria como um todo.
Logicamente, Ricardo Darín rouba a cena, ao fazer um personagem não muito diferente dos que ele já havia interpretado recentemente, mas que os fãs certamente irão adorar. Dos demais da ala masculina, cada um se destaca da sua maneira, cuja as suas caracteristas são universais e facilmente identificaveis para nós. Mas se por um lado o filho de Ricardo Darín fica devendo em termos de atuação, em contrapartida, as atrizes Verónica Llinás e Rita Cortese se destacam mesmo em poucos momentos em cena.
O ato final reserva diversos momentos de pura emoção, do qual o filme presta uma boa homenagem ao subgênero de filmes de roubos e cujo os minutos finais são extremamente acelerados. Embora previsivel em aguns momentos, o filme consegue o feito de nos entreter, mesmo em uma trama que tinha todos os igredientes para se transformar em um melodrama político."A Odisseia Dos Tontos" é divertido do seu começo ao fim mas permitindo também que a gente possa refletir com humor sobre as adversidades dos tempos atuais. 


Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Cine Dica: Noites na Cinemateca: Cinema & Horror

MADRUGADA DE HORROR NO DIA DOS MORTOS

A quarta e última edição 2019 do projeto Noites na Cinemateca, que promove maratonas cinematográficas temáticas na madrugada, ocorre no sábado, 02 de novembro, às 23h59. Coincidindo com o Dia de Finados, o tema desta noite será Cinema & Horror, apresentando produções como os longas-metragens A Bruxa de Blair, de Eduardo Sánchez e Daniel Myrick, que celebra 20 anos em 2019, Os Olhos da Cidade são Meus, clássico do terror metalinguístico do espanhol Bigas Luna, e um filme surpresa (o primeiro – e sangrento – longa-metragem de um dos principais nomes de Hollywood). A programação também destaca três importantes curtas-metragens do gênero realizados no Rio Grande do Sul: Paulo e Ana Luiza em Porto Alegre, de Rogério Brasil Ferrari, Ne Pas Projeter, de Cristian Verardi e um filme surpresa.
O Noites na Cinemateca faz parte das ações do projeto Cinemateca Capitólio Petrobras – Programação Especial 2019. Entre os meses de março e novembro deste ano, a Cinemateca Capitólio Petrobras promove uma programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras através da Lei de Incentivo à Cultura do Governo Federal e produção da Fundacine e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Secretaria Municipal da Cultura/Coordenação Cinema e Vídeo.
O ingresso para o Noites na Cinemateca tem o valor de R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia), para estudantes e idosos, e é válido para as três sessões da maratona. Entre uma sessão e outra, haverá pequenos intervalos para os espectadores dispostos a atravessarem essa madrugada de terror para poderem recarregar suas energias. Caso haja disponibilidade de lugares, também serão colocados à venda ingressos para quem desejar assistir a apenas parte da programação. A bilheteria abre 30 minutos antes de cada sessão.

A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro, 1085 - Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 http://www.capitolio.org.br/ | https://www.facebook.com/cinemateca.capitolio

FILMES
Paula e Ana Luiza em Porto Alegre
Brasil, 1998, 15 minutos, 35mm
Um simpático casal portoalegrense. Gostam de viagens, discos antigos, gastronomia. Inventam jogos... Jogos estranhos.

A Bruxa de Blair
(The Blair Witch Project)
Estados Unidos, 1999, 105 minutos, HD
Direção: Eduardo Sánchez e Daniel Myrick
Um grupo de três jovens cineastas desaparece ao entrar em uma floresta de Maryland para gravar um documentário sobre uma lenda local conhecida como A Bruxa de Blair. Anos depois, a câmera que usavam é encontrada.

Ne Pas Projeter
Brasil, 2015, 13 minutos, HD
Direção: Cristian Verardi
Um projecionista de cinema tem sua rotina afetada de forma drástica após encontrar uma misteriosa lata de película contendo as advertências: "Não abrir. Não projetar".

Os Olhos da Cidade São Meus
(Angustia)
Espanha, 1986, 86 minutos, HD
Direção: Bigas Luna
John é funcionário de uma clínica de oftalmologia, mas acaba perdendo o emprego por causa de sua incompetência profissional. Ele vive sob os domínios de sua estranha mãe, uma velha psicótica e vingativa, que o hipnotiza e ordena que saia pelas ruas coletando olhos humanos. Todos os olhos da cidade serão nossos, ela profetiza. A partir daí, mergulhamos num delirante estudo sobre o poder hipnótico do cinema, quando a violência nas telas confunde-se com acontecimentos da vida real.

Curta Surpresa (11 minutos)
Importante curta-metragem de horror produzido no Rio Grande do Sul.
Longa Surpresa (91 minutos)
O primeiro – e sangrento! – longa-metragem de um dos mais prestigiados diretores de Hollywood, um mestre contemporâneo do cinema de fantasia. 

GRADE DE PROGRAMAÇÃO
23h59
Paula e Ana Luiza em Porto Alegre + A Bruxa de Blair
02h30
Ne Pas Projeter + Os Olhos da Cidade São Meus
04h30
Curta Surpresa + Longa Surpresa

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Cine Dica: Em Cartaz: 'O Exterminador do Futuro' - Destino Sombrio

Sinopse: Dani Ramos (Natalia Reyes) tinha uma vida tranquila, mas seu presente mudou com algo inesperado, vindo do futuro.  

Acostumada a fazer várias continuações de franquias, por vezes, desnecessárias, a Hollywood de hoje decidiu que a melhor fórmula para obter sucesso é passar a borracha e recomeçar tudo de novo e de novo. No recente "Halloween" (2018), por exemplo, o filme funciona muito bem ao desconsiderar tudo o que já havia sido feito e sendo oficialmente hoje a única continuação do clássico de John Carpenter que merece crédito. "O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio" segue uma proposta parecida, mas que acabou chegando muito atrasada.
Dirigido por Tim Miller, que havia feito o primeiro "Deadpool" (2016), o filme é uma continuação do segundo filme, "O Exterminador do Futuro 2 - Julgamento Final" (1991) e mostra o que aconteceu com Sarah Connor (linda Hamilton) em sua encruzilhada para fugir de um futuro sombrio. Assim como no passado, um cyborg assassino (Gabriel Luna) é enviado do futuro para eliminar a jovem Dani Ramos (Natalie Reyes), que terá um papel importante no futuro no combate contra as maquinas. Porém, Grace, interpreta pela atriz Mackenzie Davis do filme "Blade Runner 2049" (2017) veio com a missão de protege-la.
O grande problema de "O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio", talvez, nem seja o filme em si, mas sim por ter existido tantas continuações anteriores dispensáveis e que muitos ainda não esquecem. Porém, os primeiros minutos já nos forçam para a gente esquecer tudo o que já havia sido feito, em um momento até mesmo corajoso e que nos pega desprevenido. Mas, a partir dali o filme nos coloca para presenciar uma linha narrativa familiar, como se várias ideias dos filmes anteriores fossem usadas aqui.
Embora o filme possua os mesmos moldes dos dois primeiros filmes, em contrapartida, a trama é apresentada de uma forma um tanto que simplificada e que não complica muito o marinheiro de primeira viagem que desembarca nesta franquia. Aliás, há um cuidado para ser melhor apresentado as duas figuras novas e centrais da trama, que é no caso de Grace e Dani e cuja a química das duas atrizes funciona muito bem em cena. No acaso de Mackenzie Davis, convenhamos, ela possui um porte físico surpreendente e cuja a sua presença sempre se destaca quando a trama foca somente nela.
Mas para a velha guarda, é sempre bom rever Linda Hamilton no papel que lhe consagrou na carreira. Ao vermos uma Sarah mais velha, constatamos que ela comeu o pão que o diabo amassou ao longo dos anos, mas seguindo com o intuito de eliminar todos aqueles que ameaçam a humanidade e o seu próprio futuro. É uma pena, portanto, que o seu personagem se apresente aqui como uma coadjuvante, mas que se destaca pelo seu potencial e pela sua carga dramática.
Mas, como eu havia destacado acima, o filme sofre com um déjà vu frequente, como se embalagem do bombom fosse nova, mas contendo o mesmo tipo de chocolate que havíamos experimentado anteriormente. É claro que também é bom, por exemplo, rever Arnold Schwarzenegger no papel que o consagrou e ao lado de linda Hamilton se cria aquela sensação de nostalgia e que todo mundo hoje em dia gosta. Essa fórmula, aliás, funciona tão bem que a gente até se esquece dos furos vistos no roteiro e cuja as situações são até mesmo forçadas para dizer o mínimo.
Mas embora com os seus furos, os roteiristas até que foram engenhosos em nos dizer que serão os excluídos da sociedade que salvarão a humanidade. Ao colocar uma latina como peça fundamental pela sobrevivência do mundo, o filme dá um recado até mesmo corajoso contra o Presidente dos EUA e dizendo que a salvação vem muito além dos muros que nos separam. É uma pena, portanto, que os realizadores se preocupem em alguns momentos, principalmente em seu ato final, em se entregar ao show de ação e efeitos visuais, pois só com essa premissa já valeria o ingresso da sessão.
Com uma inevitável pista de que haverá novamente uma continuação, "O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio" é o melhor filme da franquia desde "T2", mas que, infelizmente, talvez tenha chegado tarde demais. 


Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Cine Dica: Sessão Vagalume e A Cidade dos Piratas (31 de outubro a 6 de novembro)

ZARAFA NA SESSÃO VAGALUME  REPRISE DA PRÉ-ESTREIA DE A CIDADE DOS PIRATAS
Zarafa

A programação da semana na Cinemateca Capitólio Petrobras apresenta sessões da mostra Cinema de Invenção, a última edição de 2019 do projeto Noites na Cinemateca, com filmes de horror durante toda a madrugada, e mais uma edição da Sessão Vagalume, com filmes para crianças de todas as idades. A sessão de Viva a Morte e Adyos, General desta sexta-feira, 1º de novembro, às 20h, foi cancelada por problemas com as cópias.  
Apresentaremos, em substituição, uma reprise da pré-estreia de A Cidade dos Piratas, novo filme de Otto Guerra que teve sesão lotada no último fim de semana. Jessica Forever, Carta para Além dos Muros e O Clube dos Canibais seguem em exibição ao longo da semana. 

ZARAFA NA SESSÃO VAGALUME
Nos dias 2 e 3 de novembro, a Sessão Vagalume apresenta a animação Zarafa, de Rémi Bezançon e Jean-Cristophe Lie, 2012. Maki, um pequeno sudanês de dez anos, consegue enganar mercadores de escravos na savana africana do fim do século XIX e foge para a noite no deserto. Perseguido por traficantes pela savana iluminada pela lua, Maki conhece Zarafa, uma girafa bebê – e também órfã como ele – e o nômade Hassan. Hassan os leva a Alexandria para uma audiência com o paxá do Egito, que ordena que ele entregue o animal exótico como presente ao rei Carlos da França. Inspirado na verdadeira história da primeira girafa a visitar a França, Zarafa é uma aventura animada e emocionante.
Reconhecendo a importância da formação de uma cultura cinematográfica desde a infância, a Sessão Vagalume, projeto do Programa de Alfabetização Audiovisual, apresenta um circuito alternativo de cinema infantil, ampliando a programação da Cinemateca Capitólio Petrobras a este público. As sessões acontecem sempre no primeiro final de semana do mês, às 14h, com ingressos a R$ 10,00 e R$ 5,00.

GRADE DE HORÁRIOS
31 de outubro a 6 de novembro de 2019

31 de outubro (quinta-feira)
14h - Creche-Lar + Carta para Além dos Muros 
16h - Era uma Vez + Jessica Forever
18h - Longo Caminho da Morte
20h - O Jardim das Espumas

1º de novembro (sexta-feira)
14h – Curto Circuito + O Clube dos Canibais
16h – Era uma Vez + Jessica Forever
18h – Curtas de Edgard Navarro
20h – A Cidade dos Piratas (pré-estreia)

2 de novembro (sábado)
14h – Sessão Vagalume: Zarafa
16h – Era uma Vez + Jessica Forever
18h – Sessão Sylvio Lanna
19h – Sagrada Família
20h30 – Bang Bang
23h59 – Noites na Cinemateca: Cinema & Horror  

3 de novembro (domingo)
14h – Sessão Vagalume: Zarafa
16h – Era uma Vez + Jessica Forever
18h – Hitler III Mundo
20h – O Anjo Nasceu

5 de novembro (terça-feira)
14h – Creche-Lar + Carta para Além dos Muros 
16h – Era uma Vez + Jessica Forever
18h – Bandalheira Infernal
20h – Letícia Parente: Regras Para Ser Livre

6 de novembro (quarta-feira)
14h – Curto Circuito + O Clube dos Canibais
16h – Era uma Vez + Jessica Forever
18h – República da Traição
20h – Longo Caminho da Morte

A Cinemateca Capitólio Petrobras conta, em 2019, com o projeto Cinemateca Capitólio Petrobras programação especial 2019 aprovado na Lei Rouanet/Governo Federal, que será realizado pela FUNDACINE – Fundação Cinema RS e possui patrocínio master da PETROBRAS. O projeto contém 26 diferentes atividades entre mostras, sessões noturnas e de cinema acessível, master classes e exposições.

Cine Dica: URUGUAI NA VANGUARDA, estreia no CineBancários, dia 31 de outubro, às 19h, com debate com o diretor Marco Antonio Pereira


URUGUAI NA VANGUARDA entra em cartaz no Cinebancários a partir de 31 de outubro, na sessão das 19h. Com um planejamento de lançamento diferenciado, Porto Alegre já estreou em Montevidéo e Rio de Janeiro, sendo Porto Alegre a terceira cidade a receber o filme.
Garantia de direitos trabalhistas, lei de cotas, equidade de gêneros, reconhecimento político da diversidade sexual, matrimônio igualitário, interrupção voluntária da gravidez, regulamentação do uso da maconha – todas essas conquistas do povo uruguaio nos últimos 30 anos estão na pauta do documentário Uruguai na Vanguarda. A coprodução Brasil-Uruguai da Urbano Filmes é dirigida e produzida por Marco Antonio Pereira.
Com a participação de cientistas políticos e sociais, historiadores, ativistas, educadores, políticos e artistas, o filme vai atrás das raízes desses movimentos que colocaram o pequeno país da América do Sul na linha de frente da justiça social no século XXI.
Nenhum processo histórico surge de repente. Os depoimentos colhidos por Marco Antonio Pereira remontam às reformas do battlismo, na primeira metade do século XX, quando se firmou o estado laico no Uruguai e criaram-se as bases de uma sociedade reformista e progressista. A ditadura civil-militar instalada em 1973, que durou 12 anos, interrompeu esse processo, mas criou um lastro de resistência que iria florescer nos movimentos sociais a partir de meados da década de 1980.
Foi quando os diversos agrupamentos reivindicatórios começaram a se articular e se fortalecer mutuamente, estimulados pela vitória da Frente Ampla esquerdista em 1990. Estava aberto o caminho para os futuros governos de Tabaré Vasquez (2005-2010 / 2015-2020) e José Mujica (2010-2015). Os movimentos sociais levavam, enfim, suas causas das ruas para as agendas do poder político.
Uruguai na Vanguarda aborda cada aspecto importante dessa bela história de triunfos sociais. Destaca a participação das mulheres na saída da ditadura e na descriminalização do aborto. Ressalta o papel dos jovens na liberação do uso controlado da maconha. Enfatiza o lugar do candombe, o tradicional ritmo de tambores africanos, na resistência contra o autoritarismo e na luta contra o racismo dissimulado num país que recalca sua parcela afrodescendente.
Através dos múltiplos pontos de vista enfocados, o filme traz, ainda, uma discussão sobre a identidade nacional uruguaia. Fala-se de um país que se pretende "europeu", domesticamente tranquilo e internacionalmente avançado, mas por outro lado contraditório e com bolsões de hipocrisia. Ou seja, nem o inferno, nem o paraíso.
As vozes também se levantam para criticar a inutilidade prática de algumas leis, que só beneficiam pequenas parcelas da sociedade ou sobrecarregam os cidadãos de exigências a ponto de desestimularem o seu uso. A vanguarda tem um preço, e no caso do Uruguai esse preço é seguir lutando pela ampliação dos direitos e por formas mais participativas de democracia.
Uruguai na Vanguarda tempera sua análise histórica com um olhar poético sobre Montevidéu, suas praças e ruas ora sossegadas no cotidiano, ora tomadas pela pulsação dos frequentes atos políticos. Um ponto da cidade que merece atenção especial é o antigo cortiço "Medio Mundo", no Barrio Sur, tido como o berço do candombe. Seus moradores foram desalojados pela ditadura em 1978, e o local é hoje uma réplica sem alma. Mas os tambores jamais se calaram.
A trilha sonora do documentário reúne sucessos de Ana Prada e outros compositores uruguaios, incluindo milongas e candombe.

Sinopse
História de como os movimentos sociais no Uruguai colocaram na agenda do presidente José Mujica reivindicações como a legalização da maconha, o matrimônio igualitário, o aborto e a lei de cotas para afrodescendentes, assuntos que posicionam o país na vanguarda da luta pela justiça social no século XXI.


C i n e B a n c á r i o s 
Rua General Câmara, 424, Centro 
Porto Alegre - RS - CEP 90010-230 
Fone: (51) 34331205

Cine Dica: Mostra Cinema de Invenção

Cinemateca Capitólio Petrobras promove mostra “Cinema de Invenção”, de 29 de outubro a 10 de novembro
Bang Bang

Atividade conta com mais de 20 filmes do cinema experimental brasileiro e integra a programação especial 2019 com patrocínio master da Petrobras com produção cultural da Fundacine RS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Mostra homenageia o cineasta Neville D’Almeida que participará de sessões comentadas de três obras centrais de sua filmografia. 
De 29 de outubro a 10 de novembro a Cinemateca Capitólio Petrobras promove a mostra Cinema de Invenção, uma das 26 atividades do projeto Cinemateca Capitólio Petrobras Programação Especial 2019, aprovado na Lei de Incentivo à Cultura/Governo Federal, com produção cultural da Fundacine RS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria da Cultura. O projeto tem patrocínio master da Petrobras.
Cinema de Invenção apresenta mais de 20 produções – entre longas, médias e curtas – realizados pelos principais nomes do cinema experimental brasileiro. A inspiração da mostra vem do mítico livro Cinema de Invenção, escrito pelo crítico, escritor e cineasta Jairo Ferreira, que lança profundas reflexões sobre as filmografias de diversos cineastas experimentais, comumente agrupados dentro do chamado Cinema Marginal. A seleção apresenta obras de Júlio Bressane, Rogério Sganzerla, Helena Ignez, Luiz Rosemberg Filho, José Agrippino de Paula, Carlos Ebert, José Sette de Barros, Edgard Navarro, Sylvio Lanna, Neville D’Almeida, Julio Calasso, Omar de Barros Filho, Letícia Parente e Andrea Tonacci.
O grande homenageado da mostra é o cineasta Neville D’Almeida, que vem a Porto Alegre participar de sessões comentadas. O realizador mineiro apresenta três obras centrais de sua filmografia: Jardim de Guerra, seu longa de estreia; Mangue Bangue, filme experimental dado como perdido até meados dos anos 2000; e a sua versão de Matou a Família e Foi ao Cinema, obra de Júlio Bressane. 
A sessão de abertura, na terça-feira, 29 de outubro, às 20h, apresenta Matou a Família e Foi ao Cinema, clássico de Bressane, protagonizado por Renata Sorrah e Márcia Rodrigues, que celebra 50 anos em 2019, em programa duplo com o curta-metragem Vicious, de Rogério Brasil Ferrari. Mais dois filmes do realizador compõem a mostra: o cinquentenário O Anjo Nasceu, e o raro O Monstro Caraíba, protagonizado por Carlos Imperial.
Omar de Barros Filho participa de debate na sexta-feira, 1º de novembro, às 20h, após a exibição do curta-metragem Viva a Morte e do média Adyos, General, duas obras essenciais do cinema de invenção realizado no Rio Grande do Sul. 
Outro destaque é a sessão Letícia Parente: Regras para ser Livre, que reúne 11 obras da artista, uma das grandes pioneiras da videoarte no Brasil. A proposta do programa é a de pensar o lugar dos filmes de Parente dentro da produção cinematográfica experimental brasileira dos anos 1970 e 1980.
Os ingressos para as sessões custam R$ 10,00, com meia entrada para estudantes, idosos e portadores do Cartão Petrobras com acompanhante, além de gratuidade para os funcionários da Petrobras. A bilheteria abre 30 minutos antes de cada sessão. A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 - Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

FILMES
Matou a Família e Foi ao Cinema (1969)
80 min, 1969, p&b, digital
Direção: Júlio Bressane
Rapaz de classe média mata seus pais a navalhadas e depois vai ao cinema ver Perdidos de Amor. Dentre outras “histórias” paralelas, duas amigas percebem que estão apaixonadas uma pela outra.

O Anjo Nasceu
65 min, 1969, p&b, digital
Direção: Júlio Bressane
Dois bandidos, Santamaria e Urtiga, saem pela cidade cometendo atos de violência. Santamaria, místico, acredita que assim está se aproximando de um anjo que lhe limpará a alma. Urtiga, um marginal ingênuo, segue os passos do amigo, acreditando também no anjo da salvação.

O Monstro Caraíba
70 min, 1975, cor, HD
Direção: Júlio Bressane
Brasil é um caça-signos que é morto depois de uma aventura mal sucedida na pista de um tesouro, na pista de signos em rotação.

Vicious
15 min, 1988, p&b, 35mm
Direção: Rogério Brasil Ferrari
Sid e Nancy: amor impossível entre seres inviáveis. A angústia explode em delírios de sangue. Estraçalhados pelas contradições, a busca desesperada é o único caminho.

Bandalheira Infernal
72 min, 1976, p&b, digital
Direção: José Sette de Barros
Os náufragos de Bandalheira Infernal naufragam no asfalto, nos apartamentos de classe média, no trânsito corrosivo das metrópoles, nos morros e florestas da paisagem mágica do Rio de Janeiro, e vivem sempre perseguindo as suas próprias sombras e por elas continuamente sendo perseguidos.

Hitler III Mundo
90 min, 1968, p&b, HD
Direção: José Agrippino de Paula
Paranoia, culpa, desejo frustrado, miséria e tecnologia no país subdesenvolvido. Narrativa fragmentária, enquadramentos distorcidos, gritos e ruídos. O nazismo toma conta da cidade de São Paulo: prisão e tortura de revolucionários, um samurai perdido no caos, amantes trancafiados, o ditador e sua corja de bárbaros conservadores.

SESSÃO SYLVIO LANNA (quatro curtas)
In Memoriam O Roteiro do Gravador
20 min, 2019, p&b, HD
Direção: Sylvio Lanna
Um filme sobre a morte e o renascimento do Cinema.

Malandro, Termo Civilizado (ou Malandrando)
24 min, 1987, cor, HD
Um filmepoesia, um documento ficcio-musical em direção aos recônditos da alma carioca e nacional. Protagonizado por Wilson Grey com o Ás de Copas, um malandro coringa-cupido de uma estória de amor infinito, o amor que gerou o samba.

Um Cinema Caligráfico
7 min, 2019, cor, HD
Direção: Sylvio Lanna
O filme é uma resenha do "fio da meada" do Cinema Caligráfico de Sylvio Lanna.

Travelling Adiante
11 min, 2019, HD
Direção: Lúcio Branco
Uma tentativa de breve mirada de longo alcance da trajetória audiovisual e humana de Sylvio Lanna, sem perder o foco sobre a coerência da figura do realizador de ontem e de hoje, na qualidade de expoente criativo do dito Cinema de Invenção.

Bang Bang
81 min, 1971, p&b, HD
Direção: Andrea Tonacci
Um homem, envolvido em várias situações que não consegue controlar, serve de fio condutor para ação que se desenrola em torno de uma quadrilha maluca, composta de um bandido cego, surdo e mudo, cuja pistola dispara a esmo, outro bandido narcisista e um terceiro, a mãe de todos, que come o tempo todo.

República da Traição
90 min, 1969, cor/p&b, HD
Direção: Carlos Ebert
Um casal chega à República de Maraguaya para montar um aparelho de guerrilha, com o intuito de desestabilizar o governo.

Sagrada Família
85 min, 1970, cor/p&b, HD
Direção: Sylvio Lanna
Uma família burguesa composta de quatro integrantes. Ao longo da viagem, vão se desfazendo de seus bens materiais e de sua história. Conduzidos pela mão de um guia, levam uma arma e uma caixa de balas de festim.

Longo Caminho da Morte
85 min, 1971, cor, HD
Direção: Júlio Calasso
A vida e a morte do Coronel Orestes, fazendeiro de café decadente, que perpassa três gerações entre o desespero, as alucinações e o socorro de três esposas distintas.

Viva a Morte
11 min, 1986, cor, digital
Direção: Omar de Barros Filho
A história de um crime ocorrido no "Hotel Recuerdos de España". O proprietário é um velho militante franquista radicado no Brasil.

Adyos, General
56 min, 1986, cor, digital
Direção: Omar de Barros Filho
A saga do comandante paramilitar Medrano. Seus delírios psicóticos, sua fome de poder e ordem.

Jardim de Guerra
100 min, 1968, p&b, digital
Direção: Neville D’Almeida
Um jovem amargurado e sem perspectivas apaixona-se por uma cineasta e é injustamente acusado de terrorista por uma organização de direita que o prende, o interroga e o tortura.

Mangue Bangue
80 min, 1971, cor, digital
Direção: Neville D’Almeida
Filmado no Mangue, uma zona de prostituição no Rio de Janeiro, o filme acompanha a loucura de um homem em meio ao milagre econômico na década de 1970, na mesma época da liberdade sexual, uso excessivo de drogas e a censura.

Matou a Família e Foi ao Cinema
100 min, 1991, cor, 35mm
Direção: Neville D’Almeida
Jovem assassina pai e mãe e vai ao cinema, onde assiste a varias mortes anunciadas por manchetes de jornais sensacionalistas, entremeadas por cenas de um homem que rouba calcinhas de mulheres.

O Jardim das Espumas
108 min, 1970, p&b, HD
Direção: Luiz Rosemberg Filho
Um planeta extremamente pobre, dominado pela irracionalidade e opressão, recebe a visita de um emissário dos planetas ricos, interessado em acordos econômicos. Antes de se encontrar com o governante, ele é sequestrado pela facção contraditória do sistema, o oposto de tudo aquilo que é dito oficialmente.

LETÍCIA PARENTE: REGRAS PARA SER LIVRE
Sessão com vídeos realizados pela artista Letícia Parente entre 1975 e 1981 (46 minutos, HD).
Marca Registrada (1975, 10'34'') 
Preparação I (1975. 3'29'')
In (1975, 1'18'') 
Telefone Sem Fio (1976, 5'35'')
Preparação II (1976, 7'40'')
Onde (1978, de André e Letícia Parente, 2'25'')
Especular (1978, 1'44'')
O Homem do Braço e o Braço do Homem (1979, de André e Letícia Parente, 5'49'')
De Aflicti (1979, 3'55'') 
Tarefa I (1982, 1'57'')
Nordeste (1981, 1'54'')

PROGRAMA EDGARD NAVARRO
Alice no País das Mil Novilhas
20 min, 1976, cor, HD
Alice entra no país das maravilhas ao ingerir cogumelo que floresce no estrume do gado. Leitura divertida e psicodélica do clássico de Lewis Carrol

O Rei do Cagaço
11 min, 1977, cor, HD
O ato de defecar introduz história paródica de um manifestante que descobre a força política das fezes.

Exposed
7 min, 1978, cor, HD
Através de uma abordagem onírica e sinuosa, o filme introduz o tema do poder - –econômico, bélico, político - –associando-o à potência sexual.

SuperOutro
46 min, 1989, cor, HD
Um homem tenta libertar-se da miséria que o assedia e acaba por subverter a própria lei da gravidade.

Sem Essa, Aranha
92 min, 1970, cor
Exibição em HD
Direção: Rogério Sganzerla
Banqueiro do jogo do bicho, Aranha (interpretado por Zé Bonitinho) mora com três mulheres. O magnata é uma caricatura da burguesia nacional, às voltas com os solavancos do país.

A Miss e o Dinossauro
17 min, 2006, p&b/cor
Exibição em HD
Direção: Helena Ignez
Filme raro e quase secreto da Belair, produtora que tinha como sócios Rogério Sganzerla, Julio Bressane e Helena Ignez.

GRADE DE HORÁRIOS

29 de outubro (terça)
20h – Vicious + Matou a Família e Foi ao Cinema (1969)
30 de outubro (quarta)
20h – República da Traição

31 de outubro (quinta)
18h – Longo Caminho da Morte
20h – O Jardim das Espumas
1º de novembro (sexta)
18h – Curtas de Edgard Navarro
20h – Viva a Morte + Adyos, General + debate com Matico

2 de novembro (sábado)
18h – Sessão Sylvio Lanna
19h – Sagrada Família
20h30 – Bang Bang

3 de novembro (domingo)
18h – Hitler III Mundo
20h – O Anjo Nasceu
5 de novembro (terça)
18h – Bandalheira Infernal
20h – Letícia Parente: Regras Para Ser Livre

6 de novembro (quarta)
18h – República da Traição
20h – Longo Caminho da Morte

7 de novembro (quinta)
18h – O Jardim das Espumas
20h – Bandalheira Infernal

8 de novembro (sexta)
18h – Hitler III Mundo
20h – Mangue Bangue (Projeto Raros Especial) + debate com Neville D’Almeida

9 de novembro (sábado)
16h – Matou a Família e Foi ao Cinema (1991)
18h – Jardim de Guerra + debate com Neville D’Almeida

10 de novembro (domingo)
16h – Curtas de Edgard Navarro
18h – O Monstro Caraíba
20h – A Miss e o Dinossauro + Sem Essa, Aranha