Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio e comunicador do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 29 de abril de 2022

Cine Especial: 'A Grande Ilusão - E o Conservadorismo Político de Hollywood'

Sinopse: Ascensão e queda fizeram parte da vida do político Willie Stark, que ganhou fama por defender os mais pobres numa comunidade rural. Inicialmente subestimado, Stark começa a ganhar poder e se torna tão corrupto quanto aqueles que um dia ele criticou. 

No passado, quando assunto era política, Hollywood se enveredava para um pensamento mais conservador, pois na opinião deles, ou a mando da igreja ou do Capitólio, o poder acaba por corromper a pessoa mais honesta que existe. No clássico "A Mulher Faz o Homem' (1939), vemos o personagem de James Stewart entrar na política, mas mal sabendo da corrupção que a movia. "A Grande Ilusão" vai para um caminho um pouco mais inverso, em que vemos o cidadão humilde se corromper a partir do momento que precisa saber jogar para sobreviver neste jogo de xadrez.

Dirigido por Robert Rossen, o filme conta a história do pacato advogado Willie Stark (Broderick Crawford) que começa a ganhar fama por defender os mais pobres. Com reputação de homem honesto e apoiado pelas massas graças ao seu jeito caipira, o jurista popular passa a almejar novos objetivos, ingressando na política. Inicialmente subestimado, Stark começa a ganhar poder e se tornar tão corrupto quanto aqueles que um dia criticou.

É engraçado que os discursos políticos e o conflito da diferença entre as classes daquela época não são muito diferentes do que se houve hoje em dia. A diferença está na forma em como ela é induzida ao longo da história, ao vermos uma pessoa comum aos poucos ganhar simpatia do povo trabalhador, ganhando assim o poder, mas se corrompendo ao ponto de se tornar até mesmo pior se for comparado com os que estavam lá. Uma forma clara de como Hollywood estava sendo controlada na época, ao prevalecer o sistema do capitalismo e não dando brecha as ideias socialistas e tão pouco comunistas.

Estamos no final dos anos quarenta, época em que acontecia uma verdadeira caça às bruxas nos bastidores dos estúdios e que muitos que pensavam diferente acabavam sendo presos ou expulsos do país. Sobrou para nomes de grande porte como Charles Chaplin ao serem obrigados a sair do país onde construíram as suas carreiras e sendo posteriormente expulsos a paus e pedras. Lógico que mais tarde Hollywood pediria desculpas, mas nada apaga o que já está registrado nas histórias.

Polêmicas à parte, o filme ao menos consegue obter a nossa atenção do início ao fim, principalmente ao fazer do personagem jornalista Jack Burden (John Ireland) o nosso guia para conhecermos melhor a figura de Willie Stark. O ator Broderick Crawford constrói um belo desempenho, ao fazer do seu personagem transitar entre o bom senso e o desejo de obter mais na medida em que os recursos do poder vão diretamente para o seu colo. Não é de se admirar que o interprete tenha ganhado um Oscar, mesmo quando o roteiro queira nos induzir de que todos podem se corromper ao longo da história.

Em alguns momentos, o filme ganha ares de "Cidadão Kane" (1941), pois em ambos os casos vemos as duas figuras centrais se enterrando após terem obtido determinados status. A diferença é que no caso do clássico de Orson Welles o roteiro deixa muito claro que o protagonista nunca desejou chegar aonde havia chegado, enquanto aqui Stark não se cansa em obter poder, seja para ajudar o povo, ou para se manter na sua posição a qualquer custo. Neste último caso, Robert Rossen chega até mesmo a exagerar no tom, ao fazer de Stark e das pessoas próximas a ele figuras não muito diferente aos de gangsters e isso é cada mais acentuado em seu terceiro ato.

Neste último caso, os realizadores criam uma verdadeira justiça poética, mesmo ela soando imprevisível, pois antes disso parecia que Stark era indestrutível. Feito isso, o final me fez lembrar do clássico filme de gangsters "A Alma do Lobo" (1931) e estrelado por Edward G. Robinson, sendo que um tomba devido aos seus feitos no mundo do crime enquanto o outro cai perante ao seu próprio jogo para se manter no poder a qualquer custo. Regra clara que Hollywood sempre passava na época, mas que revista agora deixa mais do que claro o seu modo de persuadir os cinéfilos daqueles tempos.

Além de uma forte atuação de Mercedes McCambridge em cena, "A Grande Ilusão" é um filme simbólico do conservadorismo de tempos em que Hollywood não queria comprar briga com os que controlavam o sistema do capitalismo. 

Onde Assistir: Em DVD e TV Apple 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

quinta-feira, 28 de abril de 2022

Cine Dicas: Estreias do Final de Semana (28/04/2022)

COMO MATAR A BESTA

Sinopse: Em Matar a la Bestia, Emilia de 17 anos é uma jovem de Buenos Aires, chega na casa de sua tia que fica numa cidade perto da divisa da Argentina e Brasil, à procura de seu irmão perdido e afim de recuperar laços perdidos da família após a morte de sua mãe. 


DOWNTON ABBEY – UMA NOVA ERA

Sinopse: Em Downton Abbey II: Uma Nova Era, depois de hospedar a família real e ir ao baile real, a nobre família Crawley se mete em um mistério. Um dia, a Condessa Viúva chama seu filho e sua neta mais velha para contar um segredo que não revelou por anos: ela herdou uma villa no sul da França.


INCOMPATÍVEL

Sinopse: Em Incompatível, Fábio (Gabriel Louchard) e Taís (Giovanna Lancellotti) namoram há seis anos e estão quase se casando. Porém, a noiva deixa a youtuber comportamental Patrícia Bacchi (Nathália Dill) entrar na vida do casal por meio de um um vídeo em que questiona a compatibilidade dos casais, ela decide cancelar o casamento.



UM CONTO DE AMOR E DESEJO

Sinopse: Tacu Ahmed, 18 anos, é francês de origem argelina. Cresceu nos subúrbios parisienses. Nas bancadas da universidade, ele conhece Farah, uma jovem tunisiana cheia de energia que acaba de chegar de Túnis. 


Jujutsu Kaisen 0

Sinopse: "Eu prometo. Quando formos grandes, nós vamos nos casar!" Quando Yuta Okkotsu era pequeno, sua amiga Rika Orimoto morreu num acidente de trânsito, bem na sua frente. Ela se tornou uma aparição, assombrando o jovem e atormentando a sua vida, até o dia em que Satoru Gojo, um feiticeiro Jujutsu, o convida para se matricular no Colégio Jujutsu. 


Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

Cine Dica: Próxima Sessão do Clube de Cinema de Porto Alegre: "Drive My Car"

Local: Sala Paulo Amorim, Casa de Cultura Mario Quintana

Data: 30/04/2022, às 10:00 da manhã


"Drive My Car" ( Doraibu mai kâ)

Japão, 2021, 179 min, 16 anos


Direção: Ryūsuke Hamaguchi

Elenco: Hidetoshi Nishijima, Toko Miura, Masaki Okada, Reika Kirishima 


Sinopse: Em "Drive My Car", adaptado de um conto de Haruki Murakami, o filme segue duas pessoas solitárias que encontram coragem para enfrentar o seu passado. Yusuke Kafuku (Hidetoshi Nishijima) é um ator e diretor de sucesso no teatro, casado com Oto (Reika Kirishima), uma mulher muito bonita, porém também uma roteirista com muitos segredos, com que divide sua vida, seu passado e colaboração artística. Quando Oto morre repentinamente, Kafuku é deixado com muitas perguntas sem respostas de seu relacionamento com ela e arrependimento de nunca conseguir compreendê-la completamente. Dois anos depois, ainda sem conseguir sair do luto, ele aceita dirigir uma peça no teatro de Hiroshima, embarcando em seu precioso carro Saab 900. Lá, ele conhece e tem que lidar com Misaki Watari (Toko Miura), uma jovem chauffeur, com que tem que deixar o carro. Apesar de suas dúvidas iniciais, uma relação muito especial se desenvolve entre os dois.



Atenciosamente,

Carlos Eduardo Lersch

Diretor de Programação CCPA.

quarta-feira, 27 de abril de 2022

Cine Dica: Streaming: 'No Matarás'

Sinopse: Um homem de boa índole tem um inesperado confronto mortal. Os instintos entram em ação para limpar a bagunça causada em nome da autodefesa, mas é realmente possível se livrar depois de matar alguém? 

O cultuado "Vidas em Jogo" (1997) de David Fincher procura desconstruir a vida do protagonista através de um jogo, como se o mesmo caísse na toca do coelho de "Alice no País das Maravilhas" e para assim desvencilhar de sua vida monótona. Porém, nem todos estão preparados para atravessar o espelho como visto no clássico "Matrix" (1999), principalmente quando a pessoa em si sempre teve uma vida pacata e que sempre evitou de evitar problemas na vida. "No Matarás" (2020) procura explorar a vida desse cidadão comum a partir do momento em que ele é arrancado de sua zona de conforte e adentrando em um redemoinho de eventos dos quais irão joga-lo ao inferno.

Dirigido por David Victori, o filme conta a história de Dani (Mario Casas), um cidadão comum que passou anos cuidando do seu pai doente. Após a morte desse último, ele e sua irmã decidem o que fazer da vida, desde viajar ou conviver com uma vida pacata. Porém, ao conhecer uma estranha garota chamada Mila (Milena Smit) Dani mal sabe aonde até onde está se metendo e transformando a sua noite em uma verdadeira montanha russa dos infernos.

Já na abertura, o diretor David Victori procura jamais tirar o foco no seu protagonista, ao ponto de sua câmera quase sempre estar atrás de Dani e fazendo com que as cenas representem a nossa visão, como se estivéssemos atrás dele a todo momento. Isso me fez lembrar muito o filme húngaro "O filho de Saul" (2015), já que ambas as situações o plano-sequência nos cria uma situação de expectativa, como se a qualquer momento algo de ruim pudesse acontecer ao protagonista. lógico que isso acontecerá, mas até lá ingredientes moldam a trama para que a gente fique na dúvida.

Quando surge Mila, por exemplo, acreditamos que ela seja a peça que faltava para vida de Dani, mesmo ela sendo apresentada como uma pessoa desgarrada de uma vida cheia de regras. Porém, na medida em que Dani, mesmo que temeroso, vai aceitando o convite da garota, a câmera novamente se torna frenética, cujo o plano-sequência se torna cada vez mais sufocante e fazendo a gente temer por ele. Aliás, é notório que até a fotografia vai mudando gradativamente, cujo os neons coloridos refletem a realidade em que Dani vai adentrando, como se a sua realidade de cores claras e limpas começassem a sumir de imediato.

Curiosamente, o sexo visto na tela é uma espécie de catalizador para que ambos os personagens abram o caixa de Pandora e para que assim o inferno seja jogado na tela. Se antes a montagem das cenas já era frenética, a partir desse momento tudo entra no descontrole, ao ponto de vermos o protagonista em um determinado momento de ponta a cabeça e representando a situação em que ele acabou se metendo. Se tem, portanto, uma corrida contra o tempo, mas dando tudo a entender que dará tudo errado para o nosso ex bom moço.

Vale salientar, que o filme toca muito na questão de o cidadão comum ter de enfrentar a selva de pedra do dia a dia, ao ponto que chegará uma hora que os seus instintos primitivos terão que vir a tona. E é exatamente isso que acontece com Dani, de uma pessoa comum de bem com a vida, para uma pessoa quase selvagem em meio ao desespero e usando todos os métodos para sair dessa vivo. Os desdobramentos da trama são tantos que os poucos momentos de quietude que o protagonista obtém acabam se tornando um alívio em meio a tantos percalços.

O filme procura não julgar as ações de Dani, já que nos identificamos com ele a tal ponto que desejamos que ele se livre da situação em que ele se meteu, mesmo quando ele pratica situações controvérsias pela sobrevivência. O final pode até ser controverso, mas se casando com a proposta principal da obra, pois ao longo da projeção ficávamos nos perguntando qual seria o próximo passo Dani e suas consequências como um todo.

"No Matarás" é sobre o instinto primitivo aflorando no cidadão comum do presente para que o mesmo possa sobreviver em uma realidade selvagem.  

Onde Assistir: Prime Vídeo 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

Cine Dica: PROGRAMAÇÃO DA SEMANA DE 28 DE ABRIL A 4 DE MAIO (CINEMATECA PAULO AMORIM)

 SEGUNDAS-FEIRAS NÃO HÁ SESSÕES

DRIVE MY CAR 


SALA 1 / PAULO AMORIM


15h – MATEÍNA – A ERVA PERDIDA Assista o trailer aqui.

(Uruguai/Brasil/Argentina, 2021, 80min). Direção de Joaquín Peñagaricano e Pablo Abdala Richero, com Federico Silveira, Martín Sacco e Diego Licio. Lança Filmes, 12 anos. Comédia dramática.

Sinopse: Num futuro próximo, a erva-mate está proibida para consumo no Uruguai. Dispostos a lucrar com o episódio, dois vendedores ilegais iniciam uma jornada rumo ao Paraguai para contrabandear o insumo. Durante a viagem, transformam-se em heróis por acaso — e tentam devolver ao povo sua identidade perdida. Prêmio de melhor filme no Festival de Cinema da Fronteira em 2021.  


17h – DRIVE MY CAR (NÃO HAVERÁ EXIBIÇÃO NA QUINTA-FEIRA, DIA 28) Assista o trailer aqui.

(Doraibu mai ka - Japão, 2021, 180min). Direção de Ryusuke Hamaguchi, com Hidetoshi Nishijima, Masaki Okada, Tôko Miura. O2 Filmes, 14 anos. Drama.

Sinopse: Dúvidas e inquietações rondam o diretor e dramaturgo Kafuku, que se dedica à uma montagem do clássico "Tio Vanya", de Tchekov. Ele tem uma relação de muitos anos com a roteirista Oto e, quando ela morre, Kafuku ainda tenta desvendar os segredos de sua vida. Tudo isso ele leva consigo quando é convidado a montar a peça na cidade de Hiroshima - agora, diante de um elenco eclético e de uma motorista pouco flexível, Kafuku precisa encontrar as respostas que sempre buscou. Adaptado de um conto de Haruki Murakami, o longa venceu o Oscar de filme internacional e também foi indicado nas categorias de melhor filme, roteiro adaptado e direção.


PROGRAMAÇÃO DE 3 A 4 DE MAIO DE 2022

SEGUNDAS-FEIRAS NÃO HÁ SESSÕES


SALA 2 / EDUARDO HIRTZ


14h30 – TRE PIANI  Assista o trailer aqui.

(Itália/França, 2021, 120min). Direção de Nanni Moretti, com Alba Rohrwacher, Nanni Moretti, Riccardo Scamarcio, Margherita Buy. Imovision, 12 anos. Comédia dramática.

Sinopse: O cotidiano de três famílias - todas vizinhas - é marcado por alguns acontecimentos trágicos, embora comuns: um atropelamento, uma suspeita de abuso, uma doença grave. À medida em que estes fatos se cruzam, os personagens vão revelando suas dificuldades em tomar decisões, enfrentar seus medos ou mesmo de ter uma convivência harmoniosa.


16h45 – VITALINA VARELA *ESTREIA* Assista o trailer aqui.

(Portugal, 2021, 124min). Direção de Pedro Costa, com Vitalina Varela. Zeta Filmes, 12 anos. Drama.

Sinopse: Aos 55 anos, Vitalina Varela sai de Cabo Verde em direção à capital portuguesa para receber o corpo do marido. Há muito tempo que ela esperava por esta viagem a Lisboa e, agora, só lhe resta saber o que o falecido planejava. A relação colonialista entre Portugal e Cabo Verde serve de pano de fundo para a produção, amparada em enquadramentos bem estudados e na valorização das sombras. Prêmios de melhor filme e atriz no Festival de Locarno em 2020.


19h – COMO MATAR A BESTA *ESTREIA* Assista o trailer aqui.

(Matar a la Bestia - Brasil/Argentina/Chile, 2021, 90min). Direção de Agustina San Martin, com Ana Brun e João Miguel. Sessão Vitrine, 14 anos. Drama.

Sinopse: Aos 17 anos, Emilia desembarca numa cidade da fronteira entre Brasil e Argentina buscando o irmão desaparecido e esperando se reconectar com a família distante. Antes de chegar no hostel de sua tia Ines, os locais avisam a garota – natural de Buenos Aires - que as fronteiras são apenas linhas no mapa e que há uma besta à solta na região, procurando por vítimas.


PREÇOS DOS INGRESSOS:

TERÇAS, QUARTAS e QUINTAS-FEIRAS: R$ 12,00 (R$ 6,00 – ESTUDANTES E MAIORES DE 60 ANOS). SEXTAS, SÁBADOS, DOMINGOS, FERIADOS: R$ 14,00 (R$ 7,00 - ESTUDANTES E MAIORES DE 60 ANOS). CLIENTES DO BANRISUL: 50% DE DESCONTO EM TODAS AS SESSÕES. 

Professores têm direito a meia-entrada mediante apresentação de identificação profissional.

Estudantes devem apresentar carteira de identidade estudantil. Outros casos: conforme Lei Federal nº 12.933/2013. Brigadianos e Policiais Civis Estaduais tem direito a entrada franca mediante apresentação de carteirinha de identificação profissional.

*Quantidades estão limitadas à disponibilidade de vagas na sala.

A meia-entrada não é válida em festivais, mostras e projetos que tenham ingresso promocional. Os descontos não são cumulativos. Tenha vantagens nos preços dos ingressos ao se tornar sócio da Cinemateca Paulo Amorim. Entre em contato por este e-mail ou pelos telefones: (51) 3136-5233, (51) 3226-5787.


Acesse nossas plataformas sociais:

https://linktr.ee/cinematecapauloamorim

terça-feira, 26 de abril de 2022

Cine Dica: Streaming: 'Pequena Mamãe'

Sinopse: Nelly acaba de perder sua avó e está ajudando seus pais a limpar a casa em que sua mãe passou a infância. Ela explora a casa e o bosque ali perto, onde encontra uma menina da sua idade construindo uma casa na árvore. 

Sempre imaginávamos como seria os nossos pais quando tínhamos a idade de criança, ao ponto de desejarmos voltar ao passado e testemunharmos isso bem de perto. Na clássica trilogia "De Volta Para o Futuro", por exemplo, os realizadores foram criativos na criação da história, pois ela nos causa uma sensação de nostalgia, pois remete a forma como nós sentíamos quando imaginávamos o passado dos nossos pais. "Pequena Mamãe" (2021) segue com uma proposta similar, porém, de uma forma singela, simples e ao mesmo tempo surpreendente.

Dirigido por Céline Sciamma, a mesma de "Um Retrato de Uma Jovem em Chamas" (2020), o filme conta a história de Nelly (Joséphine Sanz) que após perder a sua avó ela conhece a casa onde a sua mãe cresceu e morou por muitos anos.  Chegando lá, ela explora o local enquanto seus pais arrumam a casa. No bosque onde sua mãe, Marion (Nina Meurisse), costumava brincar e construiu uma casa na árvore sobre a qual ela ouviu muitas histórias, Nelly conhece uma garota de sua idade construindo uma cabana. Surpreendentemente, o nome da criança é Marion (Gabrielle Sanz). As duas meninas, com a mesma idade, e extremamente parecidas, se tornam melhores amigas, construindo uma tenda juntas.

Assim como "Um Retrato de Uma Jovem em Chamas", Céline Sciamma procura criar a sua história através do seu modo de filmar, onde a suas cenas falam mais sobre a trama em si do que meras palavras. Belo exemplo disso é na cena de abertura, onde Nelly vai pouco a pouco se despedindo de pessoas de idade avançada em uma casa de repouso, para logo a seguir nos darmos conta de que a sua avó havia a pouco tempo perecido. Isso não é explicitado, mas sim apenas representado por pequenos gestos dos personagens assim como determinados objetos, como no caso, por exemplo, de uma bengala e que iremos revê-la na medida em que a trama avança.

Já o cenário principal é um verdadeiro show à parte em termos narrativos, onde não há efeitos digitais ou algo do gênero para se fazer uma viagem no tempo costumeira, mas sim apenas uma pequena caminhada para que ela venha acontece-la. Nelly adentra ao passado de sua mãe para conhece-la melhor e compreender a dor dela que sente no presente. Se em um primeiro momento nós não entendemos de imediato quem é exatamente a pequena Marion que surge dentro da trama logo tudo é respondido de uma forma simplista, porém, muito bem elaborada e cuja a revelação através do diálogo de ambas as pequenas protagonistas acabam nos surpreendendo, mesmo quando as respostas estavam sendo jogadas na tela a todo momento.

Tanto Joséphine Sanz como Nina Gabrielle Sanz estão ótimas em seus respectivos papeis, pois embora com pouca idade elas carregam o filme nas costas e nos surpreendendo pelos seus olhares expressivos e que esbanjam um grande talento. O filme é curto, de pouco mais de uma hora, mas desejamos que ele não termine tão cedo, pois ficamos encantados pela sua história e da forma que nos toca. Ao final dela, mãe e filha se compreendem através dos laços de sangue e de memórias que ambas desejam que retornem.

"Pequena Mamãe" nos passa aquele desejo conhecido de conhecermos melhor a história dos nossos pais, através de histórias vindas do passado e que nos faz desejar embarcar naquela viagem no tempo que sempre desejávamos.   

Onde Assistir: Prime Video, Youtube, Google play Filmes e Apple TV.

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

Cine Dica: Heróis da Filosofia

 A cultura pop pela lente filosófica

As histórias de super-heróis são já há algum tempo as principais atrações nas salas de cinemas e nos serviços de streaming. Adaptando personagens que fizeram sucesso no século passado nos gibis, esse “gênero” cinematográfico tornou-se febre mundial, influenciou filmes de outros gêneros e a cultura pop em geral.

Nesse sentido, a incontestável presença dos heróis em nossas vidas nos convida a pensar sobre esse acontecimento. Por que esses filmes fazem tanto sucesso? Em que se baseia nosso gosto por personagens feitos para o público infantil de gerações anteriores? Quem são esses personagens e o que eles dizem sobre nós mesmos?


OBJETIVOS

O Curso online HERÓIS DA FILOSOFIA, ministrado por Cristian Arão, proporá diversas reflexões sobre questões de ordem existencial, ética, social e política presentes nas histórias através da análise de filmes de super-heróis contemporâneos. A partir de narrativas protagonizadas por personagens como Batman, Homem-Aranha, Homem de Ferro, a Liga da Justiça e os Eternos, se fará a discussão de temas como justiça, heroísmo, responsabilidade, ressentimento e individualismo. Por conseguinte, espera-se abordar como esses filmes refletem a realidade e também como a constroem.


Curso online

HEROIS DA FILOSOFIA

de Cristian Arão


Datas

14 e 15 / Maio (sábado e domingo)

Horário

14h às 16h30

Plataforma

Zoom


INSCRIÇÕES / INFORMAÇÕES

https://cinemacineum.blogspot.com/2022/04/herois-da-filosofia.html


Realização

Cine Um Produtora Cultural.


segunda-feira, 25 de abril de 2022

Cine Dica: Em Cartaz: 'A Mesma Parte de Um Homem'

Sinopse: Renata vive isolada no interior com sua filha adolescente e seu marido, compreendendo o medo como um sentimento comum. No entanto, a chegada de um desconhecido desperta nela um desejo por tudo aquilo que estava adormecido.

No filme "O Estranho Que Nós Amamos" (2017), da diretora Sofia Coppola, era uma verdadeira análise do papel do homem alfa perante a presença de mulheres que acabam nascendo dentro delas sentimentos antes nunca sentidos. Porém, uma vez que uma mulher já possui uma experiência sem vida através do homem ela, talvez, procure novas experiências, mas somente para se dar conta que, acima de tudo, precisa sentir-se bem consigo mesma. "A Mesma Parte de Um Homem" (2022) é um retrato da mulher perante as duas formas de um homem, mas que ambos a levam por uma escolha antes que seja tarde.

Dirigido por Ana Johann, o filme conta a história de Renata (Clarissa Kiste), vive no interior com sua filha adolescente (Laís Cristina) e seu marido, inseridos em uma família patriarcal de origem humilde e compreendendo o medo do exterior como um sentimento comum. Ao perder o único referencial masculino, Renata e a filha se sentem inseguras como nunca. Por isso, elas se fecham em casa, trancam as portas e recusam a aproximação de outros homens. A chegada de um desconhecido (Irandhir Santos) todavia, desperta sentimentos conflituosos.

Se passando em um mesmo cenário, mais precisamente uma casa e as floresta ao redor, o filme nos passa certa claustrofóbica, principalmente em momentos de tensão onde é mostrado a verdadeira pessoa que é o marido do início trama. No momento em que o mesmo sai de cena, se constrói um novo cenário, mais precisamente indefinido, onde ambas as protagonistas criam uma espécie de faz de conta com o novo homem que surge que se encontra, aparentemente, desmemoriado. Nasce assim uma espécie de jogo, onde ambas estão jogando com a figura masculina, mas cujo o mesmo se apresenta como um personagem ambíguo e colocando a semente de dúvida a todo momento.

 Ana Johann procura criar análise sobre a personalidade dessas duas figuras centrais, sendo que a mãe decide embarcar no jogo até mesmo de sedução e experimentando sensações que ela mesma nunca havia sentido em vida. A cena de sexo entre Lais Cristina e Irandhir Santos é digna de nota, já que de um lado vemos a personagem feminina se despertando, enquanto nele desperta algo que poem dúvida a sua própria natureza. Uma cena muito bem filmada, onde a tensão e o erotismo caminham muito bem em mãos dadas.

Vista em filmes como "Ferrugem" (2018), Clarissa Kiste constroi para a sua protagonista um ar de complexidade, cuja as camadas vão se descascando a partir do homem em que surge esse novo homem e revelando nela uma nova faceta que surpreende até mesmo os vizinhos em volta. Porém, a jovem  Laís Cristina não fica muito atrás, pois ela cria para a sua personagem uma aura selvagem e que me fez muito me lembrar a personagem Juma Marruá da clássica novela "Pantanal" e protagonizado por Cristiana Oliveira. Porém, a personagem possui certa noção da realidade em sua volta e sabendo muito bem jogar as mesmas cartas da mãe em cena.

O ato final nos reserva momentos de até mesmo tensão, onde a verdade precisa vir a tona, pois a natureza do trio central clama pela verdade e cujas as portas e as janelas precisam ser abertas. Uma vez que a situação sai do controle se tem, portanto, a oportunidade de ambas as protagonistas não temerem o mundo a frente, já que a natureza do homem, mesmo nas  mais diversas formas diferentes, é previsível e terminando sempre no mesmo beco. "A Mesma Parte de Um Homem" é sobre os obstáculos que o universo feminino precisa enfrentar, mas cuja a redenção não irá tardar. 


Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

sexta-feira, 22 de abril de 2022

Cine Dica: 'Flee - Nenhum Lugar Para Chamar de Lar'

Sinopse: Flee conta a história de Amin Nawabi enquanto ele lida com um segredo doloroso que ele manteve escondido por 20 anos, um que ameaça descarrilar a vida que ele construiu para si mesmo e seu futuro marido.


"Valsa com Bashir' (2008) chamou atenção do público e da crítica ao ser um documentário, porém, feito em animação tradicional surpreendente. O realizador Ari Folman procurava resgatar através desse projeto determinadas lembranças que estavam bem enterradas com relação a Guerra do Líbano e cujo os motivos que o levaram a esquecer somente é revelado através de um chocante ato final. É então que chegamos ao Dinamarquês "Flee - Nenhum Lugar Para Chamar de Lar" (2021), cuja a temática é parecida, porém, ainda mais pessoal e aprofundada.

Dirigido por Jonas Poher Rasmussen "Flee" é um documentário em formato de animação, que conta a história real de Amin Nawabi, que fugiu quando criança do Afeganistão. Ele teve que confiar em seus próprios instintos para chegar à Dinamarca, ainda criança, onde vive agora. Em seus 30 anos, agora ele é um acadêmico de sucesso e vai se casar com seu namorado de longa data. Mas, segredos de um passado que ele esconde há mais de 20 anos ameaçam arruinar a vida que construiu para si mesmo. Pela primeira vez, ele decide compartilhar sua história com um amigo próximo. Nawabi reconta e compartilha histórias sobre sua jornada que nunca havia revelado antes, descrevendo as condições que forçou sua família a fugir do país.

Diferente de "Valsa com Bashir" aqui o protagonista possui as suas lembranças, porém, elas são guardadas a sete chaves, como se algumas delas pudessem lhe prejudicar ou a sua família. Criado da forma mais simples possível, animação apresentada em cena é de acordo com as lembranças que o protagonista vai revelando, sendo que algumas podem ser verossímeis, mas outras são de acordo com os fragmentos de imagens antigas de uma criança que ainda estava descobrindo o mundo. O resultado é uma obra pessoal de alguém que não poderia mais omitir as suas verdadeiras origens, assim como também a sua própria natureza.

A obra ganha contornos dramáticos e até mesmo de puro suspense, já que Amin e sua família por muito tempo foram refugiados do Afeganistão após os conflitos políticos desencadearem por lá uma guerra quase interminável. Infelizmente eles acabaram se refugiando em uma Rússia que a pouco tempo o governo Comunista havia sido derrubado e por conta disso era um país que a recém estava se reconstruindo. Por conta disso os tempos que eles passavam por lá não lhe trazerem nenhum conforto e procuravam uma forma de saírem de lá para chegarem na Dinamarca onde se encontrava o irmão mais velho de Amin.

É aí que o documentário ganha contornos cada vez mais dramáticos, já que as tentativas de fugas através das fronteiras pareciam praticamente impossíveis de serem feitas e fazendo delas um verdadeiro inferno. Não deixa de ser frustrante, por exemplo, a aparição de um grande navio em cena que, aparentemente, parecia acolhedor, quando na verdade acaba se tornando um grande infortúnio. O documentário fala, portanto, de dores das quais estavam escondidas por muito tempo e das quais as mesmas precisavam serem colocadas para fora e serem, enfim, cicatrizadas.

Contudo, a obra vai mais além, pois o protagonista não somente precisava revelar as suas verdadeiras raízes, como também a sua própria identidade. Desde o princípio é revelado que o protagonista é gay e criando em nós uma certa tensão, pois ele viveu em países dos quais ser gay era ainda um grande tabu. Portanto, o protagonista revela não somente o fato de ter tido receio do que a sua família acharia, como também pelo fato de que, por muito tempo, achou que era errado ter certos sentimentos e que não pareciam serem comuns do lugar onde ele veio. Ao final, o documentário serviu para ele obter uma redenção pessoal e para assim viver em paz consigo mesmo.

Indicado as estatuetas do Oscar de melhor Longa de Animação, Longa Documentário e Longa internacional, "Flee - Nenhum Lugar Para Chamar de Lar" fala sobre uma árdua jornada da vida de uma criança para a fase adulta, em meio a conflitos políticos, guerras sem sentido e na busca de ser ele mesmo. 


Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

Cine Dicas: Próximas Sessões do Clube de Cinema de Porto Alegre

M


 SESSÃO DE SÁBADO


Local: Sala Paulo Amorim, Casa de Cultura Mario Quintana 

Data: 23/04/2022, sábado, às 10:15 da manhã

"Garoto Chiffon" (Garçon Chiffon)

França, 2021, 110 min, 14 anos.

Direção: Nicolas Maury

Elenco: Nicolas Maury, Nathalie Baye, Arnaud Valois

Sinopse: Jérémie é um ator famoso que está passando por dificuldades emocionais e financeiras. Cansado e sem saber lidar com suas desventuras românticas, profissionais e familiares, o ator decide sair de Paris e buscar conforto na companhia da mãe, que mora no interior. Mas ele logo percebe que a mãe não está muito interessada em confortá-lo.


SESSÃO DE DOMINGO


Local: Sala Eduardo Hirtz, Casa de Cultura Mario Quintana

Data: 24/04/2022, domingo, às 10:15 da manhã

"M, o Vampiro de Dusseldorf" (M - Eine Stadt sucht einen Mörder)

Alemanha, 1931, 117 min, 12 anos.


Direção: Fritz Lang

Elenco: Peter Lorre, Ellen Widmann, Inge Langdut, Otto Wernicke, Theodor Loss

Sinopse: Um misterioso infanticida leva o terror a Dusseldorf. A polícia local não consegue capturar o serial killer então um grupo de foras-da-lei se une para encontrar o assassino. Capturado pelos marginais, ele é julgado por um tribunal de criminosos.

 Faça parte do Clube de Cinema de Porto Alegre.  

Mais informações através das redes sociais:

Facebook: www.facebook.com/ccpa1948

twitter: @ccpa1948  
Instagram: @ccpa1948 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

quinta-feira, 21 de abril de 2022

Cine Dicas: Estreias do Final de Semana (21/04/2022)

 A NOITE DO TRIUNFO

Sinopse:  Etienne é um ator encantador mas que está sempre desempregado. Ele dirige uma oficina de teatro em uma prisão, onde reúne um grupo improvável de prisioneiros para encenar a famosa peça Esperando Godot, de Samuel Beckett. 


FLEE – NENHUM LUGAR PARA CHAMAR DE LAR

Sinopse: Amin Nawabi, um homem que convive com um passado doloroso, guardado por vinte anos, que afeta de forma silenciosa a vida que ele está construindo para si e seu futuro marido. 


CIDADE PERDIDA

Sinopse: A brilhante, porém reclusa autora Loretta Sage (Sandra Bullock) escreve sobre lugares exóticos em seus romances populares de aventura, cujas capas são estreladas pelo belo modelo Alan (Channing Tatum), que tem dedicado sua vida a personificar o personagem herói, Dash. Durante a turnê de promoção de seu novo livro com Alan, Loretta é raptada por um bilionário excêntrico (Daniel Radcliffe), para que ela o guie ao tesouro da cidade perdida descrita em seu livro recente.


Detetives do Prédio Azul 3 - Uma Aventura no Fim do Mundo 

Sinopse: Severino encontra um medalhão mágico e fica enfeitiçado. Para salvar o amigo e impedir que as forças do mal o dominem para sempre, Sol, Bento, Pippo e a feiticeira Berenice embarcam em uma aventura gelada na neve e vão até o Fim do Mundo! Classificação indicativa livre, contém violência fantasiosa.



NUNCA FOMOS TÃO MODERNOS

Sinopse: Santiago (Guga Coelho) é um cara bem azarado, mas conseguiu se casar com Marina (Leticia Spiller), uma talentosa restauradora que trabalha em um museu com peças antigas. O casamento deles não estão nas melhores condições, muito por conta da rotina e situação financeira. 


Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

Cine Dica: PROGRAMAÇÃO DE 21 A 27 DE ABRIL DE 2022 na Cinemateca Paulo Amorim

 SEGUNDAS-FEIRAS NÃO HÁ SESSÕES


SALA 1 / PAULO AMORIM


14h45 – LOLA E O MAR Assista o trailer aqui.

(Lola vers la Mer - Bélgica-França, 2021, 90min). Direção de Laurent Micheli, com Mya Bollaers e Benoît Magimel. Filmicca, 14 anos. Drama.

Sinopse: Lola é uma jovem trans que sempre contou com o apoio da mãe para seguir sua vida. Quando ela morre, Lola volta para casa e enfrenta a indiferença do pai. Apesar de tudo, os dois terão que se unir para cumprir o último pedido da mãe: ter suas cinzas jogadas no lugar onde passou a infância, em uma praia do Mar do Norte. Mya Bollaers ganhou o Prêmio Magritte (o Oscar Belga) de atriz revelação.


16h30 – MATEÍNA – A ERVA PERDIDA Assista o trailer aqui.

(Uruguai/Brasil/Argentina, 2021, 80min). Direção de Joaquín Peñagaricano e Pablo Abdala Richero, com Federico Silveira, Martín Sacco e Diego Licio. Lança Filmes, 12 anos. Comédia dramática.

Sinopse: Num futuro próximo, a erva-mate está proibida para consumo no Uruguai. Dispostos a lucrar com o episódio, dois vendedores ilegais iniciam uma jornada rumo ao Paraguai para contrabandear o insumo. Durante a viagem, transformam-se em heróis por acaso — e tentam devolver ao povo sua identidade perdida. Prêmio de melhor filme no Festival de Cinema da Fronteira em 2021.


18h15 – O TRAIDOR Assista o trailer aqui.

(Il Traditore - Itália-França-Alemanha-Brasil, 2020, 145min). Direção de Marco Bellocchio, com Pierfrancesco Favino, Maria Fernanda Cândido, Fabrizio Ferracane. Pandora Filmes, 16 anos. Drama.

Sinopse: No início dos anos 1980, os chefes da Máfia siciliana entram em guerra pelo controle do tráfico de heroína. Um dos chefes do sistema, Tommaso Buscetta foge para o Brasil, enquanto seus filhos e irmãos são assassinados em Palermo. Preso pela polícia brasileira e extraditado para a Itália, ele toma uma decisão que irá mudar os rumos da Máfia italiana: revelar todos os seus segredos para o juiz Giovanni Falcone e trair o voto eterno que fez à Cosa Nostra.

FANTASPOA

FESTIVAL DE CINEMA FANTÁSTICO DE PORTO ALEGRE

Para sinopses e informações clique aqui.


PREÇOS DOS INGRESSOS:

TERÇAS, QUARTAS e QUINTAS-FEIRAS: R$ 12,00 (R$ 6,00 – ESTUDANTES E MAIORES DE 60 ANOS). SEXTAS, SÁBADOS, DOMINGOS, FERIADOS: R$ 14,00 (R$ 7,00 - ESTUDANTES E MAIORES DE 60 ANOS). CLIENTES DO BANRISUL: 50% DE DESCONTO EM TODAS AS SESSÕES. 

Professores têm direito a meia-entrada mediante apresentação de identificação profissional.

Estudantes devem apresentar carteira de identidade estudantil. Outros casos: conforme Lei Federal nº 12.933/2013. Brigadianos e Policiais Civis Estaduais tem direito a entrada franca mediante apresentação de carteirinha de identificação profissional.

*Quantidades estão limitadas à disponibilidade de vagas na sala.

A meia-entrada não é válida em festivais, mostras e projetos que tenham ingresso promocional. Os descontos não são cumulativos. Tenha vantagens nos preços dos ingressos ao se tornar sócio da Cinemateca Paulo Amorim. Entre em contato por este e-mail ou pelos telefones: (51) 3136-5233, (51) 3226-5787.


Acesse nossas plataformas sociais:

https://linktr.ee/cinematecapauloamorim

quarta-feira, 20 de abril de 2022

Cine Dica: Streaming: 'Morte no Nilo'

Sinopse: As férias do detetive belga Hercule Poirot a bordo de um glamouroso cruzeiro no Egito se transforma em uma caçada a um assassino quando a lua de mel de um famoso casal é interrompida. 

Kenneth Branagh gosta de dirigir adaptações de clássicos literários, pois basta pegarmos "Hamlet" (1996) e "Frankenstein de Mary Shelley" (1994) como belos exemplos a serem conferidos e analisados. No universo da escritora Agatha Christie, por exemplo, o diretor foi a fundo na adaptação de "Assassinato no Expresso Oriente" (2017), sendo que em termos de comparação se tornou até mesmo superior se formos comparar com a versão de 1974. Em "Morte no Nilo" (2022) o diretor não perde o compasso nesta continuação e fazendo a gente desejar para que ele retorne em uma possível terceira parte.

Em "Morte no Nilo", durante sua viagem de lua de mel pelo rio Nilo, o casal Linnet Ridgeway (Gal Gadot) e Simon Doyle (Armie Hammer), convidaram os entes mais queridos para embarcar no barco Karvak e celebrar a união do casal. Porém a rica herdeira é misteriosamente morta de noite e por quase todos os passageiros têm motivos para matá-la. Mas um dos convidados, por coincidência, é o mais famoso detetive do mundo, Hércules Poirot (Kenneth Branagh), que começa a investigar o caso. Enquanto as investigações têm início no próprio barco, novas mortes acontecem com o intuito de encobrir a verdade e o caso acaba sendo mais difícil de se solucionar a cada tempo que passa.

Hércules Poirot talvez seja um dos personagens mais interessantes da literatura, mas que somente nas mãos de um cineasta como Branagh pode torna-lo mais verossímil do que se imagina. Para começar, ele não é um Sherlock Holmes inabalável, ao ponto de ele não conseguir esconder certos sentimentos, assim como também certas cicatrizes físicas e emocionais que jamais deixaram de sangrar. Não é à toa, portanto, que o prólogo acaba se tornando muito importante, ao revelar uma faceta mais humana e falha do protagonista.

Aliás, vale destacar essa abertura, pois Branagh pode enganar o público em geral, mas não o cinéfilo com olho vivo de plantão. Nos primeiros minutos, por exemplo, vemos uma referência não somente do filme "1917" (2019)" do qual foi dirigido pelo seu amigo Sam Mendes, como também do ótimo "Dunkirk" (2017) do diretor Christopher Nolan. Além dessas pequenas referencias, vale destacar a ótima fotografia em preto e branco que o diretor incrementa nesta hora, mas que isso se deve graças ao diretor de fotografia Haris Zambarloukos e que posteriormente ambos trabalhariam juntos no maravilhoso "Belfast" (2021).

Curiosamente, é interessante observar como essa abertura possui um peso fundamental dentro da história. Ela não possui uma ligação direta com o principal crime da trama, mas é algo que afeta Hércules Poirot diretamente e é então conhecemos a origem do seu estravagante bigode. Um momento dramático e do qual Branagh atua e dirige belamente.

Com relação a trama principal, o cineasta novamente arrisca tudo o que tem direito, ao inserir sua visão autoral na direção e cuja a sua câmera passeia pelos belos cenários em que ocorre a trama, seja ela nas paisagens naturais do Egito, ou simplesmente dentro do barco em que ocorrerá o assassinato. Branagh, aliás, retorna com o seu fetiche básico, ao fazer um giro de 360º graus com a sua câmera em meio aos atores e sendo algo ainda mais frenético do que foi visto em potência máxima anos atrás em "Frankenstein de Mary Shelley". Um diretor que não mede esforços para obter a nossa atenção e que consegue fazer isso com certo êxito.

Assim como o filme anterior, a obra é recheada de grandes astros, que vai do próprio Branagh a Gal Gadot e a veterana Annette Bening. Cada um interpreta um personagem que se torna peça fundamental desse jogo de gato e rato, ao ponto de alguns participarem do crime mesmo que indiretamente. A investigação vai cada vez mais a fundo, a ponto de ocorrer novas mortes e fazendo do barco um verdadeiro cenário claustrofóbico.

Talvez a solução do crime estivesse bem na nossa frente e tornando a revelação assim não tão surpreendente. Mas talvez isso não seja culpa de Kenneth Branagh, ou tão pouco culpa da escritora Agatha Christie, mas sim pelo fato de que crescemos assistindo e lendo outros crimes e dos quais muitos se inspiraram nos principais clássicos da escritora. Talvez as copias possam vir a ser melhores do que a original, mas nunca é demais irmos direto ao ponto onde tudo começou.

Com um epílogo em que vemos Hércules Poirot com um visual inesperado, "Morte no Nilo" é uma ótima pedida para aqueles que buscam uma boa história investigativa, além de nos despertar o desejo de irmos na livraria mais próxima. 

Onde Assistir: Star+ 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.