Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio e Diretor de Comunicação e Informática do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já mais de 100 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento, Cinesofia e Teoria Geek. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 31 de janeiro de 2024

Cine Dica: Em Cartaz - 'Vidas Passadas'

Sinopse: Dois amigos de infância profundamente conectados, se separam depois de uma mudança. Duas décadas depois, eles se reencontram na cidade de Nova York para uma semana fatídica enquanto confrontam noções de destino, amor e escolhas. 

Nos últimos tempos o cinema tem explorado a questão sobre realidades alternativas, onde o protagonista dá de encontro com uma realidade em que ele poderia ter tido uma vida completamente diferente. Se por um lado isso está sendo explorado a exaustão pelas adaptações de HQ para o cinema, do outro, ao menos existem filmes que toque no assunto, mas indo em outra direção um pouco mais verossímil. "Vidas Passadas" (2023) nos mostra as diversas possibilidades da vida de um casal central, mas não através de viagens no tempo, mas sim através de diálogos genuinamente humanos.  

Dirigido por Celine Song, o filme conta a história de Nora e Hae Sung, dois amigos de infância com uma conexão profunda, mas que acabam se separando quando a família de Nora decide sair da Coréia do Sul. Vinte anos depois, os dois amigos se reencontram por uma semana enquanto confrontam noções do amor e destino. Cada um com uma vida destina, mas que não impede deles possuírem em uma ligação intensa.  

Acredito eu que Celine Song se inspirou muito no cineasta Hong Sang-Soo na realização deste filme, pois percebe que os personagens se sentam em determinados momentos da trama e começam a dialogar através de uma bebida e um cigarro em um determinado bar qualquer da história. Porém, enquanto Hong Sang-Soo opta por um enquadramento em determinadas cenas especificas, Celine Song opta em extrair dos seus personagens todos os sentimentos em que eles estão sentindo naquele momento e fazendo com que a sua câmera se torne o nosso olhar observador na medida em que os personagens vão mudando as suas expressões no decorrer do enredo. Por conta disso sentimos uma tensão mais crescente, como se os sentimentos do casal central fossem explodir a qualquer momento e desencadeando mudanças irreversíveis para se dizer o mínimo.   

Curiosamente, é interessante observar as raízes de amor e amizade dos protagonistas, do qual começou desde jovens, mas cujas escolhas fizeram com que se separassem. Através do reencontro e rodadas de bate papo se tem então um mosaico de possibilidades sobre como seria eles em outra vida se caso cada um não tivesse ido em caminhos diferentes e desfrutado de um sentimento forte que não poderia ser guardado para sempre internamente. O ápice dessas conversas ocorre em uma Nova York acolhedora, como se a grande metrópole fosse o ponto de encontro para que as coisas fossem resolvidas, mas realidade como todos sabem é sempre outra.  

Tanto Greta Lee como Yoo Teo estão ótimos em seus respectivos papeis, sendo que ambos em cena sentimos uma química em abundância e fazendo que a não consumação desse sentimento em cena torne os momentos muito mais tensos. Porém, John Magaro não fica muito atrás, ao interpretar o marido de Nora e nos passando para nós que ele sabe compreender os sentimentos de sua esposa, mesmo também não escondendo ciúmes perante um relacionamento que poderia ter tido rumos diferentes. Quando o trio central estão sentados em um bar conversando, por exemplo, notasse que o personagem Magaro jamais esconde o seu desconforto, porém, mantendo o controle e compreensão na medida do possível.  

O ato final reserva momentos emocionantes, principalmente pelo fato de não haver uma chance para aqueles personagens retornarem no tempo para obter o que realmente queriam, mas sim tendo que conviver com as suas escolhas que tomaram ao longo do percurso. O filme nos diz que, entre erros e acertos, nós devemos conviver com eles em harmonia, mas jamais escondermos os nossos sentimentos do que poderíamos ter realmente feito, seja nesta vida, na próxima ou em vidas passadas. Nunca é demais, portanto, pararmos para imaginar as inúmeras possibilidades que poderíamos obter de acordo com as nossas escolhas ao longo de nossa história.

"Vidas Passadas" é uma história de amor jamais consumada, mas que nos desperta a nossa imaginação e fazendo até mesmo nos identificarmos com ela. 

   Faça parte:


Mais informações através das redes sociais:

Facebook: www.facebook.com/ccpa1948

twitter: @ccpa1948  

Instagram: @ccpa1948 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin Instagram e Tik Tok  

Cine Dica: Sessão Clube de Cinema 03/02/2024 - "Folhas de Outono"

 Segue a programação do Clube de Cinema no próximo final de semana.


SESSÃO CLUBE DE CINEMA

Local: Sala Eduardo Hirtz, Cinemateca Paulo Amorim, Casa de Cultura Mario Quintana

Data: 03/02/2024, sábado, às 10:15 da manhã


"Folhas de Outono" (Kuolleet Lehdet)

Finlândia / Alemanha, 2023, 80min, 14 anos 

Direção: Aki Kaurismäki  

Elenco: Alma Pöysti, Jussi Vatanen, Janne Hyytiäinen

Sinopse: Ansa trabalha como etiquetadora de supermercado e Holappa é operário da construção civil. Na periferia de Helsinque, em um tempo não muito bem definido, estes dois personagens solitários vão viver encontros e desencontros marcados pela melancolia e pela crença no amor. Neste filme, o diretor finlandês reforça seu estilo que combina questões sociais com um humor e estética bem particulares. O filme foi vencedor do Prêmio do Júri no Festival de Cannes e recebeu várias outras premiações e destaques em 2023.

Atenciosamente,

Carlos Eduardo Lersch

Diretor de Programação CCPA.

   Faça parte:


Mais informações através das redes sociais:

Facebook: www.facebook.com/ccpa1948

twitter: @ccpa1948  

Instagram: @ccpa1948 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin Instagram e Tik Tok  

terça-feira, 30 de janeiro de 2024

Cine Dica: Em Cartaz - 'Anatomia de uma Queda'

Sinopse: Durante o último ano, Sandra, uma escritora alemã, e Samuel, seu marido francês, viveram juntos com Daniel, o filho de 11 anos do casal, em uma pequena e isolada cidade nos Alpes. Quando Samuel é encontrado morto, a polícia passa a tratar o caso como um suposto homicídio, e Sandra se torna a principal suspeita. 

O subgênero "filme de tribunal" pode facilmente ser encontrado dentro do universo de suspense, pois a cada minuto que passa durante o julgamento ele se torna cada vez mais sufocante. Em muitos casos, por exemplo, a pergunta não é sobre quem cometeu determinado crime, mas quem se beneficia com ele, sendo que por esse ponto é que podemos concluir, ou não, determinado caso sendo retratado no longa como um todo. "Anatomia de Uma Queda" (2023) é um emocionante filme de tribunal, do qual a transição entre o drama e o suspense acontece em harmonia e gerando algo até mesmo incomum do que se vê hoje em dia.

Dirigido por Justine Triet, a mesma de "Sibyl" (2021), o filme conta a história sobre um homem que é encontrado morto na neve do lado de fora do chalé isolado onde morava com sua esposa, uma escritora alemã, e seu filho de 11 anos com deficiência visual. A investigação conclui se tratar de uma "morte suspeita": é impossível saber ao certo se ele tirou a própria vida ou se foi assassinado. A viúva é indiciada, tendo seu próprio filho no meio do conflito: entre o julgamento e a vida familiar, as dúvidas pesam na relação mãe-filho.

NOTA: Confira a minha crítica completa já publicada clicando aqui. 


   Faça parte:


Mais informações através das redes sociais:

Facebook: www.facebook.com/ccpa1948

twitter: @ccpa1948  

Instagram: @ccpa1948 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin Instagram e Tik Tok  

segunda-feira, 29 de janeiro de 2024

Cine Especial: Clube de Cinema - 'Os Rejeitados'

Nota: Filme exibido para os associados no última sábado (27/01/24).

Sinopse: Um instrutor rabugento desenvolve um vínculo com um encrenqueiro da escola e o cozinheiro-chefe. 

Alexander Payne é um desses casos de cineastas norte americanos que possuem certo talento na direção para nos chamar atenção, mas que não ganham um espaço necessário no mercado cinematográfico. De sua autoria, por exemplo, temos "Sideways" (2004), "Os Descendentes" (2011) e o genial "Nebraska" (2013). Em "Os Rejeitados" (2023) o realizador retorna com tudo em uma comédia dramática que irá fazer o cinéfilo se emocionar, mas ao mesmo tempo despertando em nós inúmeras risadas ao longo da sessão de cinema.

A trama começa próximo a data mais esperada do fim do ano, onde os alunos e professores do prestigiado internato Barton Academy se preparam para passar suas férias com as famílias e amigos em dias que antecede o Natal. No entanto, um grupo conhecido como Os Rejeitados fica para trás, sem lugar ou pessoas para visitar. Paul Hunham (Paul Giamatti), um professor altamente desgostado pelo corpo docente, sempre fica para trás e contra a sua vontade, é o responsável por cuidar dos estudantes que precisam ficar no colégio no feriado. Durante a tarefa, ele precisa lidar especificamente com Angus (Dominic Sessa), um adolescente rebelde que está lidando de sua própria forma com a morte do pai. Entre gritos, perseguições no corredor, detenções e conversas, os dois acabam descobrindo mais sobre a vida com a ajuda da cozinheira-chefe (Da’vine Joy Randolph) da escola.

Pelo fato da trama se passar no início dos anos setenta, o diretor Alexander Payne não só faz uma bela reconstituição da época, como também molda o filme parecendo que foi rodado naqueles anos. Notem, por exemplo, o símbolo do estúdio Universal quando surge na tela, sendo representação daqueles tempos longínquos, mas que representam a melhor fase do cinema norte americano. A partir daí vamos conhecendo esses personagens excêntricos, mas dos quais nos identificamos.

O filme se passa no período natalino, época em que o capitalismo sempre nos vende a ideia para comemorarmos com a família e amigos. Porém, já naquele tempo, o significado da palavra Natal tem se tornado um símbolo comercial ao invés de se comemorar o verdadeiro significado do dia e fazendo com que a época se torne acelerada e até mesmo cansativa. Os protagonistas da trama, por sua vez, se sentem deslocados e ao mesmo tempo agindo com total sarcasmo perante uma época que está se tornando cada vez mais hipócrita na medida em que o tempo passa.

Por outro lado, uma vez que esses personagens centrais da trama não caem no conto natalino eles se veem livres para colocarem realmente para fora como eles realmente são. Paul Hunham, por exemplo, é um professor recluso internamente, do qual não consegue ser muito sociável com os seus alunos, mas que se vê obrigado a cuidar de alguns deles e fazendo que revele o seu lado mais humano. Já tendo trabalho com o diretor no passado, o ator Paul Giamatti nos brinda com uma ótima atuação, sendo que o intérprete é sempre lembrado como um grande coadjuvante, mas tendo provado já há bastante tempo que consegue carregar um filme nas costas facilmente.

Mas não há como negar que a sua atuação melhora ainda mais quando o seu personagem se interage através do aluno rebelde Angus, mas cujo mesmo se revela alguém muito mais complexo do que se imagina e cuja mentiras são meias verdades e das quais vão sendo descascadas ao longo da história. Dominic Sessa é um nome para ser guardado, pois o seu Angus é o que realmente move as peças da trama e fazendo com que todos os personagens se colidem perante a ele e fazendo com que sejam afetados de formas até mesmo indiretamente. Atenção para a cena em que ele realmente revela algo íntimo, cuja câmera vai se afastando e revelando um dos melhores momentos do filme como um todo.

Já a cozinheira chefe Mary pode-se dizer que ela possui uma espécie de subtrama dentro da história, mas que acaba se casando perfeitamente com a proposta principal da obra. Sendo obrigada a conviver com os poucos que restaram dentro da universidade, a personagem acaba que se abrindo para os personagens principais de uma forma que faz com que a gente sinta toda sua dor que carrega consigo, mas sabendo driblá-lo através um sarcasmo genuíno. Não é à toa que Da’vine Joy Randolph tem grandes chances de levar o seu Oscar na próxima cerimonia e com certeza de forma mais do que merecida.

Curiosamente, o filme pode ser interpretado como uma trama que se passa em duas partes, já que o primeiro e a metade do seu segundo ato se passam na universidade, mas logo eles são obrigados a terem que mudarem de cenário e adentrando ao subgênero de estrada. Embora não se estenda muito, essa passagem da trama se torna crucial para que os personagens principais obtenham a sua transformação, seja ela interna ou externa e fazendo com que eles se olhem uns aos outros e fazendo se darem conta de que cada um tem o melhor a oferecer neste mundo do que se imagina.

Com um final em que os personagens finalmente obtêm as suas redenções, "Os Rejeitados" é uma comédia dramática que nos emociona e ri perante as situações corriqueiras do Natal, mas que sabemos o quanto elas são reais perante nós. 

   Faça parte:


Mais informações através das redes sociais:

Facebook: www.facebook.com/ccpa1948

twitter: @ccpa1948  

Instagram: @ccpa1948 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin Instagram e Tik Tok  

domingo, 28 de janeiro de 2024

Cine Especial: Próximo Cine Debate - 'Nosso Amigo Extraordinário'

A questão sobre o envelhecimento já foi levada ao cinema nas mais diversas formas, tanto de maneira verossímil, como também se entrelaçando com o universo do fantástico. O clássico "Cocoon", (1985), por exemplo, vemos um grupo de idosos tendo as suas vidas alteradas quando começam a ter contato com extraterrestres. "Nosso Amigo Extraordinário" (2023) segue uma linha narrativa similar, mas de forma mais simplória e extremamente humana.

Dirigido por Marc Turtletaub, o filme conta a história de Milton Robinson (Ben Kingsley), um senhor resmungão que leva uma vida tranquila na Pensilvânia - mas sua paz é abalada quando um misterioso OVNI cai no quintal de sua casa. Apesar do susto inicial, Milton acaba, aos poucos, se aproximando do extraterrestre apelidado carinhosamente de Jules (Jade Quon). Aconselhado por uma amiga, o homem decide manter a existência do ET em segredo, enquanto tenta descobrir uma forma de enviá-lo de volta para o lugar de onde veio. Porém, no processo, ele acaba criando laços inesperados com o visitante, que pode estar correndo um grande risco caso seja descoberto.

O filme em si funciona ao fazer com que nos identifiquemos com os personagens principais, pois não é de hoje que vemos pessoas de idade avançada buscando uma forma de serem ouvidas, seja pedindo atenção aos filhos, ou até mesmo de pessoas que vão conhecendo ao longo do percurso. No caso do protagonista, por exemplo, ele age de forma surpreendente perante uma situação inusitada, mas que vê na vinda do misterioso ET uma chance de ser ouvido e podendo assim se abrir e liberar o que tem por dentro. O veterano Ben Kingsley constrói para si um personagem comum perante uma situação fora do normal, mas cuja suas ações soam criveis.

Não deixa de ser engraçado, por exemplo, quando ele é realmente sincero ao dizer que tem um ET no seu quintal para as demais pessoas e cuja reações dessas mesmas, logicamente, são as mais previsíveis possíveis. Curiosamente, as personagens Sandy e Joyce, interpretadas pelas veteranas Harriet Sansom Harris e Jane Curtin buscam uma forma de serem ouvidas na reunião da comunidade, mas quase sempre sendo ignoradas. Quando descobrem que há um ET na casa do seu amigo imediatamente elas veem na figura misteriosa uma forma de realmente se abrirem e poderem ter a chance de se sentirem vivas.

O filme em si fala sobre a solidão, de como ela pode ser implacável quando chegamos a uma certa idade e cuja chance de obter uma atenção vale ouro quando não se tem ninguém para poder se abrir. A figura do ET, portanto, se torna uma mera desculpa para esses personagens desabrocharem, mas ao mesmo tempo reconhecendo que o mundo do qual vivem ainda pode ser reconfortante mesmo quando tudo parece mais nebuloso quando o tempo cada vez mais vai avançando. Curiosamente, a figura do ET é calada, porém, bastante expressiva e sendo feita pela atriz Jade Quon que nos passa vida em seu olhar mesmo em meio a uma pesada maquiagem.

"Nosso Amigo Extraordinário" é uma curiosa comédia dramática, ao saber enlaçar elementos verossímeis com o gênero fantástico e nos surpreendendo com os seus desdobramentos.

   Faça parte:


Mais informações através das redes sociais:

Facebook: www.facebook.com/ccpa1948

twitter: @ccpa1948  

Instagram: @ccpa1948 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin Instagram e Tik Tok  

sexta-feira, 26 de janeiro de 2024

Cine Especial: De Ray Harryhausen - 'A Ilha Misteriosa'

O escritor francês Júlio Verne teve os seus grandes clássicos da literatura sendo adaptados para a tela. Em 1961, a adaptação de “A Ilha Misteriosa” foi dirigida por Cy Endfield (“O Insaciável Marquês de Sade”) e contou de homens que sem querer foram parar em uma ilha tomada por animais gigantes. Além de agirem para se defenderem das estranhas criaturas eles precisam achar uma forma de sair do local o quanto antes, já que há um vulcão que poderá explodir a qualquer momento.

Revisto hoje o que mais chama atenção é realmente os seus  efeitos especiais que, mesmo feitos nos anos 60, preocupou-se em reproduzir o universo criado por Verne de maneira adequada para a época e isso graças ao mago do stop motion Ray Harryhausen. Além disso, é possível constatar duas diferentes formas de interação nas filmagens, embora ambas sigam de formas iguais. A primeira delas é a gravação com atores em frente a projeção de cenas com um determinado local e do qual nos localiza onde os personagens estão. Fora isso, são também usados recursos que representa os ambientes de  fundo, em uma tentativa de tornar tudo mais verossímil.

Mas nada se compara ao planejamento para a realização dos seres gigantes vistos na tela, pois envolve um perfeccionismo absurdo para se obter então a perfeição e isso somente sendo obtido por   Ray Harryhausen. Isso se dá por meio da paciente captura de imagens quadro a quadro do boneco em frente à projeção da cena já gravada com atores reais reagindo a um espaço vazio. A cada fotograma da projeção, mexe-se um pouco o boneco, até que toda a sequência seja completada. Assim, a nova gravação é exibida na velocidade padrão (24 quadros por segundo) para produzir a ilusão de movimento e de posição corretas do boneco em relação ao fundo. A técnica requer um nível de precisão absurda para que as transições soem o mais natural possível em cena.

A fotografada por Wilkie Cooper, responsável pelos enquadramentos abertos, ideais para a inserção dos efeitos posteriores, parte do design de produção de William C. Andrews, profissional que não se preocupa com o realismo, afinal, estamos diante de uma perspectiva fantástica, acompanhada pela condução sonora de Bernard Hermann, textura com um eficiente tom aventureiro, adequado para o filme. Ademais, os elementos eficientes que compõem a história se originam do ponto de partida, o romance, em especial, a cronologia própria da ilha, material eficiente para ampliação dos conflitos desenvolvidos ao longo de toda a boa e divertida história.

Entretanto, esse modo pouco questionador de lidar com algo tão estranho é importante para dar ao longa um tom de humor negro. Exemplos disso são o hábito de comer o animal gigante após derrotá-lo e a trilha sonora aventuresca e ao mesmo tempo pateta de Bernard Herrmann na sequência da ave. A direção de arte acentua este tom com figurinos e cenários tão espalhafatosos e bizarros que chegam a ser risíveis em determinadas ocasiões, como o intrigante equipamento de mergulho feito de conchas gigantes.

Assim como outras obras de Júlio Verne que foram adaptadas para o cinema, “A Ilha Misteriosa” não falha em despertar um constante interesse no público pelos personagens e pelos mistérios que o local esconde. Além disso, o longa também é um excelente registro cinematográfico de uma época onde a criatividade artística falava mais alto do que os avanços tecnológicos. As limitações forçavam um raciocínio para criar algo novo a partir do que se tem, e não esperar a invenção de alguma coisa que torne possível um resultado perfeito.

   Faça parte:


Mais informações através das redes sociais:

Facebook: www.facebook.com/ccpa1948

twitter: @ccpa1948  

Instagram: @ccpa1948 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin Instagram e Tik Tok  

Cine Dica: Filme Ensaio

Pensar o que é Filme-Ensaio acaba sendo um convite para compreender a própria construção da linguagem cinematográfica. A partir de realizadores como Chris MarkerAgnès VardaHarun FarockiJean-Luc Godard, existe na essência do filme-ensaio o desejo de potencializar o cinema como um meio reflexivo, um caminho de conexões intertextuais e de experimentações narrativas.

.

Objetivos


O Curso de Férias FILME-ENSAIO: A EXPERIÊNCIA DO CINEMA, ministrado por Rafael Valles, vai promover em dois encontros um apresentação e análise deste gênero/formato de cinematografia. Serão apresentadas as principais escolas e estilos, bem como os mais representativos realizadores. As aulas serão ricamente ilustradas com a projeção de fragmentos de filmes referenciais para o entendimento do que é um Filme-Ensaio.


Público alvo

Esta atividade se destina a qualquer interessado. 

Não é necessário nenhum pré-requisito de formação e/ou atuação profissional.

.

Ministrante: RAFAEL VALLES

Docente, escritor, pesquisador e realizador audiovisual. Doutor em Comunicação Social pela PUCRS. Mestre em Cinema Documentário pela Fundación Universidad del Clne (FUC / Buenos Aires - Argentina - 2011) Professor no Mestrado em Cinema Documentário, na Universidad del Cine (FUC - Argentina, 2023); no Curso de Cinema e Audiovisual e no Curso de Animação, na Universidade Federal de Pelotas (UFPEL, 2019) e no Curso de Cinema da UNISUL, 2012. Ministrou o curso online "Tendências do Cinema Documentário" (Museu da Imagem e do Som - MIS SP, 2023) e "Oficina Repertórios de Documentários" (IECINE, 2022). Organizador dos livros "50 Olhares Sobre o Cinema Gaúcho" e "Cinesofia: Estudos Sobre o Cinema Gaúcho". Já ministrou os cursos “O Que É Documentário?” (2013 e 2015) e “Laboratório de Produção – Documentário de Criação” (2013), pela Cine UM.

.

Curso de Férias

FILME-ENSAIO: A EXPERIÊNCIA DO CINEMA 

de Rafael Valles

.

* Datas

03 e 04 de Fevereiro

(sábado e domingo)

.

* Horário

14h30 às 17h30

.

* Local

Cinemateca Capitólio

(Rua Demétrio Ribeiro, 1085 - Centro - Porto Alegre - RS)

.

INSCRIÇÕES / INFORMAÇÕES

https://cinemacineum.blogspot.com/2024/01/filme-ensaio.html

.

Realização

Cine UM Produtora Cultural

.

Apoio

Cinemateca Capitólio


quinta-feira, 25 de janeiro de 2024

Cine Dica: CINEMATECA PAULO AMORIM - PROGRAMAÇÃO DE 25 A 31 DE JANEIRO DE 2024

SEGUNDA-FEIRA NÃO HÁ SESSÕES

Vidas Passadas 


A última cinesemana de janeiro destaca a estreia de VIDAS PASSADAS, da diretora Celine Song, um dos dez indicados ao Oscar de melhor filme. Também recebemos o lançamento de AS BESTAS, coprodução entre França e Espanha vencedora do prêmio Goya. Outra novidade é a animação brasileira BIZARROS PEIXES DAS FOSSAS ABISSAIS, que integra a sessão Vitrine Petrobras.

O mês está chegando ao fim e, mesmo assim, alguns filmes seguem em alta com o público. É o caso de MONSTER, de Kore-eda; O MELHOR ESTÁ POR VIR, de Nanni Moretti; e A MENINA SILENCIOSA, de Colm Bairéad.

Nesta cinesemana ainda estreamos nossa parceria com a Associação de Críticos de Cinema do RS na realização de sessões dos filmes que constam no livro “50 Olhares da Crítica sobre o Cinema Gaúcho”. A primeira sessão, no dia 30, será com o clássico CORAÇÃO DE LUTO, de Teixerinha.


Confira a programação completa e o portal do cinema gaúcho em www.cinematecapauloamorim.com.br


SALA PAULO AMORIM


14h45 – MONSTER NÃO HAVERÁ SESSÃO NO DOMINGO, DIA 28) Assista o trailer aqui.

(Kaibutsu - Japão, 2023, 125min). Direção de Hirokazu Kore-eda, com Ando Sakura, Soya Kurokawa, Eita Nagayama. Imovision, 12 anos. Drama.

Sinopse: Uma mãe percebe que seu filho está se comportando de maneira estranha e tenta descobrir os motivos. Pelo relato do menino, tudo indica que um dos seus professores é o responsável. A mãe vai à escola e exige uma explicação – enquanto isso, a verdade começa a surgir junto com as versões de todos os envolvidos. O filme foi o vencedor do prêmio de melhor roteiro no Festival de Cannes em 2023.


17h15 – PRISCILLA Assista o trailer aqui.

(Estados Unidos/Itália, 2023, 113min). Direção de Sofia Coppola, com Cailee Spaeny e Jacob Elordi. Mubi/O2 Play, 14 anos. Drama.

Sinopse: Priscilla Beaulieu tinha apenas 14 anos quando conheceu Elvis Presley em uma festa – ele, com 24, já era uma estrela meteórica do rock. Do namoro apaixonado até a separação foram 13 anos de convivência, marcados por muita cumplicidade e momentos de fragilidade e desentendimento. O filme é baseado na autobiografia "Elvis e Eu", escrita por Priscilla em 1985, e que detalha, segundo ela, uma história de “amor, fantasia e fama” e oferece um retrato menos glamouroso do rei do rock. O filme rendeu à Cailee Spaeny o prêmio de melhor atriz no Festival de Veneza.


19h15 – AS BESTAS – ESTREIA          (NÃO HAVERÁ SESSÃO NA TERÇA, DIA 30) Assista o trailer aqui.

(Espanha/França, 2022, 135min). Direção de Rodrigo Sorogoyen, com Denis Ménochet, Marina Fois, Luis Zahera. Pandora Filmes, 14 anos. Drama.

Sinopse: Antoine e Olga moram há algum tempo em uma vila no interior da Galícia, no norte da Espanha, onde buscam viver em harmonia com a natureza e adotando práticas sustentáveis no seu dia a dia. Mas suas ideias não são bem aceitas pelos outros habitantes, principalmente depois que o casal rejeita um projeto de energia elétrica eólica. O filme recebeu os prêmios Goya (o Oscar francês) de melhor filme, direção e roteiro original.


SESSÃO NOSTALGIA

DOMINGO, DIA 28, ÀS 14h. - INGRESSOS A R$ 8,00.


O SENHOR DOS ANÉIS – AS DUAS TORRES

(EUA/Nova Zelândia - 2002, 180min).

A exibição lembra as duas décadas de lançamento da trilogia baseada na obra de J.R.R. Tolkien e dirigida por Peter Jackson. Com seus personagens fantásticos, cenários mitológicos e roteiro marcado pelos embates entre o bem e o mal, os três longas receberam 30 indicações ao Oscar e levaram 17 estatuetas, incluindo a de melhor filme para “O Senhor dos Anéis: o Retorno do Rei”.


SESSÃO ACCIRS

TERÇA, DIA 30, ÀS 19h15. – ENTRADA FRANCA


CORAÇÃO DE LUTO

(Brasil, 1967, 93min). Direção de Eduardo Llorente, com Teixerinha e Mary Terezinha.

A exibição abre a programação da Associação de Críticos do RS dedicada aos filmes do livro “50 Olhares da Crítica sobre o Cinema Gaúcho”, que terá sessões mensais. O primeiro filme é um grande sucesso da trajetória do músico gaúcho Vitor Mateus Teixeira e traz fatos da infância do próprio artista, que cresceu em uma família cheia de dificuldades e viu a mãe morrer num incêndio. A sessão será comentada pelo pesquisador Glênio Póvoas, que assina o texto sobre o filme no livro lançado pela Accirs em 2022.


SALA EDUARDO HIRTZ


14h15 – VIDAS PASSADAS - ESTREIA Assista o trailer aqui.

(Past Lives - Estados Unidos/Coreia do Sul, 2023, 105min). Direção de Celine Song, com Greta Lee, Teo Yoo, John Magaro. California Filmes, 12 anos. Drama.

Sinopse: Nora e Hae Sung eram amigos muito próximos na infância, até que a família dela decidiu emigrar para os Estados Unidos. Doze anos depois, eles se reencontram virtualmente e percebem que ainda têm muitas coisas em comum. Depois de mais alguns anos, finalmente, eles ficam frente a frente e têm a chance de confrontar noções de destino, amor e as escolhas que fizeram na vida.


16h15 – FOLHAS DE OUTONO Assista o trailer aqui.

(Kuolleet lehdet – Finlândia/Alemanha, 2023, 80min). Direção de Aki Kaurismäki, com Alma Pöysti e Jussi Vatanen. O2 Play/Mubi, 14 anos. Drama.

Sinopse: Ansa trabalha como etiquetadora de supermercado e Holappa é operário da construção civil. Na periferia de Helsinque, em um tempo não muito bem definido, estes dois personagens solitários vão viver encontros e desencontros marcados pela melancolia e pela crença no amor. Neste filme, o diretor finlandês reforça seu estilo que combina questões sociais com um humor e estética bem particulares. O filme foi vencedor do Prêmio do Júri no Festival de Cannes e recebeu várias outras premiações e destaques em 2023.


17h45 – O MELHOR ESTÁ POR VIR Assista o trailer aqui.

(Il Sol Dell'avvenire - Itália, 95min, 2023). Direção de Nanni Moretti, com Nanni Moretti, Margherita Buy, Silvio Orlando, Mathieu Amalric. Pandora Filmes, 12 anos. Comédia dramática.

Sinopse: Giovanni é um cineasta que tenta terminar seu novo filme, ambientado na Roma da década de 1950 e sobre comunistas italianos. Mas vários percalços atrapalham a produção, incluindo o orçamento apertado, uma atriz que não aceita seu papel, o próprio casamento de Giovanni e o namoro da filha com um tipo inesperado. Sempre no limite, o cineasta terá que repensar sua maneira de fazer filmes e se preparar para o futuro. O longa fez parte da competição oficial do Festival de Cannes de 2023.


19h30 – VIDAS PASSADAS – ESTREIA      (NÃO HAVERÁ SESSÃO NA SEXTA, DIA 26)

(Past Lives - Estados Unidos/Coreia do Sul, 2023, 105min). Direção de Celine Song, com Greta Lee, Teo Yoo, John Magaro. California Filmes, 12 anos. Drama.

Sinopse: Nora e Hae Sung eram amigos muito próximos na infância, até que a família dela decidiu emigrar para os Estados Unidos. Doze anos depois, eles se reencontram virtualmente e percebem que ainda têm muitas coisas em comum. Depois de mais alguns anos, finalmente, eles ficam frente a frente e têm a chance de confrontar noções de destino, amor e as escolhas que fizeram na vida.

SALA NORBERTO LUBISCO


14h30 – CÉU ABERTO Assista o trailer aqui.

(Brasil, 2022, 95min). Documentário de Elisa Pessoa. Margem Cinema Brasil, 14 anos.

Sinopse: O filme foi realizado entre os anos de 2016 e 2021 a partir de encontros e conversas com Andriele, adolescente da zona rural de Dom Pedrito, no RS. Nas gravações, registradas pela diretora Elisa, é possível observar as transformações da personagem dos 13 aos 17 anos, sua relação com o lugar onde vive, seus projetos, motivações e desejos.  O documentário foi premiado com os Kikitos de desenho de som e trilha musical na Mostra Gaúcha do Festival de Gramado 2023.


16h30 – A MENINA SILENCIOSA Assista o trailer aqui.

(An Cailín Ciúin – Irlanda, 2022, 95min). Direção de Colm Bairéad, com Catherine Clinch, Carrie Crowley, Andrew Bennett. Imovision, 14 anos. Drama.

Sinopse: Cáit é uma menina de nove anos que tem uma família pobre e numerosa. Às vésperas de mais um parto da mãe, ela é obrigada a passar um tempo na casa de parentes distantes. No convívio com este casal de meia idade, que ela mal conhece, Cáit começa a descobrir outras formas de relacionamento familiar e a possibilidade de ter um lugar no mundo. A história é ambientada na década de 1980, quando o ensino da língua irlandesa foi proibido no Reino Unido e a Irlanda vivia conflitos relacionados à sua independência. O filme traz uma adaptação do romance "Foster", de Claire Keegan, e foi um dos cinco indicados ao Oscar de filme internacional na premiação de 2023.


18h15 – BIZARROS PEIXES DAS FOSSAS ABISSAIS - ESTREIA Assista o trailer aqui.

(Brasil, 2023, 75min). Direção de Marão, com vozes de vozes de Natália Lage, Rodrigo Santoro e Guilherme Briggs. Projeto Vitrine Petrobras, 10 anos. Animação.

Sinopse: Uma mulher com super poderes bizarros, uma tartaruga com transtorno obsessivo-compulsivo e uma nuvem com incontinência pluviométrica partem em uma viagem inusitada até as profundezas do oceano.


19h45 – FOLHAS DE OUTONO 

(Kuolleet lehdet – Finlândia/Alemanha, 2023, 80min). Direção de Aki Kaurismäki, com Alma Pöysti e Jussi Vatanen. O2 Play/Mubi, 14 anos. Drama.

Sinopse: Ansa trabalha como etiquetadora de supermercado e Holappa é operário da construção civil. Na periferia de Helsinque, em um tempo não muito bem definido, estes dois personagens solitários vão viver encontros e desencontros marcados pela melancolia e pela crença no amor. Neste filme, o diretor finlandês reforça seu estilo que combina questões sociais com um humor e estética bem particulares. O filme foi vencedor do Prêmio do Júri no Festival de Cannes e recebeu várias outras premiações e destaques em 2023.


PREÇOS DOS INGRESSOS:

TERÇAS, QUARTAS e QUINTAS-FEIRAS: R$ 14,00 (R$ 7,00 – ESTUDANTES E MAIORES DE 60 ANOS). SEXTAS, SÁBADOS, DOMINGOS, FERIADOS: R$ 16,00 (R$ 8,00 - ESTUDANTES E MAIORES DE 60 ANOS). CLIENTE BANRISUL: 50% DE DESCONTO EM TODAS AS SESSÕES MEDIANTE PAGAMENTO COM O CARTÃO DO BANCO.

Estudantes devem apresentar Carteira de Identidade Estudantil.

Outros casos: conforme Lei Federal nº 12.933/2013.

A meia-entrada não é válida em festivais, mostras e projetos que tenham ingresso promocional. Os descontos não são cumulativos. Tenha vantagens nos preços dos ingressos ao se tornar sócio da Cinemateca Paulo Amorim. Entre em contato por este e-mail ou pelos telefones: (51) 3136-5233, (51) 3226-5787.


Acesse nossas plataformas sociais:

https://linktr.ee/cinematecapauloamorim