Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 97 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura e Cinema e Movimento. Atualmente sou colaborador do site Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

domingo, 31 de março de 2019

Cine Dica: Em Cartaz: "SHAZAM" - O Raio que Caiu no Lugar Certo

Sinopse: Billy Batson (Asher Angel) tem apenas 14 anos de idade, mas recebeu de um antigo mago o dom de se transformar num super-herói adulto chamado Shazam (Zachary Levi).  

O tempo passa e logo se percebe que o maior erro da DC/Warner foi realmente se apressarem em reunir os seus personagens e elaborar um universo conectado dentro do cinema. Porém, “Aquaman” (2018) provou que não é preciso possuir essa interligação, mas sim ter sua identidade própria e se preocupando mais em nos apresentar uma boa história. "SHAZAM" veio para fortalecer esse pensamento, ao apresentar uma trama divertida, nostálgica e muito humana.
Dirigido por David F. Sadberg (Annabelle 2), o filme conta a história de Billy Batson (Asher Angel), rapaz órfão e que é adotado por um casal que cuida de crianças abandonadas. Em certa ocasião, ele conhece um mago, que lhe dá um poder sobre humano toda vez que ele pronunciar a palavra SHAZAM. Billy se torna um super-herói, mas inconsequente em suas ações e terá que se virar contra o vilão Dr Thadeus Sivana (Mak Strong) que deseja os seus poderes.
Os realizadores foram muito bem cuidadosos na apresentação dos seus personagens principais, principalmente pelo fato de destacar o lado mais humano e do qual nós facilmente nos identificamos. Billy Batson é uma jovem gente como a gente, cheio de sonhos e que leva consigo o desejo de reencontrar a sua mãe que ele havia perdido no passado. Aliás, é preciso dar palmas para os realizadores pela coragem em ousar com relação ao verdadeiro significado da palavra "família", pois o filme se envereda por um caminho poucas vezes visto para um filme de entretenimento e só por isso já ganha o meu respeito.
Mas o filme possui também outros grandes atrativos, principalmente pelo fato de ter sido pensando desde o princípio para ser um filme leve, divertido e com ares nostálgicos. Ao invés de ser um super espetáculo, a obra tem cara daquelas aventuras dos anos 80, principalmente daquelas que passavam numa "Sessão da Tarde" da vida. Portanto, caso você se lembre, por exemplo, do clássico " Quero ser Grande" (1988) não se surpreenda, já que a intenção é exatamente essa.
Outro atrativo é sintonia entre os atores mirins, principalmente com relação a dupla sher Angel e Jack Dylan Grazer, que interpreta o personagem Freddy e que se torna o melhor amigo do protagonista. Em tempos em que filmes e séries protagonizados por crianças andam fazendo um grande sucesso, o filme segue o embalo com maestria, pois cada um dos jovens talentos possui muito carisma e nos conquista de forma imediata. É graças também essa sintonia mirim que faz o filme ser muito gostoso de ser assistido e que conquistará as pessoas de todas as idades de uma maneira bem fácil.
Mas se o elenco mirim é alma da produção, Zachary Levi como o herói SHAZAM é o corpo e a cereja do bolo do filme como um todo. Interpretando uma criança num corpo de um adulto com superpoderes, Zachary surpreende ao não criar algo muito caricato, mas sim engraçado, divertido e fazendo com que nos simpatizemos com ele de imediato. Nada mal para alguém que só vivia de figurante no estúdio concorrente.
Em termos vilanescos, Dr. Thadeus Silvana tinha todos os motivos para se tornar um vilão caricato, mas felizmente os roteiristas foram cuidadosos na elaboração do personagem, ao apresentar tanto a sua origem como também as suas motivações de uma forma coerente. Mark Strong se encaixa perfeitamente nesse tipo de personagem, pois mesmo sendo limitado na atuação, o seu desempenho se casa com o personagem com perfeição. Não é nenhum Coringa da vida, mas também não quer dizer que atrapalha no desenvolvimento da trama.
Em termos de ação o filme não exagera, principalmente que esse não é o foco principal, mas sim ser uma aventura leve e descontraída. Quando ação rola ela não é exagerada, fazendo com que acompanhemos tudo o que acontece na tela e escapando de um emaranhado de efeitos visuais que poderiam poluir o filme como um todo. A grande ação do filme, aliás, acontece somente no ato final em um parque de diversões e reservando elementos surpresas que irão agradar em cheio todos os fãs.
Com referências muito divertidas com relação ao universo DC no cinema, "SHAZAM" é uma bela aventura inocente, humana e que irá agradar em cheio o público de todas as idades. 


Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

sexta-feira, 29 de março de 2019

Cine Dicas: Estreias do final de semana (29/03/19)

Dumbo 

Sinopse: Holt Farrier é uma ex-estrela de circo que retorna da guerra e encontra seu mundo virado de cabeça para baixo. O circo em que trabalhava está passando por grandes dificuldades, e ele fica encarregado de cuidar de um elefante recém-nascido, cujas orelhas gigantes fazem dele motivo de piada. No entanto, os filhos de Holt descobrem que o pequeno elefante é capaz de uma façanha enorme: voar.

A Rebelião

Sinopse: Em um bairro de Chicago, quase uma década após uma invasão alienígena no planeta Terra, acompanhamos como é a vida das pessoas nos dois lados do conflito, o dos colaboradores e o dos dissidentes.

Gloria Bell

Sinopse: Uma divorciada de espírito livre se envolve em um novo romance inesperado e complicado.


HAPPY HOUR: VERDADES OU CONSEQUÊNCIAS

Sinopse: Após um acidente, Horácio (Pablo Echarri) muda completamente suas perspectivas de vida e decide confessar para sua esposa, Vera (Letícia Sabatella), que deseja ter relações com outras pessoas, embora ainda queira continuar o casamento. 

Inezita 

Sinopse: Tendo comandado o programa "Viola, Minha Viola" por mais de 30 anos, Inezita Barroso foi um dos grandes expoentes da música popular brasileira. No entanto, a caminhada até o sucesso não foi nada fácil. Nascida em 1925, a artista teve que romper com preconceitos e estigmas que excluíam as mulheres da cena musical sertaneja do país, além de batalhar muito para mostrar seu valor como pesquisadora folclórica.

Minha Obra Prima

Sinopse: Renzo Nervi (Luis Brandoni) já foi um pintor bem-sucedido em Buenos Aires, mas hoje não consegue vender um único quadro. Seu amigo Arturo Silva (Guillermo Francella), negociante de obras de arte, faz o possível para valorizar os quadros de Nervi, porém a personalidade arrogante do artista não ajuda nos negócios. 

OS ÚLTIMOS DIAS DE COPACABANA JACK

Sinopse: Vivendo em um pequeno apartamento situado no coração de Copacabana, um sexagenário solitário cumpre rigorosamente sua monótona rotina todos os dias. 

The Cleaners

Sinopse: Conheça as empresas secretas dedicadas à limpeza de conteúdo indesejado das redes sociais. Veja como os funcionários destas empresas analisam diariamente milhares de fotos e vídeos, muitas deles perturbadores. Saiba quais os critérios para a limpeza.

Uma Viagem inesperada 

Sinopse: Pablo (Pablo Rago) é um engenheiro argentino que mora no Brasil. Ele trabalha como responsável pela criação de uma nova plataforma de petróleo numa empresa localizada no Rio de Janeiro. Morar longe de sua família é algo que gerou certo afastamento. Porém, quando seu filho passa por um problema, Pablo viaja para seu país natal em busca de soluções.


Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

quinta-feira, 28 de março de 2019

Cine Dica: ANTONIO UMDOISTRES ESTREIA DIA 28 NO CINEBANCÁRIOS

ANTONIO UM DOIS TRES estreia no CineBancários dia 28 de março ás 19h
Antonio123-Cartaz-Oficial.jpg

A partir de 28 de março, na sessão das 19h, a coprodução Brasil e Portugal, Antonio Um Dois Tres, estreia no CineBancários.

Primeiro longa-metragem dirigido por Leonardo Mouramateus, “António Um Dois Três” conta as aventuras e desventuras deAntónio, um jovem lisboeta que vive as dúvidas e inseguranças comuns dos jovens-adultos na casa dos vinte anos.
Após sua estreia no festival Holandês, “António Um Dois Três” participou de diversos festivais pelo mundo como 19 BAFICI (Argentina), Indielisboa (Portugal), Filmadrid (Espanha), Pesaro International Film Festival (Itália), Taipei Film Festival (Taiwan), Hamburg Film Festival 2017 (Hamburgo), Festival de Brasília do Cinema Brasileiro 2017 (Brasília), Mostra Cinema e Resistência (Fortaleza), Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, 23º Caminhos do Cinema Português (Coimbra) - onde ganhou, melhor filme, melhor filme da crítica, e prêmio revelação para o ator Mauro Soares, Crossing Europe Film Festival (Áustria) - onde ganhou melhor filme, entre outros.
Inspirado no livro “As Noites Brancas”, de Dostoiévski o filme “reverbera o enredo do romance naquilo que toca à juventude, ao encontros furtivos amorosos, e à atmosfera de sonho. Há ainda um certo ardor melancólico, promessas de futuro, assim como desilusões que unem o filme ao livro - mas talvez todos esses elementos lá estão porque são questões que atravessam o tempo, e está presente na vida de todo mundo em algum momento da vida. Li o romance pela primeira vez pouco tempo depois de chegar a Lisboa, e assim como várias outras referências essa reverberou em mim, e seu DNA acaba por se sentir no filme”, explica Mouramateus.
Coprodução Brasil e Portugal, o longa explora de forma bastante interessante as diferenças culturais entre os dois países. Nascido em Fortaleza, Leonardo dirigiu diversos curtas-metragens no Brasil e foi morar em Lisboa para estudar na faculdade de Belas-Artes. Segundo ele, o projeto do longa nasceu de forma natural. “Vivendo faz pouco tempo em Lisboa, entrei em contato com o Miguel Ribeiro (produtor), e logo depois conheci o Mauro Soares, ator que faz o António. Tínhamos algumas idéias, e toda a concepção da obra surgiu desse e de outros encontros, com a Deborah Viegas, e com a Aline Belfort por exemplo. Nossa idéia era fazer um pequeno filme, de cerca de 30 minutos, a cada 6 meses, com baixo-orçamento, seguindo um mesmo personagem, sem saber exatamente o rumo que a história desse rapaz tomaria. Aos poucos mais parceiros se juntaram ao projeto, e dois anos depois o filme estreou no Festival de Rotterdam”, ele complementa.


Ficha técnica
António Um Dois Três
2017 | Brasil, Portugal | ficção |  95 min.
Direção: Leonardo Mouramateus, Produção: Clara Bastos, Leonardo Mouramateus, Miguel Ribeiro, Gustavo Beck, Elenco: Mauro Soares, Deborah Viegas, Mariana Dias, Daniel Pizamiglio, João Fiadeiro, Sandra Hung, Hugo Pereira, Carolina Thadeu, Sofia Dinger, Miguel Nunes, Joana Cotrim, Filipe Pereira, Produtora: Praia à Noite, Distribuidora: Olhar Distribuição

Sinopse
Lisboa, Portugal. António (Mauro Soares) é um jovem que, após passar a noite fora de casa, é cobrado pelo pai devido a uma carta anônima que recebeu, dizendo que o filho abandonou a faculdade há cerca de um ano. Diante da situação, António foge de casa e encontra refúgio na casa de Mariana (Mariana Dias), a sua ex-namorada. Lá ele conhece Débora (Deborah Viegas), uma brasileira que alugou um quarto por um único dia, com quem acaba se envolvendo. 

Sobre o diretorLeonardo Mouramateus nasceu em 1991 em Fortaleza, Brasil. Escreveu e dirigiu uma dezena de premiados curta-metragens exibidos em festivais como Locarno, Cinema du Réel, Festival dei Popoli, Indielisboa, entre muitos outros. Seus filmes também foram mostrados em museus como o Centre Pompidou em Paris, o MASP em São Paulo, e o Museum of the Moving Image em Nova Iorque. Recentemente, retrospectivas de seu trabalho foram apresentadas em importantes instituições, mais notavelmente na Cinemateca Francesa. "António Um Dois Três", seu longa de estreia, estreou no Festival de Cinema de Rotterdam.

GRADE DE HORÁRIOS DE 28 DE MARÇO A 03 DE ABRIL:
Não há sessões nas segundas-feiras

Dia 28 de março:
15h – Elegia de um Crime
17h – Elegia de um Crime
19h – Antonio Um Dois Tres

Dia 29 de março:
15h – Elegia de um Crime
17h – Elegia de um Crime
19h – Antonio Um Dois Tres

Dia 30 de março:

15h – Elegia de um Crime
17h – Elegia de um Crime
19h – Antonio Um Dois Tres

Dia 31 de março:
15h – Elegia de um Crime
17h – Elegia de um Crime
19h – Antonio Um Dois Tres

Dia 02 de abril:
15h – Elegia de um Crime
17h – Elegia de um Crime
19h – Antonio Um Dois Tres

Dia 03 de abril:
15h – Elegia de um Crime
17h – Elegia de um Crime
19h – Antonio Um Dois Tres


Os ingressos podem ser adquiridos por R$ 12,00 na bilheteria do cinema ou no site ingresso.com. Idosos, estudantes, bancários sindicalizados, jornalistas sindicalizados,portadores de ID Jovem e pessoas com deficiência pagam R$ 6,00. Aceitamos Banricompras, Visa, MasterCard e Elo.


C i n e B a n c á r i o s 
Rua General Câmara, 424, Centro 
Porto Alegre - RS - CEP 90010-230 
Fone: (51) 34331204 

quarta-feira, 27 de março de 2019

Cine Dica: Em Cartaz: Vox Lux - O Preço da Fama - Perdas e Redenções

Sinopse: Celeste (Natalie Portman) é uma menina que sobrevive após uma grande tragédia, o que a torna conhecida nacionalmente. Após um tempo, ela se lança como cantora e alcança o estrelato. 

Dizem que aquilo que não nos mata nos torna mais fortes. Em tempos sombrios, onde a intolerância assusta com os seus atos inconsequentes, resta apenas a gente manter as forças para tentar combater os ventos da mudança. “Vox Lux - O Preço da Fama” retrata os atos e consequências vindos da violência e de como elas podem moldar as pessoas durante a sua cruzada pela vida.
Dirigido pelo jovem cineasta Brady Corbet, do filme “A Infância de Um Líder” (2015), o filme acompanha sobre a ascensão de uma jovem estrela da música pop (Natalie Portman), desde o início da carreira impulsionado por uma tragédia ao auge dos problemas com a imprensa, o alcoolismo e o temperamento explosivo. Dividido em três atos, a trama não somente conta um pouco sobre a sua trajetória, como também os possíveis atos e consequências do seu sucesso dentro universo pop da música. Mas até onde ela é responsável pelas situações que ocorrem no mundo em sua volta?  
O filme já começa de uma forma impactante e será mais principalmente para os brasileiros que andam sofrendo com a violência recente. Num tom quase documental, a câmera de Brady Corbet desfila nos primeiros cenários vistos na tela, para logo a seguir nos jogar numa situação inesperada e desesperadora. Se o primeiro ato é sobre a violência irracional, o segundo ato em diante fala sobre as suas consequências e como elas podem mudar os rumos de uma pessoa.
É nesse cenário em que vemos a protagonista colher os louros da vitória por ter sobrevivido em meio a uma situação traumática. O filme entra no terreno das celebridades instantâneas, sintetizando o auge, decadência e até que ponto uma pessoa pode aguentar perante o universo das fofocas e das mentiras. Curiosamente, o cineasta opta por fazer uma edição rápida, bem ao estilo vídeo clipe, em algumas passagens da história, mas que poderiam ter sido melhor exploradas.
Contudo, isso é um pouco compensado quando a protagonista ganha a pele e a voz de Natalie Portman. Já tendo provado há muito tempo que possui um grande talento, Portman dá o sangue para a sua personagem, em momentos dos quais ela parece que irá explodir perante as pessoas que ela ama, mesmo de forma involuntária. Logicamente, muitos irão comparar esse seu desempenho com o que foi visto no já clássico "Cisne Negro" (2009), mas são papeis bem diferentes e sendo que esse não possui tanta intensidade.
Mas talvez o maior problema do filme se concentre em seus minutos finais. No decorrer da história, há uma simetria entre a violência do mundo com a realidade da protagonista, mas isso não vai muito além, pois quando você deseja que isso seja melhor explorado o filme simplesmente acaba. Não que eu esteja desmerecendo o resultado final, mas ele poderia ter obtido um salto muito maior.  
"Vox Lux - O Preço da Fama" é sobre atos e consequências dentro da vida das pessoas e de como elas podem influenciar os rumos de suas próprias vidas. 


Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Cine Dica: CINEMATECA CAPITÓLIO PETROBRAS RECEBE PROGRAMAÇÃO ESPECIAL NA SEMANA DE PORTO ALEGRE


Como parte da programação comemorativa da Semana de Porto Alegre, a Cinemateca Capitólio Petrobras preparou uma série de atividades especiais. No dia 27 de março, data em que se celebra o Dia do Cinema Gaúcho e também o quarto aniversário de inauguração do espaço, a majestosa sala de cinema localizada no coração do Centro Histórico de Porto Alegre inaugura, às 19h, a mostra Cinemas do Brasil, reunindo filmes sobre diferentes salas de rua do país, em um programa que inclui o curta-metragem Cine Brasília, do diretor gaúcho Boca Migotto; e às 20h30 realiza a sessão de pré-lançamento da série gaúcha Chuteira Preta, de Paulo Nascimento, com a presença do diretor e equipe. Com 13 episódios, esta série de ficção sobre o submundo do futebol terá seus dois primeiros episódios exibidos.
Além dessas atividades, o Centro de Documentação e Memória da Cinemateca Capitólio Petrobras irá promover durante a Semana de Porto Alegre um programa de visitas guiadas ao local. As visitas acontecem nos dias 29 de março, sexta-feira, às 17h30, e 30 de março, sábado, às 16h30. Após as visitas, que são gratuitas, os participantes receberão convites para assistir, com entrada franca, a uma sessão da mostra Cinemas do Brasil. Os agendamentos para as visitas podem ser feitos pelo telefone 3289-7463.
Durante os meses de março a novembro, a Cinemateca Capitólio Petrobras promoverá uma programação especial com 26 atividades com patrocínio master da Petrobras através da Lei Rouanet/Governo Federal e cooperação cultural da Fundacine –Fundação Cinema RS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Secretaria Municipal da Cultura.

  
Mostra Cinemas do Brasil


Porto Alegre dispõe de um privilégio que poucas cidades no mundo têm: a existência de um grande cinema de rua, com 90 anos de existência, prédio inaugurado no áureo período dos imponentes palácios de cinema – na década de 20 do século passado –, o Cine Theatro Capitólio. O importante espaço cultural, que permaneceu por duas décadas fechado, reabriu suas portas em março de 2015, totalmente restaurado e readaptado, tornando-se, para além de uma sala de exibição, um espaço de guarda, preservação e difusão da memória do cinema gaúcho e brasileiro, agora com o nome de Cinemateca Capitólio Petrobras.

Para sublinhar essa particularidade da capital gaúcha, a programação especial da Cinemateca Capitólio Petrobras para a Semana de Porto Alegre recebe a mostra Cinemas do Brasil, composta por 23 curtas-metragens e um longa-metragem, distribuídos em seis sessões de aproximadamente 60 minutos cada. A mostra inclui filmes que buscam homenagear os cinemas de rua do país e que propõem uma discussão sobre a atual situação desses monumentos arquitetônicos que, em grande parte, estão de portas fechadas e sem nenhum tipo de reparo ou manutenção. A mostra temática tem por objetivo tornar os cinemas de rua protagonistas das histórias na tela. A curadoria é de Christian Jafas (diretor do filme Cine Paissandu: Histórias de uma Geração) e de Eudaldo Monção Jr.(coordenador da mostra Cinemas do Brasil e diretor do filme Cine Rio Branco).


Programas:


SESSÃO O CINEMA VIVE! – 65 minutos (ABERTURA)
Cine S. José, de William Tenório (Afogados da Ingazeira/PE, 12 minutos)
Cine Vaz Lobo, de Luiz Claudio Lima (Rio de Janeiro/RJ, 6 minutos)
Cinema, Onde Você Está?, de Edvaldo Santos (Caruaru/PE, 15 minutos)
Cinema do Meu bairro, Cadê Você?, de Renata Lima (Rio de Janeiro/RJ,  13 minutos)
Cine Brasília, de Boca Migotto (Carazinho/RS, 20 minutos)


SESSÃO CINEMA NO INTERIOR – 85 minutos
Cine Rio Branco, de Eudaldo Monção Jr. (Nazaré/BA, 18 minutos)
Cine Centímetro, de Dannon Lacerda (Valença/RJ, 16 minutos)
Extintos Cinemas, de William Tenório (Sertão do Pajeú/PE, 13 minutos)
Uma Balada para Rocky Lane, de Djalma Galindo (Arcoverde/PE, 20 minutos)
Memórias do Cine Argus, de Edivaldo Moura (Castanhal/PA, 20 minutos)



SESSÃO MEMORABILIA – 64 minutos
A Morte do Cinema, de Evandro de Freitas (Cachoeira-BA, 20 minutos)
Cine Rincão, de Fernando Grostein Andrade (São Paulo-SP, 15 minutos)
O que se Memora, de Caio Dornelas e Ernesto Rodrigues (Zona da Mata/PE, 10 minutos)
Cinemas de Rua de Curitiba, de Roberval Machado (Curitiba/PR, 5 minutos)
Cine Paissandu: Histórias de uma Geração, de Christian Jafas (Rio de Janeiro/RJ, 15 minutos)


SESSÃO O NOVO CINEMA DE RUA – 64 minutos
Cosmorama – Relatos dos Cinemas em Caruaru, de Moema França (Caruaru-PE, 14 minutos)
Sessão Entre Amigos, de Cristhine Lucena (João Pessoa/PB, 23 minutos)
Cine Éden, de Edson Bastos e Henrique Filho (Ipiaú/BA, 15 minutos)
Casa sem Janela, de Juliette Yu-Ming, Marcelo Engster,Vitor Kruter-Rio de Janeiro/RJ, 13 minutos)


SESSÃO ESPECTADORES – 62 minutos
Entre Andares, de Aline Van der Linden e Marina Moura Maciel (Recife/PE, 15 minutos)
Cine São Vicente, de Kleber Camelo (São Vicente Férrer/PE, 21 minutos)
Isso Vale um Filme, de Bruna Cabral, Gisele Siqueira, Italo Rodrigues, Suednes Teixeira, Taynah e Wellington Caetano (Maceió/AL, 15 minutos)
Victor Vai ao Cinema, de Albert Tenório (Olinda/PE, 11 minutos)


SESSÃO LONGA ENCERRAMENTO – 77 minutos
Cine São Paulo – O Estado das Coisas, de Ricardo Martensen e Felipe Tomazelli (Dois Córregos/SP, 77 minutos)
  

Série Chuteira Preta


Muitos jogadores de futebol no Brasil (especialmente), com menos de 30 anos, estão milionários, jogaram em grandes times da Europa, mas perderam completamente o prazer de jogar e passam a ser uma decepção para os torcedores e um prejuízo para os clubes. Nem eles entendem o que acontece. Chuteira Preta, nova série de Paulo Nascimento, é a história de Kadu (Marcio Kieling), um jogador nessa situação que, ao perceber que é quase um ex-atleta, aos 29 anos, decide voltar as suas origens em busca da inspiração que fez com que ele decidisse jogar futebol, Jair (Nuno Leal Maia), seu tio, um craque dos anos 1970, que vive na mesma comunidade pobre onde Kadu cresceu. Ao encerrar a carreira, Jair ficou sem dinheiro, mas guarda com orgulho a paixão e o respeito conquistado.

Começa aí uma história de mentor e pupilo, a busca de um motivo para voltar a ser o que era, o coração em primeiro lugar, sem mais chuteiras de alta performance, sem artifícios, somente o básico, o amor pelo esporte e uma velha chuteira preta nos pés.

Escrita e dirigida por Paulo Nascimento, com colaboração no roteiro de Gilberto Perin e Tailor Diniz, e fotografia de Renato Falcão (A Era do GeloRio), a série foi gravada em Porto Alegre e arredores, com financiamento do FSA – Fundo Setorial do Audiovisual, e apoio da Film Commission de Porto Alegre, ligada à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico – SMDE. Os 13 episódios da série contam com recursos de acessibilidade, coordenados por Marilaine Castro da Costa.

A primeira temporada de Chuteira Preta será lançada no Brasil pelo canal Prime Box Brazil em julho deste ano e até o final de 2019 ganha exibição em toda a América Latina através de um serviço de streaming internacional, com o título Dark Soccer.
  
GRADE DE HORÁRIOS

  
27 de março (quarta-feira)
19h – SESSÃO O CINEMA VIVE!
20h30 – Pré-lançamento da série Chuteira Preta
  
28 de março (quinta-feira)
20h – SESSÃO MEMORABILIA
21h – SESSÃO O NOVO CINEMA DE RUA
  
29 de março (sexta-feira)
17h30 – Visita Guiada à Cinemateca Capitólio Petrobras
19h – SESSÃO ESPECTADORES
  
30 de março (sábado)
16h30 – Visita Guiada à Cinemateca Capitólio Petrobras
18h – SESSÃO CINEMA NO INTERIOR
  
31 de março (domingo)
20h – SESSÃO LONGA (Cine São Paulo – O Estado das Coisas)

terça-feira, 26 de março de 2019

Cine Dica: Em Cartaz: 'Eleições' - Escolas Com Partido

Sinopse: A rotina do ensino médio da Escola Estadual Doutor Alarico da Silveira, localizada no centro de São Paulo, é alterada por conta das eleições do grêmio estudantil que se aproximam.  

O ano de 2018 ficará marcado por nos ter apresentado uma eleição controversa, onde um candidato usou somente todos os meios de comunicação pela internet, para espalhar fake news e se auto promover como a pessoa mais indicada(?) para comandar o país. Em uma democracia de verdade, a eleição funciona quando as propostas dos candidatos de vários partidos são ouvidas em debate perante o olhar do povo, para assim conhecermos melhor as suas ideias, de uma forma mais limpa e coerente. Embora não retrate esse cenário duvidoso do qual ocorreu no ano passado, o filme “Eleições” nos apresenta o dia a dia de uma eleição estudantil, mas que fala muito do nosso país atual.
Dirigido por Alice Riff, diretora do documentário "As Histórias Que o Nosso Cinema (não) Contava" (2018), o filme foca no dia a dia de uma escola nas vésperas das eleições das chapas. A obra foca, ao menos, quatro chapas, onde cada um dos seus integrantes fica contando na frente dos alunos as suas propostas para o melhoramento da escola. Ao mesmo tempo, testemunhamos as reações, as opiniões dos alunos ao longo desse período e as consequências que podem gerar no dia da votação.
Como eu tenho quase quarenta anos de vida é sempre bom ver a cara dessa nova geração de estudantes e da maneira como eles interagem uns com os outros dentro da escola. Percebe-se que há visivelmente uma diversidade de opiniões, comportamento e do modo de se vestir de cada um dos alunos. Em tempos em que o conservadorismo político quer ditar as regras dentro das escolas, testemunharmos esse quadro atual se nota que há uma esperança sendo plantada por detrás dos muros das escolas.
Embora seja um documentário, a cineasta opta em não interagir muito com os alunos, mas sim captar as reações e opiniões reais deles no dia a dia da escola. Temos somente um vislumbre de alguns deles interagindo com a câmera quando determinados alunos fazem pequenos noticiários falando sobre como anda o desenvolvimento da eleição. Esses momentos, aliás, mostram o poder das mídias eletrônicas atuais, de como elas podem influenciar a opinião de eleitores e mudar assim o curso da história.
Curiosamente, a questões LGBT, religião, raça e liberdade de expressão são colocadas em pauta no decorrer da obra. Há por exemplo, tanto momentos em que mostra um aluno gay sofrendo preconceito, como também a inserção de uma determinada religião para uma das chapas. Embora essa passagem da obra possa parecer forçada para colocar o assunto em pauta, nunca é demais a gente se lembrar que vivemos num país laico e que se deve separar política da religião como é bem mostrado nesse documentário.
Ao seu final, as eleições terminam de uma forma democrática, porém, não escondendo os percalços que aquela escola ainda terá que enfrentar ao longo dessa jornada. De uma forma corajosa, o documentário faz uma comparação da escola com o estado que recorre a força policial, do qual ambos acreditam que é o melhor meio para se conter determinada situação. Testemunharmos, por exemplo, diretores responsáveis pela escola em querer apoiar a força policial, se faz assim um paralelo com esses governantes atuais que acreditam que tudo pode ser resolvido com a força bruta de uma polícia despreparada.
Com uma rápida e bela homenagem a Marielle Franco, "Eleições" é um importante documentário para ser visto pelos estudantes do Brasil atual, pois é por eles que será construído o nosso futuro e para que ele não se torne assim tão sombrio.  


Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Cine Dica: Em Cartaz: ‘Pastor Cláudio’ - Passado Opressor

Sinopse: Um encontro histórico entre duas figuras pessoalmente antagônicas: o bispo evangélico Cláudio Guerra, responsável por assassinar e incinerar os opositores à ditadura militar brasileira, e Eduardo Passos, um psicólogo e ativista dos Direitos Humanos. 

Num primeiro momento não é fácil simplificar o peso que esse documentário nos passa quando estamos assistindo. Por explorar tempos sombrios que foram a Ditadura Militar, com direito a inúmeras passagens históricas daquele período sendo vistas na tela, o documentário possui uma frieza sem precedentes, onde as perguntas polêmicas surgem sem freio e tornando importante todo o seu conteúdo que nos é apresentado.
Dirigido por Beth Formagini, o documentário não possui nenhuma inovação dentro do gênero, mas usando ingredientes de sucesso para torna-lo um filme denúncia contra um passado opressor. Aqui existe apenas o entrevistado e o entrevistador, em uma sala escura, onde se destaca uma tela da qual mostra imagens desumanas de um passado que persiste ainda hoje em não morrer.
No caso do entrevistador é o psicólogo e defensor dos direitos humanos Eduardo Passos, e o entrevistado é Cláudio Guerra, ex-delegado do DOPS que matou, incinerou inúmeras pessoas durante a época repressiva e que hoje se autodenomina Pastor Cláudio, membro da igreja evangélica. As perguntas de Eduardo Passos sintetizam como um todo o que foi aquele período e todo sangue que ela deixou no passado. Porém, Pastor Cláudio responde com respostas que vão crescendo na medida do tempo, mesmo elas sendo explicitas, porém, duramente verdadeiras.
É arrepiante quando percebemos que ele não transmite nenhum arrependimento pelos seus atos. Ele observa as fotos que são lançadas na tela, onde ele relembra cada uma de suas vítimas, além de explicar detalhadamente como ele executava elas. Curiosamente, ele fica carregando uma bíblia durante toda obra, como se fosse uma salvação, mas que não lhe faz esquecer dos seus atos. 
Talvez, sem muito exagerar, “Pastor Cláudio” obtém o seu maior trunfo através dessas duas figuras contracenando uma com a outra. Frieza de um e a expressão de assombro vinda do outro faz com que nos identifiquemos facilmente com esse último. Basicamente ele representa nós em cena e sintetizando o nosso lado perplexo perante os fatos vistos na tela.  
Essa complexidade perante o horror dos fatos faz parecer que o pastor Cláudio não seja real em alguns momentos. O que o filme nos transmite em pouco mais de uma hora e meia é o lado surreal, porém, verdadeiro os fatos sendo narrados. Por mais doloroso que seja revisitar um passado tenebroso do nosso país, “Pastor Cláudio” existe como filme denuncia, além de nos dizer que aquelas vozes silenciadas estão hoje mais vivas do que nunca e pedindo justiça. 


Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.