Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre e frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 82 certificados). Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Cine Dicas: Em Cartaz: Barreiras



Sinopse: Catherine volta para Luxemburgo em busca de se reconciliar com sua filha Alba, a quem tinha confiado à sua mãe Elizabeth dez anos atrás. Alba é fria e distante com a até então estranha aparecendo inesperadamente em sua vida, assim como Elisabeth, que deseja proteger a menina. Certo dia Catherine não aguenta mais e rapta Alba, levando-a em uma viagem para um lago no norte, e começa uma viagem inquietante sobre o amor maternal.



Não há apresentações, letreiros, ou algo do gênero nos primeiros minutos do filme  Barreiras, mas sim é a câmera que nos leva aos fatos e fazendo com que tiremos as nossas próprias conclusões do que assistimos. Nessa abertura, vemos Catherine (Lolita Chammah, filha de Isabelle Huppert na vida real), adentrar numa escola e observar o ambiente. Num primeiro momento, acreditamos que ela esteja relembrando momentos do passado quando entra naquele ambiente, quando na realidade está observando a sua filha que há tempos não a via.
A cineasta Laura Schroeder (Schatzritter) cria um retrato minucioso da família contemporânea, sendo que alguns não se encontram preparados para administrar uma família, mas que acabam sendo construídas para se manter as suas raízes. Embora não fique muito claro o que havia acontecido no passado, por exemplo, Catherine retorna a Luxemburgo, disposta a retomar o vínculo perdido com a filha pré-adolescente Alba (Themis Pauwels, ótima), que ficou aos cuidados da mãe/avó (Isabelle Huppert). A partir do momento onde se há o reencontro das três protagonistas, começa então a cruzada de um processo de redescobertas e das quais cada uma terá que rever os seus próprios princípios.
Embora Isabelle Huppert seja o chamariz da produção, toda a trama se vê em volta da personagem de Lolita Chammah, onde através de sua filha, não somente busca uma reconciliação, como também uma redenção para ela mesma. A cineasta Shroeder não tem pressa em dar explicações sobre o passado de ambas as personagens, sendo que isso não faz uma mínima falta, pois a reconstrução gradual do relacionamento de mãe e filha é o que faz pulsar o filme como um todo. Isso acaba se tornando tão interessante que a presença de Isabelle Huppert acaba não fazendo muita falta, muito embora ela sempre dê um novo gás quando surge em cena.
Mesmo que não fique explicito os motivos do desentendimento de Catherine com a sua mãe, a cineasta Laura Schroeder foi habilidosa numa sequência esplêndida. Num determinado momento o presente transita com o passado, onde enxergamos pessoas dançando e se esbaldando com riquezas, mas não havendo vida em seus olhares e como se fossem verdadeiros bonecos. Vemos então Catherine querer se desprender disso, mas sendo impedida pela sua mãe, da qual tenta trazê-la ao circulo, mas sem muito sucesso.
O filme então entra em terrenos instáveis, dos quais questões sobre até que ponto se pode se seguir os caminhos de nossos pais, quando na realidade deveríamos desprender de suas sombras e criarmos a nossa própria. A questão sobre a morte, por exemplo, usada no filme, pode ser uma espécie de simbolismo com relação ao desejo de se desprender do cordão umbilical familiar, embora nem todos possam captar essa proposta de imediato. Uma vez que então ambas as três mulheres da trama se encontram numa barreira no ápice da trama, elas não encontram um limite, mas sim um ponto de ignição para tomarem novos rumos de suas vidas. 
Barreiras é um filme sobre mães e filhas, cuja trama é bem conduzida e nos levando a reflexões sobre o verdadeiro papel da mulher em nossa realidade contemporânea. 
  


Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Cine Dica: Ainda Orangotangos comemora 10 anos de lançamento



Longa feito em um único plano-sequência ganha sessão comemorativa de seus 10 anos, dia 30/11, 20h, na Cinemateca Capitólio Petrobras e terá lançamento de DVD comemorativo.


Longa de estréia do diretor gaúcho Gustavo Spolidoro, Ainda Orangotangos é uma adaptação de seis contos do livro homônimo do escritor gaúcho Paulo ScottRoteirizado por Gibran Dipp e Gustavo Spolidoro e produzido pela Clube Silêncio, o filme mostra, num único plano-sequência de 81 minutos, 14 horas de um dia quente de verão, quando quinze personagens transitam pelas ruas e prédios de Porto Alegre.

Melhor filme no 13o Festival Internacional de Milão, Melhor Filme de Estreia e Ator (Roberto Oliveira) no 12o Festival Internacional de Lima/PER, Prêmio Destaque do Júri Livre no Festival de Tiradentes, o filme iniciou sua trajetória internacional no prestigiado festival de Rotterdam/HOL e circulou por mais de 25 festivais internacionais, como BAFICI/ARG, AFI/EUA, Munique/ALE e Toulouse/FRA.

Nestes 10 anos, Ainda Orangotangos nunca deixou de ser exibido, debatido e mesmo criticado. É conteúdo de diversos trabalhos acadêmicos e utilizado em aulas de cursos como Letras e Cinema em diferentes universidades brasileiras.



INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE A SESSÃO E O DVD

* A sessão comemorativa acontecerá dia 30/11, às 20h, na Cinemateca Capitólio, seguida de debate

* Entrada Franca

* O DVD comemorativo tem edição limitada e estará à venda por 20,00 (valor somente para o dia do evento)

* Além do filme, o DVD contém extras como:

# o Making Of Oficial, dirigido por Eduardo Wannmacher;

# um inédito making of em plano-sequência feito pelo diretor Gustavo Spolidoro e que acompanha todo o filme sendo feito;

# comentários da equipe e elenco

# músicas;

# trailers;

#legendas em inglês e espanhol.



A sessão comemorativa é promovida pela Rainer Cine, formada pelos cineastas Fabiano de Souza e Milton do Prado, que junto a Gustavo Spolidoro e Gilson Vargas, formavam a Clube Silêncio, produtora de Ainda Orangotangos.

 COMO FOI FAZER AINDA ORANGOTANGOS

O formato do filme exigiu um trabalho detalhado da equipe de produção. Durante as filmagens, o longa mobilizou cerca de 180 pessoas espalhadas por um perímetro de 15 km na região central de Porto Alegre, a fim de garantir que ele pudesse ser realizado em seus mais de 80 minutos, sem problemas. No total foram gravadas seis tomadas, uma por dia, e a escolhida foi a segunda, rodada no dia 08/12/2006. Como a história se passa durante 14 horas, as gravações ocorreram sempre no final da tarde, de modo a simular a passagem do amanhecer até o anoitecer. Antes das filmagens, foram dois meses de ensaios e quatro de pré-produção. Pontos com muita movimentação de pedestres na capital gaúcha, como o Trensurb, o Mercado Público e o Parque da Redenção, foram alguns dos escolhidos como cenário da trama. As imagens foram todas captadas em uma câmera Panasonic HVX 200, que naquele momento era a mais “leve” e adequada para as exigências do filme, principalmente por permitir a captação em um HD externo. Após o processo o filme passou por um Transfer para 35mm, visto que a maioria dos cinemas ainda exibia em película em 2007.

Mesmo sabendo se tratar de um tema polêmico e evitado por muitos cineastas, Spolidoro fez questão de retratar no filme a sua paixão pelo Internacional. Além do Hino do time, o coloradismo aparece em alguns diálogos e figurinos dos atores. Como dado curioso, cabe dizer que, apesar de o filme ter sido rodado uma semana antes de o Inter conquistar o título de Campeão Mundial, em 17/12/2006, a história se passa nos dias seguintes à vitória: no filme, vários personagens fazem referência ao título “há pouco” conquistado. “O futebol está diariamente na pauta de qualquer cidadão. Me estranha ele ser tão pouco presente no cinema, principalmente o brasileiro. Que me desculpem os gremistas, mas este filme tem alma colorada”, comentava o diretor à época. Spolidoro também dirigiu o documentário sobre a conquista do título mundial (ver abaixo).

A trilha sonora conta com algumas das músicas que marcaram época no rock gaúcho. É possível conferir clássicos como “Amigo Punk”, em versão tango-gaudério, executada por Arthur de Faria & Seu Conjunto com o sócio da Clube Silêncio, Gilson Vargas, nos vocais e “Morte por Tesão”, dos Cascavelletes, remodelada pelos psychobillies da Damn Laser Vampires. No total, 16 músicas compõem a trilha, incluindo a abertura do seriado Ultraseven e o Hino do Sport Club Internacional assobiado pelo ator Nilsson Asp. Na trilha também estão bandas que faziam parte da nova safra gaúcha há 10 anos e que se destacaram bastante no período, como Superguidis, Pata de Elefante, Yanto Laitano, A Red So Deep e Justine.
 O trailer do longa-metragem já está disponível no Youtube, em


Ainda Orangotangos é uma produção da Clube Silêncio com financiamento do MINC, através do Prêmio Para Longas de Baixo Orçamento/2005, do edital de Difusão da PETROBRAS.

 Sobre o diretor

Gustavo Spolidoro é Mestre e Professor de Cinema da PUC/RS. Além de Ainda Orangotangos (2007), dirigiu os longas Errante (2015), Morro do Céu (2009) e Gigante– Como o Inter Conquistou o Mundo (2007) e do episódio “Nascente”, do longa 5 X Chico – O Velho e Sua Gente (2015). ​Seus filmes estiveram em festivais como Berlim, Sundance e Roterdã e recebe​ram​ mais de 70 prêmios​, incluindo duas vezes o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro (“Outros”, em 2001 e “De Volta ao Quarto 666”, em 2010). ​Em 2017 lançou a série​ infantil​ Ernesto – O Exterminador de Seres Monstruosos, produção da 3 Tabela/RJ e para 2018​ ​finaliza as séries​ infanto-juvenis A Velha História do Meu Amigo Novo e Formigas. É​ curador do Cine Esquema Novo.

Sobre a produtora Clube Silêncio

A Clube Silêncio foi fundada em 2004 pelos cineastas Fabiano de Souza, Gilson Vargas, Gustavo Spolidoro e Milton do Prado e encerrou suas atividades em 2010. Neste período a produtora realizou vários curtas: MessalinaCinco NaipesInício do FimSketchesA DomicílioPequenos Tormentos da VidaNoitePorto Alegre de Quintana e O Louco (estes três últimos em parceria com a RBS TV), Dois CoveirosHóspedes e Telefone de Gelo. Também esteve na gênese dos projetos finalizados após o encerramento de suas atividades, como os longas A Última Estrada da PraiaDromedário no Asfalto Morro do Céu. A Clube, como era carinhosamente conhecida, também coproduziu o longa-metragem Cão Sem Dono de Beto Brant e Renato Ciasca, em conjunto com a Drama Filmes (2007).

FICHA TÉCNICA de AINDA ORANGOTANGOS

2007, HD/35mm, 81 min

 Produtora: CLUBE SILÊNCIO

Direção: GUSTAVO SPOLIDORO

Produção: CRISTIANE OLIVEIRA, FABIANO DE SOUZA, GILSON VARGAS, GUSTAVO SPOLIDORO e MILTON DO PRADO

Produção executiva: CAMILA GROCH e JAQUELINE BELTRAME

Direção de produção: CAMILA GROCH

Roteiro: GIBRAN DIPP e GUSTAVO SPOLIDORO a partir do livro homônimo, de PAULO SCOTT

Direção de fotografia: JULIANO LOPES FORTES

Direção de arte: LUIZ ROQUE

Desenho de som: CRISTIANO SCHERER



Financiamento MINC

Financiamento para Distribuição PETROBRAS

Distribuição PANDORA FILMES

Produção de lançamento OKNA PRODUÇÕES



ELENCO (por ordem de aparição)



Japonesa: Karina Kazuê

Japonês: Lindon Shimizu

Papai Noel: Artur José Pinto

Garoto Colorado: Kayodê Silva

Morena Teórica: Janaína Kremer

Loira Assanhada: Renata de Lélis

Seu Pedro: Nilsson Asp

Ruiva Pesadelo: Arlete Cunha

Garota Tatuada: Letícia Bertagna

Brasa: Roberto Oliveira

Caixa Mercadinho: Marcelo de Paula

Velhinho: Girley Paes

Escritor Orangotango: Heinz Limaverde

Professor de Canto: Rafael Sieg

Debutante: Juliana Spolidoro

Cine Curiosidade: Sessão Clube de Cinema de Porto Alegre: Os Golfinhos vão para o leste.



Eu sendo agora parte do Clube de Cinema de Porto Alegre, irei participar neste próximo sábado de uma sessão para os sócios, onde será exibido o filme Os Golfinhos Vão Para o Leste, dos diretores Gonzalo Delgado e Veronica Perrotta. Abaixo, segue mais informações sobre o filme e aguardem a minha crítica.

Os Golfinhos Vão Para o Leste

Data de lançamento 23 de novembro de 2017

Título original Las Toninas Van al Este

Ano de produção 2016

Duração: 1h 23min

Direção: Gonzalo Delgado, Veronica Perrotta

Elenco: Jorge Denevi, Veronica Perrotta, César Troncoso

Comédia

Nacionalidades Uruguai, Argentina

Distribuidor Okna Produções

Tipo de filme longa-metragem

Idioma Espanhol

Colorido



Sinopse: Miguel Angel Garcia Mazziotti, figura gay decadente do showbiz no Rio de la Plata, é visitado por sua filha Virginia, de quem se manteve afastado por anos. "El Gordo",como o chamam em Punta del Este, rejeita abertamente a visita de Virginia mas, ao saber que vai se tornar avô, não consegue controlar a emoção e acaba cedendo e compartilhando da felicidade de sua filha. Eles compartilham então um verdadeiro fim de semana em família que, para ser feliz como em muitas famílias, deve ser de mentira.
 
Siga o Clube de Cinema de Porto Alegre através das redes sociais:
Facebook: www.facebook.com/ccpa1948
twitter: @ccpa1948  
Instagram: @ccpa1948