Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 31 de março de 2014

Cine Especial: MATRIX: 15 ANOS DEPOIS




Sinopse: Em um futuro próximo, Thomas Anderson (Keanu Reeves), um jovem programador de computador que mora em um cubículo escuro, é atormentado por estranhos pesadelos nos quais encontra-se conectado por cabos e contra sua vontade, em um imenso sistema de computadores do futuro. Em todas essas ocasiões, acorda gritando no exato momento em que os eletrodos estão para penetrar em seu cérebro. À medida que o sonho se repete, Anderson começa a ter dúvidas sobre a realidade. Por meio do encontro com os misteriosos Morpheus (Laurence Fishburne) e Trinity (Carrie-Anne Moss), Thomas descobre que é, assim como outras pessoas, vítima do Matrix, um sistema inteligente e artificial que manipula a mente das pessoas, criando a ilusão de um mundo real enquanto usa os cérebros e corpos dos indivíduos para produzir energia. Morpheus, entretanto, está convencido de que Thomas é Neo, o aguardado messias capaz de enfrentar o Matrix e conduzir as pessoas de volta à realidade e à liberdade.

Antigamente, quando eu era pequeno, o tempo demorava ao passar. Ficava na maior agonia para chegar o final do ano, para ver a Rena do Nariz Vermelho tv, mas o tempo passou e com isso o tempo parece que passou mais e mais rápido. Com isso parecem mentira que já se vão 15 anos desde que Matrix foi lançado no cinema.
Lembro-me bem como foi que conheci isso tudo: na realidade o primeiro vislumbre do filme foi numa matéria do Fantástico, onde mostrava uma dupla de alunos matando 13 colegas no colégio dos Estados Unidos, que segundo a matéria, parecia que eles haviam adorado o filme. Mera desculpa por não achar uma razão clara na época do porque a dupla fez aquilo, sendo que o importante é que Matrix escapou de polêmicas sem fundamento e logo se tornou um dos filmes mais cultuados daquele ano de 1999.
Só para se ter uma idéia, o filme ofuscou a grande estréia daquele período que foi Star Wars: Ameaça Fantasma. O problema é que o filme de George Lucas não trazia nada de novo e o pior, não trazia nenhum personagem tão carismático como da trilogia original. Com isso, mesmo os dois filmes estreando em datas diferentes daquele ano, Matrix saiu na frente na opinião publica e critica por ser algo novo, ao mesmo tempo era um mundo mais ou menos conhecido pelos fanáticos pelo estilo Cyberpunk, estilo conhecido mais por pessoas que curtem mangas japoneses, mas pouco conhecido ao resto do mundo até aquela época.
Lembro-me bem quando fui ver o filme: fui com uma colega minha na época da escola, no Cine Imperial da Rua das Andradas, (bons tempos do cine de rua). A sensação de assistir algo novo já dava para sentir no primeiro minuto de projeção. Logo em seguida era apresentado aos nossos olhos o efeito tempo de bala, onde a personagem Triniy dava um chute em um policial, ou a cena já clássica em que Neo se esquiva das balas do agente, em um momento em que a câmera da um giro de 360ºgraus, algo inédito na época.
A idéia dos irmãos Wachowski (na época conhecidos por ter dirigido o filme erótico Ligadas Pelo Desejo) eram fazer uma trilogia, pois cresceram assistindo trilogias do cinema, lendo muito HQ em três partes e por isso queriam criar um filme inspirado nestas fontes, (o filme é claramente uma inspiração da HQ Invisíveis) como as trilogias já clássicas como Star Wars e teorias sobre o que realidade ou não. Mas primeiro de tudo fizeram um filme onde souberam com perfeição apresentar esse mundo, em que as maquinas controlam os seres humanos e fazem as pessoas viverem uma vida falsa, numa vida simulada.
O filme se tornou sucesso de publico e critica, fez de Keanu Reeves ícone Pop e abocanhou 4 Oscar e isso sem contar a moda Matrix em que as roupas e óculos do filme se tornaram moda desde então. Com isso, era inevitável os irmãos ganhassem luz verde para criar sua trilogia e com isso em 2003 foram lançados as segunda e terceira parte que, se em parte não fez o mesmo sucesso de critica para muitos, para os fanáticos de Ciberpunk os três capítulos se tornaram obras primas e isso sem contar um longa que conta com oito historias que exploram o mundo da Matrix.
15 anos depois, Matrix foi uma prova na época que publico se interessa por novidades, sendo uma formula que funcionou uma vez, pode funcionar sempre. Contudo, novas formulas são sempre bem vindas e essa trilogia ciberpunk foi mais do que bem vinda.
 

Me sigam no Facebook, twitter e Google+ 

Cine Dica: Convite Coquetel de Abertura Mostra APTC-RS 2014

 SALA P. F. GASTAL ABRE ESPAÇO PARA
A PRODUÇÃO CINEMATOGRÁFICA GAÚCHA
 
Dentro das atividades comemorativas ao 242º aniversário de Porto Alegre, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) abre espaço para uma grande mostra reunindo os principais filmes gaúchos lançados ao longo do último ano. Realizada em parceria com a APTC-RS, a programação integra as atividades oficiais da Semana de Porto Alegre e terá coquetel de abertura em 27 de março, às 19h, justamente na data em que se celebra o Dia do Cinema Gaúcho. A mostra se estende até o dia 30 de março e irá apresentar 28 filmes, entre longas e curtas, incluindo ficções, documentários e produções para a televisão. Além da mostra de filmes, o evento também realiza uma série de debates colocando em discussão as características e os rumos da produção cinematográfica no Rio Grande do Sul, sem distinção de gênero ou formato. A entrada para toda a programação é gratuita.

Os debates acontecem de sexta a domingo, sempre às 20h30. No dia 28, a mesa RS e o Exterior contará com a participação de profissionais do audiovisual gaúcho que tiveram experiências importantes em festivais internacionais; dia 29, a mesa Fora do Fora do Eixo reúne realizadores que se destacam produzindo no interior do estado; e no dia 30 a mesa Perspectivas trará realizadores de diferentes gerações debatendo as questões estéticas e temáticas do cinema realizado hoje no RS, além das particularidades da produção local, tendo como referência os lançamentos prometidos para 2014.

Parceira da Coordenação de Cinema, Vídeo e Fotografia da Secretaria da Cultura de Porto Alegre nesta inportante programação, a Associação Profissional de Técnicos Cinematográficos do Rio Grande do Sul – APTC/ABD-RS trabalha desde 1985 buscando a consolidação do audiovisual do estado, atuando como porta-voz dos realizadores gaúchos junto ao poder público e à iniciativa privada. Ao longo dessa trajetória, a entidade consolidou sua reputação como um dos órgãos mais atuantes e representativos da classe artística no Rio Grande do Sul, participando ativamente na discussão de políticas públicas para a a área da cultura.
 
 
PROGRAMAÇÃO
 
 
LONGAS
 
DaLua Downhill, de Rodrigo Pesavento, Fernanda Franke Krumel e Tiago De Castro (2013, 88 minutos)
A jornada de Douglas Rodrigues da Silva, o Dalua, em busca do título mundial de “Skate Downhill” - um dos esportes mais radicais do mundo, onde os skatistas descem ladeiras em velocidades superiores a 110 Km/h. Durante 2 anos, o filme acompanha o atleta brasileiro em suas viagens ao redor do mundo, revelando que, para além das competições, existe uma história de garra, paixão, pressão e dor. Amizade e rivalidade despertam sentimentos conflituosos entre os atletas. Afinal, o que os une, também os separa.
 
Simone, de Juan Zapata (2013, 76 minutos)
Após anos de relacionamentos com outras mulheres, SIMONE decidiu estar com um homem pela primeira vez. Baseado em uma história real, o longa-metragem mistura a linguagens documental e ficcional, jogando com a criação cênica e a montagem, criando um universo único, particular e íntimo. SIMONE é um filme que questiona o conceito de liberdade sexual.
 
Mais uma Canção, de Rene Goya Filho (2013, 100 minutos)
Documentário sobre Bebeto Alves, um dos nomes mais consagrados da música popular gaúcha. Investigando as raízes da milonga, gênero que ultrapassa fronteiras, Bebeto viaja da Península Ibérica ao norte da África, provocando discussões a respeito do velho embate entre música periférica e mainstream.

Dyonélio, de Jaime Lerner (2013, 70 minutos)
O documentário retrata a vida do político, psiquiatra e escritor Dyonélio Machado, que já foi perseguido por suas ideias consideradas comunistas. O filme mistura passagens da vida do artista com trechos de suas obras, como os romances "Os Ratos" e "O Louco do Cati".
 
Cinco Maneiras de Fechar os Olhos, de Abel Roland, Emiliano Cunha, Amanda Copstein, Filipe Matzembacher e  Gabriel Motta Ferreira (2012, 77 minutos)
Quatro pessoas tiram suas máscaras após a morte de uma jovem. A fábula de uma raposa que encontrou um coelho.
 
Xico Stockinger, de Frederico Mendina (2013, 86 minutos)
Xico Stockinger migra para o Brasil após a I Guerra Mundial. Seu sonho é se tornar piloto de avião, mas sua origem austríaca o proíbe de concluir o curso quando o Brasil ingressa na II Guera Mundial. Inicia como aprendiz do artista Bruno Giorgi, quando abraça um novo sonho: a arte. A inabalável capacidade criativa de Xico ao longo da vida repercutiu entre seus contemporâneos e ainda ecoa na sociedade. “Xico Stockinger” mostra sua história, entremeada por eventos históricos, suas técnicas e suas obras. Um filme documentário sobre a importância da perseverança, sobre a necessidade de realização pessoal.
 
O Liberdade, de Cíntia Langie e Rafael Andreazza (2012, 71 minutos)
O documentário musical O Liberdade conta a história de um bar muito peculiar: durante o dia funciona como restaurante popular e atende a um público de agricultores de origem alemã e à noite transforma-se no reduto da música mais genuinamente brasileira: o choro.
 
 
CURTAS
 
 
PROGRAMA CURTAS 1

•Um Diálogo de Ballett (Filipe Matzembacher e Márcio Reolon, 8 min)
•Linda, um História Horrível (Bruno Barreto, 20 min)
•Ed (Gabriel Garcia, 14 min)
•A Princesa (Rafael Duarte e Taísa Ennes Marques, 20 min)
•O Matador de Bagé (Felipe Iesbick, 15 min)
•Coisas que POA Fala no Churrasco (Marco Carvalho, 3 min)


PROGRAMA CURTAS 2

•Férias (Iuli Gerbase, 9 min)
•Tomou Café e Esperou (Emiliano Cunha, 13 min)
•Codinome Beija-Flor (Higor Rodrigues, 20 min)
•O Homem que Conserta Estrelas (Denise Marchi, 15 min)
•As Memórias do Vovô (Cíntia Langie, 19 min)


PROGRAMA CURTAS 3

•27 Corações (Cris Aldreyn, 15 min)
•Davi e os Aviões (Pedro Achilles, 12 min)
•Kassandra (Ulisses da Motta Costa, 24 min)
•Fantasmas da Cidade (Daniel de Bem, 24 min)


PROGRAMA CURTAS 4

•Coisas que POA Fala na Praia (Marcos Carvalho, 3 min)
•Trique Trique (Vicente Schereder, 14 min)
•Os Filmes estão Vivos (Fabiano de Souza e Milton do Prado, 25 min)
•Libertadores (Gabriel Rubim, 13 min)
•Ruído Branco (Lucas Sá e Mateus Neiss, 7 min)
•Amores Passageiros (Augusto Canani, 24 min)


 
GRADE DE HORÁRIOS
27 a 30 de março de 2014
 
 
27 de março (quinta)
14:00 – DaLua Downhill
16:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:30 – Simone
19:00 – Coquetel de abertura da Mostra APTC 2014
20:00 – Programa de Curtas 1

28 de março (sexta)
14:00 – Mais uma Canção
16:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:30 – Dyonélio
19:00 – Programa de Curtas 2
20:30 – Mesa 1: O RS e o Exterior

29 de março (sábado)
14:00 – Cinco Maneiras de Fechar os Olhos
16:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:30 – Sessão Plataforma: A Doença do Sono
19:00 – Programa de Curtas 3
20:30 – Mesa 2: Fora do Fora do Eixo

30 de março (domingo)
14:00 – Xico Stockinger
16:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:30 – O Liberdade
19:00 – Programa de Curtas 4
20:30 – Mesa 3:  Perspectivas

sexta-feira, 28 de março de 2014

Cine Dica: Produções gaúchas em destaque na Sala P. F. Gastal

SALA P. F. GASTAL ABRE ESPAÇO PARA
A PRODUÇÃO CINEMATOGRÁFICA GAÚCHA
  

Dentro das atividades comemorativas ao 242º aniversário de Porto Alegre, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) abre espaço para uma grande mostra reunindo os principais filmes gaúchos lançados ao longo do último ano. Realizada em parceria com a APTC-RS, a programação integra as atividades oficiais da Semana de Porto Alegre e terá coquetel de abertura em 27 de março, às 19h, justamente na data em que se celebra o Dia do Cinema Gaúcho. A mostra se estende até o dia 30 de março e irá apresentar 28 filmes, entre longas e curtas, incluindo ficções, documentários e produções para a televisão. Além da mostra de filmes, o evento também realiza uma série de debates colocando em discussão as características e os rumos da produção cinematográfica no Rio Grande do Sul, sem distinção de gênero ou formato. A entrada para toda a programação é gratuita.

Os debates acontecem de sexta a domingo, sempre às 20h30. No dia 28, a mesa RS e o Exterior, mediada por Leo Garcia, contará com a participação de Davi de Oliveira Pinheiro, Davi Pretto e Liliana Sulzbach, realizadores gaúchos que tiveram experiências importantes em festivais internacionais; dia 29, a mesa Fora do Fora do Eixo, mediada por Joba Migliorin, reunirá Álvaro de Carvalho, André Constantin, Cintia Langie e Zeca Brito, realizadores que se destacam produzindo no interior do estado; e no dia 30 a mesa Perspectivas, com mediação de Daniel Feix, trará Fabiano de Souza, Cacá Nazário, Daniel de Bem, Emiliano Cunha e Dani Israel, realizadores e produtores de diferentes gerações debatendo as questões estéticas e temáticas do cinema realizado hoje no RS, além das particularidades da produção local, tendo como referência os lançamentos prometidos para 2014.

Parceira da Coordenação de Cinema, Vídeo e Fotografia da Secretaria da Cultura de Porto Alegre nesta inportante programação, a Associação Profissional de Técnicos Cinematográficos do Rio Grande do Sul – APTC/ABD-RS trabalha desde 1985 buscando a consolidação do audiovisual do estado, atuando como porta-voz dos realizadores gaúchos junto ao poder público e à iniciativa privada. Ao longo dessa trajetória, a entidade consolidou sua reputação como um dos órgãos mais atuantes e representativos da classe artística no Rio Grande do Sul, participando ativamente na discussão de políticas públicas para a a área da cultura.



PROGRAMAÇÃO


LONGAS

DaLua Downhill, de Rodrigo Pesavento, Fernanda Franke Krumel e Tiago De Castro (2013, 88 minutos)
A jornada de Douglas Rodrigues da Silva, o Dalua, em busca do título mundial de “Skate Downhill” - um dos esportes mais radicais do mundo, onde os skatistas descem ladeiras em velocidades superiores a 110 Km/h. Durante 2 anos, o filme acompanha o atleta brasileiro em suas viagens ao redor do mundo, revelando que, para além das competições, existe uma história de garra, paixão, pressão e dor. Amizade e rivalidade despertam sentimentos conflituosos entre os atletas. Afinal, o que os une, também os separa.

Simone, de Juan Zapata (2013, 76 minutos)
Após anos de relacionamentos com outras mulheres, SIMONE decidiu estar com um homem pela primeira vez. Baseado em uma história real, o longa-metragem mistura a linguagens documental e ficcional, jogando com a criação cênica e a montagem, criando um universo único, particular e íntimo. SIMONE é um filme que questiona o conceito de liberdade sexual.

Mais uma Canção, de Rene Goya Filho (2013, 100 minutos)
Documentário sobre Bebeto Alves, um dos nomes mais consagrados da música popular gaúcha. Investigando as raízes da milonga, gênero que ultrapassa fronteiras, Bebeto viaja da Península Ibérica ao norte da África, provocando discussões a respeito do velho embate entre música periférica e mainstream.

Dyonélio, de Jaime Lerner (2013, 70 minutos)
O documentário retrata a vida do político, psiquiatra e escritor Dyonélio Machado, que já foi perseguido por suas ideias consideradas comunistas. O filme mistura passagens da vida do artista com trechos de suas obras, como os romances "Os Ratos" e "O Louco do Cati".

Cinco Maneiras de Fechar os Olhos, de Abel Roland, Emiliano Cunha, Amanda Copstein, Filipe Matzembacher e  Gabriel Motta Ferreira (2012, 77 minutos)
Quatro pessoas tiram suas máscaras após a morte de uma jovem. A fábula de uma raposa que encontrou um coelho.

Xico Stockinger, de Frederico Mendina (2013, 86 minutos)
Xico Stockinger migra para o Brasil após a I Guerra Mundial. Seu sonho é se tornar piloto de avião, mas sua origem austríaca o proíbe de concluir o curso quando o Brasil ingressa na II Guera Mundial. Inicia como aprendiz do artista Bruno Giorgi, quando abraça um novo sonho: a arte. A inabalável capacidade criativa de Xico ao longo da vida repercutiu entre seus contemporâneos e ainda ecoa na sociedade. “Xico Stockinger” mostra sua história, entremeada por eventos históricos, suas técnicas e suas obras. Um filme documentário sobre a importância da perseverança, sobre a necessidade de realização pessoal.

O Liberdade, de Cíntia Langie e Rafael Andreazza (2012, 71 minutos)
O documentário musical O Liberdade conta a história de um bar muito peculiar: durante o dia funciona como restaurante popular e atende a um público de agricultores de origem alemã e à noite transforma-se no reduto da música mais genuinamente brasileira: o choro.


CURTAS


PROGRAMA CURTAS 1

•Um Diálogo de Ballett (Filipe Matzembacher e Márcio Reolon, 8 min)
•Linda, um História Horrível (Bruno Barreto, 20 min)
•Ed (Gabriel Garcia, 14 min)
•A Princesa (Rafael Duarte e Taísa Ennes Marques, 20 min)
•O Matador de Bagé (Felipe Iesbick, 15 min)
•Coisas que POA Fala no Churrasco (Marco Carvalho, 3 min)


PROGRAMA CURTAS 2

•Férias (Iuli Gerbase, 9 min)
•Tomou Café e Esperou (Emiliano Cunha, 13 min)
•Codinome Beija-Flor (Higor Rodrigues, 20 min)
•O Homem que Conserta Estrelas (Denise Marchi, 15 min)
•As Memórias do Vovô (Cíntia Langie, 19 min)


PROGRAMA CURTAS 3

•27 Corações (Cris Aldreyn, 15 min)
•Davi e os Aviões (Pedro Achilles, 12 min)
•Kassandra (Ulisses da Motta Costa, 24 min)
•Fantasmas da Cidade (Daniel de Bem, 24 min)


PROGRAMA CURTAS 4

•Coisas que POA Fala na Praia (Marcos Carvalho, 3 min)
•Trique Trique (Vicente Schereder, 14 min)
•Os Filmes estão Vivos (Fabiano de Souza e Milton do Prado, 25 min)
•Libertadores (Gabriel Rubim, 13 min)
•Ruído Branco (Lucas Sá e Mateus Neiss, 7 min)
•Amores Passageiros (Augusto Canani, 24 min)




GRADE DE HORÁRIOS
27 a 30 de março de 2014



27 de março (quinta)
14:00 – DaLua Downhill
16:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:30 – Simone
19:00 – Coquetel de abertura da Mostra APTC 2014
20:00 – Programa de Curtas 1

28 de março (sexta)
14:00 – Mais uma Canção
16:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:30 – Dyonélio
19:00 – Programa de Curtas 2
20:30 – Mesa 1: O RS e o Exterior

29 de março (sábado)
14:00 – Cinco Maneiras de Fechar os Olhos
16:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:30 – Sessão Plataforma: A Doença do Sono
19:00 – Programa de Curtas 3
20:30 – Mesa 2: Fora do Fora do Eixo

30 de março (domingo)
14:00 – Xico Stockinger
16:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:30 – O Liberdade
19:00 – Programa de Curtas 4
20:30 – Mesa 3:  Perspectivas



Me sigam no Facebook, twitter e Google+ 

Cine Dica: CURTA NAS TELAS SEGUE EM CARTAZ COM ANIMAÇÃO E DOCUMENTÁRIO




Entre os dias 27 de março e 2 de abril, o Projeto Curta nas Telas segue exibindo dois dos filmes mais elogiados de sua programação. Declaração de amor ao cinema, Piove, Il Film de Pio, de Thiago Mendonça, segue em cartaz na sala Norberto Lubisco, da Cinemateca Paulo Amorim, acompanhando a sessão das 19h do longa Trapaça, de David O. Russel.Linear, animação premiada de Amir Admoni, segue na sala 03 do Guion Center, acompanhando as sessões das 20h de Ela, dirigido por Spike Jonze.
Piove, Il Film de Pio nos apresenta a Pio Zamuner, cineasta hoje esquecido que dirigiu os 12 últimos filmes do comediante Mazzaropi. Através de um diálogo franco sobre o cinema e a vida, uma relação se estabelece entre esses dois diretores de épocas distintas, desenhando o retrato de uma paixão compartilhada por duas gerações de cineastas em um botequim da famigerada Boca do Lixo. Mas quem dirige quem? Pio Zamuner morreu antes da obra ser finalizada.
Em Linear, uma pequena e determinada criatura segue em linha reta, marcando as faixas brancas no asfalto do tumultuado trânsito de São Paulo. Nenhuma agrura parece impedir o seu trabalho. A linha, diz o cineasta, é um ponto que saiu caminhando. O filme foi eleito o melhor curta-metragem brasileiro infantil no Anima Mundi 2012.
PIOVE, IL FILM DE PIO, de Thiago Mendonça (São Paulo, documentário, 15 minutos, 35mm, 2012). Censura livre.
LINEAR, de Amir Admoni (São Paulo, animação, 6 minutos, 35mm, 2012). Censura livre.
 Sobre o Curta nas Telas
O projeto Curta nas Telas é fruto de uma parceria entre a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, o Sindicato das Empresas Exibidoras do Rio Grande do Sul e a Associação Profissional dos Técnicos Cinematográficos do Rio Grande do Sul e Brasileira de Documentaristas (APTC – ABD/RS). Seu objetivo é divulgar a produção nacional de curtas-metragens, por meio da exibição dos filmes selecionados no circuito de cinemas de Porto Alegre. Em 40 edições foram exibidos 283 curtas de todo o Brasil.