Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Cine Especial; Historia do Cinema Brasileiro: Parte 1




Nos dias 16 e 17 de Junho, estarei participando do curso HISTORIA DO CINEMA BRASILEIRO, criado pelo CENA UM  e ministrado pelo jornalista Franthiesco Ballerini. E enquanto os dois dias não vêm, por aqui, falarei um pouco desse universo verde amarelo do nosso cinema.  
   
Deus e o Diabo na Terra do Sol

Sinopse: Manuel (Geraldo Del Rey) é um vaqueiro que se revolta contra a exploração imposta pelo coronel Moraes (Mílton Roda) e acaba matando-o numa briga. Ele passa a ser perseguido por jagunços, o que faz com que fuja com sua esposa Rosa (Yoná Magalhães). O casal se junta aos seguidores do beato Sebastião (Lídio Silva), que promete o fim do sofrimento através do retorno a um catolicismo místico e ritual. Porém ao presenciar a morte de uma criança Rosa mata o beato. Simultaneamente Antônio das Mortes (Maurício do Valle), um matador de aluguel a serviço da Igreja Católica e dos latifundiários da região, extermina os seguidores do beato.

Um dos filmes mais representativos do cinema novo, conseguindo pela maioria dos críticos como o melhor filme de Clauber Rocha. Vigorosos momentos de drama, aventura e poesia, comentados pelas musicas de Heitor Villa Lobos e Sergio Ricardo. Atenção para o magistral desempenho de Othon Bastos, como o cangaceiro Corisco, um dos remanescentes de Lampião. Sempre quando surge em cena, suas palavras falam por si, como quando batiza Manuel de Satanás.  

Curiosidade: Foi rodado nos municípios de Monte Santo, Feira de Santana, Salvador, Canché e Canudos, todos no estado da Bahia. - Foi lançado no Rio de Janeiro em 10 de julho de 1964, nos cinemas Caruso, Ópera e Bruni-Flamengo.


O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro

Sinopse: Quando um matador de cangaceiros é contratado para exterminar um bando e descobre nos criminosos um idealista que o faz rever seus conceitos de vida.

Seqüência oficial de Deus e o Diabo na terra do Sol, o filme é uma desconcertante mistura de oporá, macumba, mas principalmente faroeste. O filme é trajado com aquela roupa típica do western: a seca do Nordeste brasileiro constituída de homens duros e impiedosos. Não é nenhuma surpresa ver isso, até mesmo porque o western americano desencadeou muitas afluentes abraçadas por vários países distintos; o Brasil abraçou o cangaço mergulhado na pobreza.  Premio de melhor direção no festival de Cannes em 1969.


TERRA EM TRANSE

Sinopse: O senador Porfírio Diaz (Paulo Autran) detesta seu povo e pretende tornar-se imperador de Eldorado, um país localizado na América do Sul. Porém existem diversos homens que querem este poder, que resolvem enfrentá-lo.
  
Tido para alguns, como a obra prima de Glauber, o filme pode ter envelhecido para outros, mas não há como negar sua coragem histórica, pois o filme foi lançado em pleno período da ditadura e a trama nada mais era que uma critica disfarçada daquele tempo. Considerado clássico do Cinema Novo e vencedor do prêmio da critica em Cannes, é de difícil entendimento para quem não esteja habituado com a integridade linguagem do diretor.  

Curiosidade: Em abril de 1967 o filme foi proibido em todo território nacional, por ser considerado subversivo e irreverente com a Igreja. Depois foi liberado, com a condição de que se desse um nome ao padre interpetrado por Jofre Soares.

2 comentários:

ANTONIO NAHUD disse...

Realmente a atuação de Othon Bastos em DEUS E O DIABO... é impressionante. Não se esqueça de BARRAVENTO, um dos momentos mais lúdicos de Glauber.

O Falcão Maltês

Gilberto Carlos disse...

Gosto muito de cinema brasileiro, mas não gosto muito dos filmes de Glauber Rocha. O meu preferido é Barravento, seu primeiro filme e também o menos hermético.