Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Cine Dica: Em Cartaz: 'IT – CAPÍTULO 2' - O Palhaço Está Com Fome

Sinopse: Agora adultos, os Otários há muito tempo seguiram caminhos separados. No entanto, as crianças estão desaparecendo novamente, então Mike, o único do grupo a permanecer em sua cidade natal, chama os outros de volta para casa.  

Stephen King não tem o que reclamar, já que boa parte de suas obras de sucesso foram adaptadas para o cinema e obtendo retorno, por vezes, positivo. Porém, mesmo com o sucesso de crítica, o escritor não gostou de algumas adaptações, como foi no caso de "O Iluminado" (1980), dirigido pelo mestre Stanley Kubrick, mas cujo o clássico não foi cem porcento fiel a sua fonte. Se ele vier agora reclamar será de barriga cheia, já que "It-Capítulo 2" é muito fiel a sua fonte original, ao ponto que algumas passagens da obra literária são adaptadas até mesmo nos mínimos detalhes.  
Dirigido novamente por Andy Muschietti, do filme "Mama" (2013), a trama se passa 27 anos depois dos eventos originais, onde Mike (Isaiah Mustafa) percebe que o palhaço Pennywise (Bill Skarsgard) está de volta à cidade de Derry. Ele convoca os antigos amigos do Clube dos Otários para honrar a promessa de infância e acabar com o inimigo de uma vez por todas. Mas quando Bill (James McAvoy), Beverly (Jessica Chastain), Ritchie (Bill Hader), Ben (Jack Ryan) e Eddie (James Ransone) retornam às suas origens, eles precisam se confrontar a traumas nunca resolvidos de suas infâncias, e que repercutem até hoje na vida adulta.  
Uma coisa que eu havia notado no filme anterior é que a história foca nos horrores em que o mundo real pode proporcionar, principalmente vindo de pessoas inconsequentes e, por vezes, tão maquiavélicas quanto o próprio vilão principal da trama. O prólogo, aliás, é definitivamente perturbador, onde dois personagens sofrem horrores vindo do preconceito e cujo esse ódio inconsequente serve para despertar o pior daquela cidade.  Pode não ser tão assustador quanto abertura do filme original, mas o seu efeito faz a gente se preparar para o pior.  
Devido ao retorno positivo do primeiro capítulo, Andy Muschietti não tem pressa em reapresentar a turma dos otários e cujos os personagens ganham agora interpretes adultos. Porém, é preciso dar palmas aos realizadores ao dar também espaço para os otários da maneira como havíamos conhecido, através de flashbacks e tornando esses momentos um dos grandes atrativos. Curiosamente, muitas passagens do filme original que a gente conhece é revisto através de um outro ângulo nestes momentos e revelando informações surpreendentes sobre aquele passado.  
Aliás, é graças ao passado que faz mover os personagens principais para ação, mesmo quando a maioria tem muito receio de encarar lembranças até então esquecidas.  Curiosamente, não é somente medo que eles sentem pelo palhaço fantasmagórico, como também devido aos problemas comuns, como abuso, preconceito e saber aceitar os erros de um passado longínquo. Mais um ponto para adaptação e do qual faz somente o filme melhorar dali em diante. 
Em termos técnicos o filme é um colírio aos olhos e cuja sua fotografia consegue sintetizar, tanto as cores quentes dos anos oitenta, como também as cores frias dos dias hoje. A trilha sonora, por sua vez, anda em sincronia com cenas em que faz a gente pular das cadeiras, mesmo quando algumas a gente já imagina o que virá acontecer. As cenas, aliás, são de terror puro, onde retrata toda a maldade e fome do palhaço Pennywise. 
É claro que havia um grande temor de que o novo elenco não superaria o original, mas logo esse receio é dissipado. Jessica Chastain, por exemplo, está perfeita como Bevely adulta, assim como também James Ransone como Eddie e cujo o seu rosto é assustadoramente idêntico ao do jovem ator Jack Dylan Grazer. O mesmo não pode ser dito, na minha humilde opinião, sobre atuação de James McAvoy que interpreta a versão adulta de Bill, pois mesmo sendo um dos grandes talentos do cinema atual, sua atuação aqui é apenas econômica e da qual eu esperava muito mais.  
Uma outra questão a ser observada é os exageros do próprio Stephen King serem levados a tela, dos quais podem funcionar nas páginas de um livro, mas não significa que funcionem na tela do cinema como um todo. Esse exagero, aliás, o escritor se inspira e muito do universo criado pelo escritor H. P. Lovecraft e isso é bastante sentindo no ato final da trama. É neste momento, por exemplo, que o filme transita entre qualidades e defeitos, cujo os efeitos visuais em profusão meio que poluem o enredo, mas não o seu resultado emocional e cujo esse ingrediente se torna o principal trunfo da obra como um todo.  
"IT – Capítulo 2" é uma ótima adaptação do clássico de Stephen King e que pode servir de modelo para as inevitáveis novas adaptações que viram logo a seguir. 
   
Leia também: It-A Coisa


Joga no Google e me acha aqui:  

Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: