Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 15 de março de 2012

Cine Especial: O PODEROSO CHEFÃO: 40 ANOS DEPOIS!

Ao começar o meu trabalho, lendo os jornais de hoje, me deparei-me com um especial de duas folhas da zero hora, sobre os 40 anos de O Poderoso Chefão. E lá se vão quatro décadas, e ainda hoje o filme (para muitos) é considerado o melhor filme (não só americano) de todos os tempos. Talvez, a obra seja o melhor símbolo da época que o cinema americano estava vivendo naquele tempo, mais precisamente na virada dos anos 60 para 70, mais conhecido como o “novo cinema americano”, devido a queda as regras da censura e o surgimento de novos talentosos cineastas, que contribuirão para a década de 70 ser propicia.
Coppola pertencia a esse grupo, e mesmo se tivesse parado de filmar (o que não aconteceu) teria já seu lugar garantido na historia do cinema, pois quem já viu a trilogia, ou pelo menos, o primeiro filme, sabe do que estou falando. Abaixo, deixo um pouco dessa trilogia mafiosa!

O PODEROSO CHEFÃO
Sinopse: Em 1945, Don Corleone (Marlon Brando) é o chefe de uma mafiosa família italiana de Nova York. Ele costuma apadrinhar várias pessoas, realizando importantes favores para elas, em troca de favores futuros. Com a chegada das drogas, as famílias começam uma disputa pelo promissor mercado. Quando Corleone se recusa a facilitar a entrada dos narcóticos na cidade, não oferecendo ajuda política e policial, sua família começa a sofrer atentados para que mudem de posição. É nessa complicada época que Michael (Al Pacino), um herói de guerra nunca envolvido nos negócios da família, vê a necessidade de proteger o seu pai e tudo o que ele construiu ao longo dos anos.
Baseado no romance de Mario Puzo, adaptado por ele e pelo diretor Coppola, é um espetáculo grandioso e belíssimo, que empresta um tom épico e inédito nos filmes de gângster. Pontuado por diversas cenas clássicas, tem um elenco impecável, uma fotografia primorosa (cortesia de Gordon Willis de Manhattan) e trilha sonora inesquecível de Nino Rota, conduzida pelo maestro Marmine Coppola, pai de Francis. O próprio cineasta dirigiu duas seqüências que deram continuidade a saga (74 e 90) e uma montagem dos dois primeiros filmes para ser apresentado para a TV. Vencedor de 3 Oscar.

Curiosidade: Francis Ford Coppola e Mario Puzo, autores do roteiro do filme, evitaram a todo custo utilizar a palavra "máfia" nos diálogos dos personagens.


O PODEROSO CHEFÃO: Parte II

Sinopse: Início do século XX. Após a máfia local matar sua família, o jovem Vito (Robert De Niro) foge da sua cidade na Sicília e vai para a América. Já adulto em Little Italy, Vito luta para ganhar a vida (legal ou ilegalmente) para manter sua esposa e filhos. Ele mata Black Hand Fanucci (Gastone Moschin), que exigia dos comerciantes uma parte dos seus ganhos. Com a morte de Fanucci o poderio de Vito cresce muito, mas sua família (passado e presente) é o que mais importa para ele. Um legado de família que vai até os enormes negócios que nos anos 50' são controlados pelo caçula, Michael Corleone (Al Pacino). Agora baseado em Lago Tahoe, Michael planeja fazer por qualquer meio necessário incursões em Las Vegas e Havana instalando negócios ligados ao lazer, mas descobre que aliados como Hyman Roth (Lee Strasberg) estão tentando matá-lo. Crescentemente paranóico, Michael também descobre que sua ambição acabou com seu casamento com Kay (Diane Keaton) e até mesmo seu irmão Fredo (John Cazale) o traiu. Escapando de uma acusação federal, Michael concentra sua atenção para lidar com os seus inimigos.
Flashbacks interrompem a narrativa, para mostrar o surgimento do império Corleone. Ninguem em Hollywood acreditava, mas Coppola conseguiu fazer uma continuação ainda melhor que o filme original. O diretor e Mario Puzo criaram uma emocionante complemento do primeiro filme, revelando detalhes que explicam o comportamento dos personagens. Esse amargo e irresistível vaivém no tempo, que cobre três décadas e três gerações da família Corleone, forma também um grande e romântico painel sobre o EUA do século XX. Oscar de melhor filme, direção, roteiro adaptado, ator coadjuvante (Robert De Niro, perfeito como o jovem Vito Corleone), trilha sonora e direção de arte.

Curiosidade: Para se preparar para o papel, Robert De Niro viveu durante certo período na Sicília. Ele faz parte do grupo de atores que ganhou um Oscar falando a maior parte de seus diálogos numa língua diferente da inglesa (os demais foram Sophia Loren, Roberto Benigni e Marion Cotillard).


O PODEROSO CHEFÃO: Parte III
Sinopse: Nova York, 1979. A Ordem de San Sebastian, um dos maiores títulos dados pela Igreja, é dada para Michael Corleone (Al Pacino), após fazer uma doação à Igreja de US$ 100 milhões, em nome da fundação Vito Corleone, da qual Mary (Sophia Coppola), sua filha, é presidenta honorária. Michael está velho, doente e divorciado, mas faz atos de redenção para tornar aceitável o nome da família Corleone. Na comemoração pelo título recebido, após 8 anos de afastamento, Michael recebe "Vinnie" Mancini (Andy Garcia), seu sobrinho, que a pedido de Connie (Talia Shire) é apresentado a Michael manifestando vontade de trabalhar com o tio. Nesta tentativa de diálogo a conversa toma um rumo hostil, pois participava também da reunião Joey Zasa (Joe Mantegna), que agora mantém o domínio de uma área outrora mantida por Don Vito Corleone, o pai de Michael. Vinnie é chefiado por Zasa, mas fala que não quer continuar, principalmente pela traição de Zasa de não reconhecer o poder de Michael. Vinnie é quase morto pelos capangas de Zasa e uma guerra pelo poder tem início. Um arcebispo da Igreja solicita a Michael US$ 600 milhões, pois resolveria o déficit da Igreja, oferecendo em troca que Michael ganhe o controle majoritário da Immobiliare, antiga e respeitável empresa européia de propriedade da Igreja. Michael concorda, mas isto deixa vários membros do clero contrariados, que não o aceitam por sua vida duvidosa.
Menos exuberante que os anteriores, é mais tragédia intimista do que épico. O roteiro de Mario Puzo foi reescrito por Coppola, que o transformou na sofrida historia, de um homem em busca de redenção. Pontos altos: Os closes de Al Pacino e o final acachapante, em que a descida ao inferno é entremeada pela encenação (por Franco Zeffirelli) da ópera cavalleria Rusticana, de Mascagni. Faz referencias explicitas ao assassinato do Papa João Paulo I e ás negociatas do Banco Ambrosian. Fotografia de Gordon Willis e musica tema de Carmine Coppola. Sofia Coppola (filha do diretor) faz aqui sua primeira (e graças a Deus a ultima) atuação na carreira, mas após severas criticas, preferiu seguir os passos do pai como cineasta, alcançando muito mais respeito e sucesso.

Curiosidade: A atriz que inicialmente iria interpretar Mary Corleone era Winona Ryder. Somente após a desistência de Ryder que Sofia Coppola assumiu o papel;



Me Sigam no Facebook e Twitter:

6 comentários:

Felipe Rocha disse...

Sou um dos que acha Godfather AINDA um dos melhores filmes de todos os tempos! Coppola foi gênio ao fazer uma belíssima trilogia! Quem nunca viu nenhum filme se quer, não tem noção do que foi Marlon Brando e Al Pacino!!! E claro, não muito diferente Robert De Niro e Robert Duvall...

Enfim, parabéns pelo post, mto bom lembrar dos 40 anos de Godfather!

Apareça!
Um abraço

Hugo disse...

Uma das grandes trilogias da história do cinema, que merece sempre ser lembrada.

Abraço

disse...

Essa é, de fato, uma data a ser celebrada! Como fã de filmes de gangster, tenho grande admiração por "O Poderoso Chefão". Uma feliz coincidência é que o canal TCM vai exibir os três filmes este final de semana, como parte de seu especial sobre trilogias.
Abraços!

Marcelo C,M disse...

Valeu Pelipe, Hugo e Lé pelos comentários. Realmente é uma data que eu não poderia deixar passar em branco. Para mim, Poderoso Chefão merece estar em todas as listas dos melhores de todos os tempos, e acredito que um dia, tire o lugar de Cidadão Kane como melhor dos melhores. Nada contra ao filme de Orson, mas acredito que ajam filmes muito melhores, como do Poderoso Chefão, que poderia ficar em primeiro lugar. Lembrando isso, leiam o especial Rei Kane: Não tão Rei assim, que eu escrevi esses tempos e postei junto com essa matéria!

Andy A. disse...

Também acho "O Poderoso Chefão " melhor do que Cidadão kane ,principalmente os dois primeiros . Um clássico , com certeza ...

Marcelo C,M disse...

Pois é Andy, é um filme que não envelhece, graças as suas inumeras cenas brilhantes, como a inesquecivel cena das Larangeiras