Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio e Diretor de Comunicação e Informática do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 23 de novembro de 2022

Cine Especial: Próxima Sessão do Clube de Cinema de Porto Alegre - 'Contratempos'

Segue a programação do Clube de Cinema no próximo final de semana.

SESSÃO CLUBE DE CINEMA 

Local: Sala Norberto Lubisco, Cinemateca Paulo Amorim, Casa de Cultura Mario Quintana. Data: 26/11/2022, sábado, às 10:15 da manhã


"Contratempos" (A Plein Temps)

França, 2022, 90 min, 14 anos

Direção: Eric Gravel

Elenco: Laure Calamy, Anne Suarez, Geneviève Mnich

Sinopse: Julie luta sozinha para criar seus dois filhos no subúrbio e manter seu emprego em Paris. Quando ela finalmente consegue uma entrevista para um cargo que corresponde às suas expectativas, uma greve geral paralisa todo o transporte. Ela embarca, então, em uma corrida frenética para salvar seu emprego e sua família. Vencedor dos prêmios de melhor direção e atriz no Festival de Veneza.


Sobre o Filme: 

A corrida contra o relógio é tema recorrente em diversos momentos nos dias atuais, pois nos dá aquela sensação que está cada vez tendo menos tempo e chegando ao ponto de nos esquecermos de respirarmos. O sistema capitalista, por sua vez, é um dos alicerces que nos dá essa sensação, onde o cidadão comum está cada vez mais preso as engrenagens desse controle e fazendo com que o mesmo busque novas alternativas antes que seja tarde. "Contratempos" (2022) fala sobre a corrida por um sonho, mas em meio as turbulências políticas e que nos deixam cada vez mais em frangalhos.
Dirigido por Eric Gravel, o filme conta a história de Julie (Laure Calamy), que faz de tudo para criar seus dois filhos no campo, enquanto mantém seu emprego em um hotel de luxo parisiense. Quando ela finalmente consegue uma entrevista de emprego para uma posição que ela esperava há muito tempo, uma greve nacional inicia, paralisando o sistema de transporte público.
Vencedor dos prêmios de melhor direção e atriz no Festival de Veneza, o diretor Eric Gravel surpreende ao nos apresentar um filme com uma edição frenética, alinhada com uma trilha sonora contagiante e que faz sintetizar a corrida do dia a dia da protagonista. Do começo ao final da obra nós não desgrudamos da tela, pois é surpreendente o que ela põe em prática para colocar em ordem a sua agenda, mesmo quando parece ser impossível de cumprir cada etapa. A situação piora quando começa a greve do transporte e fazendo com que ela acabe tendo um desgaste gradual na medida em que a trama avança.
Vista recentemente no filme "Sibyl" (2021), atriz Laure Calamy nos brinda com uma das grandes atuações do ano, onde ela consegue criar para sua personagem uma mulher destemida, que lida em tentar driblar o sistema do qual trabalha para obter a sua tão sonhada entrevista de emprego, mesmo que para isso lhe custe muito. A trama avança, muitos obstáculos surgem e fazem com que ela comece a se desconstruir emocionalmente, ao ponto que o filme ganha até mesmo contornos de suspense, pois nunca sabemos ao certo como ela terminará o seu dia após o serviço. Quando ela chega na casa da babá para pegar os seus filhos é como se ela tivesse passado por um verdadeiro inferno, mas o pior sempre ocorre mais adiante para se dizer o mínimo.
O filme por si só é um retrato viciado sobre o mundo atual cada vez mais sendo afogado pelo sistema capitalista, do qual fazem trabalhadores exigirem por melhores salários, mas ao mesmo tempo prejudicando aqueles que buscam ir e vir em mais um dia turbulento. Curiosamente, ouvimos ao fundo os protestos através da rádio e televisão, porém, a protagonista mal tem tempo para administrar mentalmente sobre isso, pois o seu foco está em cumprir os seus objetivos. A reta final acaba sendo ainda mais desesperadora, principalmente pelo fato que nos dá a sensação que o seu sacrífico foi em vão e fazendo até mesmo a gente temer pela sua vida.
O ato final, aliás, me fez lembrar muito do clássico "A Última Gargalhada" (1924), do mestre F.W. Murnau, já que ambas as obras retratam os seus protagonistas a beira do precipício, mas cujos os minutos finais nos dão um certo alívio. Porém, o final deste filme pode ser interpretado em diversas formas, tanto pelo fato dele realmente terminar de uma forma que nos alivie, como também da possibilidade dele ter se encerrado de uma forma trágica, porém, realista. Ao meu ver, o realizador optou por nos dar um fio de esperança para encararmos o mundo real, pois a realidade da protagonista é o que já testemunhamos em nosso dia a dia.
"Contratempos" fala sobre a corrida contra o tempo em nosso mundo real, onde a busca pela realização de um sonho nos cobra um grande esforço e nos colocando a beira da loucura para dizer o mínimo. 



   Faça parte:


Mais informações através das redes sociais:

Facebook: www.facebook.com/ccpa1948

twitter: @ccpa1948  
Instagram: @ccpa1948 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: