Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 28 de maio de 2013

Cine Dica: Em Cartaz: O Massacre da Serra Elétrica 3D - A Lenda Continua


Sinopse: 1974, uma pequena cidade no interior do Texas. Uma garota escapou de um massacre que matou cinco pessoas e é criada sem saber a verdade sobre seu passado. Já adulta, Heather Mills (Alexandra Daddario) é surpreendida ao ser informada que é a beneficiária da herança de uma avó que nem sabia existir. Ao lado dos amigos Nikki (Tania Raymonde), Ryan (Trey Songz) e Kenny (Kerum Milicki-Sanchez), Heather viaja ao Texas para conhecer a mansão que herdou. Entretanto, ela tem duas regras a seguir: não pode vender a mansão e precisa seguir à risca as instruções deixadas pela avó em uma carta. O problema é que, antes mesmo de abrir esta carta, Heather é surpreendida por outro parente que também sobreviveu ao massacre de décadas atrás.

Quando se acha que uma franquia já deu o que tinha que dar, eis que surge mais um capitulo, seja refilmagem, reeboot ou prequel. No caso de O Massacre da Serra Elétrica 3D - A Lenda Continua, é na realidade uma continuação direta do clássico dos anos 70, ignorando suas seqüência e refilmagens e injetando algo de novo. Para começar, John Luessenhop (Ladrões) foi engenhoso em começar o filme com cenas clássicas da obra original, fazendo o espectador desavisado se situar na trama e reconstituindo o que aconteceu realmente após aqueles trágicos eventos.
Após uma mirabolante desculpa (coisas de família), o roteiro entrega algo já bem familiar para os fãs do gênero: grupo de adolescentes com os hormônios em ebulição, fazem uma viagem para se hospedarem num determinado lugar, para então cada um deles servirem de vitimas para Leatherface. Claro que é preciso ter uma heroína linda (talvez virgem) e a bola da vez é Heather, personagem vivida por Alexandra Daddario, que descobre ter fortes ligações de sangue com a família do assassino. Com os peões prontos no tabuleiro, ocorrem as típicas cenas de perseguição, que a gente já sabe muito bem quem vive e quem morre e com altas doses mutilação e sangue, algo que não foi visto no clássico de Tobe Hopper.
Mas para tentar surpreender o publico, o ato final entra num território arriscado, onde faz com que a gente se esforce em ter simpatia com o vilão, fazendo dele uma espécie de anti-herói e vitima das circunstâncias, enquanto as autoridades locais, que acreditam que são a lei e a ordem, acabam se tornando os verdadeiros vilões da trama. Não sei se é correto mexer no que já funcionou e o que deixa o futuro do gênero indefinido, fazendo a gente temer que sempre surja uma justificativa para que não temamos tanto esses monstros tão conhecidos nossos.
Seria a onda do politicamente correto aterrissando até mesmo nos filmes hiper violentos? Espero que não!  

Me Sigam no Facebook e Twitter:  

2 comentários:

Anônimo disse...

Bem colocada essa observação da tentativa de simpatia pelo vilão, dando uma explicação plausível para seu comportamento sádico e abominável...que, sinceramente, não me convenceu.
Na hora que ela diz: "Do your thing, cousin", ficou tão antinatural que não consegui engolir o desfecho ou sentir qualquer compaixão pelo maluco.

Marcelo Castro Moraes disse...

Pois é, eu até gostei do filme, mas o ato final achei forçado demais.