Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Cine Especial: Sessão Cine Iberê: Pan-Cinema Permanente



Sinopse: O campo de atuação do produtor, ator, poeta e compositor Waly Salomão e sua natureza teatral permitiram criar um registro único de um personagem multifacetado, que basta ser filmado para começar a atuar.


 

Quando eu participei do curso"O Cinema Independente Brasileiro", ministrado pelo crítico de cinema Daniel Feix, atividade do Cine Um serviu para sintetizar ainda mais o fortalecimento do “cinema verdade”, ou mais precisamente ficções que se alinham a um cinema documental e cuja separação desses dois cenários se encontra apenas numa linha tênue. Ao mesmo tempo, existem cada vez mais documentários que são moldados por fragmentos de diversos outros filmes, formando um ensaio sobre a proposta principal que a obra quer passar para aqueles que forem assistir. Ao ser lançado em 2008, Pan-Cinema Permanente já dava sinais que o cinema brasileiro iria cada vez mais se enveredar para esses cenários na apresentação de uma história e fazendo dos títulos que viriam posteriormente conseguir se esquivar da vala funda do convencional.
Dirigido por Carlos Nader (Homem Comum, 2015), o filme foi na época o grande vencedor do Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade de 2008. Pan-Cinema Permanente revela algumas das inúmeras fases do poeta e compositor baiano Waly Salomão (1943-2003). A obra privilegia o poeta e a sua arte. Nadando contra o convencional, o filme de Nader não busca enquadrar Waly Salomão no tropicalismo, como normalmente se faz, aprisionando o autor e a obra em fatos culturais confortáveis e aceitos.
O filme de Nader escapa precisamente dos cenários convencionais dos tempos da arte cinematográfica. No filme de Nader, o tempo se torna poético. Não há legendas bem construidas, os cortes são crus e sem uma linha do tempo convencional. O tempo do filme, aliás, segue a lógica da construção poética que se pretende discutir, e não apresentar. Há, portanto, uma diferença gritante desse filme para outras cinebiografias que, por vezes, caem no esquecimento e é esse esmero da edição, preocupada em manter o filme em aberto para as conclusões de quem assiste. 
Pan-Cinema Permanente recolhe suas manifestações de várias fontes, como as dos filmes em que ele atuou Quilombo (1984), de Cacá Diegues, e Gregório de Mattos, de Ana Carolina. Assim como o surpreendente Homem Comum, Carlos Nader visitou e revisitou Salomão diversas vezes, sendo que muitas cenas são fruto de muita convivência do diretor com o poeta e compositor, que o filmou em mais de dez anos. Também são entrevistados amigos do poeta, como o próprio Caetano Veloso, Antônio Cícero, com quem Salomão escreveu as letras do disco Zona de Fronteira, de João Bosco, Gilberto Gil e seus filhos, Omar e Khalid Salomão. O documentário registra algumas sequências especialmente engraçadas, como a participação de Salomão num programa de TV síria onde, entre inglês e português, o poeta confunde seu entrevistador, que procura manter as regras do jogo.
Revisto hoje, Pan-Cinema Permanente pode ser interpretado como uma espécie de prelúdio da maneira como se faria cinema brasileiro independente em tempos recentes.   
   

NOTA: o filme foi exibido nesse último domingo (26/08/18) às 16h no Cine Iberê e com a participação da professora de cinema Gabriela Almeida que lançou o seu último livro O Ensaio Fílmico – ou o cinema à deriva. Mais informações sobre a obra cliquem aqui. 
Fundação Iberê Camargo: Av. Padre Cacique, 2000 - Cristal, Porto Alegre. Sessões de cinema sempre aos Domingos as 16h.  


Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: