Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Cine Dica: Em Cartaz: Unicórnio



Sinopse: O pai de Maria deixa sua casa e a menina e sua mãe voltam a seu cotidiano de cuidar da casa e da plantação, esperando que ele regresse. Porém, o destino das duas se cruza com um criador de cabras que vive na região.
 
Eduardo Nunes surpreendeu a crítica com o seu Sudoeste (2011), filme que nos trouxe uma interpretação espetacular da atriz Simone Spoladore e fazendo do diretor um dos melhores do cinema autoral brasileiro recente. Obviamente, não é um cineasta que nos joga em tramas com soluções fáceis, mas que seja, no mínimo, uma pequena experiência sensorial. Seu mais novo trabalho, Unicórnio, é baseado em dois contos de Hilda Hilst e nos oferece uma das mais belas imagens do nosso cinema recente.
O filme se inicia de uma forma inesquecível, onde não tem como deixar de se apaixonar pela fotografia de Mauro Pinheiro Jr, com cores quentes e se casando com harmonia com o som de Roberto de Oliveira. Claramente o cineasta nos brinda com uma experiência audiovisual poucas vezes vista em nosso cinema e fazendo até mesmo a gente se perguntar de que maneira as imagens foram elaboradas. Se por um lado o som nos joga no cenário lírico dos personagens, as cores nos brindam com um visual único, como se elas saíssem de alguma obra prima de determinado artista.
Isso faz com que nos perguntemos onde se passa exatamente aquela história que beira a fantasia. Na realidade o universo que se passa a história não nos dá uma pista exata se ela se passa no presente, passado ou até mesmo futuro. Se por um lado, as roupas remetem tempos do início do século 20, do outro, há pequenos detalhes de objetos que dão a entender que os eventos se passam em tempos não muito longínquos.
O cineasta, aliás, possui o total controle da história, como se comprova nas sequências em que não há nenhuma palavra vinda dos poucos protagonistas em cena. A primeira meia hora de filme é sem sombra de dúvida os melhores momentos da trama. Assim como no recente filme de horror Um Lugar Silencioso, Unicórnio comprova também que os tempos do cinema mudo eram sem dúvida os mais dourados.
Claro que isso tudo, talvez, exija um pouco de paciência do cinéfilo que espera grandes desempenhos do elenco, no que, em parte, é então obtido. A falta de diálogos, por vezes, dificulta o que os interpretes querem passar para os seus respectivos personagens, mesmo sendo alguns deles grandes talentos. Patrícia Pillar, por exemplo, chega ser até mesmo ofuscada pelo jovem talento Bárbara Luz que aqui interpreta a filha de sua personagem.
Porém, isso é contornado numa trama que é dividida em duas linhas narrativas. De um lado temos Maria (Luz), uma jovem garota que mora no campo com a mãe e vê como esta lida com a chegada na terra ao lado de um novo vizinho (Lee Taylor). De outro, acompanhamos a mesma menina trancada em um quarto com ladrilhos brancos ao lado de pai (Machado), num cenário que claramente remete a uma instituição de tratamento.
Isso se cria mais perguntas do que respostas com relação ao que realmente está acontecendo, principalmente quando a trama pula de um cenário para o outro. No meu entendimento, o filme pega carona até mesmo com gênero de suspense psicológico, onde nem tudo que nós enxergamos possa ser realmente verossímil. A experiência visual, portanto, dá lugar a cores pálidas, como se a fantasia fosse descortinada e revelasse a trágica verdade dos fatos da história. 
Unicórnio é uma obra que oferece muito ao cinéfilo, pois ela cresce no decorrer do tempo e nos faz a gente se perguntar o que realmente estava acontecendo naquele mundo.  
  
Onde assistir: Cinebancários. Rua General Câmara, nº 424, centro de Porto Alegre. Horário: 15h e 19h.



Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: