Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Cine Especial: CINEMA COREANO: OUSADIA, ESTILO E INOVAÇÃO: Parte 3



NOTA: infelizmente por um motivo ou outro, não haverá mais o curso sobre o cinema Coreano que eu iria participar neste final de semana. Contudo, irei continuar a postar sobre os filmes desse país que eu já vi e gostei. Confiram:

      Primavera, Verão, Outono, Inverno e... Primavera

Sinopse:Em um pequeno monastério flutuante sobre um lago vivem um velho monge e seu jovem aprendiz. Enquanto o menino explora os arredores, ele se deixa levar por seus instintos e crueldades infantis. Porém, o mestre sempre está pronto para ensinar suas lições, e mostra para o garoto que as consequências de pequenos atos podem durar a vida toda.
Do cineasta Kim Ki-duk, “Primavera, Verão, Outono, Inverno e... Primavera”,  as estações do ano são uma metáfora para os estágios, não só da vida, mas também de desenvolvimento humano: nascimento, crescimento e declínio. Dois monges budistas, um mais velho que exerce a função de mestre; e outro mais novo, jovem aprendiz, convivem em uma casa no meio de um lago entre as montanhas. O filme é dividido em cinco partes de acordo com as estações do ano, como destacado pelo título: há a primavera, o nascimento; o verão, o despertar; o outono, o declínio; o inverno, a queda; e o renascimento com a primavera, novamente. Na obra fica evidente o eterno retorno da situação humana, mas em um plano metafísico, de constituição da essência humana nos seus estágios de desenvolvimento.

Casa Vazia 

Sinopse: Um jovem vagabundo invade a casa de estranhos e mora nelas enquanto os donos estão fora. Para pagar a estadia ele realiza pequenos consertos ou faz limpeza na casa. Ele costuma ficar um ou dois dias em cada lugar, trocando de casa constantemente. Até que um dia encontra uma bela mulher em uma mansão, que assim como ele também está tentando escapar da vida que leva.
O Cineasta Kim-Ki Duk chamou a atenção mundial com seu filme anterior que eu citei acima. O mundo ficou deslumbrado com a carga cheia de filosofia apresentada na relação entre mestre e discípulo. Quando Casa Vazia foi lançado à expectativa era enorme e muitos esperavam algo na mesma linha. De forma certeira e imprevisível, Kim-Ki Duk tomou um rumo completamente diferente. Desta vez ele conta a história de Hee-Jae (Hyun-kyoon Lee), um jovem que invade casas cujos donos estão viajando e lá fica por algum tempo. Ele não rouba nada e, para compensar a "hospedagem", procura algo dentro da casa que precise ser arrumado. Certo dia, em uma das casas que ele invadiu, Hee-Jae presencia a bela modelo Sun-hwa (Seung-yeon Lee) levar uma surra do marido. A partir daí se estabelece uma forte relação entre os dois sem que eles troquem uma única palavra sequer. A narrativa que o diretor imprime aqui não segue um padrão convencional. A trama é, antes de tudo, romântica, porém, vem impregnada de poesia, de realismo fantástico, de questões sobrenaturais. Parece uma salada que não combina bem seus ingredientes, no entanto, tudo o sentido nesta belíssima historia de amor. 



Me sigam no Facebook, twitter e Google+  

Nenhum comentário: