Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Cine Especial: CINEMA COREANO: OUSADIA, ESTILO E INOVAÇÃO: Parte 5



Pieta

Sinopse: Kang-do (Lee Jung-Jin) é um homem implacável e bastante cruel, que trabalha como cobrador para agiotas. Caso o devedor não tenha como pagar a quantia devida, ele quebra ou esmaga algum osso de seu corpo, já que desta forma o acidentado receberá um seguro de saúde que servirá para cobrir a dívida. A vida de Kang-do é bastante solitária, até que um dia surge em sua vida uma mulher que afirma ser sua verdadeira mãe. Kang-do não acredita na afirmação e passa a maltratá-la de todas as formas possíveis, recorrendo a humilhações e até mesmo abuso sexual.

É de uma beleza paradoxal a forma com que Kim Ki-Duk consegue tratar a natureza humana de forma íntima e poética. Cruel, como em boa parte de seus longas, ele não coloca limites na complexa construção de seus personagens ao passo que filma de modo simples, deixando a câmera muitas vezes vacilar, tremendo ou até mostrando um zoom automático que vem e volta. Apesar de ser uma ficção, faz lembrança ao espectador que está mergulhado no realismo íntimo daquelas pessoas em um cenário que se aproxima muito do real, sendo quase possível sentir a dor delas. 
Não há como sair impune de um longa de Kim ki-duk e Pietá não foge da regra de uma obra aparentemente cruel e fria, construída sobre a base das relações humanas nada simplórias, mas que vistas pelo olhar do espectador, ganham contornos de fábula.

Moebius

Sinopse: Uma família inicia um ciclo destrutivo quando começa a questionar seus desejos sexuais, nutrindo relações nocivas para todos, levando-os à um destino trágico. Um dos trabalhos mais controversos do diretor Kim Ki-Duk.

O provocador Kim Ki-duk volta com uma conturbada crônica familiar, uma mistura de thriller psicológico, comédia grotesca e uma perversa ode ao sadomasoquismo. Nesta metáfora sobre a obsessão contemporânea com a própria sexualidade, conduzida por personagens sem nomes e narrada sem auxílio de diálogos, o diretor coreano acompanha a briga entre um casal que, observado pelo filho adolescente, discute sobre a infidelidade do marido. O conflito se desdobra em uma cadeia de eventos violentos, culminando em um epilogo dramático de destruição.
Atenção para o surpreendente desempenho de Lee Eun-Woo que é a alma do filme. Ela interpreta a mãe e a amante com uma transformação impressionante. Sinceramente não havia notado que eram a mesma pessoa.





Me sigam no Facebook, twitter e Google+  

Nenhum comentário: