Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

domingo, 16 de agosto de 2009

Cine Dicas: Em cartaz: BRUNO

Após o mega sucesso BORAT, Sacha Baron Cohen arrasa neste (novamente) falso documentário. Sinopse: Depois de colocar a nação norte-americana de cabelo em pé com o polêmico personagem Borat, o repórter do Casaquistão sem-noção, o humorista inglês filmou novamente nos Estados Unidos um novo "falso documentário". O longa é estrelado por Bruno, o repórter gay da TV austríaca que invade o mundo clubber-fashion, e joga os holofotes para a frivolidade e o confronto entre o que é gay e o conservadorismo extremo. Ele passa pelas lojas de Melrose, em Los Angeles, pelo Fashion Week de Nova York e vai tirando uma casquinha de todo mundo, mostrando a importância elevada que algumas pessoas dão à moda, como o diretor de casting que apóia a afirmação de que "A moda salva muito mais vidas do que médicos".

Se Borat foi considerado engraçado, transgressor, nojento ou abusivo, era porque ninguém conhecia ainda Brüno, personagem também criado por Sacha Baron Cohen, que chegou aos cinemas na ultima sexta feira;
Em 2006, com "Borat - O Segundo Melhor Repórter do Glorioso País Cazaquistão Viaja à América", Baron Cohen elevou o patamar do politicamente incorreto e do ofensivo com seu repórter cazaque numa cruzada pelos Estados Unidos a fim de compreender e desvendar o americano como ele é realmente e por fim caçar Pámela Anderson.
"Brüno" não é muito diferente, mas prepare-se: É uma hora e meia de humor ácido embalado com situações pastelonas, escrachadas e supostamente despretensiosas.
Dirigido por Larry Charles, o mesmo de (claro) "Borat", a comédia é brilhante ao criticar celebridades instantâneas -- um fenômeno que atingiu proporções alarmantes nos últimos tempos. Como no filme anterior do ator, novamente boa parte da graça está no fato das pessoas que participam do filme acreditam que realmente ele é um repórter, portanto suas reações são reais, engraçadas e humanas.
Vivemos num mundo fútil que cultua o sem conteúdo e, sabendo muito bem disso, Baron Cohen não poupa ninguém. Em sua escalada rumo à fama, Brüno lança um programa de entrevista e convida a cantora Paula Abdul para falar sobre seus trabalhos humanitários e como eles são vitais para ela -- tudo isso enquanto está sentada nas costas de um mexicano que lhe serve de cadeira.
Com um roteiro beirando mais a perfeição que Borat, Bruno é imperdível e hilariante crítica à intolerância. Piadas ácidas cobertas de purpurina. Que os conservadores, intolerantes e estúpidos com o próximo fiquem longe das salas nos próximos dias.

Nenhum comentário: