Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Cine Dica: Em Blu-Ray - DVD – VOD: 'O Irlandês' - Obrigado Martin Scorsese

Sinopse: Frank Sheeran, braço direito da família Bufalino, relembra os segredos que guardou por lealdade à máfia. 

Sendo considerado um dos principais pilares do melhor período do cinema norte americano intitulado "a nova Hollywood" (1967 - 1980), Martin Scorsese permanece na ativa, mesmo quando ocorre diversas mudanças significativas dentro do universo do cinema. Amante da sétima arte como ninguém, o diretor permanece com o desejo sempre de filmar, mesmo quando os chefes dos estúdios de hoje acreditam que os seus filmes autorais podem não dar mais lucro através dessa geração amante de filmes de super-heróis. "O Irlandês" é aquele tipo de filme que deveria ser obrigatoriamente ser visto na tela grande, mas que nenhum estúdio de ponta abraçou o projeto do cineasta devido a sua longa duração de quase quatro horas.
A solução veio justamente com o inesperado sucesso de "Roma" (2018) de Alfonso Cuarón e financiado pela Netflix. Com o objetivo de concorrer aos prêmios como o Oscar, o filme teve estreia simultânea, tanto via streaming como também em algumas salas de cinema. O resultado foi um casamento perfeito entre as duas mídias e que fez com que o público conhecesse uma grande obra prima.
 Apresentando o projeto para os engravatados da netflix, Scorsese ganhou carta branca para fazer o que bem entendesse com a sua obra. O resultado é um épico sobre a máfia que não se via desde "Era Uma Vez na América" (1984) de Sergio Leone, mas obtendo os melhores recursos de ponta para, não só reconstituir determinados períodos, como também rejuvenescer os seus grandes astros. Um caso raro de um bom casamento entre o lado técnico e autoral para realização de uma grande obra com conteúdo.
Baseado no livro I Heard You Paint Houses, de Charles Brandt, escrito a partir de relatos do próprio Frank Sheeran, o filme conta a história do próprio que é interpretado por Robert De Niro. Ele é um veterano de guerra cheio de condecorações que concilia a vida de caminhoneiro com a de assassino de aluguel número um da máfia e apadrinhado pelo seu melhor amigo Russell Bufalino (Joe Pesci). Promovido a líder sindical, ele torna-se o principal suspeito quando Jimmy Hoffa (Al Pacino) o mais famoso ex-presidente da associação desaparece misteriosamente.
Com uma trama que transita entre o passado e o presente, o filme não somente apresenta de que maneira esses personagens foram se conhecendo, como também fala um pouco sobre o próprio governo dos EUA e sobre quem dá as cartas nos bastidores de um poder corrompido. Em uma nação formada por estrangeiros, dos quais abandonaram as suas terras em busca do sonho americano, o filme escancara o fato que, para sobreviver na terra das oportunidades, é preciso entender as suas reais engrenagens. Frank aprende da melhor e pior maneira possível e sucumbindo a promessas que possuem um alto preço.
Para os cinéfilos de plantão, o filme é um verdadeiro prato cheio, tanto para os amantes de Scorsese, como também daqueles velhos conhecidos que o mesmo sempre fez questão de leva-los para atuar em seus projetos. Com "O Irlandês", Robert De Niro e Joe Pesci fecham uma bela espécie de trilogia da máfia, que começou em "Os Bons Companheiros" (1990), prosseguiu em "Cassino" (1995) e se encerra aqui com dignidade e respeito mútuo. Mas o grande deleite desse épico é testemunharmos De Niro e Al Pacino estarem lado a lado em cenas que qualquer cinéfilo irá adorar velas e revê-las ao longo do tempo.
Embora não tenham contracenado juntos em "O Poderoso Chefão - Parte 2" (1974), ambos os interpretes ficaram frente a frente, mesmo que em pouco tempo, no já clássico "Fogo contra Fogo" (1995). Aqui, finalmente, os interpretes atuam juntos em diversos momentos inesquecíveis e dos quais Al Pacino coloca o filme no seu bolso. Embora nunca tenham trabalhado juntos, até agora, é mais que notório que Al Pacino teria se saído muito bem em projetos anteriores de Martin Scorsese.
Tecnicamente o filme é também um colírio para os olhos, não somente com relação a reconstituição de época, como também até mesmo em termos de efeitos visuais. Ao vermos os atores rejuvenescidos em determinadas épocas da trama, constatamos que não há mais limite para esses recursos e se casando quase perfeitamente com o trabalho de atuação dos astros. Scorsese, portanto, não prova ser um ótimo cineasta autoral, como também usa os recursos de hoje para se criar, acima de tudo, uma bela história.
Embora o filme possa exigir certa paciência de alguns devido a sua longa duração, é preciso destacar o seu potencial em nos prender atenção, onde o cineasta usa e abusa no que faz de melhor com a sua câmera. Em planos-sequências, por exemplo, o realizador já nos diz para nos preparar pelo pior que irá acontecer, em cenas cuja a violência é jamais gratuita, mas sim com o intuito de revelar a gradual queda dos seus principais protagonistas. Aliás, o filme não tem pressa ao vermos aqueles personagens, que antes tão cheios de vida, começam a colher o que plantaram ao longo da vida.
Não tenho menor dúvida que todos do elenco, principalmente Robert De Niro, se entregam em papeis que sintetizam a reta final de uma geração que ajudou a construir a sociedade norte americana, mas tendo uma conta alta demais a ser paga. Ao mesmo tempo, o ato final fala de uma geração de interpretes que colaborou para que o cinema de uma época sobrevivesse, mas cujo os seus desempenhos são raramente reconhecidos nesta época atual em que os estúdios somente prezam pelo novo. Mesmo parecendo causa perdida, Martin Scorsese lutou contra isso e fez questão de reunir velhos amigos para realizar o seu grande sonho.
"O Irlandês" é uma obra nascida da persistência de um grande cineasta e nós cinéfilos só temos que agradecer por não ter desistido dela. 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: