Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Cine Dica: Sala Redenção homenageia Cahiers Du Cinéma


Em homenagem à lendária revista francesa Cahiers Du Cinéma, fundada pelo crítico de cinema André Bazin no início da década de 1950, ao lado de Jacques Doniol-Valcroze e Lo Duca, a Sala Redenção – Cinema Universitário recordará alguns filmes selecionados nas primeiras – e famosas – listas de Melhores do Ano da revista. Entre os dias 3 e 20 de dezembro, seis filmes que viraram expoentes da grande tela serão exibidos, dentre eles: Noites de Cabíria (1957), do expoente diretor italiano, Federico Fellini, e o singular e genial O Batedor de Carteiras (1959), de Robert Bresson.
Na continuação da semana, como parte da programação da mostra Sigma de cinema, o documentário Vila Flores – Território e Memória (2018), de Marcelo Monteiro, Juliano Ambrosini e Nando Rossa, retrata a história do centro cultural e educacional de Porto Alegre. Na sequência da exibição que acontece dia 5 de dezembro, às 19h, haverá debate com participação de Bia Kern, fundadora da ONG Mulher em Construção, a arquiteta Cibele Vieira Figueira e Antonia Wallig, gestora cultural e co-fundadora do Vila Flores.
Ainda nessa semana, a Sala Redenção apresenta, na Mostra Recam, o Ciclo Artistas do Mercosul. A dupla de filmes conta a história da vida e obra de dois grandes artistas do cinema e da música. Por um lado Fattoruso, um documentário uruguaio-brasileiro de 2017,dirigido por Santiago Bednarik, retrata a vida e obra do compositor, arranjador, multi-instrumentista e cantor uruguaio Hugo Fattoruso, com entrevistas de músicos brasileiros,argentinos e outros. Por outro, Narcisa (2014), dirigido por Daniela Muttis, fala da história da Narcisa Hirsch uma cineasta argentina de origem alemã, pioneira no cinema experimental argentino.
Veja a programação completa no site oficial da sala clicando aqui.

Nenhum comentário: