Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Cine Dica: Em Cartaz: Na Praia à Noite Sozinha



Sinopse: Young-hee é uma atriz famosa que tem a sua vida pessoal exposta após um caso com um homem casado. Ela decide abandonar a cidade européia onde mora e dar uma pausa na carreira. Young-hee reencontra os velhos amigos e começa a refletir sobre suas possibilidades de futuro. Em noites regadas a álcool, ela se libera e diz o que realmente sente.

Aos poucos que vou conhecendo a filmografia de Hong Sang-soo (A Visitante Francesa) percebo que o cineasta gosta de se repetir, mas não para cair na previsibilidade, mas sim para alcançar um novo nível com relação ao seu perfeccionismo que ele tanto injeta em suas obras. Além disso, percebesse que seus pensamentos, sejam eles inventados ou verídicos, são moldados em seus filmes para que então ele consiga nos dizer algo que talvez nem ele mesmo consiga dizer para consigo mesmo. Na Praia à Noite Sozinha testemunhamos um novo degrau com relação aos pensamentos íntimos do cineasta e dos quais ele tenta exorcizá-los no outro lado da tela.
O filme acompanha a cruzada da atriz Young Hee (Kim Min-hee, prêmio de melhor atriz no último festival de Berlim) que, após se envolver com um homem casado, decide retornar as suas raízes. Ao retornar em sua cidade natal, Young reencontra velhos amigos, alguns deles até mesmo do ramo do cinema e decide então colocar a conversa em dia com todos. Não demora muito para que ela comece a por para fora tudo o que sente em meio a uma conversa e com muita bebida.
Usando velhas fórmulas de seus filmes anteriores, Hong Sang Soo usa do começo ao fim uma única trama, mas dando a entender que ela é dividida em duas partes, como se fosse encerrar uma e começando assim outra, mas com a mesma protagonista. No principio da primeira parte da história, a vemos conversar com uma velha amiga, revelando então um pouco do seu passado e tentando armar planos para o futuro. Uma vez que essa primeira parte se encerra, o cineasta nos coloca numa situação de dúvida, já que, com relação ao que foi visto, pode ser interpretado como uma lembrança, ou até mesmo da própria protagonista estar assistindo ela mesma dentro de um cinema.
Mesmo com uma simplicidade, é notório como Hong Sang Soo consegue emoldurar em sua obra camadas sob camadas dentro da trama, como se estivéssemos testemunhando um sonho dentro de um sonho e do qual somente se encerra quando o filme acaba. Sejam pensamentos ou sonhos filmados, o cineasta faz até mesmo questão de criar uma figura solitária, da qual ninguém dá muita atenção a ela, mas que pode ser o cineasta em cena e que esteja sonhando ou se lembrando dos eventos dos quais estamos testemunhando: a cena em que vemos um lavador de janelas trabalhando incessantemente e sem ser notado sintetiza esse meu pensamento.
Talvez entre obsessão e perfeccionismo, exista um desejo do cineasta em voltar ao passado e corrigir certos erros dos quais ele havia cometido. Assim como foi visto em Certo Agora, Errado Antes (2015), há uma passagem do filme, por exemplo, da qual testemunhamos a protagonista deitada na praia e que, posteriormente, veremos a mesma cena, mas por outra perspectiva. Revisitando a cena, é como se o cineasta queira nos dizer que era assim que deveria ter sido e não da forma como havia acontecido anteriormente.
Podemos interpretar essa passagem da trama como uma espécie de simbolismo sobre o arrependimento vindo de Hong Sang Soo, como se um passado não resolvido o assombrasse e do qual ele fica tentando amenizar essa dor através de seus filmes. Como se isso não bastasse, testemunhamos uma sequência reveladora numa mesa de bar, da qual não só testemunhamos à protagonista desabafar através do álcool, como também um determinado personagem que joga pra fora as suas dores através da leitura de um livro. Seria então esse personagem a personificação do próprio cineasta visto na tela? 
Na Praia à Noite Sozinha é um filme que se divide entre sonhos e pensamentos e dos quais personifica o lado mais intimo de um cineasta super criativo. 

Onde assistir: Cinemateca Capitólio: R. Demétrio Ribeiro, 1085 - Centro Histórico, Porto Alegre. Horário: 20h30min

Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: