Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

domingo, 15 de janeiro de 2012

Cine Especial: Historia do Cinema de Horror: Parte 9

De 23 á 26 de Janeiro, estarei participando do curso Historia do Cinema de Horror, criado pelo Cena Um e administrado pelo especialista no assunto Carlos Primati. E enquanto os quatro dias não vêm, por aqui, estarei postando os principais filmes, desse gênero que assusta, mas conquista!

O HORROR DA UNIVERSAL: FINAL


Por fim, encerro minhas matérias referentes aos filmes de horror da Universal, mas o especial da Historia do Cinema de Horror continua, portanto aguardem para as próximas matérias!

O Gato Preto
Sinopse: Após um acidente, um casal recebe a hospitalidade de um morador local, que vive sozinho em um enorme castelo. Não vai demorar para que ambos percebam que aceitar o convite não foi uma boa idéia, pois o anfitrião é um adorador do demônio e pretende utiliza-los, em especial a esposa, em seus rituais macabros.
Em meio a filmes de monstros da época, esse filme foi bem contra a maré, numa trama que explora temas de satanismo e rituais, sendo que tais elementos seriam mais explorados anos mais tarde. Mesmo sendo pouco a frente a sua época, o publico comprou a proposta e o filme se tornou o maior sucesso do estúdio em 1934, e fortaleceu ainda mais as carreiras, tanto de Karloff como de Lugosi.
É de se deleitar quando ambos estão contracenando frente a frente, porque tanto dentro como fora da produção, os dois sempre se digladiavam um contra o outro para ver quem era o melhor interprete, sendo a típica historia de amigos e rivais nos bastidores. Portanto não é de se estranhar, que quando Karloff está à mercê de Lugosi em determinado momento do filme, da para perceber que o velho Drácula esta adorando o momento. Talvez, o melhor filme que retrate essa rivalidade de dois grandes titãs do cinema de horror!  
    
A Casa Sinistra
Sinopse: Em busca de abrigo para fugir de uma tempestade, um casal de viajantes é acolhido na velha mansão da estranha família Femm.
De todos os diretores que passaram na Universal, James Whale é o melhor que sobressaiu, principalmente em filmes de terror que tanto investia na época. Em A Casa Sinistra, o clima de tensão, embalado com seqüências sombrias, bem ao estilo gótico, é o que moldam o filme. Dentre os personagens excêntricos desta casa, está o eterno Boris Karllof, em inicio de carreira, mas dando sinais de que iria longe.
Na época, o filme não se saiu bem na bilheteria como o estúdio esperava, mas com certeza se deve pelo fato do filme possuir um conteúdo um pouco a frente daquele tempo, e com isso, a produção foi redescoberta anos mais tarde!


O LADRÃO DE CORPOS
Sinopse: Na Edinburgo de 1831, o Dr. MacFarlane contrata um taxista para desenterrar corpos e trazê-los para que possa fazer suas experiências. Com o aumento da segurança nos cemitérios, o taxista torna-se um assassino para conseguir os corpos e Joseph, um vigia, flagra uma das mortes e aborda Gray, o qual sugere uma parceria para que não o entregue às autoridades.
Quem assisti a esse filme, parece até mentira que ele foi dirigido por Robert Wise, diretor que se tornou super conhecido por musicais como Amor Sublime Amor e Noviça Rebelde, provando então, o quanto era versátil. Na época que esse filme foi lançado (1945) a Universal estava afim de mudar de ares com relação a filmes de horror, e pode se dizer que esse foi um belo exemplo, já que explora o terror psicológico e como as pessoas ficam perante a um beco sem saída, devido a chantagem. Boris Karloff faz aqui um dos seus melhores papeis de sua carreira, com um personagem sem escrúpulos para conseguir o que quer, mas é interessante que ao mesmo tempo, passe uma certa ambigüidade para o que assiste, sendo que não temos certeza se devemos detestá-lo ou gostar dele lá no fundo.
O filme ainda tem a participação de Bela Lugosi, mas pouco ele pode fazer perante a interpretação de seu maior rival no mundo cinematográfico.


Me Sigam no Facebook e Twitter:

Um comentário:

ANTONIO NAHUD disse...

Dos três, só assisti ao filme de Wise e gostei muito.

O Falcão Maltês