Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 11 de março de 2020

Cine Dica: Cartaz: 'Inaudito' - Uma dose de prepotência

Sinopse: Documentário realizado com Lanny Gordin, guitarrista fundamental da Tropicália, que “eletrizou” Gal Costa, Gilberto Gil, Caetano Veloso e Jards Macalé, dentre outros. Lanny nos revela o seu processo libertário de composição e pensamento atual, embarcando em uma insólita odisseia pelo Brasil e pela China, seu país de nascimento.  

Existem várias formas de se fazer um bom documentário, desde fazer entrevistas, como também as imagens falarem por si sobre determinado tema. O problema se encontra quando o projeto não vai de um lugar para o outro, mas sim sendo sucumbido pela prepotência do protagonista como um todo. "Inaudito" fala mais ou menos sobre isso, cuja a obra é curiosa pela sua proposta, mas sucumbe perante a própria presença constante do protagonista.
Dirigido por Gregorio Gananian, o filme fala sobre  Lanny Gordin, que fez carreira como músico no Brasil, durante as décadas de 60 e 70. Neste período, trabalhou em discos e shows de Gal Costa, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Erasmo Carlos, Jards Macalé e outros ícones da música popular brasileira. O ostracismo veio no final da década de 70, associado ao desenvolvimento de esquizofrenia. Aos 65 anos, Lanny relata sua chegada ao país e revela seus pensamentos sobre a vida e, especialmente, sua relação com a música.
Transitando entre a arte cinematográfica e artes plásticas, o filme é moldado pelos pensamentos e ideias do cantor, cuja a figura não esconde as marcas que a vida lhe deu, mas usando isso para nos passar uma ideia sobre a sua superação. Com isso, ficamos transitando entre a sua música, poemas e pensamentos sobre a vida e da qual ele prega com um alto grau de autoestima. Porém, há uma prepotência em abundância vindo de sua parte e cuja essa sensação que eu tive é o que me fez achar a obra cansativa.
Não que eu não goste de um cinema experimental brasileiro, pois basta pegar, por exemplo, os tempos do nosso "cinema marginal" para constatarmos que havia ali algo de precioso. Porém, este documentário fica somente preso, tanto na figura do cantor, como também em imagens, por vezes, abstratas e que talvez queira passar uma representação da mente do protagonista. Embora conheçamos sobre a sua vida somente por cima, ao menos, algumas cenas de arquivo revelem os prelúdios que o fizeram dele se tornar o que ele é agora.
O que me fez sentir falta também foi entrevista de determinadas pessoas para falarem sobre essa figura curiosa da música. Se houvesse, por exemplo, um Caetano Veloso tentando nos explicar e analisar sobre a figura de Lanny Gordin garanto que a obra se tornaria muito mais rica. Ao invés disso, ficamos sendo sugados pela proposta do próprio musico doa o que doer e cabe paciência e a boa vontade de quem for assistir.
"Inaudito" nos convida para conhecermos um artista, mas fazendo a gente correr sério risco de nos aborrecermos com a sua proposta. 


Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: