Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 29 de maio de 2018

Cine Especial: XIV FANTASPOA: Nosferatu com música ao vivo



Sinopse: O corretor de imóveis Hutter precisa vender um castelo cujo proprietário é o excêntrico conde Graf Orlock. O conde, na verdade, é um vampiro milenar que espalha o terror na região de Bremen, na Alemanha e se interessa por Ellen, a mulher de Hutter.
Um dos atrativos do festival do Fantaspoa é do evento sempre nos brindar com algumas sessões de filmes clássicos. Um dos filmes mais revisitados do festival é Nosferatu, clássico do Expressionismo Alemão e que, para muitos, é considerado a melhor versão sobre Conde Drácula. Contudo, nunca tive a chance de assistir ao filme com música ao vivo, mas ontem consegui mudar esse quadro.
Fazendo parte da grade de programação do festival deste ano, tive a chance de conferir a obra prima do cineasta F. W. Murnau (Aurora) no Instituto Goethe Cultural. Sinceramente nunca tinha ido ao local, mesmo ele oferecendo sempre ótimas opções culturais, seja elas da literatura, música e cinema. Ontem esse tabu foi quebrado e com estilo.
Chegando ao local, percebi que a recepção já estava começando a transbordar de inúmeros cinéfilos ansiosos para assistir a obra. Numa sala de somente cem lugares, o local simplesmente foi tomado e, infelizmente, nem todos puderam prestigiar o evento. Felizmente consegui o meu ingresso, mas lamentando que certos amigos e conhecidos não tenham tido a mesma chance.
Dentro da sala, os organizadores apresentaram a banda que seria encarregada de criar uma música ao vivo durante a projeção, para que assim tivéssemos uma sensação de como os filmes mudos eram exibidos antigamente. Curiosamente, a banda que seria encarregada da trilha sonora, o trio instrumental Skrotes, de Florianópolis, não pode comparecer devido ao protesto dos caminhoneiros. Eles foram, então, substituídos pela Jazz à Pampa, formada por Rodrigo Cordeiro, Vinicius Polleto, Isaias Luz e Térence Veras, com a participação do Ronaldo Pereira, da Kula Jazz. Para assumir a apresentação, o agrupamento topou o desafio de compor uma trilha em apenas 48 horas.
Luzes apagam, o filme começa e a banda criou uma verdadeira magia no local, ao conseguir inserir uma trilha moldada pelo Jazz, mas que, ao mesmo tempo, se cassasse com todo o teor gótico que Murnau havia idealizado para a obra em 1922.  Mesmo com os seus quase cem anos de idade, é impressionante como o filme não envelheceu e se tornando digno de ser, ao lado do O Gabinete do Doutor Caligari, um dos melhores representantes do período expressionista. Curiosamente, me chamaram atenção algumas cenas, onde determinados detalhes haviam me passado despercebidos anteriormente e sintetizando ainda mais o lado perfeccionista Murnal pela elaboração dos cenários daquela época.
Não é a toa que o filme foi revisitado, refilmado e imitado ao longo do tempo. Não é à toa, por exemplo, que Tim Burton tenha construído a sua carreira se inspirando, não somente neste filme, como também no Expressionismo Alemão como um todo. E não é a toa que, até recentemente, o cineasta Taika Waititi (Thor: Ragnarok) tenha resgatado a assustadora figura de Nosferatu (Max Schreck) e homenageando-o no divertido e criativo O que Fazemos nas Sombras.
Luzes apagadas e aplausos em alto bom som foram ouvidos de dentro e do lado de fora da sala. Testemunhar Nosferatu sendo exibido na maneira como foi visto pela primeira vez há quase cem anos foi uma experiência única e para jamais ser esquecida.
 

Saiba mais sobre a programação do Fantaspoa clicando aqui. 
Saiba mais sobre o Instituto Cultural Goethe clicando aqui.  

Nenhum comentário: