Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Cine Especial: Filmes e Sonhos: Parte 8

Nos dias 16 e 17 de setembro eu estarei na Cinemateca Capitólio de Porto Alegre, participando do curso Filmes e Sonhos, criado pelo Cine Um e ministrado pelo Psicanalista Leonardo Della Pasqua. Enquanto os dias da atividade não chegam, estejam por aqui comigo, para mergulhar nos melhores exemplos cinematográficos e dos quais tentam retratar um pouco esse nosso universo do sonhar.

De Akira Kurosawa:  Sonhos (1990)

Sinopse: São oito pequenos filmes separados que, de alguma forma, se conectam entre si, com uma dose fabulosa de poesia e beleza. O homem e sua relação com o seu próprio ambiente é um tema comum.

A trama apresenta um conjunto de oito sonhos do próprio realizador. E por ser um filme tão pessoal, acabamos por não exigir um produto com as arestas devidamente limadas. Afinal de contas tratam-se de sonhos, produtos do nosso inconsciente.
Uma seleção dos sonhos que o cineasta empreendeu no decorrer dos seus 80 anos até então. Nota-se um crescimento gradual no ponto de vista da personagem de um sonho para aquele imediatamente a seguir, e assim sucessivamente. A exímia montagem parte igualmente do mestre japonês, acabando por possuir todos os meios para uma produção bastante fiel ao projecto sonhado.
Na colectânea de sonhos podem destacar-se alguns elementos recorrentes, tais como a morte, a hierarquia, o poder da mão do homem, etc. Soldados que se recusam a aceitar a insignificância da morte. Uma criança que parte em busca de redenção, de forma a evitar a morte. Alpinistas que tentam sobreviver, mesmo perante as adversidades do tempo. O homem individual como poluidor de uma população. Os efeitos da radiação que direccionam a uma lei da sobrevivência, apoiada numa ordem hierárquica.
Kurosawa entrega-nos uma mão-cheia de pequenas histórias que não necessitam de principio, meio e fim para serem devidamente apreciadas. A duração de cada plano é devidamente adequada à ação correspondente. No episódio dos alpinistas, por exemplo, chega a ser sufocante a caminha levada a cabo por estes, devido à sequência de planos assente numa natureza tão fria e solitária. De destacar a maquilhagem e o guarda-roupa, ambos sublimes. A banda-sonora de Shinichirô Ikebe acompanha na perfeição as imagens que desfilam perante os nossos olhos. Mais uma pincelada transcendente na tela em que se exibe a carreira de Akira Kurosawa. 


Mais informações sobre o curso Filmes e Sonhos você confere clicando aqui.

Nenhum comentário: