Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Cine Dica: Em Cartaz: A GAROTA DO TREM



Sinopse:Rachel (Emily Blunt) leva uma vida solitária e gosta de criar histórias para pessoas que vê diariamente no trem. Certo dia, Rachel rotula um casal com a vida perfeita e acaba testemunhando um crime envolvendo essas pessoas e passa a correr perigo por causa disso.
Certa vez o mestre Stanley Kubrick disse que livros medíocres rendem boas adaptações para o cinema, como foi no caso do seu O Iluminado, baseado na obra de Stephen King e do qual ele achava uma péssima leitura. Já no caso do livro O Código Da Vinci que, mesmo possuindo uma curiosa leitura, rendeu uma péssima adaptação do cinema e que se repetiu em suas continuações. Embora eu seja suspeito a dizer, já que eu não li o livro, A Garota do Trem meio que transita nestes dois pensamentos sobre adaptações da literatura para o cinema, mas que felizmente funciona como filme e nos prende atenção até o seu final.
Dirigido por Tate Taylor (Histórias Cruzadas), acompanhamos a trama de Rachel (Emily Blunt), mulher solitária que vive observando os moradores de duas casas da qual ela passa durante a viagem. Certo dia, ela presencia algo diferente, fazendo com que ela embarque numa realidade crua de mistérios e investigação. Ao mesmo tempo, gradualmente, conhecemos um pouco sobre cada um desses personagens que ela observava e revelando á real faceta de cada um deles.
Adianto que a trama principal é das mais previsíveis, sendo que ela poderia ser facilmente encontrada em outros filmes de suspense, principalmente aqueles criados a exaustão durante a década de 90. Porém, se a trama não ajuda pelo menos o cineasta Taylor consegue tirar leite da pedra, pois é impressionante como a sua direção segura consegue fazer com que a gente não saia da cadeira, mesmo quando a gente já tem uma base do real mistério da trama. Isso se deve graças a uma montagem elegante, do qual faz com que a primeira hora da trama seja apresentada de uma forma fragmentada e ascendendo o desejo dentro de nós em querer entender o que está acontecendo nela.
Outro aspecto técnico que ajuda a criar a vida ao filme é a sua trilha sonora, onde cada personagem tem a sua e fazendo com que ela se torne uma parte de sua personalidade distinta. Novamente o mestre Danny Elfman (Edward: Mãos de Tesoura) cria mais um louro de trilha sonora, da qual faz com que soe em nossos ouvidos de forma singela e fazendo com que a levemos para fora do cinema após a sessão. Até hoje me pergunto por que os membros da academia não deram até agora um prêmio pela sua carreira.
Falando em prêmios, dificilmente Emily Blunt (Diabo Veste Prada) não deixará de aparecer nas listas das principais premiações cinematográficas dos próximos meses, já que aqui ela nos brinda com mais uma boa atuação. Mesmo com as limitações da trama, Blunt cria para a sua personagem uma personalidade forte, mesmo quando aparenta um estado mental frágil e que transparece em seu olhar febril. Pode-se dizer que á primeira meia hora com imagens fragmentadas seja então uma representação de seu estado mental e fazendo com que a sua atuação e parte técnica da obra se case muito bem. 
Porém, a sua personagem não é a única da ala feminina da qual domina o filme. Tanto Rebecca Ferguson (Missão Impossível 5) como Anna, como também Haley Bennett  (Sete Homens e Um Destino) como Megan, sejam uma espécie de dois lados da mesma moeda, cujo os seus atos e consequências distintas nasceram a partir das atitudes inconsequentes da ala dos homens. Se Anna tenta seguir uma vida normal, mesmo carregando um fardo do qual ela não se orgulha, Megan por sua vez, procura se redimir de erros que cometeu, mas ao mesmo tempo criando novos e adentrando por um caminho sem volta da qual ela tenta fugir.
Ambas as atrizes estão muito bem em cena e fazendo com que o elenco masculino, composto por Justin Theroux, Luke Evans e Édgar Ramírez meio que se percam em cena, fazendo dos seus personagens apenas peças fundamentais da trama, mas que ambos os três não tem muito que acrescentar. Isso por sinal prejudica o resultado final, principalmente para aqueles que até tinham esperança de serem surpreendidos, mas que infelizmente isso não acontece. Os momentos finais da trama meio que se salvam somente graças à entrega das atrizes e fazendo com que a proposta principal da trama, com relação à força do sexo frágil perante o machismo intolerante, soe mais alto.
Mesmo com os seus defeitos, A Garota do Trem é uma prova de boa adaptação da literatura para o cinema, mesmo quando ela nos soa decepcionante em momentos cruciais trama.


Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: