Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Cine Dica: Sala Redenção - Novembro

Cine Caramelo
 Ponto zero é um dos destaques deste mês

A terceira edição do Cine Caramelo – Festival Infantojuvenil de cinema de Porto Alegre.
O Cine Caramelo é um festival para crianças, adolescentes e adultos, que visa proporcionar momentos de fruição artístico-cultural de qualidade e reflexão sobre temas da infância e juventude.
De 1 a 8 de novembro teremos uma intensa programação acontecendo na Sala Redenção. Nas sessões infantis, diversão, fantasia e aventura abrem espaço para questões como divesidade cultural, cuidados com o meio ambiente, valorização da amizade, afeto e amor a família.
A programação para adultos traz filmes de ficção e documentários que lançam olhares sobre a importância da primeira infância na formação de cada pessoa, os desafios da passagem da adolescência para a vida adulta, o drama da alienação parental, e uma série de filmes sobre a cultura da infância, o brincar e o espírito lúdico.
Teremos sessões comentadas com convidados especiais, contação de histórias e um Encontro Brincante para adultos. A programação está doce e imperdível!
Realização Bureau de Cinema e Artes Visuais em parceria com a Fecomércio-RS/SESC; Apoio Sala Redenção e Programa de Extensão Universitária “Quem quer brincar?” (UFRGS/FACED); Financiamento do Fundo de Apoio à Cultura (PRÓ-CULTURA RS FAC), Lei nº 13.490/10.
Andreia Vigo, Curadoria e Direção Geral

Piconzé (Brasil, 1972, 80 min) Dir. Ypê Nakashima
01 de novembro- terça-feira – 14h15min
Primeiro longa-metragem de animação brasileiro, narra a história de Piconzé, que tenta salvar sua namorada Maria do bandido Gustavo Bigodão.

O Mundo de Ulim e Oilut (Brasil, 2011, 13 min) Dir. Carú Alves de Souza
01 de novembro- terça-feira – 16h
Duas crianças se conhecem e começam a brincar e, aos poucos, suas fantasias começam a tomar conta da realidade que os cerca.
Após a sessão, encontro brincante para adultos com Adelsin, brincante, autor, ilustrador e integrante da Casa das 5 Pedrinhas. Através de um mergulho nas memórias de infância dos participantes, a atividade proporciona, dentre outras coisas, troca de histórias, brincadeiras e construção de brinquedos com materiais da natureza ou recicláveis.

Território do Brincar (Brasil, 2015, 90 min) Dir. David Reeks e Renata Meirelles
01 de novembro- terça-feira – 19h
Percorrendo várias regiões do país, a revelação do Brasil através do olhar das crianças.
Após a sessão, debate com Tânia Ramos Fontoura, doutora em educação, professora de psicologia da educação na UFRGS, coordenadora do programa “Quem quer Brincar?” e criadora da Brinquedoteca Universitária.

Contos da Noite (Les Contes de la Nuit, França, 2011, 84 min) Dir. Michel Ocelot
03 de novembro- quinta-feira – 14h15min
Todas as noites, duas crianças e um velho técnico se encontram em um pequeno cinema para criar histórias e fantasias.

O Mundo dos Pequeninos (Kari-gurashi no Arietti, Japão, 2010, 94 min) Dir. Hiromasa Yonebayashi
03 de novembro- quinta-feira – 16h
08 de novembro- terça-feira – 14h15min
Um garoto, após se mudar para uma nova casa, faz amizade com Arietti e sua família de pequenas pessoas que vivem debaixo do assoalho de lá.

Jonas e o Circo sem Lona (Brasil, 2016, 82 min) Dir. Paula Gomes e Ernesto Molinero
03 de novembro- quinta-feira – 19h
Enquanto luta para manter o circo que criou na sua casa, um menino de 13 anos lida com os desafios do crescimento.

As Aventuras do Pequeno Colombo (Brasil, 2015, 80 min)
04 de novembro- sexta-feira – 14h15min
O jovem Cristóvão Colombo, com seus amigos Leo da Vinci e Monalisa, vai para Hi Brazil, uma terra com tesouros cobiçados por piratas, a fim de salvar sua família da falência.

A Morte Inventada – Alienação Parental (Brasil, 2009, 80 min) Dir. Alan Minas
04 de novembro- sexta-feira – 16h
Documentário sobre pais e filhos que romperam seus elos por uma separação conjugal mal-conduzida.

Tarja Branca – A Revolução que Faltava (Brasil, 2014, 80 min) Dir. Cacau Rhoden
04 de novembro- sexta-feira – 19h
A partir dos depoimentos de adultos de gerações, origens e profissões diferentes, o documentário discorre sobre a pluralidade do ato de brincar.

Mostra Curta Saci
Juro que vi – Saci (Brasil, 2004, 13 min) Dir. Humberto Avelar
7 de novembro- segunda-feira – 14h15min
Saci ensina um velho fazendeiro que nunca é tarde para recomeçar.
+
Juro que vi – Curupira (Brasil, 2003, 12 min) Dir. Humberto Avelar
Um caçador e seu ajudante se perdem na mata e devem enfrentar o Curupira.
+
Juro que vi – Matinta (Brasil, 2004, 14 min) Dir. Humberto Avelar
Uma menina faz amizade com a bruxa Matinta Perera, mostrando que o afeto é a melhor arma contra o medo.
+
As Icamiabas (Brasil, 2013, 3 min) Dir. Renato Leôncio
Lendárias guereiras amazonas, as Icamiabas, utilizam todo o seu poder para conter monstros folclóricos soltos pela cidade.
+
Somos Todos Saci (Brasil, 2013, 2 min) Dir. Renato Leôncio
Saci tenta entrar no Olimpo dos deuses e monstros antigos, mas o guardião não permite.
Após a sessão, contação de histórias com Andriolli Costa, jornalista, pesquisador de cultura popular, narrador e organizador da Mostra Curta Saci.

A Alma da Gente (Brasil, 2013, 82 min) Dir. Helena Solberg e David Meyer
7 de novembro- segunda-feira – 16h
Um grupo de jovens ensaia o último espetáculo do Corpo de Dança da Maré. Filmado em dois tempos, com um intervalo de 10 anos, o filme mostra os diferentes destinos dos personagens.

Brincante – O Filme (Brasil, 2014, 93 min) Dir. Walter Carvalho
7 de novembro- segunda-feira – 19h
Uma viagem musical na obra de Antonio Nóbrega. O filme registra diversas expressões culturais mostrando como esse artista faz parte do imaginário cultural brasileiro.

O Começo da Vida (Brasil, 2016, 97 min) Dir. Estela Renner
8 de novembro- terça-feira – 16h
Documentário que traz uma reflexão sobre os cuidados com os primeiros anos da infância.

Ponto Zero (Brasil, 2014, 94 min) Dir. José Pedro Goulart
8 de novembro- terça-feira – 19h
Ao tentar escapar de uma claustrofóbica cena familiar, Ênio, 14 anos, desafia uma noite tempestuosa que o levará a um choque brutal com o destino.
Após a sessão, debate com José Pedro Goulart, cineasta, diretor de Ponto Zero; e Sandro Aliprandini, ator em Ponto Zero.

Encontro com o Cinema Alemão
Sala Redenção - Cinema Universirário, em parceria com Sesc/RS e Goethe-Institut, apresenta Encontro com Cinema Alemão. Na mostra serão exibidos sete filmes contemporâneos que retratam questões importantes da história e da cultura da Alemanha, como o período da Segunda Guerra Mundial, a vida antes e logo após a queda do muro de Berlim, com a reunificação da Alemanha.

A Vida é um Canteiro de Obras (Das Leben Ist Eine Baustelle, Alemanha, 1997, 118 min) Dir. Wolfgang Becker

10 de novembro- quinta-feira – 16h
22 de novembro- terça-feira – 19h
24 de novembro- quinta-feira – 16h
29 de novembro- terça-feira – 19h

Um jovem, após ser preso e demitido, encontra em uma garota esperança de voltar a ser feliz.

Berlin is in Germany (Berlin is in Germany, Alemanha, 2001, 99 min) Dir. Hannes Stöhr           
09 de novembro- quarta-feira – 16h
11 de novembro- sexta-feira – 16h
24 de novembro- quinta-feira – 19h

Após a reunificação da Alemanha, um ex-membro da Alemanha Oriental se defronta com a nova realidade de seu país ao ser solto da prisão.

Nenhum Lugar Para Ir (Die Unberührbare, Alemanha, 2000, 104 min) Dir. Oskar Roehler

11 de novembro- sexta-feira – 19h
14 de novembro- segunda-feira – 16h
25 de novembro- sexta-feira – 16h

Uma famosa escritora comunista da Alemanha Oriental não encontra seu espaço no país pós-unificação.
                                          
Sonnenallee (Sonnenallee, Alemanha, 1999, 101 min) Dir. Leander Haußmann
 
14 de novembro- segunda-feira – 19h
15 de novembro- terça-feira – 16h
25 de novembro- sexta-feira – 19h
30 de novembro- quarta-feira – 16h
 
O dia-a-dia de um grupo de amigos na Alameda do Sol, uma das poucas ruas berlinenses que são divididas pelo Muro.
4 Dias em Maio (4 Tage im Mai, Alemanha/Rússia/Ucrânia, 2011, 95 min) Dir. Achem von Borries         
15 de novembro- terça-feira – 19h
16 de novembro- quarta-feira – 16h
18 de novembro- sexta-feira – 16h
28 de novembro- segunda-feira – 16h

Quatro dias antes do fim da Segunda Guerra Mundial, um grupo de soldados russo se instala em um orfanato na costa do mar Báltico enquanto soldados alemães ocupam a praia.

Bem-vindo à Alemanha (Almanya - Willkommen in Deutschland, Alemanha, 2011, 101 min) Dir. Yasemin Samdereli
18 de novembro- sexta-feira – 19h
21 de novembro- segunda-feira – 16h
28 de novembro- segunda-feira – 19h

A história de três gerações de uma família de imigrantes turcos na Alemanha pós-Segunda Guerra Mundial.

O que Permanece (Was Bleibt, Alemanha, 2012, 88 min) Dir. Hans-Christian Schmid    
17 de novembro – quinta-feira – 19h
21 de novembro- segunda-feira – 19h
22 de novembro- terça-feira – 16h
29 de novembro- terça-feira – 16h

Cinemas em Rede
A Sala Redenção – Cinema Universitário convida para a exibição de O Homem que não Dormia (2011), o mais recente longa do premiado cineasta baiano Edgard Navarro. Diretor de filmes premiados como Superoutro (1987) e Eu Me Lembro (2005), Navarro traz, em seu novo longa, elementos que marcaram sua obra desde os filmes em super 8 que realizou nos anos 70. O filme teve passagens de sucesso pelo Festival de Brasília, 35ª Mostra Internacional de São Paulo e Festival de Tiradentes.
Cinemas em Rede é um projeto inovador de compartilhamento e difusão de conteúdos audiovisuais, pela internet de alta capacidade, via CiPê, coordenado pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa- RNP em parceria com os Ministérios da Cultura (MinC) e Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). 12 Instituições participam do Projeto: Cinemateca Brasileira (SP), a UFRGS (Sala Redenção - Cinema Universitário); USP (CINUSP e Escola de Comunicação e Artes-ECA); UFBA (Saladearte Cinema da UFBA); a Fundação Joaquim Nabuco - FUNDAJ, em Recife; a UFG (Cinema da UFG); a UFES (Cine Metrópolis); a UFSCAR (CineUFSCar); a UFPB (Cinema da UFPB); a UFPel (Cinema UFPel); a UFOP (Cine Vila Rica) e a UFF (Cinema da UFF).

O Homem que não Dormia (Brasil, 2011, 98 min) Dir. Edgard Navarro
10 de novembro- quinta-feira – 19h
Alguns habitantes de um lugarejo remoto são acometidos pelo mesmo pesadelo. A chegada de um peregrino de origem misteriosa irá revelar o conflito interno em que vivem, deflagrando uma ruptura radical em suas vidas.

Em um final de semana com a família, Gitta anuncia que se curara e parara de tomar remédios para depressão, o que impacta as relações entre os presentes.Parceiros da Sala Redenção

Mostra Tela Indígena

A Mostra Tela Indígena propõe divulgar filmes feitos por indígenas ou que tratam desta temática. Nossa intenção é divulgar a pluralidade das culturas indígenas, essa multidão de 246 povos no Brasil, que fala mais de 150 línguas. São diferentes maneiras de ver o mundo - e de ser visto por ele. Nossa “Tela Indígena” é uma tela para este outro universo, que muitas vezes passa despercebido do cotidiano do resto dos brasileiros. O audiovisual aqui está transformado em uma ferramenta de diálogo entre essas experiências de vida, uma ponte entre espectador e os outros modos de perceber o mundo que esses povos têm. Propomos, além disso, continuar esse diálogo com os espectadores de forma ainda mais próxima: a Mostra traz convidados indígenas, antropólogos, diretores dos filmes e especialistas, que ajudam o espectador a compreender melhor esse outro universo cultural.

A Mostra Tela Indígena é fruto de uma parceria entre o NIT (Núcleo de Antropologia de Sociedades Indígenas e Tradicionais), que faz parte do IFCH (Instituto de Filosofia e Ciências Humanas) da UFRGS, e a Sala Redenção – Cinema Universitário. Na programação, contamos com filmes da atualidade sobre a questão indígena, tanto produzidos por diretores indígenas como em parceria com estes. Escolhemos transitar entre várias experiências de ser indígena. Ressaltamos, por fim, que a Mostra Tela Indígena é uma proposta de diálogo. Diálogo intercultural, diálogo visual. Diálogo entre modos de ver.


ETE Londres – Londres como uma Aldeia (Brasil, 2016, 30 min) Dir. Tukumã Kuikuro

16 de novembro- quarta-feira – 19h

A viagem feita pelo cineasta indígena Tukumã Kuikuro a Londres afim de explorar as diferenças e similaridades entre a sua cultura e a dos hiper-brancos, termo usado pelos Kuikuro para designar os não-brasileiros.

+

As Hiper Mulheres (Brasil, 2011, 80 min) Dir. Carlos Fausto, Leonardo Sette

Temendo a morte da esposa, um idoso pede que seu sobrinho realize o Jamurikumalu, o maior ritual feminino do Alto Xingu (MT), para que ela possa cantar pela última vez. As mulheres do grupo começam os ensaios enquanto a única cantora que conhece todas as músicas encontra-se gravemente doente.
           
Após a sessão, debate com Tukumã Kuikuro, diretor de ETE Londres – Londres como uma Aldeia; Carlos Fausto, doutor em antropologia social e pesquisador de povos indígenas; e Maria Paula Prates, doutora em antropologia social e professora da UFCSPA.


Cinema e Meio Ambiente
A temática ambiental não é mais um assunto periférico, considerado apenas como preocupação de países ricos e desenvolvidos, mas, sim, uma questão de toda a sociedade. Tal temática foi freqüentemente abordada no cinema na forma de documentários, muitas vezes considerados “alarmistas”, e com uma visão fragmentada, sem explicitar o caráter sistémico da degradação ambiental. A proposta do cíclo é justamente revelar o caráter sistémico dela, examinando as conexões entre as diversas crises que se sobrepõem atualmente  – crises existencial, social, econômica, e ambiental. Colocar na luz esse sistema complexo, por fim, convida a pensar a relação que os seres humanos desenvolveram entre si e com a natureza. O objetivo, meramente, é questionar a ideia de modernidade e de progresso a partir das realidades que cada um pode observar no dia a dia, para imaginar futuros possíveis.

Após cada sessão, Eléonore Pierrat, estudante de engenharia ambiental da UFRGS e organizadora do Ciclo Cinema e Meio Ambiente, comentará cada um dos filmes.

Em Busca de Sentido (En Quête de Sens, França, 2015, 87 min) Dir. Nathanaël Coste e Marc de la Ménardière
9 de novembro- quarta-feira – 19h
Um recém formado, após trabalhar no setor financeiro de Wall Street, adquire consciência ambiental e começa uma viagem em busca de um entendimento maior.

Amanhã (Demain, França, 2015, 88 min) Dir. Mélanie Laurent e Cyril Dion
23 de novembro- quarta-feira – 19h
Documentário sobre a ligação entre as crises energética, da agricultura, econômica, democrática e da educação, através de encontros com diferentes atores de mudanças de paradigma.
O Planeta Verde (La Belle Verte, França, 1996, 93 min) Dir. Coline Serreau
30 de novembro- quarta-feira – 19h
Através do olhar de um extraterrestre que decide visitar o planeta Terra, essa fábula denuncia as aberrações dos modos modernos de ser e viver.

Sessão com debate do Simpósio Internacional de Saúde da População Negra
 
O Simpósio Internacional de Saúde da População Negra visa estabelecer subsídios para fortalecimento da implementação da Política Nacional da Saúde da População Negra, constituindo-se como espaço de interação de saberes e diálogos sobre a temática em âmbito internacional, como ação estratégica da Década dos Afrodescendentes.
A programação do evento procura contemplar a diversidade de abordagens sobre a temática, bem como agregar atividades relacionadas a cultura afro-brasileira. Exibiremos na Sala Redenção o documentário Cuidar nos Terreiros (2012). Filmado em São Luis, Salvador, Rio de Janeiro e Porto Alegre, aborda os modelos de cuidados nos terreiros que podem infuenciar políticas públicas de saúde. Mostra a pluralidade cultural das religiões de matriz africana e o importante legado cultural preservado pelos terreiros para a preservação da saúde.
Elaine Oliveira Soares,
organizadora do Simpósio Internacional de Saúde da População Negra.Cuidar nos Terreiros (Brasil, 2012, 28 min) Dir. Rede Nacional de Religiões Afro-brasileiras e Saúde
17 de novembro- quinta-feira – 16h
 
O documentário apresenta os terreiros como espaços promotores de saúde e importantes parceiros do SUS.
 
Após a sessão, debate com José Marno da Silva, dentista, integrante do Comité Técnico de Saúde da População Negra do Ministério da Saúde e secretário-executivo da Rede Nacional de Religiões Afro-brasileiras e Saúde.
 Contos da noite

Nenhum comentário: