Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Cine Dica: Em Cartaz: Teobaldo Morto, Romeu Exilado



Sinopse:O músico João (Alexandre Cioletti) é expulso de casa pela esposa, que está grávida. Ele então se isola num casebre no interior do Espírito Santo para refletir questões internas para então voltar ao lar para ser um bom pai para o filho.
 
Teobaldo Morto, Romeu Exilado, é um exemplo do cinema brasileiro que une magia e realismo poucas vezes visto em nosso cinema, pois traz um pouco de arte, mas alinhado com temas políticos contemporâneos. Com um teor adulto, o filme adiciona elementos de fantasia surrealista, do qual se casa com a proposta principal da obra. A trama se centra nos personagens amigos João (Alexandre Cioletti) e Max (Rômulo Braga) e adicionando temas pertinentes, mas que, por vezes, perturba a mente de uma pessoa comum.
Os diálogos cara a cara entre os protagonistas João e Max destrincham sentimentos e um teor dramático bastante familiar para as pessoas que assistem, mesmo quando o roteirista insere elementos que, por vezes, lembra um sonho ou então um pesadelo. Entre amor e amizades entre pais e filhos, há uma mitologia inserida entre eles, mais precisamente algo que soe familiar com que a gente ouve dos nossos avôs do interior, mas visto tanto no visual, que o longa oferece então uma experiência que vai contra as nossas perspectivas. O filme acaba mesclando inúmeros elementos, que vai do drama, suspense e uma realidade um pouco abstrata.
No decorrer do trajeto, o cineasta Rodrigo de Oliveira (As Horas Vulgares) filma bastante planos sequências que formam esse cenário, alinhado com uma ótima fotografia, com uma luz poucas vezes vistas no cinema brasileiro e focando os campos verdes de uma forma muito bela. O cineasta nos coloca como uma espécie de observador de uma trama, cujo silêncio se torna muito recorrente ao longo da projeção e fazendo dela um artifício para causar apreensão para aqueles que assistem.
O longa é recheado também de momentos discursivo, onde os personagens largam as amarras de um lugar comum e abraçam para um diálogo cheio de filosofia, do qual obriga o cinéfilo a pensar sobre o que eles falam. Do princípio ao fim, os personagens são dramáticos, para não dizer trágicos, dando a impressão que saíram de uma peça shakespeariana: a sequência em que mostra ambos se digladiando verbalmente e fisicamente sintetiza bem isso.
Embora a trama seja compreensiva em alguns momentos, sua forma incomum de ser apresentada a nós, por vezes, pode confundir a pessoa desavisada, já que a história vem e volta ao presente e passado sem avisar. Em Teobaldo morto, Romeu exilado fala-se de paternidade, da falta familiar e fraterna, exílio da ditadura militar, certa paranoia do imigrante, aquele que não se reconhece mais na terra da qual se criou. No ato final da trama, do nada, surge um centauro e um arqueiro, ambos da mitologia grega, mas em plena terra do Espírito Santo. 
A partir disso tudo é possível, com o direito da relação de João e Max adentrar num novo patamar que nem mesmo talvez pudessem ter calculado. Teobaldo Morto, Romeu Exilado é um filme que levanta mais perguntas do que respostas e criando uma experiência extrassensorial do qual nem todos estão preparados a encará-la.  




Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: