Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Cine Dica: Em Cartaz: STAR TREK: SEM FRONTEIRAS



Sinopse: Desta vez, Kirk (Chris Pine), Spock (Zachary Quinto) e a tripulação da Enterprise encontram-se no terceiro ano da missão de exploração do espaço prevista para durar cinco anos. Eles recebem um pedido de socorro que acaba os ligando ao maléfico vilão Krall (Idris Elba), um insurgente anti-Frota Estelar interessado em um objeto de posse do líder da nave. A Enterprise é atacada, e eles acabam em um planeta desconhecido, onde o grupo acaba sendo dividido em duplas.

Vivemos num tempo em que cada vez mais abraçamos o passado e se deleitamos com o melhor que ele tinha. Filmes, séries e até mesmo a música atual, resgatam um pouco de elementos que fizeram de nossa infância e adolescência bem mais colorida e criando a sensação deliciosa de nostalgia. Star Trek: Sem Fronteiras, não só encerra essa nova trilogia iniciada por J.J Abrams com louvor, como também é o filme mais divertido e delicioso para o fã assistir sem medo.
O filme retorna em algum ponto da história, onde vemos  Kirk, Spock e os demais tripulantes em sua missão de cinco anos para explorar novas civilizações, novos mundos e levando a bandeira de paz e união para todas as raças alienígenas do universo. Após uma pausa em um planeta da Federação, nossos heróis se veem num chamado de socorro. Porém, mal sabem que desse chamado irão levá-los para uma missão que irá desencadear inúmeras revelações do passado da própria Federação.
O grande charme desse mais novo filme da série cinematográfica, é que o primeiro ato não tem pressa em colocar os protagonistas no meio da ação, mas sim dando uma freada e mostrando como eles estão vivendo em seu no dia a dia durante e após a missão de cinco anos no espaço. Para aqueles que assistiam (como eu) a série clássica, o primeiro ato é puro deleite, pois ele faz referências a todo o momento ao programa, mas jamais se esquecendo do público novato que assiste atualmente e fazendo com que a história seja bem compreendida. Porém, o melhor momento do início da trama fica por conta da bela homenagem que o filme faz a Leonard Nimoy, criando assim o fim de um círculo e o início de um novo.
A missão em si em que os protagonistas participam nada mais é do que uma trama que soa familiar, mas vista aos novos olhos da geração atual, ela aparenta ser fresca e muito bem vinda. Para os fãs mais velhos será um deleite fisgar inúmeras referencias tanto dos filmes dos anos 80 e 90, como também da série clássica. Não há como não amar, por exemplo, assistirmos a relação de amor e ódio entre McCoy (Karl Urban) e Spock (Zachary Quinto) e gerando os momentos mais engraçados do longa.
De personagens novos, o destaque fica para Jaylah (Sofia Boutella, de Kingsman - Serviço Secreto), uma bela alienígena guerreira órfã que vive num planeta moribundo. As principais cenas de luta corpo a corpo são protagonizadas pela própria e gerando bons momentos de ação.  Ação, aliás, é o carro chefe do final do segundo ato e dominando durante o terceiro e ato final, mas tudo muito bem orquestrado pelo cineasta Justin Lin (saído da franquia Velozes e Furiosos), onde as cenas de ação jamais soam confusas, mesmo quando tinha todas as armadilhas possíveis para que isso fosse acontecer durante o percurso. 
Quem fica aquém do esperado é o próprio vilão Krall, interpretado por Idris Elba (da franquia Thor), mas irreconhecível devido a uma pesada maquiagem. Não que ele esteja mal em cena, mas acho que faltou uma explicação mais plausível para as suas motivações em ter chegado aonde ele chegou e se tornar uma grande ameaça. Porém, seu personagem melhora nos momentos finais do longa metragem, principalmente quando surge uma fórmula mirabolante no roteiro e faz com que sua origem se torne um dos momentos de grande surpresa na trama. 
Divertido, nostálgico e cheio de charme, Star Trek: Sem Fronteiras pode até ser um encerramento de uma trilogia, mas que ao mesmo tempo convida novos fãs a conhecer o presente e o passado dessa longeva e indispensável franquia pop.     




Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: