Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Cine Especial: Michael Haneke: O lado sombrio do nosso tempo: Parte 1



 Nos dias 08 e 09 de outubro eu estarei participando do curso Michael Haneke: O lado sombrio do nosso tempo, criado pelo Cine Um e ministrado pelo jornalista  Bruno Maya. Enquanto os dias da atividade não chegam, por aqui eu irei postar sobre os filmes que o cineasta já fez e analisar um pouco sobre o porquê do seu cinema chocar, mas fascinar.

 

Trilogia da Violência (ou Incomunicabilidade) (1989 – 2004)


O Sétimo Continente (1989)



Sinopse: Georg e sua esposa Anna percebem o quanto suas vidas são isoladas e monótonas quando sua filha Eva, em uma tentativa desesperada para conseguir atenção, passa a fingir estar cega. A família decide então alterar sua realidade e mudar para a Austrália.


O filme pode ser visto tanto como uma visão de mundo do próprio cineasta, como também uma crítica da sociedade em que ele vive, um modo de refletir sobre a falta de sentido na vida. Esse, aliás, é um dos problemas dos países mais desenvolvidos, aqueles que já conquistaram a riqueza material, mas que agora precisam preencher outro vazio.
Destaque também para o modo distinto de filmar de Haneke, que demora bastante para nos apresentar aos rostos da família. Vemos partes do corpo e objetos: as mãos, os pés, a mesa posta para o café da manhã. Essa demora é outro elemento para gerar um sentimento de inquietude no espectador e uma prova de que, entre os cineastas atuais que preferem o mal estar ao final feliz hollywoodiano, Michael Haneke é provavelmente o mais brilhante.

 

Benny's Video (1992)



Sinopse: A história de um garoto chamado Benny, que assiste filmes violentos, incluindo um vídeo caseiro que documenta o abatimento de um porco. Em um dia, entediado, Benny convida uma garota para ir até sua casa e a assassina, gravando o crime com sua câmera de vídeo.


Numa primeira analise, fica claro que o comportamento agressivo do rapaz é diretamente influenciado pela da violência na mídia, ou simplesmente e pela negligência dos pais. Porém, o problema parece ir muito mais além da cortina. O que o filme busca é mergulhar a fundo na mente de Benny. Por isso, a câmera o foca, o analisa e fazendo com que enxerguemos a sua perspectiva do mundo através do seu olhar.
Mais do que as cenas fortes, o que realmente espanta é na exploração desse mundo complexo e frio: na relação familiar, na posição de Benny após o assassinato, na reação dos pais quando descobrem o que aconteceu, na atitude do garoto nos momentos finais da trama. A frieza é o ponto visceral, brilhantemente explorado pelo diretor, e o que faz desta uma produção forte e envolvente como poucas conseguem ser.

 

Em 71 Fragmentos de uma Cronologia do Acaso (1994)



Sinopse: O título resume a colcha de retalhos que Haneke tece para retratar o dia-a-dia de cidadãos austríacos, antes de um massacre. Os fragmentos expostos pelo cineasta mostram o cotidiano dos personagens, juntamente com seus problemas.


O desfecho do filme é antecipado logo no começo. Um letreiro informa que na véspera de Natal um jovem de 19 anos matará três pessoas em um banco de Viena e depois cometerá o suicídio. A partir daí, o que se segue são imagens desconexas da vida cotidiana de várias pessoas. Rapidamente, entende-se que o destino daqueles indivíduos se encontrará com a tragédia final. A questão que nos envolve e prende ao filme, o terceiro de Michael Haneke, é: como isso vai acontecer?
A partir daí, já sabemos o que esperar. Temos uma contagem progressiva de dias até chegar a data fatídica. Na introdução de cada dia, é mostrada uma reportagem televisiva sobre temas diversos como a guerra na Bósnia, os conflitos na Faixa de Gaza, terrorismo, massacre na Turquia, Sarajevo e até a acusação de pedofilia sofrida por Michael Jackson. Dentre os fragmentos, vemos uma menina prestes a ser adotada por um casal, um idoso solitário em sua casa, um casal amargurado que não consegue mais dialogar, um menino refugiado romeno que vaga pelas ruas e vive às custas de pequenos furtos, jovens universitários lidando com quebra-cabeças e computadores.  Mesmo já sabendo o que vai acontecer, o final é abrupto e inesperado. A direção de Haneke é inconfundível, a câmera fixa, o olhar insistente, quadros parados, alguns movimentos repetitivos, a presença constante da televisão, poucos diálogos, silêncios tensos e angustiantes. Não é o meu filme preferido do diretor, mas, sem dúvida, é Haneke.
  
Mais informações e inscrições para o curso você clica aqui.



Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: