Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Cine Dica: Curso Michael Haneke


Apresentação

Michael Haneke nasceu na Alemanha em 1942, mas se naturalizou austríaco, e vivenciou as consequências da Guerra, com marcas que permanecem em seu trabalho. Certamente, é um dos cineastas mais relevantes a refletir sobre o lado sombrio de nosso tempo, pois está longe de descartar a atualidade da ascensão do fascismo, da xenofobia e da intolerância. Trouxe esses temas para o centro dos seus filmes em acontecimentos cotidianos e aparentemente banais, tornando-se um dos mais relevantes e polêmicos cineastas ao utilizar a alegoria e a ambiguidade como destaques nos seus relatos.

“É mais difícil para o espectador ver os meus filmes do que para mim
e para meus atores fazê-los”

Alguns dos temas centrais para o diretor austríaco, que encarnam nosso tempo, são: nossa incapacidade em se relacionar (perda do vínculo comunitário, a alienação do indivíduo na dificuldade em lidar com o desconhecido) e a representação televisual da violência (essencialmente na influência da mídia na nossa percepção da realidade, a banalização da violência que afetaria nosso potencial de se chocar com ela). Haneke é muito conhecido pela maneira radical que testa o limite ou provoca o espectador para causar incômodo, perturbar o seu lugar e a busca por certezas. Ele diz refletir sobre nossos medos e interditos pois, para o cineasta, o cinema não deve apenas contar uma história: cabe a ele chamar atenção, causar reflexão ao desacomodar o espectador.
São características dos seus filmes os planos fixos, longos, que podem até causar estranhamento para quem está acostumado com o ritmo frenético do cinema tradicional hollywoodiano. Elementos como o contraste do claro-escuro são utilizados para ressaltar a atmosfera perturbadora na qual muito dos seus personagens encontram-se envoltos. Dentre suas influências estão: o Neorrealismo e os cineastas Michelangelo Antonioni, Ingmar Bergman, Robert Bresson e Abbas Kiarostami.

Objetivos

O curso Michael Haneke: O lado sombrio do nosso tempo, ministrado por Bruno Maya, tem por objetivo apresentar um panorama sobre a filmografia do cineasta. Contextualizar sua produção ao debater sobre sua relevância, suas influências e as polêmicas estabelecidas pelo diretor que se manifesta na contramão do cinema comercial hollywoodiano. Será analisada a filmografia do diretor, destacando os elementos e as escolhas que caracterizam seus filmes, bem como as mudanças que ocorrem em sua trajetória. O curso visa, por meio do estudo da sua concepção de cinema, em função essencialmente do que estipula com relação ao espectador, compreender porque Michael Haneke é um dos diretores mais polêmicos da atualidade.   
“A nossa sociedade está mergulhada na violência,
eu a represento porque a temo, e acho que devemos refletir sobre isso”

Público alvo
Esta atividade é aberta a todos os interessados.
Não é necessário nenhum pré-requisito de formação e/ou atuação profissional.


Conteúdo programático

Aula 1

- Contextualização sobre a biografia de Michael Haneke: a formação em Viena, a experiência de crescer em época de guerra.
- Haneke e a polêmica dos seus filmes na representação da violência: o maldito e o lado sombrio de nosso tempo.
- Haneke e o espectador: o cinema-provocação e a representação da violência.
- Suas influências e um pouco do cinema novo austríaco: uma crítica ácida a burguesia.


Aula 2

- Os primeiros filmes, chamados de "trilogia glacial": O Sétimo Continente (1989),Benny´s Video (1992) e 72 Fragmentos para uma Cronologia do Acaso(1994).
- O filme-provocação: Funny Games (1998), e a refilmagem polêmica em 2007.
- A construção da atmosfera sombria.
- A ambiguidade, a alegoria e a sugestão: O Castelo (1997), Código Desconhecido(2000), A Professora de Piano (2001), O Tempo do Lobo (2003), Caché (2005), A Fita Branca(2008) e Amor (2012).
- O espectador em cena.



Ministrante: Bruno Maya
Doutorando em Comunicação Social pela PUCRS, e formado em jornalismo pela mesma universidade. Desenvolve pesquisa na área de cinema e audiovisual desde 2004, na qual trabalhou em um estudo sobre o cinema brasileiro. Atualmente realiza pesquisa sobre realismo no cinema (incluindo a filmografia de Michael Haneke), vinculada ao grupo Cinesofia (PPGCOM-PUCRS).


Curso
MICHAEL HANEKE: O LADO SOMBRIO DO NOSSO TEMPO
de Bruno Maya

Datas: 08 e 09 / Outubro (sábado e domingo)

Horário: 15h às 18h

Duração: 2 encontros presenciais (6 horas / aula)

Local: Cinemateca Capitólio
(Rua Demétrio Ribeiro, 1085 - Porto Alegre - RS)

Investimento: 
R$ 90,00
(Valor promocional de R$ 70,00 para as primeiras 10 inscrições por depósito bancário)
Formas de pagamento: Depósito bancário / Cartão de Crédito (PagSeguro - parcelado)

Material: Certificado de participação e Apostila (arquivo em PDF)

Informações: 
cineum@cineum.com.br
 / Fone: (51) 9320-2714


Nenhum comentário: