Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

domingo, 26 de maio de 2019

Cine Especial: Clube de Cinema de Porto Alegre: 'O Caravaggio Roubado' - O Verossímil vs Fictício

Nota: exibido para associados no último sabado (25/05/19)   
Sinopse: Valeria (Micaela Ramazzotti) é a jovem secretária de um produtor de cinema, mora com a mãe e é escritora fantasma para um roteirista de sucesso. Quando ela recebe de presente de um estranho uma trama de filme com o nome de "A História Sem Nome", contando a história do misterioso roubo da pintura Natività de Caravaggio, ela se vê imersa em uma implacável conspiração. 

Nos últimos tempos surgiu alguns exemplos de filmes em que se revela o real papel da personagem feminina por detrás das cortinas e de como ela é submissa, até certo ponto da história, perante a ala machista masculina. No recente "A Esposa" (2017), por exemplo, descobrimos que a mulher de um famoso escritor era na realidade a verdadeira autora dos seus livros. Agora, imagine dosar esse assunto com pitadas de suspense e humor sombrio, e temos "O Caravaggio Roubado”, um elegante filme policial italiano e do qual pode crescer no seu devido tempo.  
Dirigido por Roberto Ando de “As Confissões” (2016), o filme conta a história de Valéria (Micaela Ramazzotti) do filme "Loucas de Alegria"(2016), que é uma secretária de um estúdio de cinema, mas que nas horas vagas é uma escritora fantasma para o seu roteirista e amante. Certo dia, ela começa a ter contato com um estranho homem que lhe começa a contar sobre a real história do roubo da pintura  Natività de Caravaggio. A partir desse momento, ela começa a criar um novo roteiro para um eventual filme, mas na medida que a trama avança descobrimos muito mais sobre o que está por trás de um dos mais misteriosos roubos da história. 
Se num primeiro momento a trama possa aparentar cabeluda, por outro lado, ela começa a fluir na medida em que as peças principais são colocadas na mesa e isso acontece quando um misterioso personagem (Renato Carpentieri), do filme “Corpo Celeste” (2011), surge em cena. Na medida em que ele conta os mistérios que envolvem o desaparecimento da famosa pintura para Valeria, logo o filme ganha ares do subgênero "Cinema Noir" dos anos 50, mas com requintes que nos lembra também os melhores filmes policiais dos anos 70.  Ao mesmo tempo, a trama ganha contornos tão absurdos, mesmo que alguns deles sejam inspirados em fatos verídicos, que o filme acaba obtendo uma boa dose de humor peculiar, porém, bem convidativo.  
Curiosamente, nos envolvemos facilmente pela personagem Valéria, não somente por ser interpretada por uma grande atriz que é Micaela Ramazzotti, como também ficamos curiosos sobre até onde ela chegará para obter o que quer. Porém, ficamos questionando quando ela, aparentemente, se submete perante aos determinados personagens masculinos da trama, seja para encobrir a sua real identidade como escritora fantasma, como quando ela sucumbe a uma paixão pra lá de duvidosa. Em tempos em que cada vez mais surge mulheres fortes e independentes, talvez, estejamos exigindo demais de uma personagem que vai mais ou menos contra a maré dessa tendência. 
Em contrapartida, o filme também nos seduz pelo jogo do filme dentro do filme. Na medida em que o roteiro de Valéria avança para a sua conclusão, começamos a presenciar situações em que se entrelaçam nos momentos de flashback com as cenas que começam a ser filmadas para reconstituir a possível história do roubo misterioso. São momentos em que testam a nossa atenção e elas se estendem até o seu minuto final que, aliás, nos pega desprevenidos e nós só agradecemos.  
Com uma elegante fotografia, "O Caravaggio Roubado" é um prato cheio para aqueles que apreciam em degustar de algo diferente vindo do cinema italiano. 



Faça parte do Clube de Cinema de Porto Alegre.  
Mais informações através das redes sociais:
Facebook: www.facebook.com/ccpa1948
twitter: @ccpa1948  
Instagram: @ccpa1948 


Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: