Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Cine Dica: Em Cartaz: O Estranho que Nós Amamos



Sinopse: Durante a Guerra Civil Americana, o soldado ferido John McBurney (Colin Farrell) é encontrado pelas mulheres de um internato feminino. A presença de John afeta a rotina delas, que estão enclausuradas há anos no lugar. Algumas temem que sejam punidas por terem o abrigado e outras se apaixonam pelo oficial.
Os melhores filmes da diretora Sofia Coppola são aqueles dos quais encontramos os personagens presos em suas vidas e tendo os seus desejos reprimidos. Em Virgens Suicidas e Maria Antonieta, por exemplo, as protagonistas se veem presas a regras de etiqueta e pela lei de Deus enquanto Encontros e Desencontros presenciamos o vazio do mundo contemporâneo tomar o dia a dia de uma sociedade cada vez mais desconectada de sentimentos humanos. Em O Estranho que Nós Amamos novamente esses ingredientes é colocados a mesa, sendo até mesmo fiel ao clássico escrito por Thomas Cullinan, mas correspondendo com o papel do homem e da mulher de hoje.
O filme se passa durante a guerra civil americana, mais precisamente em um internato de mulheres onde é comandada pela professora Martha Farnsworth (Nicole Kidman). Certo dia, elas socorrem um cabo da união (Colin Farrell), que se encontrava gravemente ferido na floresta. Durante a presença do estranho no local, cada uma das mulheres tem opiniões e desejos diferentes por ele e desencadeando eventos imprevisíveis.
Embora seja um drama,  Coppola cria um cenário do qual poderia ser facilmente usado num filme de terror psicológico. Com um teor sombrio, o internato mais parece um local mal assombrado, pouco iluminado, como se as pessoas que vivessem por lá fossem almas penadas e esperando por uma visita que nunca chega. Com o surgimento do cabo essa situação muda gradualmente, como se as mulheres daquele local tivessem vivido num limbo cheio de regras, mas que são gradualmente quebrados de acordo com os desejos e opiniões distintas de cada uma delas.
De forma sutil, percebemos as intenções do cabo, cujo seu desejo é continuar no local para continuar vivo, mas ao mesmo tempo, não escondendo o desejo que sente por algumas das mulheres do local. Uma vez percebendo o desejo de algumas delas, ele começa a manipulá-las sutilmente, para sim conseguir da melhor forma se sair melhor dessa. Colin Farrell se sai bem ao criar um personagem que não esbanja o seu lado sexual de forma acentuada, mas com um teor galanteador suave, porém, eficaz no que deseja.
Contudo, estamos falando de um cenário formado por mulheres, das quais se veem numa pequena disputa pela atenção do cabo, mas não significa que elas se vendem por completo. Martha Farnsworth (Kidman), por exemplo, mantém a sua autoridade no local, mesmo quando seus desejos reprimidos tendem a falar mais alto. E se a personagem Alicia (Elle Fanning, de Malévola) não teme ao colocar para fora o que sente pelo cabo, por outro lado, Kirsten Dunst surpreende ao criar uma personagem com um posicionamento ambíguo, não escondendo em querer alcançar os seus desejos, mas tendo certa consciência sobre o que está se metendo.
O ato final reserva momentos em que ambição, sonhos e desejos se colidem e se enveredando para situações imprevisíveis. Se no filme Virgens Suicidas, por exemplo, as jovens cometem um ato insano contra elas próprias, aqui não há espaço para isso, mas sim o desejo pela sobrevivência. Não que a Sofia Coppola esteja levantando a bandeira do feminismo, mas nos dizendo que a união entre as mulheres é o que fala mais alto perante os obstáculos. 
Polêmicas a parte, O Estranho que Nós Amamos é um pequeno estudo sobre o comportamento humano dividido entre a razão e desejos reprimidos.  


Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: