Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 68 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Cine Dica: "Geraldinos" estreia no CineBancários

O CineBancários estreia o documentário “Geraldinos”, dos cineastas Pedro Asbeg e Renato Martins, no dia 14 de julho. O filme foi vencedor da categoria Melhor Filme pelo voto do júri do Festival de Tiradentes 2016 e premiado no Rio de Janeiro, São Paulo e Milão.
“Geraldinos” será exibido nas sessões das 15h e 19h, dividindo a sala de cinema com “Teobaldo Morto, Romeu Exilado”, de Rodrigo de Oliveira, que fica na sessão das 17h. Os ingressos podem ser adquiridos no local a R$10,00. Estudantes, idosos, pessoas com deficiência, bancários sindicalizados e jornalistas sindicalizados pagam R$5,00. Novidade: agora aceitamos os cartões Vale Cultura do Banrisul, Banricompras, Visa e Mastercard.

GERALDINOS
Os primeiros minutos de “Geraldinos” dão a impressão de que ele é apenas um documentário saudosista, de homenagens e recordações. Ele é isso também, mas muito mais. Realizado ao longo de dez anos, “Geraldinos” leva o espectador a uma viagem pelas lembranças e pelos personagens de um período que parece já estar muito distante da realidade do futebol atual.
O filme, que estreou em 2015 no festival de documentários “É Tudo Verdade”, foi o vencedor de melhor filme no Festival de Tiradentes pelo voto do júri popular em 2016 e ganhou também prêmios no Rio, São Paulo e Milão, além de ter sido exibido em festivais na Espanha e na Alemanha.
Uma produção da Jacqueline Filmes e da Palmares Produções em co‐produção com o Canal Brasil e conduzido de forma paralela entre 2005 e 2014 (quando entrevistas exclusivas foram feitas com personalidades como Romário, Zico, Marcelo Freixo e Lúcio de Castro, entre outros), o filme navega entre o passado romântico e o presente cruel, mostrando que o Geraldino agora está afastado do estádio, vendo os jogos de seu time pela televisão.
Cariocas que frequentaram por décadas o mitológico Maracanã, Pedro Asbeg e Renato Martins filmaram os 10 últimos jogos da Geral, em 2005. 10 anos depois, o que se vê na tela é a mistura de emoções característica daquele ambiente.
Naquele espaço festivo e descontraído, a alegria imperava. Apesar da posição desfavorável à perfeita observação do jogo, o importante era estar lá dentro, fazer parte. Como lembra o historiador Luiz Antonio Simas em um depoimento para o filme, “Como se define um Geraldino? Não se define. E essa era a graça da Geral. Ali você poderia ir com seu radinho ouvindo o jogo, poderia dar voltas no estádio sem olhar para o campo ou poderia ir vestido de Cacique Tchucarramãe. A Geral era uma possibilidade.”
A posição estratégica, colada ao gramado, também permitia uma constante interação entre jogadores, treinadores e Geraldinos. Como conta Zico em seu depoimento para o filme, “Era uma delícia fazer gol e ir comemorar ali com os caras. Várias vezes tive vontade de pular daquele fosse e cair em cima deles.
Mas nem tudo era festa, havia muita provocação. Romário lembra que “Era legal pra caceta ouvir o Geraldino gritando “ei Romário, vai tomar no cu. Isso me motivava a fazer mais gols!”. Podemos então dizer que a Geral era também, um grande consultório onde, semanalmente, milhares de pacientes passavam por ali para seu desabafo, seu tratamento. De forma mais poética, o jornalista Lúcio de Castro define assim o encontro do Geraldino com o Maracanã: “O Geraldino era a expressão do Don Quixote. Ali era um momento de sonho, o único momento de sonho desse Don Quixote. Os moinhos de vento tinham ficado lá fora era o momento em que ele poderia sonhar.”
Foi também durante o período de 10 anos de produção do filme que nasceu a percepção de que as mudanças pelas quais passou o estádio refletem aquilo que a cidade do Rio de Janeiro vive há alguns anos. Como define o Deputado Estadual Marcelo Freixo, “O fim da Geral é o fim da concepção de um estádio e é a derrota de um projeto de cidade.”
A conclusão portanto é que, apesar da música ainda ser cantada a plenos pulmões na hermética arena que hoje apenas leva o mesmo nome, o Maraca não é mais nosso. Conseguiremos um dia reavê‐lo?

FICHA TÉCNICA
Direção: Pedro Asbeg e Renato Martins
Edição: Gabriel Medeiros
Direção de fotografia: Lula Carvalho, Pedro Von Kruger, Manuel Águas
Som direto: Marcel Costa, Felipe Machado, Guth Pereira
Pesquisa: Marcio Selem
Identidade visual: Tiago Peregrino
Trilha sonora original: Marcelo Yuka
Edição de som e mixagem: Damião Lopes
Correção de cor: Hebert Marmo
Duração: 1h15’
Produção: Jacqueline Filmes e Palmares Produções
Coprodução: Canal Brasil
Patrocínio: Rio Filme

GRADE DE HORÁRIOS
12 de julho (terça-feira)
15h - “Trago Comigo” Direção: Tata Amaral
17h - “Teobaldo Morto, Romeu Exilado” Direção: Rodrigo de Oliveira
19h - “Teobaldo Morto, Romeu Exilado” Direção: Rodrigo de Oliveira

13 de julho (quarta-feira)
15h - “Trago Comigo” Direção: Tata Amaral
17h - “Teobaldo Morto, Romeu Exilado” Direção: Rodrigo de Oliveira
19h - “Teobaldo Morto, Romeu Exilado” Direção: Rodrigo de Oliveira

14 de julho (quinta-feira)
15h - “Geraldinos” Direção: Pedro Asbeg e Renato Martins
17h - “Teobaldo Morto, Romeu Exilado” Direção: Rodrigo de Oliveira
19h - “Geraldinos” Direção: Pedro Asbeg e Renato Martins

15 de julho (sexta-feira)
15h - “Geraldinos” Direção: Pedro Asbeg e Renato Martins
17h - “Teobaldo Morto, Romeu Exilado” Direção: Rodrigo de Oliveira
19h - “Geraldinos” Direção: Pedro Asbeg e Renato Martins

16 de julho (sábado)
15h - “Geraldinos” Direção: Pedro Asbeg e Renato Martins
17h - “Teobaldo Morto, Romeu Exilado” Direção: Rodrigo de Oliveira
19h - “Geraldinos” Direção: Pedro Asbeg e Renato Martins

17 de julho (domingo)
15h - “Geraldinos” Direção: Pedro Asbeg e Renato Martins
17h - “Teobaldo Morto, Romeu Exilado” Direção: Rodrigo de Oliveira
19h - “Geraldinos” Direção: Pedro Asbeg e Renato Martins

19 de julho (terça-feira)
15h - “Geraldinos” Direção: Pedro Asbeg e Renato Martins
17h - “Teobaldo Morto, Romeu Exilado” Direção: Rodrigo de Oliveira
19h - “Geraldinos” Direção: Pedro Asbeg e Renato Martins

20 de julho (quarta-feira)
15h - “Geraldinos” Direção: Pedro Asbeg e Renato Martins
17h - “Teobaldo Morto, Romeu Exilado” Direção: Rodrigo de Oliveira
19h - “Geraldinos” Direção: Pedro Asbeg e Renato Martins

Nenhum comentário: