Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Cine Especial: Clube de Cinema de Porto Alegre: Arábia



Nota: Filme exibido para o Clube d Cinema de Porto Alegre no último dia 07/04/18.

Sinopse: Em uma fábrica de alumínio em Ouro Preto, Minas Gerais, jovem encontra o diário de um trabalhador que sofreu um acidente.
Em tempos em tempos o cinema brasileiro serve como uma espécie de termômetro para se colocar na tela a situação atual do país. Aquarius, por exemplo, sintetiza a desconstrução de um passado mais dourado e dando lugar a metros de concreto sem brilho. E se A Vizinhança do Tigre, dirigido por Affonso Uchoa, retrata uma nova geração de esquecidos pela sociedade, Arábia, dirigido pelo mesmo, escancara a cruzada do trabalhador brasileiro sem muitas expectativas, mas que segue em frente para se manter vivo no dia a dia. 
Nos primeiros minutos de projeção acompanhamos André (Murilo Caliari) que fica andando com a sua bicicleta por uma rodovia. Em um longo plano sequência, envolvido pela da música country norte-americana, ela termina ao chegar na Vila Operária, bairro de Ouro Preto, em Minas Gerais, onde se encontra uma siderúrgica e que da qual transforma o ambiente do lugar. Curiosamente, embora estejamos envolvidos em querer saber mais sobre o personagem André, logo ele dá lugar à figura de Cristiano (Aristides de Sousa), trabalhador do local que, inexplicavelmente, cai num sono profundo e André começa a conhecer sobre a sua vida a partir de um diário que ele havia deixado.
Em narração off, começamos a conhecer Cristiano através de um grande flashback, onde descobrimos que ele havia cumprido pena na prisão e partido pelo Brasil a dentro para trabalhar. Num tom quase documental, conhecemos através do olhar de Cristiano diversos lugares, mas que dos quais, não tem muito a oferecer a ele, a não somente trabalho e uns trocados para sobreviver. Ambições para um futuro melhor se tornam então desejos frágeis e que são sucumbidos a uma realidade crua e que testa a força de vontade do protagonista.
Os cineastas Affonso Uchôa e João Dumans se prezam então a moldurar com perfeição diversas situações, sendo elas até mesmo que banais, mas que enchem a tela ao trazer um pouco de vida para o protagonista. Ele faz amigos em sua jornada, onde em uma conversa e outra, nos brinda com o lado mais humano dessas pessoas humildes, mas que possuem inúmeras histórias para contar: a cena onde ele e um colega discutem sobre os diversos pesos de sacos é um momento simples, porém, eficaz e um dos melhores.
Os prazeres são poucos, mas singelos e humanos. Quando o protagonista encontra um amor, por exemplo, os cineastas moldam a situação para parecer algo mais esperançoso, mesmo quando o mundo real bate a porta na vida de Cristiano. Quando isso acontece, não tem como o cinéfilo de carteirinha deixar de se lembrar do inesquecível Viajo porque Preciso, Volto porque Te amo e se isso foi algo criado de uma forma proposital de ambos os cineastas é algo então muito bem vindo.
O ato final reserva momentos em que se oscilam e nos lembram até mesmo da proposta inicial apresentada em A Vizinhança do Tigre. Se naquele filme há uma representação de uma geração perdida e esquecida até mesmo pelos seus progenitores, aqui há uma continuidade, onde o jovem então acaba se tornando uma engrenagem do lado de baixo, para que capitalismo do lado de cima continue pulsando e alienando cada vez mais a sociedade. A realidade acaba se tornando então um pesadelo e fazendo com que um sono profundo se torne um único meio de paz a partir do momento quando tudo não faz mais nenhum sentido, seja para o Cristiano, ou para muitos Cristianos que se encontra em situações semelhantes. 
Arábia talvez venha a ser o melhor filme em que representa a situação atual do país, onde os trabalhadores são cada vez mais usados como meras engrenagens, enquanto a elite evita de se lembrarem que eles existem.    



Siga o Clube de Cinema de Porto Alegre através das redes sociais:
Facebook: www.facebook.com/ccpa1948
twitter: @ccpa1948  
Instagram: @ccpa1948 

Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: