Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Cine Especial: Horror no Cinema Brasileiro: EXTRA



Aconteceu nesse ultimo final de semana,  no Cine Capitólio de Porto Alegre,  o curso horror no Cinema Brasileiro, criado pelo Cine Um e ministrado pelo entendedor do assunto Carlos Primati. Durante dois dias, eu pude desfrutar uma parte de nossa história do cinema brasileiro e de como é difícil manter um gênero como terror em nosso país por exemplo. Até a pouco tempo, quando se falava de filme de horror brasileiro, somente se pensava no Zé do Caixão, mas a real história não é bem por ai. 
Carlos Primati 

Nos últimos anos se criou um verdadeiro estudo sobre diversas fases do nosso cinema e se descobriu de tudo um pouco: cinema novo; marginal; pornochanchada; retomada e por assim vai. Em meio a esses períodos, houve cineastas e roteiristas que se aventuraram no gênero fantástico que, através deles, se criaram muitos clássicos, outros esquecidos, mas redescobertos com o tempo. Dentre as coisas que foram apresentadas na atividade, duas me chamaram bastante atenção: 


NOSFERATO NO BRASIL (1970)


Sinopse: Budapeste, século XIX: Nosferatu (Torquato Neto) é morto por um príncipe. De férias no Brasil, agora em cores, vampiriza várias nativas. Mítica masterpiece superoitista. Da série "quotidianas kodaks".


 Torquato Neto (Nosferato no Brasil,1970)

Dirigido por Ivan Cardoso (As Sete Vampiras), esse filme que foi rodado em 8 milímetros, tinha a intenção (segundo o cineasta) de ser uma produção séria, mas vendo o Drácula (Torquato Neto) tomando água de coco e posando ao lado de garotas na praia do Rio não tem como a gente levar a sério. O que torna esse curta interessante é forma como ele sintetiza o clima “paz e amor” dos jovens daquele período e é preciso dar palmas para um projeto que, começou com uma proposta diferente, mas se tornando uma curiosidade com relação ao período em que foi feito e se tornando um pequeno clássico.



O Pasteleiro (1980)


Um dos grandes filmes de horror brasileiros que de uns tempos para cá está sendo redescoberto por uma nova geração de fãs do gênero.  O Pasteleiro, produção de cerca de 40 minutos incluída no longa Aqui, Tarados (1980). Realizado pela Dacar, companhia do ex-galã e ex- rei da pornochanchada David Cardoso foi dirigido pelo mesmo a partir de argumento e roteiro do grande Ody Fraga, tendo como protagonista o diretor sino-brasileiro John Doo.

John Doo em O Pasteleiro (1980)
 
O Pasteleiro trata de um assassino em série, tema não muito comum na cinematografia brazuca, ainda que tenhamos os nossos Chico Picadinho, Maníaco do Parque, e outros de trágica lembrança. Mas não é só isso. O filme de Cardoso é ainda a maior aproximação do cinema nacional do sangue-e-tripas, subgênero do horror notório pela explicitação de mutilações, entranhas e desmembramentos. O que faz com maestria, coroando uma narrativa de desenvolvimento exemplar, apoiada por personagens muito bem construídos dramaticamente.


Ricardo Ghiorzi


Já na segunda aula, Primati se concentrou sobre a nova geração de cineastas que estão surgindo e que, mesmo com poucos recursos, conseguem criar filmes de horror que acabam sendo elogiados e ganhando prestigio pelos festivais por onde passa como Fantaspoa. Dentre os mais reconhecidos estão Rodrigo Aragão que, graças aos seus filmes como Mangue Negro, A Noite Do Chupa Cabra, Mar Negro e Fábulas Negras, fez com que surgissem apaixonados pelo horror aqui no RS e que arregaçassem as mangas na criação de longas.  Dentre eles que, inclusive estava presente na atividade, Ricardo Ghiorzi teve a idéia de criar um longa intitulado 13 Histórias Estranhas, aonde ele convidou amigos e conhecidos da área (como Cristian Verardi e Cesar Coffin Souza) para que cada um dirigisse uma pequena trama. O filme já está sendo selecionado para ser exibido em 26 festivais.
Com a exibição do trailer Condado Macabro (2015) e de outros filmes que estão prestes até mesmo em ser exibidos em grande circuito, a atividade se encerrou de uma forma bem satisfatória e fazendo com que a gente deseje que o gênero de horror brasileiro se expande no país e que finalmente saiamos da sombra do nosso Zé do Caixão.  

 Leia mais sobre Horror no Cinema Brasileiro clicando aqui.

 Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: