Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Cine Especial:HORROR NO CINEMA BRASILEIRO:Parte1



Sim, o gênero de horror existe no Brasil e ele será tema do próximo curso de cinema, criado pelo Cine Um e ministrado pelo Jornalista, crítico, historiador e pesquisador dedicado a tudo que se refere ao cinema de horror mundial Carlos Primati. O curso ocorre nos dias 29 e 30 de Agosto no Cine Capitólio.  Enquanto os dias da atividade não chegam, irei postar por aqui sobre os filmes de horror que eu tive o privilegio de assistir, seja em DVD ou no cinema.

 

À Meia-Noite Levarei Sua Alma (1964)



Sinopse: Zé do Caixão, um cruel coveiro, quer gerar um filho para dar continuidade ao seu sangue. Mas sua mulher não consegue engravidar e ele acaba estuprando a mulher do seu melhor amigo, que agora deseja se suicidar para regressar do mundo dos mortos e levar a alma de Zé do Caixão.


Eu cresci assistindo Zé do Caixão na TV, mas não nos seus filmes e sim em programas de auditório com apelo duvidoso e no saudoso Cine Trash da Band. Achava que José Mojica Marins fosse o tempo todo o Zé do Caixão, sendo que somente soube que era um personagem que o marcou completamente quando me dediquei mais na história do cinema. Redescobrindo a partir do seu primeiro grande sucesso em 1964, compreendo porque o filme marcou não só ele como o cinema nacional como um todo.
Justamente num ano em que o povo brasileiro sofria um grande golpe e que desencadearia eventos que fariam com que a gente perdesse o nosso direito de opinião, Mojica lança um personagem polêmico, que embora pareça mais saído de um conto de terror, é na realidade um simples coveiro, mas com opinião própria e que não mede esforços para manter ela. O filme já começa alfinetando, onde se apresenta como uma pessoa ateia, não acreditando nem e Deus, nem no Diabo e que não se freia em comer carne na sexta feira santa. Para piorar, ele cria uma obsessão em sua mente, em que precisa achar a mulher perfeita, para então gerar o seu filho perfeito e dar continuidade ao seu sangue.
Nem precisa ser adivinho para saber que o cineasta teve inúmeros problemas para levar as suas ideias para o personagem para as telas, principalmente perante os setores da igreja católica, que via o filme como uma verdadeira blasfêmia, mas isso não foi o suficiente para que o filme fosse censurado, mesmo numa época tão conservadora. Claro que embora seja perceptível a simplicidade da produção, por sua vez ela possui um visual tenebroso (graça a fotografia em preto e branco), que não deve em nada aos filmes ingleses de terror da Hammer que fazia sucesso na época e as ações imprevisíveis do personagem tornam o filme muito mais angustiante. Cenas de estupro, espancamento e mutilações são uns dos muitos exemplos do que é visto na tela, que até então era pouco visto naquele tempo e ainda hoje impressiona.
Graças ao sucesso de publico, Zé do Caixão não descansaria na sua busca em conseguir alcançar os seus objetivos, mas isso já outra história a ser contada. 

Inscrições para o curso cliquem aqui 

 Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: