Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Cine Dica: Meredith Monk na Cinemateca Capitólio



Nos dias 01 e 02 de setembro, terça e quarta-feira, sempre às 20h, acontecem na Cinemateca Capitólio as duas únicas sessões dos filmes realizados por Meredith Monk. A exibição de Ellis Island e Book of Days marca a abertura da mostra Petrobras Cinepalco, com produção da Petrobras, do Porto Alegre em Cena e da Cinemateca Capitólio. Os ingressos custam R$ 10,00.
O projeto de restauração e de ocupação da Cinemateca Capitólio foi patrocinado pela Petrobras, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES e Ministério da Cultura. O projeto também contou com recursos da Prefeitura de Porto Alegre, proprietária do prédio, e realização da Fundação Cinema RS – FUNDACINE.
Ellis Island

Estados unidos, 28 minutos, 1981 / Direção: Meredith Monk
Entre 1892 e 1927 quase 16 milhões de pessoas chegaram à Ilha Ellis tentando imigrar para os Estados Unidos. ​Para os 280.000 imigrantes que foram expulsos, a Ilha tornou-se a "Isle of Tears"​ (Ilha de lágrimas​). O filme mistura documentário, ​experimento​, ficção e dança descrito por Monk como "um mosaico de sons e imagens ​entrelaçados em ​um desenho ​musical formal".
Book of Days

Estados Unidos, 74 minutos, 1988 / Direção: Meredith Monk
Embora centre sua ação na Idade Média, os personagens do filme e suas preocupações são profundamente familiares​. Há paralelos entre esta idade de guerra - a peste​​ e​ ​o medo do Apocalipse - com os nossos tempos modernos de conflito racial e religioso, AIDS, ​e ​​o medo de ​aniquilação nuclear​. O filme tem uma qualidade ​mística, um senso de deslocamento​ ​que incentiva o espectador a refletir sobre a fragilidade e a finitude da experiência humana.

Nenhum comentário: