Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 65 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Cine Especial: A CONSTRUÇÃO DO UNIVERSO MARVEL NO CINEMA

Com a chegada de Capitão America: O Primeiro Vingador nos cinemas, reveja aqui no meu blog, as postagens que eu já fiz sobre os filmes feitos pela própria Marvel estúdios nos cinemas, sendo que todos eles estão conectados um com o outro, para daí então fechar um ciclo com a chegada do filme Os Vingadores no ano que vem. Cliquem embaixo e boa leitura.

Me Sigam no Facebook e Twitter:

Cine Dica: Estréias no final de semana (29 07 11)

E ai gente. Chegamos a um final de semana molhado, pois lá fora está chovendo canivete sem parar e pelo visto não a previsão de terminar. Mas não será por isso que deixarei de sair amanhã, afinal, participarei do curso sobre os Irmãos Coen e seus filmes que atualmente são muito cultuados no mundo a fora e a tarde irei assistir ao filme do Capitão: O primeiro vingador. Aguardem minha critica sobre o filme.
Lembrando, que já se encontra em pré-estréia o mais novo filme do polemico diretor Lars Von Trier, Melancolia. O Cineclube zero-hora irá fazer sua sessão especial mensal (com debate) com entrada franca e, logicamente, estarei nela. Portanto aguardem também minha critica sobre esse filme.

Confiram as estréias:

Capitão América - O Primeiro Vingador
Sinopse: Nascido durante a Grande Depressão, Steve Rogers foi um menino franzino em uma família pobre. Horrorizado com a ascensão Nazista na Europa, o garoto parte para entrar para o exército. Mas, devido a sua saúde frágil, ele é rejeitado.
Mas após escutar os apelos honestos do menino, o General Chester Phillips oferece a Rogers a chance de participar da Operação: Renascimento. Depois de semanas de testes ele recebe o soro do supersoldado e é bombardeado por raios-vita.
Steve Rogers aparece então com o corpo mais perfeito que um ser humano pode ter e é submetido a intensos treinamentos físicos e táticos. Meses depois ele recebe sua primeira missão como o Capitão América e, com seu escudo indestrutível, ele parte para combater o mal sozinho e como o líder dos Vingadores.



Loup - Uma Amizade Para Sempre
Sinopse: Emocionante aventura vencedora do Earth Grand Prix do Festival Internacional de Cinema de Toronto. Sergei garoto de 16 anos é filho de Boris chefe do clã de criadores de renas de sua tribo. Ele parte em sua primeira grande jornada pelas montanhas da Sibéria levando o rebanho e protegendo os animais a única fonte de renda de seu clã. Pronto a salvar as renas de todos os tipos de perigos Sergei sabe que seu pior inimigo está sempre por perto o lobo.




O Casamento do Meu Ex
Sinopse: O Casamento do Meu Ex acompanha sete amigos unidos que preparam o casamento de dois integrantes do grupo. Lila (Anna Paquin) é a noiva e sua dama de honra é Laura (Katie Holmes). As duas já rivalizaram muito tempo por conta de Laura já ter se relacionado com Tom (Josh Duhamel ) o noivo. Ao longo de uma noite barulhenta e um casamento por vir à beira-mar amizades e alianças são testadas quando uma bebedeira ressurge o triângulo amoroso.




Singularidades de uma Rapariga Loira
Sinopse: Macário (Ricardo Trêpa) trabalha como contador no armazém de seu tio Francisco (Diogo Dória), em Lisboa. É seu primeiro emprego. Do outro lado da rua mora Luísa Vilaça (Catarina Wallenstein), uma jovem loira por quem se apaixona de imediato. Logo resolve se casar com ela, mas o tio não concorda com a ideia e, além de despedi-lo, o expulsa de casa. Macário parte de Lisboa, mas tem certeza que não esquecerá Luísa. Em Cabo Verde ele enriquece e, ao voltar, recebe a aprovação do tio para o casamento. O que ele não esperava era se surpreender com o caráter de sua paixão.


Vejo Você no Próximo Verão
Sinopse: (provisória) Jack (Philip Seymour Hoffman) é um cara simples, tímido e desajeitado, que trabalha como motorista de limusine. Ele até gostaria de mudar de vida, mas isso não é nada fácil. Um dia, seu amigo Clyde (John Ortiz) e a esposa dele (Daphne Rubin-Vega), que gostam muito dele, resolvem armar um encontro as cegas para ele com Connie (Amy Ryan). Embora a timidez e o constrangimento tenha sido grande por parte dos dois, parece que existem muitas outras coisas que ajudarão a dar certo. Contudo, enquanto o romance deles começa a embalar, o casal de amigos passa por uma crise.


Me Sigam no Facebook e Twitter:

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Cine Especial: IRMÃOS COEN: Parte 8 (final)

Nos dias 30 e 31 de Julho estarei participando do curso sobre a vida e obra dos Irmãos Coen no Museu da Comunicação (Rua dos Andradas, 959 - P. Alegre / RS). Enquanto os dois dias não vêem, por aqui, estarei postando tudo o que eu sei sobre esses grandes irmãos cineastas.

BRAVURA INDÔMITA

Abaixo, revejam o resto dos especiais sobre os filmes dos irmãos cineastas: 



Me Sigam no Facebook e Twitter:

Cine Especial: IRMÃOS COEN: Parte 7

Nos dias 30 e 31 de Julho estarei participando do curso sobre a vida e obra dos Irmãos Coen no Museu da Comunicação (Rua dos Andradas, 959 - P. Alegre / RS). Enquanto os dois dias não vem, por aqui, estarei postando tudo o que eu sei sobre esses grandes irmãos cineastas.

Onde os Fracos Não Têm Vez

Sinopse: Texas, década de 80. Um traficante de drogas é encontrado no deserto por um caçador pouco esperto, Llewelyn Moss (Josh Brolin), que pega uma valise cheia de dinheiro mesmo sabendo que em breve alguém irá procurá-lo devido a isso. Logo Anton Chigurh (Javier Bardem), um assassino psicótico sem senso de humor e piedade, é enviado em seu encalço. Porém para alcançar Moss ele precisará passar pelo xerife local, Ed Tom Bell (Tommy Lee Jones).
Demorou, mas não tardou. Depois de vários anos, a academia finalmente premiou os Irmãos Coen quando na verdade já deveriam ter sido premiados em filmes como Fargo. Onde os Fracos Não Têm vez não é o filme redondo que normalmente a academia gosta de premiar, mas sim puramente Coen, onde todas as características dos filmes anteriores estão lá, só que numa trama mais seria, mas não menos surpreendente. Numa espécie de filme de faroeste contemporâneo, acompanhamos o trajeto de alguns personagens, todos ligados a uma valise cheia de dinheiro e o resultado final é mais do que surpreendente, é como sempre, inesperado. A grande alma da trama está toda em volta do assassino Anton Chigurh (Javier Bardem, espetacular) uma verdadeira entidade do caos que, por onde passa, é somente morte destruição e somente vai parar, quando concluir sua missão.

Curiosidades: Heath Ledger chegou a negociar sua participação no filme, mas decidiu abrir mão dele para poder descansar um pouco;
Segundo Tommy Lee Jones os irmãos Coen queriam rodar o filme inteiramente no Novo México, devido aos impostos do estado, mas ele os convenceu a realizarem as filmagens no Texas;


Queime Depois de Ler
Sinopse: Osbourne Cox (John Malkovich) é um analista que trabalha para a CIA. Ao chegar em uma reunião ultra-secreta ele descobre que foi demitido. Revoltado, ele resolve se dedicar à bebida e a escrever um livro de memórias. Katie (Tilda Swinton), sua esposa, fica espantada ao saber da demissão de Osbourne, mas logo deixa o assunto de lado por estar mais interessada em Harry Pfarrer (George Clooney), um investigador federal casado que é também seu amante. Paralelamente Linda Litzke (Frances McDormand), funcionária de uma rede de academias, faz planos para uma grande cirurgia plástica que deseja realizar. Ela tem em Chad Feldheimer (Brad Pitt), um professor da academia, seu melhor amigo. Até que um dia um CD perdido cai nas mãos de Linda e Chad, entregue por um faxineiro da academia. Ao perceberem que se trata de material confidencial, eles ligam para Osbourne Cox tentando conseguir dinheiro para evitar que seu conteúdo seja divulgado.
Uma das mais divertidas obras dos irmãos Coen, onde presta uma homenagem ao mundo da espionagem, mas com muito bom humor negro. Como sempre, os personagens são no mínimo interessantes e muito excêntricos, principalmente Osboume Cox interpretado loucamente por John Malkovich, mais do que a vontade num papel onde o sarcasmo é a alma do personagem. Uma coisa que sempre escrevo sobre os filmes dos irmãos Coen, é que seus personagens sempre ficam em volta de situações imprevisíveis que os levam a momentos únicos e por algumas vezes sem volta. Um belo é exemplo disso é o encontro acidental entre os personagens de Brad Pitt(hilário) e George Clooney, simplesmente inesperado e um dos melhores momentos de uma trama 100% inspirada.


Curiosidade: O personagem Osbourne Cox foi criado especialmente para John Malkovich;


Um Homem Sério
Sinopse: 1967. Larry Gopnik (Michael Stuhlberg) trabalha como professor de física na Universidade de Midwestern. Ele vê sua vida mudar radicalmente quando sua esposa, Judith (Sari Lennick), decide deixá-lo por Sy Ableman (Fred Melamed). Além disto, uma carta anônima ameaça sua carreira na universidade. Larry ainda precisa lidar com os problemas de Arthur (Richard Kind), seu irmão, que mora em sua casa e dorme no sofá; seu filho Danny (Aaron Wolff), problemático e rebelde; e ainda Sarah (Jessica McManus), sua filha, que constantemente pega dinheiro de sua carteira para uma futura cirurgia plástica no nariz. Sem saber o que fazer, Larry busca os conselhos de três rabinos.
Se os personagens dos irmãos Coen se metem em situações imprevisíveis, então o mais certo é eles levarem tudo numa boa, pois no final das contas, tudo acabara bem. Talvez seja isso que surge na mente do personagem Larry Gopnik (Michael Stuhlberg, perfeito) um judeu americano correto e que leva suas virtudes consigo, mas que terá que enfrentar não só os problemas loucos de sua família, mas como também no seu trabalho e com os seus vizinhos. Como se passa em 1967, o filme é sátira descarada de um tempo onde se mais se dizia que “a família norte americana era perfeita”, mas somente superficialmente como no filme é muito bem retratado. Destaco aqui o epilogo que termina de uma forma incrível e aberta e o fantástico prólogo que aparentemente não possui ligação nenhuma com o resto da trama, mas depois, se pararmos para pensar, fazia todo o sentido.

Curiosidade: Ao término dos créditos finais está a frase "no jews were harmed in the making of this motion picture" (traduzindo, "nenhum judeu foi ferido na produção deste filme);

 
Me Sigam no Facebook e Twitter:


quarta-feira, 27 de julho de 2011

Cine Curiosidade: (ESPECIAL): CENSURA DE NOVO? NEM PENSAR!


Com a recente polemica sobre a censura imposta para não exibição do filme serbian film: Terror Sem Limite no Rio de Janeiro (mais detalhes no site cinema em cena clicando aqui), levantou-se novamente um fantasma que todos desejam passar longe que é a temível censura do período militar (1964 – 1985).
Ao meu ver, acho um tanto que exagerado essa situação de ambos os lados. Se por um lado o governo quer censurar um filme (que nem sequer viram) estão perdendo tempo, pois nesta altura do campeonato ele já se encontra para baixar e quanto mais deseja proibir, mais pessoas irão assistir, pois não vivemos mais nos anos 70 e 80 onde nos tínhamos poucos recursos e tínhamos que esperar, sabe lá quando, que o filme fosse liberado. Além do mais, onde já se viu políticos dizerem o que você pode ou não pode assistir? É a mesma coisa a pessoa ir ao museu e não poder ver certos quadros, sejam eles bons ou ruins. Políticos me poupem, vocês moram na terra, não em marte.
Agora, eu preciso dar um puxão de orelha aos meus irmãos cinéfilos, já que estão se desesperando antecipadamente, achando que o fantasma da censura esta voltando. Temos que tratar o que aconteceu lá no Rio de Janeiro como um caso isolado, mas que claro, não pode passar despercebido e cada um faça a sua parte protestando nas suas paginas da internet. E se a coisa se alastrar, para isso existe meios de baixar filmes pela rede. Não é o meio certo de ver filmes, mas se eles fizerem essa sacanagem, não devemos nos envergonhar de aderir outros meios para se assistir uma produção.
Como é o assunto do momento, deixo abaixo cinco filmes que fizeram polemica e grande barulho por aqui e no resto do mundo.

Laranja Mecânica
Para época (1971), o filme era muito a frente do seu tempo. Uma espécie de critica ao sistema que possui o desejo de por em pratica certas regras para o individuo jamais sair da linha, por meio de experiências ilícitas. Apesar de todo o sucesso de publico e critica, o filme se tornou proibido alguns países, incluindo o Brasil, onde o filme foi só liberado em 1979. Atualmente o filme é considerado uma obra prima e ninguém mais ousam dizer o contrario.


O ULTIMO TANGO EM PARIS
Já assistimos, muitas sessões da madruga, onde era exibidos filmes da Emmanuelle muito mais fortes em cenas de sexo do que esse filme comandado por Bernardo Bertolucci, mas para época foi um verdadeiro escândalo. Ver Marlon Brando (em seu melhor momento de sua carreira) na já clássica cena da manteiga foi algo que estourou de uma maneira sem precedentes.
O tempo provou que houve certo exagero pela parte conservadora que não entende nada quando é pornografia ou erotismo.


Caligula
Esse pediu para ser polemico desde o principio, mas ao meu ver, se era para fazer um verdadeiro retrato dos dias do maníaco imperador Caligula governando em Roma, não tinha como ser diferente. Interessante foi o fato do diretor Tinto Brass ter conseguido convencer os atores Malcolm McDowell e Peter O'Toole a atuarem nesse filme, mas soube-se depois, que eles não sabiam que o filme iria possuir cenas pornográficas, e sim, tudo foi bem arranjado na mesa de montagem sem que eles soubessem. Na época do lançamento, o filme foi duramente criticado mas aos poucos alguns críticos foram reconhecendo que a produção é a que mais possuiu pé no chão ao retratar o lado o obscuro e pecador do mundo romano daquele tempo.



A ULTIMA TENTAÇÃO DE CRISTO
Lançado em 1988, o filme de Martin Scorsese foi recebido por aqui a paus e pedras, mas não havia como ser diferente, numa época que o país era muito mais conservador em termos religiosos que atualmente. Há idéia de ver um Jesus Cristo mais humano, amigo de Judas e tendo um caso com Maria Madalena era algo que ninguém queria ouvir. Mas deve se levar em conta que a trama não foi baseada na bíblia e sim no polemico livro escrito por Nikos Kazantzakis 1951 que colocava certas liberdades sobre a passagem de Jesus na terra. Talvez, tanta a intenção do escritor como também do diretor, era retratar um Jesus mais humano e que possui as suas falhas, e mesmo que deseje escapar de sua grande responsabilidade, há de aceitar o seu destino. Não antes é claro de ter uma visão de ter desistido da crucificação e ter tido uma vida normal com Madalena num momento impressionante da obra de Scorsese.



O CLUBE DA LUTA
O filme que mais soube sintetizar o que foi os anos noventa, não conseguiu escapar de um caso infeliz que aconteceu em São Paulo. Um louco atirou e matou algumas pessoas numa sessão que o filme estava passando e, logicamente, a imprensa (querendo audiência) começou a dizer que talvez a mensagem que o filme passava tenha despertado o desejo assassino do psicopata. Pura besteira, pois o filme é um verdadeiro retrato da alienação das pessoas dos anos 90 (e de hoje) onde se tornaram verdadeiros zumbis do consumo desenfreado e presos ao sistema. Garanto, que se o crime tivesse acontecido numa sessão de um filme da Disney, colocariam culpa nas lendárias mensagens subliminares do estúdio que tanto os conservadores insistem que existem. Polemicas a parte, o filme de David Fischer da uma verdadeira aula de montagem de imagens nunca antes vistas no cinema e apresentou os melhores desempenhos de Bratt Pitt e Eduard Norton.


Me Sigam no Facebook e Twitter:

 

terça-feira, 26 de julho de 2011

Cine Especial: IRMÃOS COEN: Parte 6

Nos dias 30 e 31 de Julho estarei participando do curso sobre a vida e obra dos Irmãos Coen no Museu da Comunicação (Rua dos Andradas, 959 - P. Alegre / RS). Enquanto os dois dias não vem, por aqui, estarei postando tudo o que eu sei sobre esses grandes irmãos cineastas.

O Homem Que Não Estava Lá
Sinopse: Em meio aos anos 40, Ed Crane (Billy Bob Thornton) é um barbeiro infeliz, que vive com sua esposa Doris (Frances McDormand). Ao descobrir que ela o está traindo, Ed passa então a planejar uma trama de chantagem contra ela, a fim de ensinar-lhe uma lição. Mas quando seu plano vai por água abaixo uma série de consequências desagradáveis ocorrem, incluindo vários assassinatos.
Se em seu primeiro filme (Gosto de Sangue) era uma espécie de namoro com o gênero noir, aqui fica mais do que evidente que os irmãos cineastas prestavam, não só um tributo ao gênero, como criaram um filme a altura. Com um belíssimo preto e branco, todas as características deste gênero estão La, desde a trama policial, assassinato, mulheres sedutoras, narração off, cigarros e traições. Misturando tudo isso com a já estabelecida visão que os cineastas têm em colocar os seus personagens em tramas cujas situações são imprevisíveis e afiadas no humor negro. Mas nada se compara ao grande desempenho de Billy Bob Thornton no decorrer do filme, onde ele protagoniza e narra com a sua voz firme e mansa, transformando-se na grade alma da trama.

E Aí, Meu Irmão, Cadê Você?

Sinopse: Em plena Era da Depressão Americana, três prisioneiros de uma cadeia do Mississipi conseguem escapar da prisão. São eles: Everett Ulysses McGill (George Clooney), o doce e amável Delmar (Tim Nelson) e sempre zangado Pete (John Tuturro). Sem nada a perder e ainda presos por correntes, o trio embarca na aventura de suas vidas, na tentativa de conquistar sua liberdade e retornar aos seus lares. Só que um xerife misterioso parte para tentar recapturá-los, criando problemas para os prisioneiros foragidos.
O grande charme desse filme esta no fato que é uma visão pessoal dos autores cineastas com relação a saga da Odisséia, onde inúmeras passagens do livro são readaptadas conforme a visão que eles criaram para a trama. Momentos como o encontro com as sereias são impagáveis e acentuam o lado musical do filme, até então pouco explorados pelos irmãos. Como sempre, historia gira em torno dos protagonistas em situações imprevisíveis embaladas com o mais puro humor negro. Destaque pelo primeiro (e um dos melhores) trabalhos de George Clooney com os irmãos cineastas.

Curiosidade: E Aí, Meu Irmão, Cadê Você? estreou antes no Brasil que nos Estados Unidos.


Me Sigam no Facebook e Twitter:

Cine Dica: Em DVD e Blu-Ray: SEM LIMITES

TRAMA VERTIGINOSA E PROTAGONISTA SÃO A MATRIZ DO FILME
Sinopse: Eddie Morra (Bradley Cooper) sofre de bloqueio de escritor. Um dia, ele reencontra na rua seu ex-cunhado, Vernon (Johnny Whitworth), que lhe apresenta um remédio revolucionário que permite o uso de 100% da capacidade cerebral. O efeito é imediato em Eddie, pois ele passa a se lembrar de tudo que já leu, ouviu ou viu em sua vida. A partir de então ele consegue aprender outras línguas, fazer cálculos complicados e escrever muito rapidamente, mas para manter este ritmo precisa tomar o remédio todo dia. Seu desempenho chama a atenção do empresário Carl Van Loon (Robert De Niro), que resolve contar com sua ajuda para fechar um dos maiores negócios da história.
Num ano que esta cada vez mais evidente a falta de idéias criativas no cinemão americano, Sem Limites surge como certo alivio para o nosso cérebro, muito embora carregue um monte de clichês já visto em outros filmes, mas que aqui, um pouco que renovados. Para começar, é de se tirar o chapéu pelas impressionantes imagens criadas pelo diretor Neil Burger (O Ilusionista) com o seu diretor de fotografia Jo Willems (30 Dias de Noite), onde ambos criam incríveis seqüências aonde à câmera vai indo reto e atravessa tudo que estiver em sua frente, fazendo um verdadeiro passeio pela cidade de Nova York, que ao mesmo tempo, cria certa vertigem no espectador, passando a estranha sensação de como o protagonista se sente ao enxergar tudo diferente após ter tomado a milagrosa droga. Está alias é dona dos principais pontos de interrogação durante todo o filme, já que os roteiristas pouco se importaram em tentar explicar sua verdadeira origem e sim seus efeitos milagrosos (e colaterais) que surgem no personagem principal Eddie Morra (Bradley Cooper)
Falando no protagonista, sem sombra de duvida o filme funciona muito bem graças ao ótimo desempenho de Bradley Cooper. Vindo do sucesso Se Beber não case, Cooper coloca a prova todo o potencial que tem consigo, com seu personagem cativante e excêntrico, provando que pode carregar todo um filme nas costas e é exatamente o que acontece aqui, já que a câmera o acompanha 95% durante todo o filme, deixando coadjuvantes de luxo (como Robert De Niro) a ver navios, e graças a isso, ajuda a esconder certos furos que o filme carrega durante o resto da historia.
Embora o ato final não passe tanta ousadia como a trama sugeria, Sem Limites é entretenimento de primeira do começo ao fim, mas que poderia ir alem, só faltou um pouquinho mais de coragem ou uma nova dose.


Me Sigam no Facebook e Twitter:

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Cine Especial: IRMÃOS COEN: Parte 5

Nos dias 30 e 31 de Julho estarei participando do curso sobre a vida e obra dos Irmãos Coen no Museu da Comunicação (Rua dos Andradas, 959 - P. Alegre / RS). Enquanto os dois dias não vem, por aqui, estarei postando tudo o que eu sei sobre esses grandes irmãos cineastas.

O Grande Lebowski
Sinopse: Em Los Angeles, 1991, um homem pacato é atacado por ser confundido com um homônimo, cuja mulher estava envolvida com dívidas. Ele tenta se livrar da confusão, provando que tudo foi um mal entendido.
A exemplo de filmes como Arizona Nunca Mais, os irmãos Coen enveredam novamente para o humor negro, com uma trama que procura obter impacto, através do comportamento de seus personagens carismáticos e bizarros. Embora tenham se alongado em alguns momentos, o filme é um dos mais divertidos da carreira dos cineastas, principalmente pelo fato da maioria do elenco (como john Goldman) estar mais do que a vontade com seus respectivos personagens. Jeff Bridges tem aqui uma das suas melhores e mais imaginativas performances de sua carreira

Curiosidades: O personagem de Jeff Bridges diz "man" 147 vezes ao longo do filme. Trata-se de uma média de 1,5 a cada minuto do longa-metragem;
Asia Carrera, a garota que aparece junto aos personagens Bunny Lebowski e o niilista no filme pornô que Maude mostra ao Dude, é uma atriz pornô de verdade.


Me Sigam no Facebook e Twitter:

Cine Dicas: Estréias no final de semana (22 07 11)

Tamos ai gente. Chegamos a mais um final de semana, um tanto que calmo, depois do tornado que foi o ultimo Harry Potter que estreou na semana passada. Contudo, com certeza por mais duas ou três semanas, o filme ira dominar o circuito tanto nacional como internacional e recentemente foi divulgado que o filme já atingiu a marca de mais de seiscentos milhões de dólares. Números assombrosos se levarmos em conta que a recém o filme esta fechando uma semana em cartaz no mundo todo. Alguém duvida que teremos em breve mais um no grupo de mais de um bilhão de dólares?
Quanto a mim, decidi ficar de molho nesse final de semana para dar uma ajeitada na casa onde eu moro, principalmente meu quarto que esta desarrumado. Depois de muitos finais de semana saindo para participar dos inúmeros eventos que ocorreram na capital gaucha, é hora de eu dar um tempo para mim mesmo e para as minhas coisas, pois não curto nada revirado.
Mas no próximo final de semana estarei envolvido a todo o vapor, com a minha participação no curso sobre os cineastas Irmãos Coen que ira ocorrer no Cinebancários, e a tarde estarei assistindo e torcendo que seja bom, o filme do Capitão America: O Primeiro Vingador.
Enquanto esse não vem, confiram o que ira rolar neste final de semana:


A Inquilina
Sinopse: A Dra. Juliet Dermer é uma jovem médica que ao se mudar para um novo apartamento descobre que seu proprietário tem uma assustadora obsessão por ela.




Assalto ao Banco Central
Sinopse: Em Agosto de 2005 164.7 milhões de reais foram roubados do Banco Central em Fortaleza Ceará. Sem dar um único tiro sem disparar um alarme os bandidos entraram e saíram por um túnel de 84 metros cavado sob o cofre.Um dos crimes mais sofisticados e bem planejados de que já se teve notícia no Brasil. Quem eram essas pessoas? E o que aconteceu com elas depois? São as perguntas que todo o Brasil se faz desde então.


Estranhos Normais
Sinopse: Nesta comédia o narrador é um roteirista criador dos demais personagens que surgem ao longo da história. São duas famílias que se aproximam quando dois jovens de 15 anos decidem se casar. Revela-se então um universo onde os pais são sábios porém mais loucos que os adolescentes as mães são neuróticas mas corajosas as avós são lunáticas as filhas são belíssimas e os cães se apaixonam.




Cinco dias sem nora
Sinopse: Antes de morrer, a conservadora Nora (Silvia Mariscal) elaborou um plano para que José (Fernando Luján), seu marido, tenha que cuidar pessoalmente do velório e fazer as rezas obrigatórias pela tradição judaica, ao longo de cinco dias. Só que a situação muda de figura quando José encontra uma foto e uma carta, deixadas embaixo da cama, em que Nora aparece com um homem que ele não conhece.



Me Sigam no Facebook e Twitter:

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Cine Especial: IRMÃOS COEN: Parte 4

Nos dias 30 e 31 de Julho estarei participando do curso sobre a vida e obra dos Irmãos Coen no Museu da Comunicação (Rua dos Andradas, 959 - P. Alegre / RS). Enquanto os dois dias não vem, por aqui, estarei postando tudo o que eu sei sobre esses grandes irmãos cineastas.

FARGO
Sinopse: Em uma fria cidade americana, um vendedor endividado contrata dois marginais para seqüestrarem sua esposa, já que pretende receber do sogro o resgate.
Suspense e humor negro neste exemplar do irmãos Coen, premiado com a Palma de Ouro de melhor direção em Cannes É um dos melhores trabalhos da dupla, muito embora, todo o trabalho da direção ficou mais para Ethan. A produção e o roteiro é dele e de Joel Coen. Menos rebuscados esteticamente e mais afiados nos diálogos eles enveredam pelo universo caipira americano com personagens extraídos da realidade (a quem diga que o filme é baseado em fato verídico), sempre vistos com uma ponta de ironia. Frances Mcdormand, na pele de uma policial grávida, brilha em momentos ao mesmo tempo patéticos e hilariantes. Com essa atuação ganhou o Oscar de melhor atriz e os irmãos Coen de melhor roteiro.

Curiosidade: As filmagens das cenas externas de Fargo tiveram que ocorrer em vários lugares diferentes em Minnesota, na Dakota do Norte e no Canadá, pois como a primavera estava se aproximando a neve dos locais de filmagens estavam começando a derreter;


Me Sigam no Facebook e Twitter:

Cine Especial: HAMMER: Parte 5

QUANDO DRÁCULA NÃO ESTAVA DISPONIVEL
Quando Drácula: O Vampiro da Noite fez um grande sucesso, os engravatados da Hammer logo perceberam a galinha dos Ovos de ouro que tinham em mãos, ou seja, tanto Drácula como o gênero do vampirismo em si, poderia gerar bom lucro para o estúdio, desde que feito com qualidade. Mas quando Drácula não estava nos planos do estúdio, eles acabavam dando um jeitinho para explorar o mundo do sangue sugas de outra forma, confiram:


AS NOIVAS DE DRÁCULA
Sinopse: Mantido cativo por sua mãe em seu castelo, o Barão Meinster recebe a ajuda de uma jovem e incauta professora, que o liberta, sem saber que o rapaz era na verdade um vampiro. O Dr. Van Helsing novamente entra em ação na sua caça para libertar todos os discípulos de Drácula da terrível maldição do vampirismo.
Continuação de Drácula: O Vampiro da Noite. Apesar do titulo e ser mencionado pelo narrador no inicio do filme, Drácula não da às caras nesta produção, muito embora, os elementos que fizeram do filme anterior um grande sucesso estão lá, como o clima gótico, castelos sinistros e benditas tavernas onde se encontra sempre algumas pessoas do vilarejo, que na maioria das vezes são sempre covardes perante o assunto de vampiro.
Do filme original, retorna Van Helsing e novamente interpretado pelo ótimo Peter Cushing que sabe transmitir toda a segurança que o personagem passa para as pessoas que estão em perigo na historia. Terence Fisher que antes, não só havia feito o filme anterior da serie Drácula, como também outros de sucesso para o estúdio, logicamente foi chamado para fazer o que melhor sabia na época, um filme gótico, que funciona ainda hoje, mesmo visto para alguns que acham o filme um tanto que inocente, pelo fato do bem e do mal serem bem definidos na trama, ou seja, na época que vampiro bom era vampiro morto.



O BEIJO DO VAMPIRO
Sinopse: Gerald e Marianne Harcourt estão viajando de carro, quando seu veículo quebra e eles são obrigados a passar alguns dias numa pequena e remota comunidade. Logo, eles são convidados a visitar o castelo do Dr. Ravna, o líder de um culto vampírico e que se sente atraído por Marianne.
Dirigido por Don Sharp, esse filme da Hammer, assim como os anteriores, mantém a mesma formula de sucesso dos filmes do estúdio, muito embora, a religião tão bem presente na cine serie Drácula por exemplo, não da as caras nesta produção e sim um ritual de bruxaria que é usado em um momento chave da trama.
Fora isso, o filme é tudo que se espera do estúdio, portanto já temos uma nítida idéia do que assistirmos do inicio ao fim da trama. Clifford Evans que antes havia sido visto como o pai adotivo do personagem de Oliver Reed em A Maldição do Lobisomem, aqui aparece como uma espécie de Van Helsing, mas movido com um desejo de vingança que culminara com um ato final extraordinário onde inúmeros vampiros são destruídos de uma forma ate então inédita naquela época.


Me Sigam no Facebook e Twitter:

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Cine Especial: IRMÃOS COEN: Parte 3

Nos dias 30 e 31 de Julho estarei participando do curso sobre a vida e obra dos Irmãos Coen no Museu da Comunicação (Rua dos Andradas, 959 - P. Alegre / RS). Enquanto os dois dias não vem, por aqui, estarei postando tudo o que eu sei sobre esses grandes irmãos cineastas.


AJUSTE FINAL
Sinopse: Tom Regan, conselheiro de um chefão do crime nos anos da Lei Seca, tenta manter a paz entre famílias mafiosas rivais, mas se vê envolvido numa trama em que nada é exatamente o que parece ser.
Inúmeras traições e reviravoltas em uma trama complexa escrita pelo diretor e seu irmão Ethan. Namorando bastante o gênero de filme de máfia, o filme é de um impressionante requinte, fugindo aos clichês do gênero. A violência é estilizada e poética, como na memorável seqüência do atentado a casa do chefão. Rodado em Nova Orleans, com uma ótima fotografia de Barry Sonnenfield (diretor da Familia Addams)

Curiosidades: Quando Tom visita Drop Johnson, é possível ver um pôster de boxe à direita da entrada, onde abaixo aparece escrito "Lars Thorwald". Este é o nome do personagem de Raymond Burr em Janela Indiscreta (1954);
O diretor Sam Raimi e a atriz Frances McDormand, casada com o diretor Joel Coen, aparecem em pequenas pontas.

Me Sigam no Facebook e Twitter:

Cine Dica: Em DVD e Blu-Ray (20 07 11)

JOGO DE PODER
Sinopse: O diplomata Joseph Wilson (Sean Penn) escreveu um editorial para o jornal New York Times, no qual alega que a administração do presidente George W. Bush manipulou informações de relatórios sobre a existência de armas de destruição em massa no Iraque, de forma a justificar a invasão. Como retaliação Valerie Plame (Naomi Watts), esposa de Wilson e agente secreta da CIA, tem sua identidade revelada intencionalmente. É o início da luta de Wilson para que os responsáveis por este ato, um crime federal, sejam punidos. Ao mesmo tempo Valerie precisa se adaptar à nova realidade, afastada do trabalho e com a vida exposta pela imprensa.
Muitos atribuem o sucesso da trilogia Bourne graças ao ótimo desempenho da direção de Paul Greengrass no segundo e terceiro filme, mas temos que levar em conta que tudo começou apartir do primeiro filme cujo responsável foi Doug Liman que por um motivo ou outro, acabou sendo substituído nas continuações seguintes. Mesmo assim, Doug segue com uma carreira discreta, mas que chama atenção por sua direção agiu e segura, mesmo em filmes que não exigem cenas de perseguição e luta e Jogo do Poder é uma bela prova disso. Único filme americano do ano passado a competir em Cannes, a trama gira em torno de um casal que não se intimidou em acusar a administração do presidente Bush que inventou uma desculpa esfarrapada para invadir o Iraque e o resto da historia todo mundo já sabe. Doug Liman não se intimida em retratar os homens do poder como verdadeiros vilões da trama e não teria como ser diferente, já que atualmente, até mesmo o povo americano em geral sabe que aquilo tudo não passou de uma grande piada de mau gosto, muito embora seja mostrada a paranóia da época em que qualquer um que não fosse americano poderia ser muito bem um terrorista.
Vistos juntos em filmes como 21 Gramas (2003) e O Assassinato de Richard Nixon (2004), Naomi Watts e Sean Penn novamente demonstram ter boa química juntos na frente das câmeras e ambos merecem aplausos a todo momento quando retratam o casal em crise, principalmente Penn que esta mais do que a vontade em um filme que cutuca o famigerado governo de Bush e que ele na vida real sempre foi contra.
Ágil e refinado, o filme é um de muitos ótimos filmes que irão surgir para retratar os anos que o povo americano vivia da mentira e da paranóia num mundo pós 11 de setembro.

Curiosidade: Inicialmente seriam Nicole Kidman e Russell Crowe os protagonistas de Jogo de Poder.


RANGO
Sinopse: O filme conta a história cômica e transformadora de Rango um camaleão protegido que vive como animal de estimação e que enfrenta uma grande crise de identidade. Afinal o quão alto pode ser seu objetivo quando o propósito de sua vida é se adaptar?
Sempre quando da, o cinema norte americano tenta resgatar esse que foi um dos gêneros mais filmados da historia, o faroeste, que infelizmente durante as ultimas décadas acabou sofrendo pela falta de interesse do publico e por historias melhores, contudo nem tudo esta perdido. De uns tempos para cá, cada vez mais vem surgindo títulos do gênero (como o grande sucesso Bravura Indômita) que alem de filmes que tentam resgatar esse gênero, acabam também surgindo filmes que prestam uma homenagem aos bons e velhos tempos como esse ótimo Rango.
Dirigido pelo sortudo Gore Verbinski (dono da bilionária trilogia Piratas do Caribe) o filme que conta a historia de um camaleão em busca de sua identidade através de uma cidade que sofre pela falta de água, nada mais é do que uma mera desculpa para soltar inúmeras homenagens ao gênero. Para começar, não faltam momentos que o filme remete diretamente aos filmes de Sergio Leone como a trilogia do estranho sem nome e de sua obra prima Era uma vez no Oeste, ou vai me dizer que aquele barulhinho do ventilador é tirado de onde? Uma clara referencia ao barulho que o moinho de vento fazia no inicio do clássico estrelado por Henry Fonda.
O bom disso, que o filme, não somente é pura diversão para os jovens como também diversão garantida para os adultos que curtiam antigamente esses filmes e durante a projeção ira contar as inúmeras referencias que o filme faz. Fora isso, os personagens são cativantes, onde cada um tem uma personalidade distinta e bem detalhada, tanto do modo de ser como fisicamente, alias, devo tirar o chapéu para a primeira incursão da Industrial Light & Magic de George Lucas em animação já que os seus personagens possuem cada detalhe tão realista que parece que realmente os bichos do deserto resolveram se vestir e falar como gente. Mas não é só isso, o filme reserva momentos de pura ação como na seqüencia da perseguição do desfiladeiro que não só faz uma homenagem ao clássico Nos Tempos das Diligencias como também ao filme de guerra Apocalypse Now e mesmo sendo uma referencia, soa algo irresistível e original
Com ato final de reserva uma aparição pra la de inusitada de um clássico personagem do gênero, Rango já é considerado um dos melhores filmes do ano que soube, não somente ser uma boa animação, mas que também soube fazer uma bela homenagem ao gênero sem ser repetitivo.

NOTA: Aproveitem e confiram também As Inspirações de Rango que escrevi na época da estréia do filme.  

Me Sigam no Facebook e Twitter:

terça-feira, 19 de julho de 2011

Cine Dica: Em Cartaz: HARRY POTTER: E AS RELIQUIAS DA MORTE: PARTE 2

O ADEUS EM GRANDE ESTILO
Sinopse: Na segunda parte do final épico da série a batalha entre o bem e o mal no mundo da magia se torna uma guerra entre centenas de bruxos. Os riscos nunca estiveram tão altos e nenhum lugar é seguro o suficiente. Assim Harry Potter precisa se apresentar para fazer o seu último sacrifício enquanto o confronto final com Lorde Voldemort se aproxima. Tudo acaba aqui.
Sem sombra de duvida, que ao longo dos anos, a saga Harry Potter será sempre lembrada como uma das franquias mais arriscadas e bem sucedidas da historia do cinema. Sucedida isso todo mundo sabe, digo arriscada pelo fato de manter não só o elenco original desde o inicio, como também jamais deixar a qualidade das adaptações caírem em cada capitulo e isso já um feito e tanto, principalmente se comparada a outras franquias que vai piorando em cada capítulo que é lançado. Mas talvez o grande acerto fosse apartir do quinto filme, quando foi escolhido o diretor David Yates, que acabou sabendo injetar maturidade e um calor mais humano nos personagens ao longo dos anos.
Com isso, Yates teve toda a tranqüilidade de dirigir os dois últimos filmes ao mesmo tempo e como a franquia estava mais do que estabilizada no gosto do publico e critica, eis que ele ousa de uma forma incrível no penúltimo capitulo ao colocar o trio de heróis em situações ate então inéditas e num ritmo lento, mas nunca aborrecido. Mas se faltava ação no filme anterior, toda ela se passa nesta ultima fase onde os heróis precisam destruir os objetos que dão vida ao grande vilão da saga, mas ao mesmo tempo Harry enfrentara a grande verdade sobre segredos que ele jamais imaginava. Falando em segredos, o espectador que jamais leu os livros, deve se sentir muito surpreso ao conhecer somente no final da saga a verdadeira natureza das motivações do personagem de Severo Snape (Alan Rickman ótimo), pois nunca tínhamos uma exata certeza do que ele realmente queria, mesmo tendo sido responsável pela morte de Dumbledore no sexto filme. Aqui é explicado de uma forma impressionante, onde enlaça todas as perguntas que ficavam no ar dos filmes anteriores, e isso tudo graças a boa direção que todos os envolvidos tiveram nas produções anteriores e principalmente ao desempenho de Rickman que soube passar toda ambigüidade que o personagem tinha ao longo desses anos.
Apesar do filme ser o mais corrido e cheio de ação dentre todos os capítulos, a também espaço para reflexões sobre a vida e a morte que o personagem já havia começado a enfrentar apartir do quarto filme. Harry precisou amadurecer e vencer os obstáculos da vida da pior maneira possível. Vendo pessoas queridas partindo e sem puder fazer nada, mas é algo que ele tinha que aprender, pois isso é a vida. Pessoas morrem e isso é inevitável, mas não quer dizer que não possa ser superado e o filme é corajoso ao tocar num assunto tão espinhoso, mas muito bem representado na partida dos aliados do protagonista numa forma muito bem orquestrada pelo diretor. Curiosamente o próprio Harry teve que enfrentar a sua própria morte e é neste momento que ocorre um dos momentos mais interessantes da saga, onde ira reaparecer um velho conhecido ao lado do herói, se tornando um dos momentos mais cruciais e interessantes. Reflexões e momentos chaves a parte, o filme ainda nos brinda com um ato final cheia de moral onde herói e vilão ( Ralph Fiennes assustador) tem o grande confronto no mano a mano que não deve nada aos clássicos filmes de faroeste do estilo mocinho contra bandido. Mas nem todas as glorias ficam somente para Harry, pois há espaço para os coadjuvantes darem seu show a parte. Se Hermione e Rony (Rupert Grint, Emma Watson) cumprem os seus deveres de amizade e lealdade com o amigo (e finalmente encerrando a novela do beija ou não beija de ambos) o personagem Neville Longbottom (Matthew Lewis) participa de um momento crucial e muito importante da trama além de ser o protagonista dos momentos mais divertidos.
Com os minutos finais que enlaçam e fazem uma referencia aquele pequeno Harry Potter do primeiro filme que mal sabia o que se tornaria futuramente, a saga do jovem bruxo se encerra de uma forma tão redondinha e perfeita que no fundo desejamos voltar novamente Hogwarts para participarmos novamente das aventuras quase anuais que tivemos ao longo desses dez anos de aventura e fantasia. Sentimento como esse que não sentia desde que a trilogia do Senhor dos Anéis que se encerrou no final de 2003 e só tendo esse sentimento, já um feito e tanto. Sentiremos saudades.

Me Sigam no Facebook e Twitter:


http://pt-br.facebook.com/people/Marcelo-Constantine/100001635958492
http://twitter.com/#!/cinemaanosluz

sexta-feira, 15 de julho de 2011

CINE ESPECIAL: HARRY POTTER: O FIM DE UMA ERA.


Chegamos a um final de semana com pouquíssimas estréias no cinema, mas isso é mais do que lógico. Afinal, quem vai querer competir com o jovem Bruxo Harry Potter?
Mais do que uma simples estréia de um capitulo de uma cine serie, a ultima aventura de Potter no cinema esta se tornando o grande evento cinematográfico deste ano, onde em todo lugar esta sendo divulgado, seja TV, internet ou jornal, a Potter mania ira se estender por vários e vários dias. Tenho algo contra a isso? Nem um pouco. Não sou fanático pela cine serie, mas duas coisas eu tenho que concordar. Uma, pelo fato da serie de livros do personagem ter despertado o interesse dos jovens em querer lerem livros, numa época que estava havendo um desinteresse muito grande, por parte dos jovens, pela leitura e isso lá pelos anos de 1999. Pode não ser nenhuma obra prima, mas desde que tenha feito uma geração inteira desinteressada a ler novamente, está mais do que valendo. O segundo motivo é a apreciação que sinto ao assistir a cada capitulo e observar as mudanças graduais que a serie foi passando. De uma aventura colorida com pequenos bruxinhos, foi passando por historias mais sombrias e que ao mesmo tempo foi explorando amadurecimento e o lado psicológico dos personagens, principalmente de seu protagonista.
Por conta disso, é mais do que lógico que a cine serie Harry Potter fará falta. Um exemplo de grande saga cinematográfica que foi crescendo e jamais perdendo os seus fãs, diferente de outras que em cada capitulo é lançado, vai perdendo o publico devido a sua qualidade ficar emperrada e não conseguir superar o inicio da saga.
Abaixo, deixo as principais matérias do que eu já  fiz sobre a saga até aqui e em breve, minha critica sobre o capitulo final. Cliquem nos links abaixo e boa leitura.


UM RESUMO DE CADA CAPITULO DA SAGA:


MINHA CRITICA SOBRE HARRY POTTER: E O INIGMA DO PRINCIPE:



MINHA CRITICA SOBRE HARRY POTTER: E AS RELIQUIAS DA MORTE: PARTE 1:

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Cine Especial: HAMMER: Parte 4

OS DOIS LADOS DA MESMA MOEDA
Escrito por Robert Louis Stevenson e publicado em 1886, O Médico e o Monstro se tornou um dos grandes sucessos da literatura, principalmente para aqueles que procuram uma boa dose de suspense e ficção. Com o sucesso do livro, era inevitável que um dia surgissem inúmeras adaptações para o cinema e houve varias, dentre elas, a mais conhecida, foi à adaptação de 1931 que rendeu o Oscar de melhor ator para Fredric March. Os estúdios Hammer por sua vez não ficou atrás em adaptar a obra na sua forma de fazer cinema na época e com isso, surgiram dois filmes baseados na obra, mas que diferem uma da outra. Confiram:

O MONSTRO DE DUAS FACES
Sinopse: Londres, 1874. Henry Jekyll (Paul Massie) é um dedicado pesquisador que há 6 anos está casado com Kitty (Dawn Addams), mas lhe dá pouca atenção. Com isso ela se apaixonou por Paul Allen (Christopher Lee), o maior amigo de Jekyll. Paralelamente Henry desenvolve uma fórmula que faz vir à tona o lado negro de cada ser e, ao aplicar em si esta droga, Jekyll se altera não só psicologicamente como fisicamente. Logo ele está na Sphinx, uma casa noturna cara mas de má reputação. Lá encontra Kitty e Paul, que conversam com ele. Logo Jekyll está dançando com Kitty, que não imagina que este desconhecido que diz se chamar Edward Hyde é o seu marido, que ela tanto evita. Este encontro marca o início de várias tragédias.
Dirigido (novamente) por Terence Fisher, a produção se diferencia se comparado ao livro. Ao começar pelo fato de que aqui, Hyde não tem um aspecto monstruoso e sim de um homem bonito, mas com um olhar diabólico, dando a entender, que o diretor quis passar a idéia de que o mau esta em todo o lugar, não importa o seu aspecto, seja feio ou bonito. Mesmo desconhecido por boa parte do publico, Paul Massie tem um ótimo desempenho fazendo o papel duplo do protagonista e mesmo auxiliado pela maquiagem, o ator soube criar uma interpretação que diferenciasse uma da outra. Novamente, Christopher Lee retornaria nesta produção para trabalhar com Fisher, mas como personagem secundário, mas importante para a trama. Curiosamente, Lee faria Henry Jekyll numa versão interessante feita pelo estúdio rival Amicus.

Curiosidade: Oliver Reed (A Maldição do Lobisomem) aparece num pequeno papel em uma festa


O Médico e a irmã monstro
Sinopse: Na busca pelo elixir da vida eterna, o Dr. Henry Jekyll começa a usar hormônios femininos retirados de cadáveres frescos fornecidos por Burke e Hare .Estes têm o efeito de alterar não só o seu comportamento (para pior), mas também de mudar seu gênero, transformando-o em uma linda porém diabólica mulher.
Feito em 1971, é baseado no conto, mas foi a produção que mais teve liberdade para criar algo que se diferenciasse do livro. É notável por mostrar Jekyll se transformar em um Hyde feminino, mas também incorpora elementos da história de Jack - o Estripador, e o caso Burke e Hare, dois imigrantes irlandeses que mataram 17 pessoas em Edimburgo , na Escócia, e venderam seus cadáveres para dissecação.
Apesar do elenco desconhecido, a produção é bem redonda e caprichada, mesmo numa época que o estúdio estava começando a entrar em decadência. Do elenco desconhecido, se destaca Ralph Bates e Martine Beswick, ambos fazendo o protagonista(s) da trama.