Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Cine Especial: HAMMER: Parte 3

ELES TAMBÉM TIVERAM A SUA VEZ
Diferente da Universal, que criaram inúmeros filmem para cada um dos grandes conhecidos monstros do cinema, o estúdio Hammer acabou se concentrando mais somente em Drácula e Frankenstein, criando assim, para cada um, uma estensa franquia. Entretanto, outos tiveram sua vez, pelo menos uma unica vez. Confiram:

A MALDIÇÃO DO LOBISOMEN
Sinopse: Bebê indesejado, nascido na noite de Natal, caiu uma terrível maldição. Criado por Don Alfredo, o jovem Leon passa a sofrer transformações com a chegada da lua cheia. Só o amor verdadeiro e a compreensão podem salvá-lo de seu terrível destino.
Diferente de outras produções que sempre deixam claro a origem da besta, aqui existe uma certa duvida do porque do homem virar fera. Para começar, a historia possui duas partes e a primeira que mostra a tragetoria de um pobre mendigo, que por sua vez perde a razão e acaba estuprando uma garota que dava algo para comer numa prisão. Gravida, a vitima é acolhida, mas logo morre no parto e o que gera um menino que futuramente viraria a se tornar um lobisomem. No decorrer disso, é levantada inumeras teorias sobre a origem da maldição, mas é o propio espectador que devera tirar suas propias conclusões. Novamente, é Terence Fisher que comanda esse espetaculo gotico e que revelou até então um desconhecido talento, Oliver Reed. Ator com uma forte expressão e que viria a fazer dentre outras coisas, atuar em uma caprichada adaptação dos Três Mosqueteiros.
Curiosamente, A Maldição do Lobisomem foi a unica investida do estudio Hammer com relação ao mostro. Contudo, é uma produção muito bem lembrada por ser muito bem caprichada, mesmo com os poucos recursos da epoca.


A MUMIA
Sinopse: Stephen Banning (Felix Aylmer) e seu filho John (Peter Cushing) viajam ao Egito, em busca das relíquias arqueológicas do túmulo da Princesa Ananka (Yvonne Furneaux). Mesmo avisados quanto ao risco que corriam, ignoraram tais ameaças e profanaram a cripta, acordando de seu sono milenar Kharis (Christopher Lee), sacerdote condenado a vigiar eternamente o túmulo, gerando uma série de terríveis acontecimentos.
Versão melhor e muito superior se comparada a clássica produção de 1931 da Universal. Terence Fisher realmente tirava leite de pedra, pois mesmo com poucos recursos que o estúdio tinha, o diretor criava todos os elementos para se fazer uma historia cheia de suspense.
E como não poderia deixar de ser, Peter Cushing e Christopher Lee voltam juntos em cena. Esse ultimo sendo a propia Mumia e esta completamente assustador, muito mais que o propio Boris Karloff que interpretou o mesmo personagem anos antes. Os melhores momentos da trama ficam na parte onde mostra a verdadeira origem da mumia e sua maldição. A produção renderia mais dois filmes do mesmo genero, mas sem ligaçao alguma com esse, muito menos por possuir a mesma qualidade deste que atualmente é muito bem lembrado.

Um comentário:

ANTONIO NAHUD disse...

Desses só vi A MÚMIA e gostei muito.
Abração e apareça

O Falcão Maltês