Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio e comunicador do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 22 de junho de 2022

Cine Dica: Em Cartaz - 'A Colmeia'

Nota: O filme entra em cartaz dia 30 de Junho. 

Sinopse: Um grupo de imigrantes alemães vive em isolamento no interior (não por acaso) do Sul do Brasil e que começa a sofrer uma opressão – de vários sentidos – em uma situação de fome e colapso.     

O filme "A Bruxa" (2015) Robert Eggers chamou atenção do público e da crítica do mundo todo ao criar uma atmosférica mórbida, alinhada com um terror psicológico e cujo o lado sobrenatural quase ficava em segundo plano. O filme levantou mais a bandeira do cinema "pós-terror", onde monstro tradicional fica de lado, dando espaço para o horror mais verossímil e muito próximo de nós do que imaginamos. "A Colmeia" (2021) segue uma premissa parecida, onde o isolamento de uma família alemã acaba se tornando um desafio para todos e gerando uma atmosfera pesada e imprevisível.

Dirigido por Gilson Vargas, o filme conta a história de um grupo de imigrantes alemães vive isolado no interior do sul do Brasil. Eles tentam ser invisíveis, mas o medo do que pode estar no seu entorno os faz frágeis e os leva a violentos conflitos entre si. Mayla, a jovem adolescente luta para fugir daquele lugar. Oprimida pelos adultos e traída pelo próprio irmão gêmeo, ela tem um destino sombrio e diferente do que esperava. A carne de Mayla é doce num tempo amargo e obscuro.

Se no filme de Robert Eggers citado acima o horror começa a partir da desconfiança de que há uma Bruxa na floresta, aqui a premissa é parecida, mais basicamente pelo fato dessa família ser alemã justamente em que a Segunda Guerra Mundial estava estourando e o nazismo estava assombrando o mundo. Por conta disso, vemos uma família se isolar devido ao medo do preconceito, mas tendo que enfrentar o fato de que os jovens dali não estão interessados em viver em um único lugar durante os próximos anos. Isso gera um conflito no núcleo familiar e fazendo com que a situação tome rumos que pode não haver retorno.

Tecnicamente, o filme possui uma fotografia pálida, como se aquele ponto escondido do mundo não houvesse vida, mesmo com a presença das pessoas e dos animais em volta. Vale destacar a edição de som caprichada, da qual um grito acaba ecoando de forma tão intensa que fará muitas pessoas pularem das cadeiras durante a sessão e fazendo a gente temer com relação ao que a gente for enxergar na cena seguinte.  Gilson Vargas, por sua vez, capricha no enquadramento ao focar as expressões dos atores e cujo os seus olhares fazem a gente ter uma sensação peculiar com relação aos seus personagens.

Curiosamente, o filme toca em assuntos espinhosos do passado, mas que ecoam até mesmo nos dias de hoje. Se a imigração de ontem e hoje ainda rende certos debates acalorados, o mesmo pode-se dizer com relação aos verdadeiros donos da terra, dos quais são roubados e cujos os mesmos acabam sendo isolados em qualquer ponto do mundo. Isso é muito bem representado por dois índios que se encontram isolados dentro de uma caverna e cujo os mesmos podem ter alguma ligação com os eventos que estão provocando o desiquilíbrio daquela família.

Com um final que levanta mais perguntas do que respostas, "A Colmeia" é sobre os medos que as pessoas tem sobre algo invisível e cujo o isolamento acaba sendo não a solução, mas sim a sua perdição final.  


Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: