Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Cine Dica: Em Cartaz: THELMA



Sinopse: Depois de se mudar para Oslo, uma estudante norueguesa vai passar pelos momentos mais estranhos de sua vida. Isso porque, inesperadamente, ela acaba descobrindo que tem poderes sobrenaturais e, para completar, está perdidamente apaixonada.

Imagine um filme dos X-Men, do qual é ainda mais com um pé dentro da realidade e que o maior vilão seria o próprio conservadorismo da nossa sociedade. Imagine uma realidade em que uma jovem possui poderes fora do comum, mas não há um Charles Xavier para poder guiá-la.  Assim é o universo apresentado em Thelma, da qual a realidade esconde pessoas com dons especiais, mas dos quais sofrem por uma opressão imposta pela intolerância e fé cega.
Dirigido por Joachim Trier (Mais forte que bombas), acompanhamos o dia a dia de Thelma (Eili Harboe), uma jovem recatada e sempre sendo observada de longe pelos pais conservadores. No decorrer dos dias ela conhece a estudante Anja (Kaya Wilkins) da qual se apaixona, mas que faz despertar nela desejos nunca antes sentidos, assim como um poder vindo dela adormecido. Tendo sido criada em meio a fortes crenças, Thelma começa a descobrir aos poucos o que ela é relembrando um passado que até então ela havia esquecido.
Já nos primeiros minutos o cineasta Joachim Trier faz questão de mover a sua câmera como uma espécie de segunda pessoa em cena e da qual observa Thelma a todo momento. Aos poucos percebemos algo de errado no ar, desde as mudanças do clima, sons estranhos e os pássaros agindo de forma peculiar. Esses momentos ocorrem onde Thelma se encontra e de acordo com o que ela está sentido num determinado momento.
Basicamente a trama é sobre a passagem da inocência para um cenário de descobertas, mas que a repressão que a própria protagonista causa nela, não somente lhe prejudica, como também pode causar certo perigo para as outras pessoas em volta. Não tendo opção, Thelma recorre aos seus pais, mas que, ao invés de ajudá-la, seguem somente uma visão retrógrada e impondo isso a ela de uma maneira errônea. Porém, não esperem desses pais uma aura perversa, assim como foi visto na mãe movida pela fé ensandecida no clássico Carrie: A Estranha, mas sim conhecemos gradualmente através de Flashbacks as raízes do porque eles agirem dessa maneira e fazendo a gente compreender então a dor e o medo que eles sentem pela própria filha no dia a dia.  
Tecnicamente o filme possui uma fotografia maravilhosa, onde cada quadro é uma verdadeira revelação e sintetizando até mesmo os pensamentos vindos do mais fundo do consciente da protagonista. Embora sejam elementos fantásticos que movem a trama, é interessante como o cineasta injeta um alto-grau de verossimilhança e nos dando a entender que tudo o que acontece tem então uma explicação plausível. Pegamos, por exemplo, a cena em que a protagonista tem uma experiência sexual, mas que começa a ser envolvida por uma cobra em meio aos desejos que ela antes nunca havia sentido.
Podemos simplificar que aquele momento seria uma forma de manifestação do poder dela a partir do momento em que ela sente sensações que a deixam insegura e fazendo com o seu dom interior reaja. Porém, a cena em questão, seria na realidade um pensamento de acordo com o entendimento que ela tem com relação ao sexo a partir dos ensinamentos conversadores que ela obteve vindo dos seus pais. A opressão aqui, aliás, não faz com que ela tenha uma vida dentro dos trilhos, mas faz com que ela se encaminhe cada vez mais pelos prazeres do mundo contemporâneo e tendo cada vez mais curiosidade sobre os seus reais dons nunca antes alcançados em total plenitude.
Thelma é uma pequena fábula, onde o verdadeiro mal se encontra na desinformação e nas atitudes retrógradas vindas de uma sociedade conservadora.   




Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

2 comentários:

OnPlay! disse...

Nossa! parece ser um com filme.
Abraços https://strangerboy01.blogspot.com.br/

Marcelo Castro Moraes disse...

Sim e vale a pena. Confira