Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Cine Dica: Em Cartaz: Corpo de Delito




Sinopse: Preso há oito anos, Ivan Silva ganhou o direito de sair da cadeia em regime semiaberto, mas pena para se adaptar à nova rotina. Apesar de estar livre da superlotação carcerária, continua preso a uma tornozeleira eletrônica e compartilha entre quatro paredes seu incômodo com amigos e familiares, impossibilitado de sair às ruas e fazer o que realmente deseja sem ter os passos vigiados pela polícia.

Num país como o Brasil, em que os presídios se tornaram conhecidos pelo mundo devido a sua super lotação, a tornozeleira  eletrônica acabou sendo no princípio uma boa opção.  Porém, além do detido sofrer com o preconceito por ter estado preso, o aparelho eletrônico o faz com que fique limitado perante o mundo e não podendo desfrutar muito longe dos prazeres dos quais almeja obter. Corpo de Delito explora esse entrave na vida do apenado, do qual busca ao menos um mínimo de prazer, mas a realidade sempre acaba por bater na sua porta.
Dirigido pelo cineasta Pedro Rocha, o filme acompanha o dia a dia de Ivan Silva, apenado que ganha o direito de regime semiaberto, mas se vê obrigado a ter que usar uma tornozeleira eletrônica. No decorrer do tempo conhecemos a sua família, amigos e seus prazeres, mas dos quais não pode usufruir completamente. O protagonista então se vê numa corda bamba, pois não importa de que lado irá cair, pois em ambos os casos irá perder.  
Assim como no recente Meu Corpo é Político, o filme explora ás pessoas que vivem na periferia, mais precisamente nos bairros pobres e que tentam viver com o que possuem. Seguindo a tendência do cinema brasileiro independente, como Branco sai, Preto fica como um dos melhores exemplos dessa leva, o filme é uma espécie de “cinema verdade”, ou uma espécie de documentário que transita com a ficção, mas que soa real a todo momento. Corpo Delito é um documentário de observação, pois evita comentários em off, não conta com nenhuma voz exterior que dê significado às cenas, pois o sentido vem dessas cenas e apenas delas.
Ao vermos o protagonista retornando ao convívio com a família, presenciamos um incomodo vindo dele, mesmo que silencioso, pois há o desejo em querer ser livre e realizar diversos sonhos que não se encontram ao seu alcance. A liberdade vigiada, como sempre houvesse um grande olho em sua volta, é o que mais incomoda Ivam. Monitorado pelo aparelho eletrônico, ele só pode fazer o trajeto que o leva de casa ao trabalho e criando assim uma falta de perspectiva com relação ao que irá fazer posteriormente em seu futuro.
É claro que o marinheiro de primeira viagem, do qual nunca ficou numa situação parecida, irá logicamente preferir o monitoramento a conviver num inferno dos presídios super lotados.  Porém, o documentário deixa claro que sempre há um “porém’, principalmente quando se desvencilha de algo ruim, mas tendo que conviver com um preço que, por vezes, é muito alto para se pagar. O Ivan visto na tela é um jovem gente como a gente, arrependido dos seus crimes, querendo ao mínimo cair na balada, mas sabendo que o pequeno empecilho grudado em seu tornozelo pode lhe custar muito alto se der um sequer passo em falso. A pulsão da juventude tenta Ivam a cometer algo que ele sabe ser um desatino, mas que prefere abraçar o risco a ter que conviver numa pálida vida que poderia ter sido melhor um dia.  
Corpo de Delito é um documentário que destrincha a realidade dessas pessoas comuns que vivem nas já citadas periferias e que, infelizmente, vivemos num Brasil em que ainda teima a desconhecer.

Assista o trailer clicando aqui. 

Onde assistir: CineBancários. Rua General da Câmara 424, centro de Porto Alegre. Horários: de terça a domingo, às 17h.  



Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: