Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Cine Dica: A Resistência à Ditadura Militar na Sala P. F. Gastal


A RESISTÊNCIA ÀS DITADURAS MILITARES NA AMÉRICA LATINA EM MOSTRA DE FILMES NA SALA P. F. GASTAL
         
A Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) recebe entre os dias 30 de abril e 5 de maio uma mostra de filmes sobre a resistência às ditaduras militares na América Latina, que integra a programação da exposição Movimento de Justiça e Direitos Humanos – Onde a Esperança se Refugiou, em cartaz no andar térreo da Usina do Gasômetro desde o dia 25 de abril. A mostra será inaugurada às 19h do dia 30 de abril, com a pré-estreia do documentário inédito Dossiê Jango, de Paulo Henrique Fontenelle.
Entre os destaques da programação, filmes do cineasta Silvio Tendler (homenageado pelo evento) e produções de impacto como Cidadão Boilesen, de Chaim Litewski.
Toda a programação, que tem o apoio da Programadora Brasil, projeto do Ministério da Cultura destinado à difusão de filmes brasileiros,  tem entrada franca.
  
PROGRAMAÇÃO
  
Dossiê Jango, de Paulo Henrique Fontenelle (Brasil, 2012, 102 minutos)
Escolha do público do Festival do Rio 2012, o documentário alerta para a necessidade de investigação da morte do presidente e recupera os dias da deposição de João Goulart, seu exílio e morte. Sessão comentada por Christopher Goulart (neto de Jango) e Jair Krischke.
  
Os Anos JK – Uma Trajetória Política, de Silvio Tendler (Brasil, 1980, 110 minutos)
O filme aborda a história do Brasil: a eleição do presidente Juscelino Kubitschek, o nascimento de Brasília, a renúncia do sucessor Jânio Quadros, a crise política, o golpe militar e a cassação dos direitos políticos de JK. O foco é a trajetória política do “Presidente Bossa Nova”, popular entre os artistas, que propunha a aceleração no desenvolvimento do país rumo à modernidade e à ocupação de um lugar entre as potências mundiais. Referência para estudantes e pesquisadores, o filme já foi visto por 800 mil pessoas e ganhou vários prêmios. Sessão comentada pelos historiadores Francisco Cougo e Solon Viola.
  
Marighella – Retrato Falado do Guerrilheiro, de Silvio Tendler (Brasil, 2001, 55 minutos)
Deputado constituinte de 1946 e um dos principais dirigentes do partido Comunista, cassado quando o partido foi posto na ilegalidade, Carlos Marighella foi um dos líderes da luta armada contra a ditadura militar no Brasil. Em 1966, ainda no PC, propôs o caminho da guerrilha e por isso foi expulso. Fundou a Ação Libertadora Nacional, primeiro movimento armado pós-64 do país. O filme retrata a trajetória do professor Marighella, do deputado Marighella, do romântico guerreiro Marighella. Mas, acima de tudo, conta a história do homem Marighella.
  
Utopia e Barbárie, de Silvio Tendler (Brasil, 2010, 120 minutos)
Retrata e interpreta o mundo Pós-Segunda Guerra Mundial e suas transformações, as utopias que nele foram criadas e as barbáries que o pontuaram. Descreve o desmonte das utopias da geração sonhadora de 1968 e analisa a criação de novas utopias nesse mundo globalizado. Sessão comentada pelo diretor Silvio Tendler e por Jair Krischke.
  
Jango, de Sílvio Tendler (Brasil, 1984, 117 minutos)
O documentário captura a efervescência da política brasileira durante a década de 1960 sob o contexto histórico da Guerra Fria. Jango narra exaustivamente os detalhes do golpe e se estende até os movimentos de resistências à ditadura, terminando com a morte do presidente no exílio e imagens de seu funeral, cuja divulgação foi censurada pelo regime militar. Sessão comentada pelos jornalistas Juremir Machado da Silva e Carlos Alberto Kolecza.
  
Atletas e Ditadura – A Geração Perdida, de Marco Antonio Villalobos, Marcelo Outeiral e Milton Cougo (Brasil, 2007, 32 minutos)
A vida era mais segura no alto do pódio. Mas eles preferiram descer e enfrentar um adversário que tinha criado as próprias regras do jogo. "Atletas x Ditadura - A Geração Perdida" é um documentário que revela a cruel relação entre o esporte e a ditadura militar na Argentina. Em apenas oito anos de regime (1976-1983), cerca de 30 mil pessoas morreram ou desapareceram. Entre elas, jovens atletas que deixaram as competições para lutar pela liberdade. O ponto de partida é um discurso do Tenente-General Jorge Rafael Videla na despedida da seleção Argentina de rúgbi, que partia para o Campeonato Mundial, em 1978. No momento em que o ditador celebra a equipe como uma "embaixada da liberdade" no exterior, 17 jogadores do La Plata Rugby Club já tinham desaparecido nas mãos de agentes do seu governo. Com depoimentos e imagens inéditas, Atletas x Ditadura - A Geração Perdida mostra também a história de Adriana Acosta, uma jovem revelação do hóquei sobre a grama que desapareceu três dias antes do início da Copa do Mundo de 1978, uma competição que foi claramente usada como arma de manipulação popular pela ditadura. Nesse período, o tenista Daniel Schapira, que chegou a estar entre os 10 melhores do país, foi morto da Escola de Mecânica da Armada (ESMA), a poucas quadras do estádio Monumental de Nuñez, onde a Argentina conquistou seu primeiro título mundial. O documentário mostra, ainda, detalhes da passagem do corredor Miguel Sánchez pelo Brasil. O atleta foi sequestrado em casa dias depois de voltar da Corrida de São Silvestre, em São Paulo. E pode ter sido o primeiro esportista vítima da Operação Condor. São quatro histórias cruéis e envolventes que ajudam a contar uma parte esquecida de um dos períodos mais sombrios da América do Sul. Sessão comentada pelo diretor e jornalista Marco Antonio Villalobos e pelo historiador Ramiro José dos Reis.
  
Cidadão Boilesen, de Chaim Litewski (Brasil, 2009, minutos, 93 minutos)
Documentário que foca a vida de Henning Albert Boilesen, ex-presidente da Ultragaz, assassinado pela guerrilha em São Paulo, no dia 15 de abril de 1971. Boilesen, um dinamarquês naturalizado brasileiro, estava intimamente ligado à Operação Bandeirante (Oban), grupo paramilitar criado pelo II Exército para combater os guerrilheiros que lutavam contra a ditadura militar brasileira.
  
Mundial 78 – Verdad o Mentira, de Christian Remoli  (Argentina, 2007, 95 minutos)
Um documentário revelador da verdadeira trama do projeto mais ambicioso da ditadura argentina, a Copa do Mundo da Argentina de 78. Sessão comentada pelo advogado e jornalista Ibsen Pinheiro e pelo jornalista Cláudio Dienstmann. Exibição em espanhol sem legendas.
  
Programa Memória do Movimento Estudantil
Programa que reúne os médias metragens Ou Ficar a Pátria Livre ou Morrer Pelo Brasil e O Afeto que se Encerra em Nosso Peito Juvenil, ambos dirigidos por Silvio Tendler, que resgatam a memória do movimento estudantil, passando por diversos fatos marcantes da história brasileira, através de depoimentos de militantes e dirigentes de entidades representativas da classe, como Vladimir Palmeira, Rui César, Franklin Martins, e imagens de arquivo. Os dois documentários contam esses 70 anos de história a partir de dois pontos de vista. O primeiro deles, Memória do Movimento Estudantil – Ou Ficar a Pátria Livre ou Morrer pelo Brasil, é focado na história política e faz um percurso cronológico sobre o período. Já o segundo, Memória do Movimento Estudantil – O Afeto que se Encerra em Nosso Peito Juvenil, é mais subjetivo e explora, nas entrevistas e depoimentos, os aspectos culturais e comportamentais relacionados ao movimento estudantil.
  
Vale a Pena Sonhar, de Stela Grisotti e Rudi Böhm (Brasil, 2003, 75 minutos)
Retrata os sonhos e utopias de uma geração de homens e mulheres que dedicaram suas vidas à luta pela justiça, liberdade e democracia, tendo como fio condutor a história de Apolônio de Carvalho. Sua luta, sem fronteiras, junto aos republicanos na Guerra Civil Espanhola, na Resistência Francesa contra o nazismo e no combate à ditadura militar no Brasil nos anos 60, assim como fatos da vida cotidiana e familiar do militante de esquerda que assina a ficha número um de filiação do PT.
  
História de uma Vida Hermana, de Marco Antonio Villalobos, Milton Cougo e Universindo Rodriguez Diaz (Brasil/Uruguai, 2012, 23 minutos)
Ações arriscadas. Perigo. Os crimes enfrentados quando o Condor dominava os céus do Cone Sul da América. A solidariedade vencendo o medo. Duas mil pessoas que encontraram em Porto Alegre o endereço da esperança. A história de uma vida hermana não nos deixa esquecer a lição sobre a importância do reconhecimento. Em cada frase, em cada lembrança, em cada pensamento transborda a gratidão de irmãos uruguaios salvos pelo Movimento de Justiça e Direitos Humanos. São vidas hermanas que como todos os que prezam o sagrado direito à liberdade se juntam para homenagear e dizer em coro: Muchas Gracias, Movimento de Justiça e Direitos Humanos de Porto Alegre. Sessão comentada pelo diretor e jornalista Marco Antonio Villalobos, pelo psiquiatra José Outeiral e pelo  repórter cinematográfico Milton Cougo.

Mais informações e horários das sessões, vocês conferem na pagina da sala clicando aqui. 

    Me Sigam no Facebook e Twitter: 

Nenhum comentário: