Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Cine Dica: Em Cartaz: A Morte do Demônio (2013)



Sinopse: cinco amigos de vinte e poucos anos se isolam num chalé retirado. Quando descobrem um Livro dos Mortos eles inconscientemente invocam demônios adormecidos vivendo nas florestas adjacentes e os jovens um após outro vão sendo possuídos por eles até que resta somente um intacto para lutar pela sua sobrevivência.

Embora tenha sido anunciado em todo o mundo, que essa produção era uma refilmagem do clássico de 1981, o filme está mais para uma continuação da obra original de Sam Raimi. Produzido pelo próprio, o filme começa nos jogando no mesmo cenário do primeiro, dando a entender que os eventos vistos na trilogia anterior (mais uma cena do inicio desse filme), já aconteceram na cabana. Portanto não falta referencias daqueles filmes, desde a espingarda, porão, colar, cerra elétrica e ate mesmo o carro amarelo de Ash, que se encontra ali perto abandonado.     
Assim como no original, o filme é protagonizado por cinco amigos (Jane Levy, Lou Taylor Pucci, Shiloh Fernandez, Jessica Lucas e Elizabeth Blackmore), mas diferente das vitimas do filme de 81, aqui eles vão à cabana com a intenção de desintoxicar um deles que é viciado em drogas. Não é preciso ser gênio, que quando começa os ataques de abstinência da personagem de Jane Leyy, imediatamente eles se misturam com os ataques de possessão do demônio já a solta no local, que alias, é muito mais forte do que seus antecessores. Na verdade o humor negro tanto visto na trilogia original, aqui é zero e se vocês acreditam que as marcas registradas de Raimi se encontram em cena, já adianto que a única coisa dele que eu vi foi à clássica seqüência da câmera correndo na floresta e só.
Na verdade o filme do começo ao fim é do diretor Uruguaio Fede Alvarez, convidado por Raimi, que ficou impressionado com o curta que ele fez de um ataque alienígena na terra. Isso foi o suficiente para Alvarez, não só ganhar o emprego como diretor, como também de roteirista e injetando então personalidade própria em seu primeiro longa americano. O que vemos na tela, é uma visão pessoal de Alvarez com relação aquele universo já estabelecido, mas injetando idéias novas no que já existe e em dobro: sangue gore, mutilações e possessões desenfreadas para ninguém botar defeito. Sangue, alias, é uma coisa que fazia tempo que não via na tela grande e aqui não tem o que reclamar, pois da à sensação de que a qualquer momento irá nos respingar.
Infelizmente isso também é o maior defeito do filme, pois Alvarez talvez tenha se preocupado mais em querer chocar com cenas fortes, do que criar cenas assustadoras criativas, que fizesse com que o publico pulasse da cadeira, sendo que elas, da para se contar nos dedos. Pouco posso falar sobre o desempenho do quinteto, já que eles estão somente ali para serem vitimas das inúmeras situações que viram a seguir. Muito embora, devo reconhecer o esforço de Jane Levy, já que da para ver que ela sofreu o diabo (literalmente) durante todo o processo de produção, desde há usar uma maquiagem “a lá Linda Blair” e ser enterrada viva por vários minutos.
Com um ato final que foge um pouco do que acontece no original (embalado com inúmeros litros de sangue) o filme pode até terminar de uma forma previsível, mas deixando o território armado para uma possível seqüência, que alias, podemos já ter uma idéia do que irá acontecer. Se você for paciente, assista á todos os créditos finais, para escutar uma narração off conhecida dos fãs da trilogia original e dar de encontro com um rosto super conhecido desse universo criado por Raimi.    

Leia também: Tudo sobre os filmes de Sam Raimi clicando aqui. 

Me Sigam no Facebook e Twitter: 

2 comentários:

Bússola do Terror disse...

Então, guardando-se as devidas proporções de diferença, é a mesma coisa que o Silvio de Abreu fez com Guerra dos Sexos, né? É um remake-continuação.

Marcelo Castro Moraes disse...

É,mais ou menos isso, embora eu deteste comparar filme com novela brrrrrrr.