Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 19 de junho de 2018

Cine Especial: Clube de Cinema de Porto Alegre: A Câmera de Claire



Nota: filme exibido para associados e não associados no último sábado (17/06/18).


Sinopse: Durante uma viagem de trabalho ao Festival de Cannes, a jovem coreana Manhee é demitida após ser acusada de desonestidade. Ao mesmo tempo, Claire, uma professora e escritora francesa, anda pela cidade fotografando com sua câmera Polaroid. Por acaso, essas duas mulheres se conhecem e têm uma conexão quase instantânea, em meio a reveladoras coincidências.

Logo após a reinauguração da Cinemateca Capitólio de Porto Alegre alguns anos atrás, eu tive o prazer de assistir nas suas primeiras semanas de atividade o filme A Visitante Francesa, sendo que foi o primeiro longa que eu vi do cineasta coreano Hong Sang-soo. Ele já era um cineasta reconhecido mundialmente, mas acho que eu o conheci justamente num momento em que ele começou a tentar exorcizar os seus conflitos vindos do seu intimo e criando filmes dos quais nos fale um pouco sobre a sua pessoa. Posteriormente vieram Lugar Certo, História Errada; Na Praia á Noite Sozinha; O Dia Depois e agora A Câmera de Claire do qual, novamente, ele não se intimida em falar sobre ele mesmo na tela através de uma história fictícia.
A trama se passa durante o Festival de Cannes, onde a jovem coreana Manhee (novamente Kim Min‑hee) é demitida pela produtora Yanghye (Mi-hie Jang) de um filme em que ela estava trabalhando. Mesmo sem saber o que fazer, Manhee permanece no litoral e é quando conhece Claire (Isabelle Huppert), uma fotografa fascinada pela fotografia e que inicia uma forte amizade com ela, mesmo num curto espaço de tempo. Antes disso, Claire conhece o diretor de cinema So Wansoo (Jin-young Jung), e esse encontro fortuito dará maiores explicações a respeito do destino de Manhee e de o porquê ela foi demitida tão bruscamente.
Assim como no recente O Dia Depois, Hong Sang-soo cria uma simples história de encontros e desencontros, mas se tornando especial na forma como ele filma os seus protagonistas e da maneira como eles se expressam perante a proposta principal da história. O filme se constrói a partir de longos diálogos, onde a câmera do diretor foca os atores em longos planos sem cortes e registrando cada mudança de comportamento deles. Um perfeito casamento de um perfeccionismo autoral com boas atuações em cena e descortinando o real significado de algumas ações dos personagens dentro da trama. 
Claire (Huppert), mesmo com toda a sua excentricidade com relação a fotografias, se torna uma espécie de representação de nós mesmos dentro da trama, já que, meio sem querer, cai de para quedas em meio a uma situação incomum com relação à demissão de Manchee (Min‑hee). Embora possa parecer meio que forçada à repentina forte amizade que surge de ambas as personagens quando se conhecem, isso é recompensado pelo talento de ambas às atrizes e também sendo uma forma para conhecermos melhor o outro lado da história pela perspectiva de Manchee. Atriz Kim Min‑hee novamente se torna a alma do filme, mesmo com a presença sempre forte Isabelle Huppert, mas uma não eclipsa a outra, mas sim ambas tendo um bom entrosamento de cena.
Embora aparente simplicidade, Hong Sang-soo nos cobra total atenção, já que a trama parece não linear e fazendo a gente se perguntar onde se encaixa cada passagem da história. Porém, isso é contornado com símbolos que o cineasta coloca intencionalmente em cena, desde uma mesa da qual servem café, ou da presença de um belo cão que se encontra descansando no local. São fórmulas simples, porém, eficazes e se tornando peças fundamentais dentro da história.
É claro que não poderia faltar o “alter ego” com conflitos sentimentais do cineasta, do qual ele sempre insere em cena, e coube ao ator Jung Jin Young abraçar essa tarefa ao interpretar um diretor de cinema dentro da trama. Frustrado, além de bêbado em alguns momentos, Jung Jin Young interpreta em cena uma pessoa arrependida pelos seus atos, mas sempre fugindo em consertar os seus próprios erros e enxergando na personagem de Kim Min‑hee nada mais do que os seus próprios defeitos: a cena em que ele julga Manchee sem mais nem menos sintetiza muito bem isso.
Com um final em aberto, A Câmera de Claire é somente uma parte do lado mais intimo de um cineasta que tenta se encontrar através do seu próprio cinema e fazendo a gente se perguntar qual será o próximo passo dessa curiosa cruzada cinematográfica.  

 Siga o Clube de Cinema de Porto Alegre através das redes sociais:
Facebook: www.facebook.com/ccpa1948
twitter: @ccpa1948  
Instagram: @ccpa1948 

Nenhum comentário: