Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Cine Especial (Sessão Plataforma): Manakamana



Sinopse: Embrenhados numa selva nos cumes do Nepal, um grupo de peregrinos embarca numa jornada percorrendo uma rota tradicional de teleférico para louvar Manakamana.


O filme é radical na sua proposta. Os diretores estreantes Stephanie Spray e Pacho Velez filmam em um  teleférico, viagens de muitas pessoas que vão para o templo sagrado do Nepal que dá ao filme seu título. Mas eles fizeram isso de uma forma mais convencional: com uma câmera de 16mm, fixa e focada em onde os passageiros estão localizados, e os diretores presentes (ou não) em cada viagem.
Manakamana tem 11 cenas com duração de 11 minutos, sem cortes dentro de cada viagem. Porém, é mais do que lógico que aja cortes no momento que o bondinho chega no seu local de origem. A imagem fica escura quando acontece os cortes, uma ideia infalível, sendo que primeira vez usada foi através de Alfred Hitchcock em Festim Diabólico.
O filme oferece um espetáculo visual da montanha e dos rostos, gestos e diálogos (ou não) de pessoas que viajam para o templo. Ao longo da projeção, nós conseguimos fisgar a esperteza dos diretores  na escolha das pessoas que viajam, pois alguns deles dão um desenvolvimento  dramático e até mesmo de humor . Quase todos são em pares ou em grupos, e até mesmo em um caso único de  animais como protagonistas, que se encantam com as paisagens que eles estão vendo.
É um filme de observação, no sentido mais absoluto, uma vez que a maior parte do tempo somos convidados a olhar para os rostos e paisagens. E o filme é tão criativo, inteligente e díspares como podem as diferentes circunstâncias de cada uma das viagens. É verdade que este é um filme para ver na tela grande, porque o filme exige uma enorme concentração e atenção ao detalhe do espectador para capturar pequenos gestos e situações que surgem. 
Manakamana é um filme muito interessante e uma prova de que esta abordagem sistemática para o mundo real produz resultados muito ricos. Seria legal se um dia lançassem um DVD especial contando  como a câmera foi usada, quantos minutos últimos rolos de 16 milímetros, e se o som é direto ou qualquer outra coisa para se concentrar no que o filme dentro de seu universo tem para oferecer.

Nota: O filme será novamente exibido no próximo sábado (20/09/14) as 20horas na Usina do Gasômetro. 
 

Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: