Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Cine Especial: Mestres & Dragões: Parte 4

Na minha 30ª participação no Cena Um, essa atividade ministrada pelo escritor e editor César Almeida, que irá ocorrer nos dias 07 e 08 de setembro no Santander Cultural, irá desvendar um pouco mais sobre o universo das artes marciais no cinema e que conquistou o ocidente durante as décadas de 70 e 80. Enquanto os dois dias da atividade não chegam, irei postar aqui um pouco mais desse gênero, cuja a sua influencia é sentida até hoje.  
Operação Dragão 

Sinopse: Lee (Bruce Lee) foi recrutado para investigar um torneio organizado por Han (Kieh Shih), que serve de fachada para a venda de ópio. Roper (John Saxon) e Williams (Jim Kelly) lutaram na Guerra do Vietnã e resolveram competir no torneio devido a problemas distintos. Enquanto Roper está fugindo da máfia, devido a dívidas de jogo, Williams está cansado de ser atormentado por policiais racistas e resolveu usar o carro para fugir deles. Lee também entra no torneio e, além de desmascarar Han, tem como objetivo retirar Roper e Williams do local com vida.

Operação Dragão foi o último filme protagonizado Lee antes de morrer, o que é algo que faz deste um dos filmes mais importantes de sua filmografia. Além de ser o filme mais ambicioso de sua época, tratando-se do gênero ao qual faz parte (foi o primeiro filme realizado com a contribuição de um grande estúdio norte-americano, neste caso, Warner Bros), é uma pequena máquina de atores; acredite se quiser, mas um dos dublês do filme é ninguém menos que Jackie Chan (ainda lutando em busca da fama que possui hoje) e a presença de Bolo Yeung que viria mais tarde há se tornar vilão em inúmeros filmes de ação, incluindo alguns protagonizados por Jean Claude Van Damme.
Mas, para falar a verdade, não gosto muito dos ares norte-americanos que este filme tem, até mesmo porque tira um pouco da identidade chinesa que muitos gostariam que ele tivesse. O filme pega atores de todos os lugares do mundo (China, Jamaica, EUA, etc…). Mas isso é o de menos, pois o que realmente não me agradou neste foi o fato do próprio procurar vestir Bruce Lee como uma espécie de agente 007.
O título ‘’Operação Dragão’’ é bastante significativo, pois é com ele que as coisas realmente giram. A trilha sonora, por exemplo, remete ao espectador mais atento a recordar dos grandes clássicos pertencentes à série de filmes 007, sobretudo o primeiro filme, 007 Contra o Satânico Dr. No (1962), protagonizado por Sean Connery. No caso de Operação Dragão, 007 seria Bruce Lee, Dr. No seria Shih Kien (o vilão, Han) e a ilha (o principal palco para toda a trama) seria… a ilha, que havia uma nos primeiros filmes do agente britanico.   
É interessante que até mesmo ocorre a proposta feita pelo vilão ao mocinho, para trabalhar com ele nos seus planos malignos, só que, claro, o mocinho recusa da melhor forma possível. Mas há partes geniais, como quando Lee enfrenta dúzias de seguranças e da um verdadeiro show de artes marciais, ou no grande clímax, onde o nosso herói enfrenta o seu adversário dentro de uma sala de espelhos. Essa cena, aliás, é aquele tipo de seqüência que entra para historia, pois o que vemos ali não é somente um jogo de espelhos, como também um incrível jogo de câmera, montagem e fazendo com que até mesmo ficamos confusos junto com o protagonista, para saber onde está escondido o vilão na sala.    

Por fim, se você quer se aprofundar mais sobre Bruce Lee, não perca este por nada. Há pequenas falhas, mas a ação e o desenvolvimento narrativo bem-sucedido fazem valer a pena, e claro, só por ser um clássico vale a pena.

NOTA: Mal foi divulgado, mas recentemente morreu Jim Kelly aos 67 e que havia se consagrado como um dos lutadores principais de Operação Dragão. Com cabelão black power e 1m88cm de altura, Kelly chamou logo atenção e foi escalado para atuar no filme Operação Dragão (1973), protagonizado por Bruce Lee. Na mesma década, Kelly participou de uma série de filmes de ação do gênero blaxploitation. A seguir, iniciaria carreira profissional no tênis.


Me sigam no facebook e twitter.    

Nenhum comentário: