Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Cine Especial: Mestres & Dragões: Parte 3

Na minha 30ª participação no Cena Um, essa atividade ministrada pelo escritor e editor César Almeida, que irá ocorrer nos dias 07 e 08 de setembro no Santander Cultural, irá desvendar um pouco mais sobre o universo das artes marciais no cinema e que conquistou o ocidente durante as décadas de 70 e 80. Enquanto os dois dias da atividade não chegam, irei postar aqui um pouco mais desse gênero, cuja a sua influencia é sentida até hoje. 

 O Vôo do Dragão 

Sinopse: Estamos em Roma, e o couro vai comer! O jovem Tang Lung (Bruce Lee) acaba de chegar para proteger sua amiga e dona de restaurante Cheng Ching Hua (Miao) da extorsão de um bando. A Máfia seqüestra uma criança e tenta mandá-lo de volta para China. O chefe do bando manda vir dos EUA um perigoso mestre japonês de Hap Ki Do, com o reforço do melhor discípulo do campeão norte-americano de karatê. Tang enfrenta a dupla e esmigalha os dois adversários. O que Lee não sabe é que, um suposto amigo (na verdade um traidor), vai conduzi-lo ao Coliseu, onde o próprio campeão mundial de karatê (Chuck Norris) o espera.

Esse foi o primeiro (e ultimo) que Bruce Lee escreveu, dirigiu e atuou. Com isso ficamos desconfiados se a qualidade não ficou aquém do esperado. Verdade seja dita: se por um lado a historia é fraquinha se comparado aos filmes anteriores, por outro Lee explora o seu lado cômico de uma forma bem divertida e descontraída.
Seu personagem é um peixe fora d’água nas ruas de Roma, não consegue sequer se comunicar com quem quer que seja, a não ser com seus conterrâneos, e acaba se metendo em muita confusão, numa verdadeira comédia de diferenças culturais. Seus problemas começam já no aeroporto ao fazer um pedido no restaurante local ou tentar ir ao banheiro. Mais tarde, acaba indo parar no quarto de uma garota de programa e só percebe quando a moça está nua na sua frente.
Bruce Lee também foi responsável pela coreografia das lutas. Aliás, seu personagem acaba se impondo perante todos com a única coisa que parece saber fazer: lutar kung fu! O caso que a máfia italiana apresentada aqui não aparenta nenhuma ameaça e sofrem maus bocados nas mãos do personagem de Lee.
 Devido a isso, o filme poderia ser um fracasso total, por não ter nenhum desafio há altura de Lee. Mas eis que entra em cena ninguém menos que Chuck Norris, como um lutador campeão de karate e a serviço da gangue. O confronto entre ambos ocorre nas ruínas do Coliseu, sendo que são quase dez minutos de luta, onde se explora o melhor de cada um deles e se tornando uma verdadeira luta clássica de dois grandes astros de filmes de ação.

Vale lembrar que Chuck Norris nem era ainda um astro de filmes de ação consagrado naquele tempo, mas tudo isso mudou, quando Bruce Lee assistiu uma exibição de Karatê na praia e se impressionou com o jovem campeão. Graças a essa participação marcante é que lhe serviu para outras portas se abrirem e se consagrar em definitivo em filmes de ação como a trilogia Braddock.   

Me sigam no facebook e twitter.    

Nenhum comentário: