Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Cine Dicas: Em Cartaz: ELENA E FRANCES HA

EM CARTAZ EM PORTO ALEGRE, AMBOS OS FILMES COM HISTORIAS DISTINTAS, MAS QUE MOSTRAM MULHERES QUE ENFRENTAM OS OBSTÁCULOS DE UM MUNDO POR VEZES POUCO ACOLHEDOR.

Elena 

Sinopse: Ao viajar para Nova York, Elena segue o sonho de se tornar atriz de cinema e deixa no Brasil uma infância vivida na clandestinidade, devido à ditadura militar implantada no país, e também a irmã mais nova, Petra, de apenas sete anos. Duas décadas depois, Petra, já atriz, embarca para Nova York atrás da irmã. Em sua busca Petra apenas tem algumas pistas, como cartas, diários e filmes caseiros. Ela acaba percorrendo os passos da irmã até encontrá-la em um lugar inesperado.

Corajoso documentário de estréia da atriz Petra Costa na direção, pois o filme é mais do que desvendar quem era sua irmã Elena, como também é uma forma corajosa de se expor na tela um lado seu tão pessoal e os motivos que a levaram há fazer isso. Diferente dos documentários de hoje em dia, nos não vemos depoimentos de quase ninguém na tela, mas sim a voz em off de Petra, se casando com as imagens antigas de arquivo, onde mostra Elena, de sua juventude até os seus primeiros dias em Nova York para ser atriz. De uma jovem de grande otimismo que nos é apresentado no inicio do filme, vemos aos poucos uma pessoa que começa há se fragilizar, devido ao fato de nunca poder alcançar os sonhos que tanto deseja.
O clima pesado, com a sensação de perda iminente, se fortalece ainda mais quando surge em cena a mãe de Petra e Elena: com os olhos fundos de tristeza, junto com um aparente desequilíbrio físico e mental, com ela chegamos ao ápice da trama. Nos não só descobrimos o que aconteceu com a Elena, como também o fato de ser revelado, que esse documentário não é somente sobre ela, como também sobre a própia Petra, que no fundo acaba temendo seguir os próprios passos de sua irmã.
Fazendo esse documentário, sentimos que Petra esteja exorcizando os seus medos interiores e o que faz dela seguir em frente, mas jamais esquecendo o laço forte que sente por Elena e o que ela foi para toda sua família. Com belíssimas imagens, montagem e trilha sonora que lembram por vezes filmes como A arvore da Vida, Elena é uma representação sobre os laços fortes de sangue que as famílias tem, ao ponto que mesmo um ente querido parta dessa vida, ele no final das contas sempre estará presente em nossos corações.  

Francês Ha 

Sinopse: Frances é uma ambiciosa aprendiz de uma companhia de dança que tem que se contentar com muito menos sucesso e reconhecimento do que ela gostaria. Mesmo assim ela encara a vida de uma maneira leve e otimista.

A partir de qual momento uma pessoa pode se considerar adulta? O marco que define o fim da adolescência ficou cada vez mais nebuloso, e os famosos vinte e poucos anos se tornaram muitos. Frances (Greta Gerwin) é uma dessas jovens que, após terminar a faculdade, aos 27 anos, parece ignorar as exigências de uma vida adulta e se atrapalha ao equilibrar sonhos e problemas financeiros.
O refúgio emocional é a relação com a melhor amiga e colega de quarto Sophie (Mickey Sumner), que a deixa na mão para ir morar em seu bairro dos sonhos, Tribeca, que é um local que Frances não tem condições de bancar. Como na dança contemporânea, ela parece disposta a bailar conforme a música, além de voltar atrás: seja para passar o fim de ano na casa dos pais, na Califórnia, seja para voltar ao câmpus onde estudou, não mais como estudante, mas fazendo um bico em eventos da instituição.
Filmado em preto e branco, Frances Ha tem roteiro assinado pela própria Greta Gerwin e pelo diretor Noah Baumbach (A lula e a baleia), o que talvez explique a espontaneidade com que Greta interpreta a protagonista atrapalhada e divertida.

Me sigam no facebook e twitter.

Nenhum comentário: