Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Cine Dica: Em Cartaz: FLORES RARAS


Sinopse: O Brasil nos anos 50/60 passa por grandes transformações Brasília é construída a Bossa Nova faz grande sucesso e o Rio de Janeiro se transforma rapidamente preparando-se para deixar de ser a capital federal. É quando Elisabeth Bishop poetisa americana chega para conhecer o Rio de Janeiro e passar alguns dias com Lota de Macedo Soares mulher forte e empreendedora da sociedade carioca. Com personalidades muito a frente de seus tempos elas rapidamente estabelecem uma relação pesoal gerando muitas conquistas e perdas que se refletem até os dias de hoje.

Embora seja um dos nomes mais conhecidos do cinema nacional, o cineasta Bruno Barreto se alternou entre obras importantes do nosso cinema brasileiro (Dona Flor e seus dois maridos) e esquecíveis (O Casamento de Romeu Julieta) ao longo de sua carreira. Mas uma vez ou outra, ele cria um filme, que se por um lado não irá mudar a vida de ninguém, pelo menos ele cria algo no mínimo que faça com que o espectador saia do cinema com o filme em mente, discuti-lo com outra pessoa e Flores Raras é um desses. Baseado em fatos verídicos, o filme gira em torno da relação amorosa da arquiteta brasileira Lota de Macedo Soares com a poetisa americana Elizabeth Bishop, interpretadas com competência por Glória Pires e Miranda Otto, respectivamente.
Com relação a Gloria não tem muito o que dizer, já que novamente ela interpreta com competência habitual e surpreende em boa parte do filme ao falar inglês fluentemente de tal forma que acabamos nos habituando rapidamente ao ouvi-la falar assim. Porém, é Miranda Otto que rouba o filme: consagrada como uma das protagonistas da trilogia O Senhor dos Anéis, Otto cria a sua Elizabeth de uma forma surpreendente, ao injetar inúmeras camadas de personalidade de sua personagem, que por hora parece um ser frágil, e de outro um ser imprevisível em suas ações e pensamentos.
Ambas em cena, as atrizes possuem uma química perfeita, mesmo que suas personagens possuem mundos e personalidades diferentes uma da outra: Lota é decidida, controladora e que não pensa duas vezes ao tomar a iniciativa, tanto no trabalho quanto no campo amoroso. Já Miranda compõe uma Elizabeth tímida, insegura, que por vezes se extravasa na bebedeira e liberando então algo escondido dentro de si. É a típica historia de mundos opostos, mas que acaba nascendo ali uma relação que faz com que ambas não consigam viver distantes uma da outra por muito tempo “Mundos opostos”, alias, é um termo muito bem representado por Elizabeth, que durante boa parte do filme tenta se encaixar num país no qual ela não consegue por vezes compreender e a cena em que ela desabafa sobre isso durante um jantar, e após golpe militar, é um bom exemplo disso.
Falando no fatídico golpe, os fatos históricos daquele período por vezes se tornam meros panos de fundo perante á historia principal. Porém, o filme revela um pouco sobre os bastidores do governo Carlos Lacerda e da construção do Aterro do Flamengo, trazendo à tona também um momento histórico importante do Rio de Janeiro. Não há como negar que a obra que Lota criou para o estado carioca, não só se tornou importante para a sua principal cidade, como também influenciou outras obras arquitetônicas em outras partes do país.
Embora Barreto tenha escorregado em ter acelerado um pouco sobre o nascimento da relação do casório central no inicio do filme, Flores Raras é uma pequena bela historia de amor, que embora diferente do habitual, não tem como não torcer para que ambas terminem bem no final da historia. Mesmo quando durante o filme, surgem pistas expondo que o ato final termine de uma forma bem “a lá William Shakespeare”. 


Me sigam no facebook e twitter.

2 comentários:

Gilberto Carlos disse...

Gosto dos filmes de Bruno Barreto. Quero ver Flores raras também. Ele vai lançar no final do ano o filme Super Crô, que eu acho que vai ter mais sucesso que esse, infelizmente.

Marcelo C,M disse...

Mas o tempo passa e serve para reconhecer filmes que foram pouco vistos em seu lançamento.